A importância da informação do profissional de enfermagem sobre o cuidado no uso das plantas medicinais: uma revisão de literatura

Josefina Dorotéa Nunes, Michelline V Maciel

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2446-4775.20160037

Resumo


Desde a antiguidade a humanidade procura na natureza plantas com poder curativo. O emprego das plantas medicinais/fitoterápicos na recuperação da saúde tem evoluído ao longo dos tempos, desde as formas mais simples (chá) até as de fabricação industrial (fitofármacos). O objetivo do trabalho é advertir sobre o uso correto de plantas medicinais/fitoterápicos, para que os profissionais de enfermagem adquiram um maior conhecimento técnico/científico para orientar os pacientes adequadamente. Foram acessados bancos de dados bibliográficos e bases eletrônicas de dados PubMed e SciElo. Foram observadas inúmeras intoxicações, interações, e demais problemas que o uso incorreto e a automedicação das plantas medicinais/fitoterápicos podem acarretar a saúde. Cuidados em como utilizar plantas que você conhece; nunca coletar plantas medicinais próximas a lixos ou fossas; evitar misturar várias espécies de plantas medicinais; observar as dosagens adequadas é fundamental para o uso correto. A falta de conhecimento e o parco incentivo para estudar as Práticas Alternativas e Complementares, entre os profissionais de enfermagem, fazem com que os mesmos fiquem desprovidos de informações fidedignas para esclarecer as dúvidas dos pacientes sobre o uso correto, desestimulando assim o uso desta terapia alternativa.


Palavras-chave


Profissional de Enfermagem. Fitoterapia. Plantas tóxicas. Conhecimento

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ANVISA. Anvisa lança cartilha sobre o uso correto de medicamentos. 2010. Disponível em: [Link]

ALENCAR, T. E; PEREIRA, Q. K; F. VILLENUEVE. Intoxicações: Plantas Medicinais. Publ.12.Abr.2013. Disponível em: [Link]

ARNOUS, A. H.; SANTOS, A. S.; BEINNER, R. P. C. Plantas medicinais de uso caseiro - conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. UEL. Revista Espaço para a Saúde. v.6, n.2, p.1-6, jun. Londrina. 2005. ISSN 1517-7130 [Link]

BARNES, J.; ANDERSON, L. A.; PHILLIPS, J. D. Fitoterápicos. 3ª ed. Artmed, Porto Alegre. 2012. ISBN 9788536325712.

BENTO, A. Como fazer uma revisão da literatura: Considerações teóricas e práticas. Revista JA (Associação Académica da Universidade da Madeira), nº 65, ano VII, p. 42-44. 2012. Disponível em: [Link]. Acesso em 16 Fev. 2017.

BRANDÃO, M. G. L. Plantas Medicinais e Fitoterapia. Faculdade de Farmácia da UFMG, 113p. Belo Horizonte. 2003.

BRANDÃO, M. G. L.; COSENZA, G. P.; STANISLAU, A. M.; FERNANDES, G. W. Influence of Brazilian herbal regulations on the use and conservation of native medicinal plants. Springer. Environmental Monitoring and Assessment, v. 164, n. 1/4, p. 366-77, USA. 2009. ISSN 1573-2959. [CrossRef] [PubMed]

BRASIL. Resolução SES no1757, de 18 de fevereiro de 2002. Contraindica o uso de Plantas Medicinais no Âmbito do Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, 20 fev. v.27, n.33. Parte I. Rio de Janeiro. 2002.

CASTRO, H. G.; FERREIRA, F. A.; SILVA, D. J. H.; MOSQUIM, P. R. Contribuição ao estudo das plantas medicinais: metabólitos secundários. 2ª ed. Visconde do Rio Branco: Gráfica Suprema e Editora, 113p. 2004. ISBN 30983571.

