Imagem para capa

Análise fitoquímica e das atividades citotóxica, antioxidante, e antibacteriana das flores de Tabebuia serratifolia (Vahl) Nicholson

Izabel Bárbara Barcelos, Alexandra Luiza Bulian, Richard Richard da Silva Pereira Calazans, Andressa Nayara Degen, Lorraynie de Oliveira Alves, Fabiana de Oliveira Solla Sobral, Jeferson de Oliveira Salvi

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2446-4775.20170002

Resumo


O presente estudo objetivou realizar a análise fitoquímica e avaliar as atividades antioxidante, citotóxica e antimicrobiana das flores de Tabebuia serratifolia. A análise fitoquímica foi realizada por meio de testes qualitativos colorimétricos, a citotoxicidade pelo teste de letalidade frente à Artemia Salina, a atividade antioxidante foi avaliada pela capacidade de desativação do radical 2,2-difenil-1-picrilhidrazila (DPPH) e a atividade antibacteriana foi avaliada pelo método de difusão em disco, frente aos microrganismos Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Shigella spp. Os resultados revelaram a presença de flavonoides, saponinas e triterpenos e/ou esteroides. Observou-se a citotoxicidade (DL50=679 µg/mL), atividade antioxidante (CE50=86 mg/mL) e atividade antibacteriana sobre todas as cepas testadas.


Palavras-chave


Plantas medicinais. Ipê amarelo. Metabólitos secundários. DPPH. Artemia salina.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


ALVES, C.Q.; et al. Métodos para determinação de atividade antioxidante in vitro em substratos orgânicos. Química Nova, v. 33, n. 10, p. 2202-2210, 2010. [CrossRef]

ALPIOVEZZA, A. R.; et al. Avaliação Farmacognóstica da Droga Vegetal Flores de Jasmim. Revista Fitos. v.7, n.4, p.216-224, 2012. [Link]

BRAND-WILLIAMS, W.; CUVELIER, M.E.; BERSET, C. Use of a free radical method to evaluate antioxidant activity. Food Science and Technology, v.28, p.25-30, 1995. [CrossRef]

BRAQUEHAIS, I.D.; et al. Estudo preliminar toxicológico, antibacteriano e fitoquímico do extrato etanólico das folhas de Jatropha mollissima (Pohl) Baill. (pinhão-bravo, Euphorbiaceae), coletada no Município de Tauá, Ceará, Nordeste Brasileiro. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.18, n.2, p.582-87, 2016. [CrossRef]

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria da SVS n. 519 de 26 de junho de 1998. Regulamento técnico para fixação de identidade e qualidade de chás-plantas destinadas à preparação de infusões ou decocções. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 de jun., 1998. [Link]

CAMPOS, S.C.; et al. Toxicidade de espécies vegetais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.18, n.1, supl. I, p.373-382, 2016. [CrossRef]

CERQUEIRA, F.M.; MEDEIROS, M.H.G.; AUGUSTO, O. Antioxidantes dietéticos: Controvérsias e perspectivas. Química Nova, v. 30, n. 2, p. 441-449, 2007. [CrossRef]

CHAVES, E.M.F.; BARROS, R.F.M. Diversidade e uso de recursos medicinais do carrasco na APA da Serra da Ibiapaba, Piauí, Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.14, n.3, p.476-486, 2012. [CrossRef]

CLSI, CLINICAL AND LABORATORY STANDARDS INSTITUTE; Publication M100-S21. Suggested grouping of US-FDA approved antimicrobial agents that should be considered for routine testing and reporting on non fastidious organisms by clinical laboratories, 2011. [Link]

COLOMBO, M.L. et al., Most commonly plant exposures and intoxications from outdoor toxic plants. Journal of Pharmaceutical Sciences and Research, v.2, n.7, p.417-25, 2010. [Link]

