e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    O Ministério da Saúde (MS) financia, desde 2012, projetos de beneficiamento de Arranjos Produtivos Locais (APL), como mecanismo de incentivo para a inserção das cadeias produtivas de fitoterápicos no cenário nacional. A Secretaria Municipal de Saúde de Volta Redonda foi contemplada no edital SCTIE/MS nº 1/2014. Com isso, deu-se início ao processo de estruturação do seu APL. O objetivo deste estudo é contribuir com a análise do APL de Volta Redonda, por meio do levantamento sistemático de dados sobre as plantas medicinais da região utilizadas na saúde e, de documentos disponíveis sobre os serviços de Fitoterapia dos doze municípios que integram esse território. O método utilizado é a revisão narrativa da literatura especializada, considerando publicações de diferentes generalidades que abordem o fenômeno na região. Os resultados se concentram em etnobotânica, onde foram encontradas cinco publicações e um registro profissional; agroecologia, onde o processo de pesquisa permitiu identificar o potencial de desenvolvimento existente; serviços públicos relacionados à Fitoterapia na região do APL, o qual o fornecimento de fitoterápicos acontece hoje em apenas três dos doze municípios. Conclui-se que a ampliação deste APL, em âmbito regional, vai depender de mudanças no perfil dos serviços relacionados à Fitoterapia.

    Artigo

    Texto completo

    HTML
    PDF

    Palavras-chave

    Arranjo Produtivo Local. Etnobotânica. Agroecologia.
  • Referências

    BRASIL. Presidência da República. Decreto Nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 jun. 2006. [Link]

    CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. O foco em Arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M; CASSIOLATO, J. E.; MACIEL, M. L. (Org.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local, Relume Dumará, p.27-30. Rio de Janeiro. 2003. [Link]

    FIOCRUZ. Portal Redes Fitos. Farmanguinhos. Rio de Janeiro, 2013 – [Link]. Acesso em: 12 Jan. 2016.

    GONÇALVES, N. M. T.; GERENUTTI, M.; CHAVES, D. S. A; VILA, M. M. D. C. A tradição popular como ferramenta para a implantação da Fitoterapia no município de Volta Redonda. ABF. Revista Brasileira de Farmácia, v. 92, p.346-351, Rio de Janeiro. 2011. ISSN 2176-0667. [Link]

    GOMES, A. M. O. Diagnóstico para implantação do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, nos municípios do Estado do Rio de Janeiro. 2012. Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos, Fiocruz, TCC/Especialização. [s.n.], p.1-20. Rio de Janeiro. [Link]

    MAGNANINI, Cristina. Etnobotânica em Itatiaia, Rio de Janeiro: plantas medicinais do Parque Nacional do Itatiaia e áreas do entorno. Niterói, 102f. Dissertação de Mestrado apresentada no Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente, UFF. 2005. [Link]

    MARTINAZZO, A. P.; FILHO, L. C. C.; ROSA, D. A.; TEODORO, C. E. S.; TOMAZELLI, K. K. Perfil de Utilização de Fitoterápicos nos Municípios de Volta Redonda e Barra Mansa/RJ. Revista Fitos Eletrônica, [S.l.], v.8, n.2, p. 103-112, Rio de Janeiro. 2015. ISSN 1808-9569. [Link]

    MICHILES, M. E. O. Plantas cultivadas nos municípios do Rio de Janeiro. Documento do Microsoft Office Word (97 – 2003), 2001 (arquivos do PROPLAM).

    MICHILES, M. E. O. Interesse de implantação de Serviço de Fitoterapia por meio oficial nos municípios do Rio de Janeiro. Documento do Microsoft Office Word (97 – 2003), 2002 (arquivos do PROPLAM).

    MICHILES, E.; BOORHEM, R. L.; BOTSARIS, A. S.; MARINHO, A. J. A. Guia de Orientações para implantação do Serviço de Fitoterapia - PROPLAM/SES-RJ. Rio de Janeiro: Secretaria Estadual de Saúde, 2004.

    PARENTE, C.E.T.; Rosa, M.M.T. Plantas comercializadas como medicinais no Município de Barra do Piraí, RJ. Rodriguésia, v. 52, n. 80, p. 47-59. Rio de Janeiro. 2001. ISSN - 2175-7860. [Link]

    RIO DE JANEIRO (Estado). SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Planejamento Regional 2013 – Médio Paraíba. [Link]. Acesso em: 9 fev. 2016.

    ROCHA, J. A. Quilombo São José da Serra: o etnoconhecimento na perspectiva socioambiental. 353f: il. Tese de Doutorado apresentada no Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente, UERJ, Rio de Janeiro, 2014. [Link]

    ROTHER, E.T. Revisão sistemática x revisão narrativa. SciELO. Acta Paulista de Enfermagem, v. 20, n. 2, p. v-vi. São Paulo. 2007. ISSN 1982-0194. [Link]

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    1. DIREITOS CEDIDOS - A cessão total não exclusiva, permanente e irrevogável dos direitos autorais patrimoniais não comerciais de utilização de que trata este documento inclui, exemplificativamente, os direitos de disponibilização e comunicação pública da OBRA, em qualquer meio ou veículo, inclusive em Repositórios Digitais, bem como os direitos de reprodução, exibição, execução, declamação, recitação, exposição, arquivamento, inclusão em banco de dados, preservação, difusão, distribuição, divulgação, empréstimo, tradução, dublagem, legendagem, inclusão em novas obras ou coletâneas, reutilização, edição, produção de material didático e cursos ou qualquer forma de utilização não comercial.

    2. AUTORIZAÇÃO A TERCEIROS - A cessão aqui especificada concede à FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ o direito de autorizar qualquer pessoa – física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira – a acessar e utilizar amplamente a OBRA, sem exclusividade, para quaisquer finalidades não comerciais, nos termos deste instrumento.

    3. USOS NÃO COMERCIAIS - Usos não comerciais são aqueles em que a OBRA é disponibilizada gratuitamente, sem cobrança ao usuário e sem intuito de lucro direto por parte daquele que a disponibiliza e utiliza.

    4. NÃO EXCLUSIVIDADE - A não exclusividade dos direitos cedidos significa que tanto o AUTOR como a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ou seus autorizados poderão exercê-los individualmente de forma independente de autorização ou comunicação, prévia ou futura.

    5. DIREITOS RESERVADOS - São reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) os direitos morais sobre as obras de sua autoria e/ou titularidade, sendo os terceiros usuários responsáveis pela atribuição de autoria e manutenção da integridade da OBRA em qualquer utilização. Ficam reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) e/ou TITULAR(es) os usos comerciais da OBRA incluída no âmbito deste instrumento.

    6. AUTORIA E TITULARIDADE - O AUTOR declara ainda que a obra é criação original própria e inédita, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo e outros elementos que fazem parte da OBRA, inclusive os direitos de voz e imagem vinculados à OBRA, obrigando-se a indenizar terceiros por danos, bem como indenizar e ressarcir a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ de eventuais despesas que vierem a suportar, em razão de qualquer ofensa a direitos autorais ou direitos de voz ou imagem, principalmente no que diz respeito a plágio e violações de direitos.

    7. GRATUIDADE - A cessão e autorização dos direitos indicados e estabelecidos neste Instrumento será gratuita, não sendo devida qualquer remuneração, a qualquer título, ao autor e/ou titular, a qualquer tempo.

Feedback