e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    A pesquisa objetivou investigar a produção de substâncias alelopáticas em extratos de Bamburral (Hyptis suaveolens (L.) POIT.) na germinação de pepino  (Cucumis sativus L.) sob diferentes concentrações e horários do dia. O experimento foi realizado no Laboratório de Fisiologia Vegetal da Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, CE. As coletas das folhas foram organizadas por horário e por dia. Para a pesquisa foram ensaiados 15 Tratamentos (T1: 08h 0%; T2: 08h 50%; T3: 08h 100%; T4: 10h 0%; T5: 10h 50%; T6: 10h 100%; T7: 12h 0%; T8: 12h 50%;T9: 12h 100%; T10: 14h 0%; T11: 14h 50%; T12: 14h 100%; T13: 16h 0%; T14:16h 50%; T15: 16h 100%) repetidos 04 vezes. Os dados obtidos foram transformados (x=1+√X) e submetidos ao software ASSISTAT 7.7. As médias foram comparadas pelo teste de Tukey e o delineamento utilizado foi inteiramente casualizado. Os parâmetros avaliados foram: Percentual de Germinação, Crescimento de Plântula, Comprimento de Radícula e Pesos das Matérias Fresca e Seca. As concentrações de 50% e 100% parecem exercer atividade alelopática sobre a germinação das sementes de Cucumis sativus L. Os horários de coleta de Hyptis suaveolens (L.) POIT. potencialmente alelopáticos positivo foram 10h e 12h nas concentrações de 50% e 100%. 

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    Alelopatia. Hyptis suaveolens (L.) POIT.. Cucumis sativus L.. Germinação. Metabólitos secundários.
  • Referências

    Gatti AB, Perez SCJGA, Ferreira AG. Avaliação da atividade alelopática de extratos aquosos de folhas de espécies de cerrado. Rev Bras Bio. 2007; 5 (Supl 02):174-176. http://www.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/viewFile/255/178.

    Cardoso VJM. Dormência: estabelecimento do processo. In: Ferreira G, Borghetti F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed. cap. 5: 95-108, 2004. ISBN: 8536303832.

    Rice EL. Allelopathy. 2ª ed. NewYork: Academic Press. 422 p. 1984. ISBN 10:0125870558.

    Borges FC. et al. Potencial alelopático de duas neolignanas isoladas de folhas de Virola surinamenses (Myristicaceae). Planta Daninha. Viçosa-MG. 2007; 25(1): 51-59. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-83582007000100006].

    Brass FEB. Análise de atividade alelopática de extrato aquoso de falsa murta sobre a germinação de picão-preto e caruru. Enc Biosf. 2009; 5(8): 1-19. http://www.conhecer.org.br/enciclop/2009B/ANALISE%20DE%20ATIVIDADE%20ALELOPATICA.pdf.

    Carmo FMS, Lima EE, Takaki M. Alelopatia de extratos aquosos de canela-sassafrás (Ocotea odorífera (Vell.) Rohwer). Acta Bot Bras. Minas Gerais. 2007; 21(3): 697-705. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062007000300016].

    Magiero EC, Assmann JM, Marchese JA, Capelin D, Paladini MV, Trezzi MM. Efeito alelopático de Artemisia annua L.na germinação e desenvolvimento incial de plântulas de alface (Lactuca sativa L.) e leiteiro (Euphorbia heterophylla L.). Rev Bras Plan Med. 2009; 11(3): 317-24. ISSN 1516-0572. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722009000300014].

    Santos ILVL, Silva CRC, Santos SL, Maia MMD. Sorgoleone: Lipidic benzoquinone of sorghum with allelopathic effects in agriculture as a herbicide. Arq Inst Biol. 2012; 79(1): 135-144. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1808-16572012000100020].

    Falcão DQ, Menezes FS. Revisao etnofarmacologica, farmacológica e química do gênero Hyptis. Rev Bras Farm. Rio de Janeiro. 2003; 84(3): 69-74. http://www.rbfarma.org.br/files/pag_69a74_vjml00dk.pdf.

    Matos FJA. Plantas medicinais: guia de seleção e emprego das plantas usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 3ª ed. Fortaleza: Impr Univer. 2007; 144p. ISBN: 85-7485-008-X.

    Parente KMS, Silva LS, Mourão EB. Efeito Alelopático de Extratos de Ramos Jovens de Croton sonderianus Muell. Arg., EUPHORBIACEAE, na germinação de Lactuca sativa L.. Essentia, Sobral. 2014; 16(1): 27-42. http://www.uvanet.br/essentia/index.php/revistaessentia/article/view/2.

    Barbosa LCA, Ferreira ML, Demuner A.J, Silva AA, Pereira RC. Preparation and Phytotoxicity of Sorgoleone Analogues. Quím Nova, São Paulo. 2001; 24(6): 751-755. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422001000600008].

    Alves MCS, Medeiros-Filho S, Innecco R. Torres SB. Alelopatia de extratos voláteis na germinação de sementes e no comprimento da raiz de alface. Pesq Agropec Bras. 2004; 39(11): 1083-1086. ISSN 1678-3921. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2004001100005].

    Maraschin-Silva F, Aquila MEA. Potencial alelopático de espécies nativas na germinação e crescimento inicial de Lactuca sativa L. (Asteraceae). Acta Bot Bras. 2006; 20(1): 61-69. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062006000100007].

    Ferreira MC, Souza JRP, Faria TJ. Potenciação alelopática de extratos vegetais na germinação e no crescimento inicial de picão-preto e alface. Ciên Agrotec. 2007; 31(4): 1054-1060. http://www.scielo.br/pdf/cagro/v31n4/17.pdf.