CORDEIRO, A. M. T. M. Desenvolvimentos de bioaditivos antioxidantes para otimização da estabilidade oxidativa de óleos comestíveis. 2013. 131p. Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos) Universidade Federal de Paraíba, João Pessoa. [Link]

DE-BONA, E. A. M.; et al. Comparação de métodos para avaliação da atividade antimicrobiana e determinação da concentração inibitória mínima (CIM) de extratos vegetais aquosos e etanólicos. Arquivos do Instituto de Biologia, v.81, n.3, p. 218-25, 2014. [CrossRef]

DUARTE, J.L.; MOTA, L.J.T.; ALMEIDA, S.S.M.S. Análise fitoquímica das folhas de Tabebuia serratifolia (Vahl) Nicholson (Ipê Amarelo). Estação Científica (UNIFAP), v. 4, n. 1, p. 33-43, 2014. [Link]

FARNSWORTH, N.R. Biological and Phytochemical Screening of Plants. Journal of Pharmaceutical Sciences, v.55, n.3, p.225-276, 1966. [PubMed]

FRANCO, L. A. O.; et al. Actividad antiinflamatoria, antioxidante y antibacteriana de dos especies del género Tabebuia. Revista Cubana de Plantas Medicinales, v.18, n.1, p.34-6, 2013. [Link]

GINSBURG, H.; DEHARO, E. A call for using natural compounds in the development of new antimalarial treatments - an introduction. Malaria Journal, v.10, Suppl 1:S1, 2011. [CrossRef] [PubMed]

JIMÉNEZ-GONZALES, F. J.; et al. Antiinfectious activity in plants of the genus Tabebuia. Universitas Scientiarum, v. 18, n. 3, p. 257-267, 2013. [CrossRef]

LEAL L. R.; TELLIS, C. J. M. Farmacovigilância de plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil: uma breve revisão. Revista Fitos, v.9, n.4, p.253-303, 2015. [CrossRef]

LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed.São Paulo: Instituto Plantarum, 2002. 576p.

MACHADO, F. L. S.; et al. Atividade biológica de metabólitos secundários de algas marinhas do gênero Laurencia. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.20, n.3, p.441-452, 2010. [CrossRef]

MACHADO, H.; et al. Flavonóides e seu potencial terapêutico. Boletim do Centro de Biologia da Reprodução, v. 27, n. 1, p. 33-39, 2008. [Link]

MEYER, B.M.; et al. Brine shrimp: A convenient general bioassay for active plant constituents. Journal of Medical Plant Research, v. 45, n.1, p. 31-34, 1982. [CrossRef] [PubMed]

MUNHOZ, V.; et al. Estudo Farmacognóstico de Flores de Tagetes patula L. (Asteraceae). Revista Fitos. v.7, n4, 225-230, 2012. [Link]

NASCIMENTO, J.C.; et al. Determinação da atividade antioxidante pelo método DPPH e doseamento de flavonóides totais em extratos de folhas da Bauhinia variegata L. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.92, n.4, p.327-332, 2011. [Link]

NETO, F. R. G.; et al. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela Comunidade do Sisal no município de Catu, Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.16, n.4, p.856-865, 2014. [CrossRef]

NOIPA, T.; et al. New approach for evaluation of the antioxidant capacity based on scavenging DPPH free radical in micelle systems. Food Research International, v. 44, n. 3, p. 798-806, 2011. [CrossRef]

OLIVEIRA, D.M.S.; LUCENA, E.M.P. O uso de plantas medicinais por moradores de Quixadá–Ceará. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.17, n.3, p.407-412, 2015. [CrossRef]

PAECH, K.; TRACCEY, M.V. Modern methods of plant analysi, v.3, Berlim: Springer-Verlag, 1955.

