Breve revisão etnobotânica, fitoquímica e farmacologia de Stryphnodendron adstringens utilizada na Amazônia

Thaiana Cristina Dias de Lima, Magda Vieira Cardoso, Thayna Modesto, Ana Lígia de Brito Oliveira, Milton Nascimento da Silva, Marta Chagas Monteiro

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2446-4775.20160025

Resumo


O Stryphnodendron adstringens (Mart.) é uma espécie largamente distribuída pelas cinco regiões brasileiras, conhecida popularmente como: barbatimão, barba-de-timão, borãozinho-roxo, casca-da-virgindade, uabatimô, abaramotemo, casca-da-mocidade, faveiro e enche-cangalha. Na região norte, essa espécie existe principalmente nos Estados do Acre, Amazonas, Amapá, Roraima e Pará. Na medicina popular, Stryphnodendron adstringens (Mart.) é uma planta utilizada no tratamento de algumas patologias como: gonorreia, leucorreia, diarreia, úlceras, hemorragias vaginais, impinges, assim como, pode ser usada como agente anti-inflamatório, cicatrizante, adstringente, hemostático, antisséptico e anti-hipertensivo. O barbatimão possui vários compostos produzidos pelo seu metabolismo secundário, como: os alcaloides, terpenos, flavonoides, esteroides e taninos. e A atividade farmacológica dessa planta é devido principalmente ao teor de taninos presentes na espécie. Dessa forma, esta revisão aborda uma breve descrição botânica, taxonomia e distribuição geográfica, assim como os aspectos etnobotânicos, fitoquímicos e farmacológicos da espécie.


Palavras-chave


Stryphnodendron adstringens. Barbatimão. Atividades farmacológicas. Ação antimicrobiana. Ação anti-inflamatória.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


AGRA, M.F.; SILVA, K.N.; BASÍLIO, I.J.L.D.; FREITAS, P.F.; BARBOSA-FILHO, J.M.. Survey of medicinal plants used in the region northeast of Brazil. SciELO. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v.18, n.3, p.472-508, João Pessoa. 2008. ISSN: 1981-528X [CrossRef]

ALBUQUERQUE, U.P.; MONTEIRO, J.M.; RAMOS, M.A.; AMORIM, E.L.C. Medicinal and magic plants from a public market in northeastern Brazil. Elsevier. Journal of Ethnopharmacology, v. 110, p. 76-91, USA. 2007. ISSN: 0378-8741. [CrossRef] [PubMed]

ALMEIDA, S.P.; PROENÇA, C.E.B.; SANO, S.M.; RIBEIRO, J.F. Cerrado: espécies vegetais úteis. Embrapa, Planaltina. 464 p. 1998. ISBN: 8586764027

AUDI, E.A.; TOLEDO, D.P.; PERES, P.G.; KIMURA, E.; PEREIRA, W.K.; MELLO, J.C.; NAKAMURA, C.; ALVES DO PRADO, W.; CUMAN, R.K.; BERSANI-AMADO, C.A. Gastric antiulcerogenic effects of stryphnodendron adstringens in rats. Wiley. Phytotherapy research, v.13, p. 264-266, USA. 1999. [CrossRef] [PubMed]

COSTA, M.A.; ISHIDA, K.; KAPLUM, V.; KOSLYK, E.D.; MELLO, J.C.; UEDA-NAKAMURA, T.; DIAS FILHO, B.P.; NAKAMURA, C.V. Safety evaluation of proanthocyanidin polymer-rich fraction obtained from stem bark of Sryphnodendron adstringens (barbatimão) for use as a pharmacological agent. Elsevier, Regulatory Toxicology and Pharmacology, v.58, n.2, p. 330–335, USA. 2010. [CrossRef] [Pubmed]

EURIDES, D.; MAZZANTI, A.; BELLETI, M.E.; SILVA, L.A.F.; FIORAVANTE, M.C.S.; TRONCOSO NETO, N.S.; CAMPOS, V.A.; LEMOS, R.C.; SILVESTRINI JUNIOR, P.L. Morfologia e morfometria da reparação tecidual de feridas cutâneas de camundongos tratadas com solução aquosa de barbatimão (Stryphnodendron barbatiman Martius). Revista da Fzva, v.3, n.1, p. 30-40, 1996. [Link]

FARMACOPEIA BRASILEIRA. Formulário de fitoterápicos, 1ª Ed., ANVISA. 2011. 119p. [Link] Acesso em: 07 jan. 2016.

