Etnobotânica de plantas medicinais utilizadas no distrito de Vista Alegre, Claro dos Poções – Minas Gerais

Nathalle Cristine Alencar Fagundes, Gisele Lopes Oliveira, Betânia Guedes de Souza

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2446-4775.20170007

Resumo


Um estudo etnobotânico do uso de plantas medicinais foi realizado em Vista Alegre, distrito de Claro dos Poções - MG, de Novembro/2009 a Maio/2010. Em um total de 37 pessoas, 22 mulheres e 15 homens foram entrevistados. A idade dos participantes variou de 29 a 90 anos, onde 46% apresentaram idade entre 61 e 76 anos, e 19% entre 77 e 90 anos. Foram identificadas 101 espécies utilizadas como medicinais distribuídas em 46 famílias botânicas, em que, as mais representativas foram Fabaceae (17 spp.) e Asteraceae (10 spp.). As espécies Amburana cearensis (IR = 2,0) e Croton antisyphiliticus (IR = 1,6) tiveram maior importância relativa. A maioria das espécies é nativa do Brasil (85%). Os resultados mostram que os informantes têm um grande conhecimento sobre plantas medicinais nativas da região. Portanto, este trabalho pode representar uma forma de resgate cultural, já que este conhecimento encontra-se nas pessoas mais velhas.


Palavras-chave


Cerrado. Comunidade rural. Conhecimento local.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; ALENCAR, N. L. Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. In Albuquerque UP de org., LUCENA, R. F.P; CUNHA, L. V. F. C. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Núcleo Publicações em Ecologia e Etnobotânica Aplicada (NUPEEA). p. 39– 64. Recife-PE, Brasil. 2010.

ALVES, G. S. P.; POVH, J. A. Estudo etnobotânico de plantas medicinais na comunidade de Santa Rita, Revista Biotemas, v. 26, n. 3, p. 232-242. Ituiutaba, MG. 2013. ISSN 2175-7925. [CrossRef]

ALVES, O. E; MOTA, H. J.; SOARES, T. S.; VIEIRA, M. C.; Silva, C. B. D. Levantamento etnobotânico e caracterização de plantas medicinais em fragmentos florestais de dourados–MS. Ciência Agrotecnologia, v. 32, n. 2, p. 651-658. Lavras. 2008. ISSN 1981-1829. [CrossRef]

ALMEIDA, C. F. C. B. R.; ALBUQUERQUE, U. P. Uso e conservação de plantas e animais medicinais no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil): um estudo de caso. Redalyc. Interciência, v. 27, n. 6, p. 276-285. Caracas. 2002. ISSN 0378-1844.

BENNETT, B. C.; PRANCE, G. T. Introduced plants in the indigenous pharmacopoeia of Northern South America. Springer. Economic Botany, v. 54, n. 1, p. 90-102. 2000. ISSN 1874-9364. [CrossRef]

BESSA, N. G. F.; BORGES, J. C. M.; BESERRA, F. P.; CARVALHO, R. H. A. Prospecção fitoquímica preliminar de plantas nativas do cerrado de uso popular medicinal pela comunidade rural do assentamento vale verde – Tocantins. SciElo. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 15, n. 4, p. 692-707. Botucatu. 2013. ISSN 1516-0572. [CrossRef]

BRASIL. Ministério da Educação/Ministério da Saúde; Secretaria de Ciência; Tecnologia e Insumo Estratégicos; Departamento de Assistência Farmacêutica. A fitoterapia no SUS e o programa de pesquisas de plantas medicinais da central de medicamentos. 2006a. Brasília: Ministério da Saúde, 148 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política Nacional de Plantas medicinais e fitoterápicos. 2006b. Brasília: Ministério da Saúde, 60 p.

CANUTO, K. M.; SILVEIRA, E. R.; BEZERRA, A. M. E. Estudo fitoquímico de espécimes cultivados de cumaru (Amburana cearensis A. C. Smith.). SBQ. Química Nova, v.33, n. 3, p.662-666. São Paulo. 2010. ISSN 0100-4042. [CrossRef]

CARNEIRO, A. M.; IRGANG, B. E. Origem e distribuição geográfica das espécies ruderais da Vila de Santo Amaro. General Câmara, Rio Grande do Sul. Série Botânica, v. 60, n. 2, p. 175-188. Porto Alegre. 2005.