PEREIRA, E.M.; et al. Potencial toxicológico frente Artemia Salina em plantas condimentares comercializadas no município de Campina Grande-PB. Revista Verde, v. 10, n.1, p. 52 - 56, 2015. [CrossRef]

QUIGNARD E.L.J.; et al. Median Lethal Concentrations of Amazonian Plant Extracts in the Brine Shrimp Assay. Pharmaceutical Biology, v.42, n.3, p. 253–257, 2004. [CrossRef]

RAJEH M. A. B.; et al. Acute toxicity impacts of Euphorbia hirta L extract on behavior, organs body weight index and histopathology of organs of the mice and Artemia salina. Pharmacognosy Research, v.4, n.3, p.170-177, 2012. [CrossRef] [Pubmed]

RIZK, A.M. Constituents of Plants Growing in Qatar I.A. Chemical Survey of Sixty Plants. Fitoterapia. v.52, n.35, 1982. [Link]

ROMÃO, N. F.; et al. Análise fitoquímica e potencial antioxidante do extrato das flores de Spilanthes acmella. South American Journal of Basic Education, Technical and Tecchnological, v.2, n.2, p.23-32, 2015. [Link]

RUFINO, M.S.M.; et al. Metodologia Científica: Determinação da Atividade Antioxidante Total em Frutas pela Captura do Radical Livre DPPH. Embrapa, Ceará, 2007. [Link]

SANTOS, R.F.E.P.; et al. Avaliação do potencial biológico da Tabebuia aurea (Silva Manso) como fonte de moléculas bioativas para atividade antimicrobiana, antiedematogênica e antirradicalar. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.17, n.4, supl.III, p.1159-1168, 2015. [CrossRef]

SCHENKEL, E. P.; GOSMANN, G.; ATHAYDE, M. L. (2007), Saponinas. In: SIMÕES, C. R. et al. Farmacognosia: Da Planta ao Medicamento.6. Ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1104p.

SHINODA, J. A new biologically active flavone glycoside from the roots of Cassia fistula Linn. Journal of the Pharmaceutical Society of Japan. v. 48, p. 214-20, 1928.

SILVA, M. M. C. Transformações químio-enzimáticas em esteróides. 2005. 228f. Dissertação (Mestrado em Farmácia) Universidade de Coimbra, Coimbra, 2005. [Link]

SILVA, J.C.; et al. Avaliação da atividade antimicrobiana de Tabebuia roseo-alba (Ridl.) Sand (Ipê Branco). Revista Enfermagem Atual in Derme, v. 68, n. 6, p.08-11, 2014. [Link]

SILVA, E.M.F.; et al. Estudo in vitro do potencial citotóxico da Annona muricata L. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v.36, n.2, p.277-283, 2015. [Link]

SIMÕES, C. et al. Farmacognosia da planta ao medicamento. 2ª ed. rev. Porto Alegre/ Florianópolis: Ed Universidade /UFRGS/ Ed. Universidade/ UFSC, 2000.

STEFANELLO, M. E. A.; et al. Avaliação da atividade antimicrobiana e citotóxica de extratos de Gochnatia polymorpha ssp floccosa. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.16, n.4, p.525-30, 2006. [CrossRef]

TÔRRES, A.R.; et al. Estudo sobre o uso de plantas medicinais em crianças hospitalizadas da cidade de João Pessoa: riscos e benefícios. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.15, n.4, p.373-380, 2005. [CrossRef]

TRAVAUX. Pratiques de Pharmacognosie. Tolouse: Université de Tolouse, 1982. 111p.

TSIMOGIANNIS, D. I.; OREOPOULOU, V. Free radical scavenging and antioxidant activity of 5,7,3′,4′-hydroxy-substituted flavonoids. Innovative Food Science & Emerging Technologies, v. 5, n. 4, p. 523-528, 2004. [CrossRef]

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. MARINI-BETOLLO, G.B. Preliminary chemical screening of medicinal plants in field condiditions. Roma:DPM, 1980.

WISE, R. The urgent need for new antibacterial agents. The Journal of Antimicrobial Chemotherapy, v. 66, n. 9, p. 1939-1940, 2011. [CrossRef] [PubMed]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.