FELFILI, J.M.; SILVA JÚNIOR; M.C.; DIAS, B.J. REZENDE, A.V. Estudo fenológico de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville no cerrado sensu stricto da fazenda água limpa no Distrito Federal, Brasil. SciELO. Revista Brasileira Botânica, v.22, p.83-90. São Paulo. 1999. ISSN: 1806-9959 [CrossRef]

GLASENAPP, J.S. Estrutura genética e fenóis totais de populações naturais de barbatimão (Stryphnodendron adstringens). Dissertação de Mestrado, apresentada no Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento. Universidade Federal de Viçosa, UFV, Viçosa. 2007. [Link]

GOULART, S.L. Características anatômicas, químicas e densidade do barbatimão. Lavras, MG: Tese de Doutorado apresentada no Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia da Madeira, Universidade Federal de Lavras, UFLA, 2010. [Link]

ISHIDA, K.; MELLO, J.C.; CORTEZ, D.A.; FILHO, B.P.; UEDA-NAKAMURA, T.; NAKAMURA, C.V. Influence of tannins from Stryphnodendron adstringens on growth and virulence factors of Candida albicans. Journal of Antimicrobial Chemotherapy, Oxford Journals, v.58, n.5, p. 942-949, Reino Unido. 2006. ISSN: 1460-2091 [CrossRef] [Pubmed]

ISHIDA, K.; ROZENTAL, S.; NAKAMURA, C.V. Activity of tannins from Stryphnodendron adstringens on Cryptococcus neoformans: effects on growth, capsule size and pigmentation. Annals of Clinical Microbiology Andantimicrobials, BioMed Central, v.8, p.29, 2009. [CrossRef]

LIMA, J.C.S. Experimental evaluation of stem bark of Stryphnodendron adstringens (Mart). Coville for antiinflammatory. Wiley. Phytotherapy Research, v.12, p. 218-220, USA.1998. ISSN: 1099-1573. [CrossRef]

LIMA, A.B. Estrutura genética de populações de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville (barbatimão). Tese de Doutorado apresentada na Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”. Botucatu. 2010. [Link]

LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. Plantas medicinais do Brasil: nativas e exóticas. Plantarum, Nova Odessa. 512p. 2002. ISBN: 85-86714-28-3.

LUIZ, R.L.F; VILA, T.V.M.; MELLO, J.C.P.; NAKAMURA, C.V.; ROZENTAL, S.; ISHIDA, K. Proanthocyanidins polymeric tannin from Stryphnodendron adstringens are active against Candida albicans biofilms. Bio Med Central Complementary and Alternative Medicine, v. 15. Londres. 2015. ISSN: 1472-6882. [CrossRef] [PubMed]

MARTINS, D.T.; LIMA, J.C.; RAO, V.S. The acetone soluble fraction from bark extract of Stryphnodendron adstringens (mart.) Coville inhibits gastric acid secretion and experimental gastric ulceration in rats. Wiley. Phytotherapy Research, v. 16, p. 427-431. USA. 2002. [CrossRef] [PubMed]

MELO, J.O.; ENDO, T.H., AMADO, L.E.B.; SVIDZINSKI, A.E.; BARONI, S.; MELLO, J.C.P.; AMADO, C.A.B. Effect of Stryphnodendron adstringens (barbatimão) bark on animal models of nociception. SciELO. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 43, n.3, p. 465-469, São Paulo, 2007. ISSN: 1516-9332 [CrossRef]

MIRANDA, M.A. Atividade antimicrobiana das soluções de barbatimão, mamona e clorexidina utilizadas na endodontia: Avaliação comparativa in vitro. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2010. [Link] [CrossRef]

MONTEIRO, J.M.; ALBUQUERQUE, U.P.; ARAÚJO, E.L. Taninos: uma abordagem da química à ecologia. Sociedade Brasileira de Química. Química Nova. v. 28, n. 5, p.892-896, São Paulo. 2005. ISSN: 1678-7064 [CrossRef]