DIEGUES, A. C. Etnoconservação: novos rumos para a conservação da natureza. 2ª ed., Annablume, 290 p., São Paulo. 2000. ISBN 85.271.0547-0.

FONSECA-KRUEL, V. S.; PEIXOTO, A. L. Etnobotânica na reserva extrativista marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. SciElo. Acta Botanica Brasilica, v. 18, n. 1, p. 177-190. São Paulo. 2004. ISSN 1677-941X. [CrossRef]

FREIRE, M. F. I.; ABREU, H. S.; FREIRE, R. B. O potencial antifúngico de substâncias produzidas por plantas da família Asteraceae. UFRRJ. Floresta e Ambiente, v. 3, p. 108 - 118. Seropédica, RJ. 1996. [Link]

HOEFFEL, J. L. M.; GONÇALVES, N. M.; FADINI, A. A. B.; SEIXS, S. R. C. Conhecimento tradicional e uso plantas medicinais nas APAS’S Cantareiras - SP e Fernão Dias - MG. Revista VITAS – Visões Transdisciplinares sobre Ambiente e Sociedade. 2011. [Link]

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p.148-155. São Paulo. 2005.

JUNIOR, V. F. V. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. SciElo. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.18, v. 2, p. 308-313. João Pessoa. 2008. ISSN 1981-528X. [CrossRef]

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 512p., 2002. ISBN 8586714186.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2ª ed., Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, v.1, 368p., 2002a. ISBN 858671416X.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4ª ed., Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, v. 2, 352p. 2002b. ISBN 8586714143.

MAIOLI-AZEVEDO, V.; FONSECA-KRUEL, V. S. Plantas medicinais e ritualísticas vendidas em feiras livres no Município do Rio de Janeiro – RJ, Brasil: Estudo de caso nas zonas Norte e Sul. SciElo. Acta Botanica Brasilica, v. 21, n. 2, p. 263-275. São Paulo. 2007. ISSN 1677-941X. [CrossRef]

MACÊDO, M. S.; RIBEIRO, D. A.; SOUZA, M. M. A. Uso de plantas medicinais cultivadas em uma área de caatinga em Assaré-Ceará. Cadernos de Cultura e Ciência, v.12, n. 1, p. 36-45. Cariri. 2013. ISSN 1980-5861. [CrossRef]

MACÊDO, D. G.; RIBEIRO, D. A.; COUTINHO, H. D. M.; MENEZES, I. R. A.; SOUZA, M. M. A. Práticas terapêuticas tradicionais: uso e conhecimento de plantas do cerrado no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas, v. 14, n. 6, p. 491-508. Santiago, Chile. 2015. ISSN 0717 7917.

MEDEIROS, M. F. T.; FONSECA, V. S.; ANDREATA, R. H. P. Plantas medicinais e seus usos pelos sitiantes da reserva de Rio das Pedras, Mangaratiba, Rio de Janeiro, Brasil. SciElo. Acta Botânica Brasilica, v.18, p. 391-399. Belo Horizonte. 2004. ISSN 0102.3306. [CrossRef]

MENDONÇA, R.C. Flora vascular do cerrado. In SANO S.M., ALMEIDA, S.P: Cerrado: Ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA – CPAC, p. 289-556. 1998.

MELO, S.; LACERDA, V. D.; HANAZAKI, N. Espécies de restinga conhecidas pela comunidade do Pântano do sul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rodriguésia, v. 59, n. 4, p. 799-812. Rio de Janeiro. 2008. ISSN 2175-7860.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE–MMA. 2015. Disponível em: [Link]. Acessado em: março de 2016.

MOREIRA, R.; COSTA, L.; COSTA, R.; ROCHA, E. Abordagem etnobotânica acerca do uso de plantas medicinais na Vila Cachoeira, Ilhéus, Bahia. Acta Farmacêutica Bonaerense, v. 21, n. 3, p. 205-211. Buenos Aires. 2002. ISSN 0326-2383.

