Desempenho comercial dos insumos farmacêuticos vegetais no Brasil

Orlando Nascimento, José Maldonado

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2446-4775.20150022

Resumo


Os medicamentos fitoterápicos são produtos naturais obtidos de plantas medicinais a partir de um conhecimento a respeito das atividades terapêuticas destes. As vendas nesse setor crescem através do surgimento de novos produtos e medicamentos inovadores. Entretanto, a dificuldade do Brasil em promover inovação a partir dos fitoterápicos se mostra conflitante em um país de grande potencial em biodiversidade e excelentes condições ambientais. Neste cenário, os insumos farmacêuticos vegetais oferecem um excelente ponto de partida para produção e desenvolvimento de fitoterápicos. Desta maneira, o objetivo do presente estudo foi avaliar o desempenho comercial dos insumos farmacêuticos vegetais no Brasil. Para proceder à investigação, foram utilizados dados secundários de exportação/importação disponíveis no Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior via Internet (ALICEweb, 2013). Os valores analisados de exportação e importação de insumos farmacêuticos vegetais no período de janeiro de 2002 a dezembro de 2013 demonstram que o Brasil apresenta uma grande dependência. É observada a partir desta reflexão a necessidade do desenvolvimento de políticas públicas para o estímulo da produção de insumos farmacêuticos vegetais de alto valor agregado e estratégias para o fortalecimento de aglomerações produtivas no Brasil.

Palavras-chave


medicamentos fitoterápicos; insumos farmacêuticos; exportação de produtos; importação de produtos.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ABIFISA. 2007. Informações sobre os fitoterápicos brasileiros. Disponível em . Acesso 12 mai. 2014.

AMORIM, M.A.; MOREIRA, M.V.C.; IPIRANGA, A.S.R. 2004. A construção de uma metodologia de atuação nos Arranjos Produtivos Locais (APLs) no estado do Ceará: um enfoque na formação e fortalecimento do capital social e da governança. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v. 6, n. 9, p. 25-34.

ALICEweb 2013. SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. SISTEMA DE ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR VIA INTERNET, . Acesso 04 de abr. 2013.

BRASIL. 2000. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 17, 24.02.2000. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Diário Oficial da União.

CARVALHO, A.C.B.; PERFEITO, J.P.S.; SILVA, L.V.C. 2011. Regulation of herbal medicines in Brazil: advances and perspectives. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v.47, n.3, p. 467-473.

CENTROFLORA. 2013. Fitoterápicos no SUS. Disponível em: . Acesso 04 jul. 2013.

GADELHA, C.A.G. 2006. Desenvolvimento, complexo industrial da saúde e política industrial. Revista de Saúde Pública, v.40, n. p.11-23.

GADELHA, C.A.G. 2010. O Complexo Econômico-Industrial da Saúde. Informe CEIS, Rio de Janeiro, n. 1, ano I, ago. 2010.

GADELHA, C.A.G.; MALDONADO, J.M.S.V.; COSTA, L.S. 2012. O complexo produtivo da saúde e sua relação com o desenvolvimento: um olhar sobre a dinâmica da inovação em saúde. IN: GIOVANELLA, L. ESCOREL, S.; LOBATO, L.V.C.; NORONHA, J.C.; CARVALHO, A.I. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. 2002. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa-SP: Instituto Plantarum, p. 544.

NICOLETTI, M. A.; OLIVEIRA JÚNIOR, M. A.; BERTASSO, C. C.; CAPOROSSI, P. Y.; TAVARES, A. P. L. 2007. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma, São Paulo, v.19, n 1. Disponível em: Acesso 04 de abr. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.