OCCHIONI, E.M.L. Considerações taxonômicas no gênero Stryphnodendron Mart. (leguminosae-mimosoideae) e distribuição geográfica das espécies. Acta Botanica Brasilica, v.4, p.153-158, Feira de Santana. 1990. ISSN: 0102-3306 [CrossRef]

PANIZZA, S.; ROCHA, A.B.; GECCHI, R.; SOUZA E SILVA, R.A.P. Stryphnodendron barbadetiman (Vell.) Martius: teor de taninos na casca e sua propriedade cicatrizante. SciELO. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 10, p.101-106, São Paulo. 1988. [Link]

REBECCA, M.A.; ISHII-IWAMOTO, E.L.; GRESPAN, R.; CUMAN, R.K.; CAPARROZ-ASSEF, S.M.; MELLO, J.C.; BERSANI-AMADO, C.A. Toxicological studies on Stryphnodendron adstringens. Elsevier. Journal of Ethnopharmacology, v. 83, p.101-104, USA. 2002. ISSN: 0378-8741. [CrossRef]

SANCHES, A.C.C.; LOPES, G.C.; TOLEDO, C.E.M.; SACRAMENTO, L.V.S.; SAKURAGUI, C.M.; MELLO, J.C.P. Estudo morfológico comparativo das cascas e folhas de Stryphnodendron adstringens, S. polyphyllum e S. obovatum – leguminosae. Latin American Journal of Pharmacy, v.3, n.26, p.362-368, 2007. ISSN 0326-2383. [Link]

SANTANA, B.F.; ROBERT A. VOEKS, R.A.; FUNCH, L.S. Ethnomedicinal Survey of a Maroon Community in Brazil's Atlantic Tropical Forest. Elsevier. Journal of Ethnopharmacology, v. 181, p. 37-49, USA. 2016. [CrossRef] [PubMed]

SANTOS FILHO, P.R.; FERREIRA, L.A.; GOUVÊA, C.M.C.P. Protective action against chemical-induced genotoxicity and free radical scavenging activities of Stryphnodendron adstringens (“barbatimão”) leaf extracts. SciELO. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v. 21, n.6, p.1000-1005, Curitiba. 2011. ISSN: 0102-695X [CrossRef]

SCALBERT, A. Antimicrobial properties of tannins. Elsevier. Phytochemestry, v.30, n.12, p.3875-3883, USA.1991. [Link]

SCALON, V.R. Revisão taxonômica do gênero Stryphnodendron Mart. (leguminosae-mimosoideae). Tese apresentada ao instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, USP, São Paulo. 2007. [Link]

SOARES, S.P.; VINHOLIS, A.H.C.; CASEMIRO, L.A.; SILVA, M.L.A.; CUNHA, W.R.; MARTINS, C.H.G. Atividade antibacteriana do extrato hidroalcoólico bruto de Stryphnodendron adstringens sobre microorganismos da cárie dental. PUC. Revista Odonto Ciência v.23, p.141-144, Porto Alegre. 2008. ISSN: 1806-146X [Link]

SOUZA, T. M.; MOREIRA, R.R.D.; PIETRO, R.C.L.R.; ISAAC, V.L.B. Avaliação da atividade anti séptica de extrato seco de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville e de preparação cosmética contendo este extrato. SciELO. Brazilian Journal of Pharmacognosy, v. 17, p.71-75, João Pessoa. 2007. ISSN: 1981-528X [CrossRef]

THOMAZI, G.O.C.; BERTOLIN, A.O.; PINTO, M.D.S. Atividade antibacteriana in vitro do barbatimão e da mangabeira contra bactérias relacionadas às infecções do trato urinário. Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia. UFAM. Manaus. 2010. [Link]

VASCONCELOS, M.C.A.; RODOVALHO, N.C.M.; POTT, A.; POTT, V.J.; FERREIRA, A.M.T.; ARRUDA, A.L.A.; MARQUES, M.C.S.; CASTILHO, R.O.; BUENO, N.R. Avaliação de atividade biológicas das sementes de Stryphnodendron obovatum Benth (leguminosae). Revista Brasileira Farmacogosia, v.14, n.2, p.121-127, Maringá. 2004. ISSN: 1981-528X [CrossRef]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.