NETO, G. G.; MORAIS, R. G. Recursos medicinais de espécies do cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. SciElo. Acta Botânica Brasilica, v. 17, n. 4, p. 561-584. São Paulo. 2003. ISSN 1677-941X. [CrossRef]

OLIVEIRA-FILHO, A.T.; RATTER, J. A. Vegetation physionomies and woody flora of the cerrado biome. In OLIVEIRA, O. S.; MARQUIS, R. J. The cerrados of Brasil. Ecology em natural history of a Neotropical savanna. New York: Columbia Unuversity Press, p. 91-120. 2002.

OLIVEIRA, G. L. Etnobotânica nordestina: plantas medicinais da comunidade Muribeca (Jaboatão dos Guararapes – PE, Brasil). Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de pós-graduação em biologia vegetal, UFPE, p. 64. Recife, 2007.

OLIVEIRA, E. R.; MENINI NETO, L. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do povoado de Manejo, Lima Duarte – MG. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.14, n. 2, p. 311-320. Botucatu, São Paulo, 2012. ISSN 1516-0572. [CrossRef]

OLIVEIRA, T. G.; PINA, P. S. S.; BERTONI, B. W.; FRANÇA, S. C.; PEREIRA, A. M. S. Micropropagação de Croton antisyphiliticus Mart. Ciência Rural, v. 41, n. 10, p. 1712-1718. Santa Maria. 2011. ISSN 1678-4596. [CrossRef]

PREFEITURA MUNICIPAL DE CLARO DOS POÇÕES. Disponível em: [Link] Acesso em: junho de 2015. 2015.

RIGONATO, V. D.; ALMEIDA, M. G. As fitofisionomias e a interrelação das populações tradicionais com o bioma cerrado. In: Cultura, conhecimento popular e uso das espécies nativas pelos pequenos agricultores do Cerrado. POCPG/CNPq. 2003.

RODRIGUES, V. E. G.; CARVALHO, D. A. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no domínio do cerrado na região do Alto Rio Grande – Minas Gerais. Ciência Agrotecnologia, v. 25, n. 1, p. 102-123. Lavras. 2001. ISSN 1981-1829.

SANTOS, R. M.; VIEIRA, F. A.; FAGUNDES, M.; NUNES, Y. R. F.; GUSMÃO, E. Riqueza e similaridade florística de oito remanescentes florestais no norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Árvore, v. 31, n. 1, p. 135-144. Viçosa. 2007. ISSN 1806-9088. [CrossRef]

SCARIOT, A.; SOUZA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Ministério do Meio Ambiente. Brasília, 2005.

SILVA, C. S. P.; PROENÇA, C. E. B. Uso e disponibilidade de recursos medicinais no município de Ouro Verde de Goiás, Brasil. SciElo. Acta Botanica Brasilica, v. 22, n. 2, p.481-492. Belo Horizonte. 2008. ISSN 0102-3306. [CrossRef]

SILVA, V. A.; NASCIMENTO, V. T.; SOLDATI, G. T.; MEDEIROS, M. F. T.; ALBUQUERQUE, U. P. Técnicas para análise de dados etnobotânicos. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F.C. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Núcleo Publicações em Ecologia e Etnobotânica Aplicada (NUPEEA), p. 187-206. Recife, 2010.

SOUZA, L. F. Recursos vegetais usados na medicina tradicional do Cerrado (comunidade de Baús, Acorizal, MT, Brasil). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 9, n. 4, p. 44 - 54. Botucatu, 2007. ISSN 1516-0572.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de angiosperma da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 639 p., 2005. ISBN 8586714216.

VÁSQUEZ, S. P. F.; MENDONÇA, M. S.; NODA, S. N. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. SciElo. Acta Amazonica, v. 44, n. 4, p. 457 - 472. Manaus. 2014. ISSN 0044-5967. [CrossRef]

VIU, A. F. M.; Viu, M. A. O.; CAMPOS, L. Z. O. Etnobotânica: uma questão de gênero? Revista Brasileira de Agroecologia, v. 5, n. 1, 138-147. Goiânia. 2010. ISSN 1980-9735.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.