FUNARI, C.S.; FERRO, V.O. Uso ético da biodiversidade brasileira: necessidade e oportunidade. SciElo. Revista Brasileira de Farmacognosia. v.15 n. 2, João Pessoa. 2005. ISSN 1981-528X. [CrossRef]

LAPA, A. J; SOUCCAR, C; LIMA-LANDMAN, M. T. R; GODINHO, R. O; LIMA NOGUEIRA, T. C. M. Farmacologia e toxicologia de produtos naturais. In: SIMÕES, C. M. O.; SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G.; MELLO, J. C. P.; MENTZ, L. A.; PETROVICK, P. R. (Orgs.). Farmacognosia: da planta ao medicamento. Ed. UFRGS, Cap. 11, p. 248-249. Porto Alegre. 2004.

LEITE, J. P. V.; RIBEIRO, A. Q.; TAGLIATI, C. A.; FÉRES, C. A. O.; VIGO, C. L. S.; MOURA, C. S.; MARTINS, E. R.; BRAGA, F. C.; ROCHA, L. M.; FIGUEIREDO, L. S.; FERREIRA, L. A.; MARQUES, L. C.; VENTRELLA, M. C.; VIEIRA, M. F. Fitoterapia: bases científicas e tecnológicas. Atheneu, 344p. São Paulo. 2009. ISBN 857379237X.

LORENZI, H.; MATOS, J. F. A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Instituto Plantarum, São Paulo. 2002. 512p. ISBN 0102.695x.

MARTINS, E. R.; GUIÃO, M. J. M. Capacitação de agricultores e extrativistas em boas práticas populares de produção, manejo e manipulação de plantas medicinais: uma experiência em rede. UFMG/ICA, 157p. Montes Claros. 2007.

MEDEIROS, A. Práticas Complementares e Enfermagem. Sd. 2013. [Link]

MENDES, A. D. R.; MARTINS, E. R.; FERNANDES, L. A.; MARQUES, C. C. L. Produção de biomassa e de flavonoides totais por fava d’anta (DimorphandramollisBenth.) no norte de Minas Gerais, Brasil. SciElo. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 7, n. 2, p. 7-11, Botucatu, 2005. ISSN 1516-0572.

NICOLETTI, M. A.; OLIVEIRA-JÚNIOR, M. A.; BERTASSO, C. C.; CAPOROSSI1, P. Y. ; TAVARES, A. P. L. Principais interações no uso de medicamentos Fitoterápicos. Revista Infarma. v.19, n. 1/2, São Paulo. 2007. ISSN 526-2858. [Link]

OLIVEIRA, L. O.; MARTINS, E. R.O desafio das plantas medicinais brasileiras: I – o caso da Poaia (Cephaelis ipecacuanha A. Richard. UENF- ENORTE, 73p. Campos dos Goytacases. 1998.

RODRIGUES, H.G.; MEIRELES, C.G.; LIMA, J.T.S.; TOLEDO, G.P.; CARDOSO, J.L.; GOMES. Efeito embriotóxico, teratogênico e abortivo de plantas medicinais. S.L.2. SciElo. Revista Brasileira Pl. Med., v.13, n.3. p. 359-366. Botucatu, 2011. ISSN 1516-0572. [CrossRef]

SILVA, S. R.; BUITRÓN, X.; OLIVEIRA, L. H.; MARTINS, M. V. M. Plantas Medicinais do Brasil: aspectos gerais sobre a legislação e comércio. América do Sul: Ministério de Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha; IBAMA, 2001. Trabalho técnico.

SINITOX/FIOCRUZ. Intoxicação por plantas medicinais será tema de cartilha. Publ. 2008. Rafael Vinícius. [Link]

TROVÓ, M. M.; SILVA, M. E. P. Terapias alternativas/complementares a visão do graduando de enfermagem. SciElo. Revista da Escola de Enfermagem da USP. v.36 nº1, São Paulo. Mar. 2002. ISSN 1980-220X. [CrossRef] [Link]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.