Fitoterapia no SUS no Estado da Bahia: contribuição para valorização do conhecimento e das práticas tradicionais na rede básica de saúde

Mara Zélia de Almeida, Gesilda M. Lessa, Mayara de Queiroz O. R. da Silva, Daniel N. Cardoso, Flora A. Santos

Resumo


O presente estudo tem origem na prática profissional de pesquisadores que confluem ações de ensino, pesquisa e extensão em fitoterapia através do "Programa Farmácia da Terra" – FARTERRA/UFBA, da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia e do Núcleo Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos do Estado da Bahia – FITOBAHIA/SESAB (BAHIA, 2009). A partir da avaliação das políticas públicas que contemplam a implantação da fitoterapia e regulamentam sua inserção na assistência farmacêutica pelo SUS, fundamenta-se a apresentação das estratégias desenvolvidas na Bahia para a consolidação da fitoterapia em sua rede de atenção básica. O FARTERRA/ UFBA e o FITOBAHIA/SESAB têm desenvolvido ações voltadas à solução de problemas técnicos e políticos relativos à implantação da fitoterapia no SUS no estado. Buscando sempre a referência nas práticas tradicionais de saúde, a partir das ferramentas utilizadas em etnopesquisa, direciona-se projetos para ações afirmativas nos municípios. As informações levantadas indicam a necessidade de investimento na estruturação operacional e apoio à pesquisa, além de propor a reformulação da relação servidor-usuário SUS.

Palavras-chave


fitoterapia; SUS; atenção básica; mobilização social

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U.P. Introdução à etnobotânica. 2ª edição. Editora Interciencia, Rio de Janeiro, 2005.

ALBUQUERQUE, U.P. Can apparency affect the use of plants by local people in tropical forests? Interciencia, v. 30, p. 506-511, 2005.

ALBUQUERQUE, U.P. E LUCENA, R.F.P. (ORGS.) Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Livro Rápido/ NUPEEA, Recife, 2004.

ALMEIDA, M.Z. Plantas Medicinais. 3ª edição. EDUFBA, Salvador, 2011.

ALMEIDA, M.Z.; LESSA, G.M.; SILVA, M.Q.O.R. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: desafios na implantação da Fitoterapia no SUS-BA. I Congresso de Políticas, Planejamento e Gestão em Saúde, Resumo expandido, Salvador, 2010.

SESAB, Bahia. Decreto 1885 de 16 de Outubro de 2009. Institui o Núcleo de Práticas Integrativas e Complementares e o Núcleo de Plantas Medicinais e Fitoterápicos – FITOBAHIA. Publicado no Diário Oficial do Estado da Bahia, Salvador; BA, 17/18 de Outubro de 2009.

BRASIL, Ministério da Saúde no Brasil - Contribuições para a Agenda de Prioridades de Pesquisa/Ministério da Saúde (Serie B. Textos Básicos de Saúde). Ministério da Saúde, Brasília, 2004.

BRASIL. Decreto nº 5813, de 22 de Junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Publicado no Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília; DF, 23 de Junho de 2006.

BRASIL, Secretaria de Insumos Estratégicos/ DAF – Diretoria de Assistência Farmacêutica. O Papel da CEME na Implantação da Fitoterapia do SUS, Ministério da Saúde; Textos Básicos em Saúde. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 971 de 03 de Maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema a Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; DF, 04 de Maio de 2006.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Série Pactos pela Saúde, volume 4: Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde, Brasília. Disponível em: Acesso em: 23 nov 2009.

BRASIL. Decreto nº, de 09 de Dezembro de 2008. Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Publicado no Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília; DF, 10 de Dezembro de 2008.

DECLARAÇÃO de Belém, 1988. In: Boletim da Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia. Número 1, Ano I, Janeiro de 1997.

DIEGUES, A.C. E ARRUDA, R.S.V. (ORGS.). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Ed. USP, São Paulo, 2001.

ELISABETSKY, E. E SOUZA, G.C. Etnofarmacologia como ferramenta na busca de substâncias ativas. In: Simões, M.O.; Schenkel, E.P.; Gosmann, G.; Mello, J.C.P.; Mentz, L.A. e Petrovick, P.R. (orgs.). 2007- Farmacognosia: Da Planta ao Medicamento, p. 107-122. Editora da UFRS/EUFSAC, Florianópolis, 2007.

GURIB-FAKIM, A. Medicinal Plants: Traditions of yesterday and drugs of tomorrow. Molecular. Aspects of Medicine, v. 27, p. 1- 93, 2006.

GUTIERREZ, I.E.M.; ALMEIDA, M.Z.; SILVA, N.C.B.; SILVA FILHO, A.R. Plantas Medicinais no Semiárido: conhecimentos populares e acadêmicos. Edufba, Bahia, 2010.

HODHOOG, B. E GUNN, L. Policy analysis for the real world. Oxford University Press, Oxford, 1984.

KHAFAGIA, I.K. E DEWEDAR, A. The efficiency of random versus ethno-directed research in the evaluation of Sinai medicinal plants for bioactive compounds. Journal of Ethnopharmacology, v. 71, p. 365-376, 2000.

LUZ, M.T. Novos saberes e práticas em saúde coletiva: Estudo sobre racionalidades médicas e atividades corporais. 2ª edição. Ed. Hucitec, São Paulo, 2005.

MATOS, F.J.A. Farmácias Vivas. 4ª edição. Ed. UFC, Fortaleza, 2002.

MICHILES, E. Guia de Orientação para Implantação do Serviço de Fitoterapia; Programa Estadual de Plantas Medicinais. Secretaria de Estado de Saúde/Governo do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

SAAD, G. E LEDA, P.C. Fitoterapia Contemporânea: tradição e ciência na prática clínica. Elsevier, Rio de Janeiro, 2009.

VASCONCELOS, E.M. Educação Popular e atenção à Saúde da Família. 4ª edição. Ed. Hucitec, São Paulo, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.