    Petacci F, Momesso MA, Neves MSG, Latrônico AH, Freitas SS. Potencial fitotóxico de frutos de Stryphnodendron polyphyllum. Ecossistema, São Paulo. 2001; 26(2): 187-189. http://ferramentas.unipinhal.edu.br/ecossistema/viewarticle.php?id=47.

    Gatti AB, Peres SCJC, Lima MIS. Atividade alelopática de extratos aquosos de Aristolochia esperanzae. O. Kuntze na germinação e no crescimento de Lactuca sativa L. e Raphanus sativus L. Acta Bot Bras 2004; 18(3): 425-430. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062004000300006].

    Barreiro AP, Delachiave MEA, Souza FS. Efeito alelopático de extratos de parte aérea de barbatimão [Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville] na germinação e desenvolvimento da plântula de pepino. Rev Bras Pl Med. 2005; 8(1): 4-8. http://www.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Botanica/RBPM-RevistaBrasileiradePlantasMedicinais/artigo2_v8_n1.pdf.

    Fuentes CL, Zamorano C. Potencial alelopático de Brassica rapa subsp. campestris y Lolium temulentum sobre la germinación de semillas de tomate. Agronomía Colombiana, Colômbia. 2005; 23(2): 261-268. https://revistas.unal.edu.co/index.php/agrocol/article/view/19967/21109.

    Nomura ES, Cardoso AII. Redução da área foliar e o rendimento do pepino japonês. Scientia agrícola. Piracicaba. 2000; 57(2). ISSN 1678-992X. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-90162000000200010].

    BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Tolerâncias. In: Regras para análise de sementes. Brasília.2009.

    Silva FAS. ASSISTAT: Versão 7.7 beta. DEAG-CTRN-UFCG – Atualizado em 09 de setembro de 2016. http://www.ufrgs.br/sbctars-eventos/xxvcbcta/anais/files/265.pdf.

    Coelho MFB, Maia SSS, Oliveira AK, Diógenes FEP. Atividade alelopática de extrato de sementes de juazeiro. Hort Bras. 2011; 29: 108-111. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362011000100018].

    Parente KMS, Parente Filho EG, Silva EV. Alelopatia de Ziziphus joazeiro Mart. sobre Lactuca sativa L. e Lycopersicon esculentum Mill. Rev Fitos, Rio de Janeiro. 2015; 9(2): 73-159. [DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2446-4775.20150007].

    Ferreira EGBS, Matos VPM, Sena LHMS, Sales AGFAS. Efeito alelopático do extrato aquoso de sabiá na germinação de sementes de fava. Rev Ciênc Agron. 2010; 41(3): 463-67. http://ccarevista.ufc.br/seer/index.php/ccarevista/article/view/642.

    Viecelli CA, Rosa TCM, Vergutz BR, Trés SP. Alelopatia do Arilo da Semente de Maracujá Sobre a Germinação e Desenvolvimento Inicial de Pepino. Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/eventos/senama/anais/PDF/RESUMOS/239_1271897092_RESUMO.pdf. Acesso em 15 set. 2016.

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    1. DIREITOS CEDIDOS - A cessão total não exclusiva, permanente e irrevogável dos direitos autorais patrimoniais não comerciais de utilização de que trata este documento inclui, exemplificativamente, os direitos de disponibilização e comunicação pública da OBRA, em qualquer meio ou veículo, inclusive em Repositórios Digitais, bem como os direitos de reprodução, exibição, execução, declamação, recitação, exposição, arquivamento, inclusão em banco de dados, preservação, difusão, distribuição, divulgação, empréstimo, tradução, dublagem, legendagem, inclusão em novas obras ou coletâneas, reutilização, edição, produção de material didático e cursos ou qualquer forma de utilização não comercial.

    2. AUTORIZAÇÃO A TERCEIROS - A cessão aqui especificada concede à FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ o direito de autorizar qualquer pessoa – física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira – a acessar e utilizar amplamente a OBRA, sem exclusividade, para quaisquer finalidades não comerciais, nos termos deste instrumento.

    3. USOS NÃO COMERCIAIS - Usos não comerciais são aqueles em que a OBRA é disponibilizada gratuitamente, sem cobrança ao usuário e sem intuito de lucro direto por parte daquele que a disponibiliza e utiliza.

    4. NÃO EXCLUSIVIDADE - A não exclusividade dos direitos cedidos significa que tanto o AUTOR como a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ou seus autorizados poderão exercê-los individualmente de forma independente de autorização ou comunicação, prévia ou futura.

    5. DIREITOS RESERVADOS - São reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) os direitos morais sobre as obras de sua autoria e/ou titularidade, sendo os terceiros usuários responsáveis pela atribuição de autoria e manutenção da integridade da OBRA em qualquer utilização. Ficam reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) e/ou TITULAR(es) os usos comerciais da OBRA incluída no âmbito deste instrumento.

    6. AUTORIA E TITULARIDADE - O AUTOR declara ainda que a obra é criação original própria e inédita, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo e outros elementos que fazem parte da OBRA, inclusive os direitos de voz e imagem vinculados à OBRA, obrigando-se a indenizar terceiros por danos, bem como indenizar e ressarcir a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ de eventuais despesas que vierem a suportar, em razão de qualquer ofensa a direitos autorais ou direitos de voz ou imagem, principalmente no que diz respeito a plágio e violações de direitos.

    7. GRATUIDADE - A cessão e autorização dos direitos indicados e estabelecidos neste Instrumento será gratuita, não sendo devida qualquer remuneração, a qualquer título, ao autor e/ou titular, a qualquer tempo.

Feedback