e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    Análises que comprovem a qualidade de manejo, produção e armazenamento dos chás comercializados são importantes para a saúde da população, pois garantem aos usuários um produto com boas condições físicas e biológicas, além de fornecer informações que contribuam para o uso correto, seguro e eficaz. Este estudo avaliou a qualidade de amostras comerciais de chás na cidade de Vitória da Conquista – Bahia, pela análise microbiológica, presença de impurezas e análise de rótulo. Foram analisados chás de espécies vegetais como Piptadenia macrocarpa, Myracrodrum urundeuva, Ziziphus joazeiro, Sideroxylon obtusifolium, Amburana cearensis e Matricaria recutita. Pelas análises microbiológicas não se pôde determinar a seguridade dos chás para o consumo, uma vez que, houve contradição entre os valores de referências adotados. Na análise de rótulos, os resultados mostraram que nenhuma amostra apresentou todos os requisitos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária-ANVISA. Os resultados obtidos demonstraram a falta de informações básicas necessárias ao consumidor, ficando evidente a necessidade de uma fiscalização mais rigorosa e efetiva por parte da Vigilância Sanitária para essas empresas que processam e embalam esses produtos naturais.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    Análises microbiológicas. Chás. Controle de qualidade. Rótulos e embalagens de plantas.
  • Referências

    Taufner CF, Ferraço EB, Ribeiro LF. Uso de plantas medicinais como alternativa fitoterápica nas unidades de saúde pública de Santa Teresa e Marilândia, ES. Natureza online, Santa Tereza. 2006; 4(1): 30-39. ISSN: 1806-7409. http://www.naturezaonline.com.br/.

    Lorenzi H, Matos FJA. 2002. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Instituto Plantarum, São Paulo, Nova Odessa, 544p. ISBN: 9788586714283.

    Carvalho AC, Silveira D. Drogas vegetais: a antiga nova forma de utilização de plantas medicinais. Bras Méd, Brasília, Bireme. 2010; 47(2). ISSN: 0524-2053. http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=565124&indexSearch=ID.

    Michiles EO, Siani AC, Botsaris A. Pré-Requisitos Sanitários para o Registro de Produtos Naturais no Brasil. Rev Fit Eletr. 2006; 2(2):12-17. http://www.revistafitos.far.fiocruz.br/index.php/revista-fitos/article/view/46.

    Brasil. Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 12, de 02/01/2001. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10/01/2001.

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 277 de 22/09/2005. Regulamento Técnico para Café, Cevada Chá, Erva-Mate e Produtos Solúveis. Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 23 de set. 2005b.

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 267 de 22/09/2005. Aprova o regulamento técnico de espécies vegetais para o preparo de chás. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2005a. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/RDC_267_2005.pdf/7ea89587-bded-4a6a-be91-b0151c277454.

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 219 de 22/12/ 2006. Aprova a inclusão do uso das espécies vegetais e parte(s) de espécies vegetais para o preparo de chás constante da Tabela 1 do Anexo desta Resolução em complementação as espécies aprovadas pela Resolução ANVISA RDC nº 267, de 22 de set. 2005. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 dez. 2006. Não paginado. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/RDC_219_2006.pdf/f961746a-c149-40b9-a81b-2b578291b300.

    Montes RA, Souza RO, Moraes SR, Miranda MG, Friede R, Lima ALS, et al. Qualidade microbiológica de drogas vegetais utilizadas na fitoterapia popular. Rev Espacios. (Caracas). 2017; 38(11): 12-20. ISSN: 0798 1015. http://www.revistaespacios.com/a17v38n11/17381112.html.

    Garbin L, Tiuman TS, Kruger RL. Avaliação da Qualidade de Plantas Medicinais Distribuídas por uma Unidade de Saúde de um município do Interior do Paraná. Rev Ciên Ex Nat, UNICENTRO. Paraná. 2013; 15(1). ISSN: 2175-5620. http://revistas.unicentro.br/index.php/RECEN/article/download/2515/2234.

    Franco BDGM, Landgraf M. Microrganismos patogênicos de importância em alimentos. In: Franco BDGM, Landgraf M. Microbiologia dos alimentos. São Paulo: Atheneu, 2003. p. 33–41. ISBN: 8573791217.

    Souza GC, Carneiro JG, Gonsalves HRO. Qualidade microbiológica de polpas de frutas congeladas produzidas no município de russas – CE. Rev Agro Cient Semi-Árido, Patos. 2011; 7(3): 01-05. ISSN: 1808-6845. [DOI: http://dx.doi.org/10.30969/acsa.v7i3.141]. http://revistas.ufcg.edu.br/acsa/index.php/ACSA/article/view/141.

    Amaral FMM, Coutinho DF, Ribeiro MNS, Oliveira MA. Avaliação da qualidade de drogas vegetais comercializadas em São Luís/Maranhão. Rev Brasi Farmacog, João Pessoa. 2003; 13(supl.1): 27-30. ISSN: 0102-695X. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2003000300011]

    Silva ND, Junqueira VCA, Silveira N. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 3a ed. Varela. São Paulo, 317 p. 2007. ISBN: 8577590038.

    Brasil. ANVISA. Farmacopeia Brasileira. 5ª ed., v. 2, Brasília: 2010. http://www.anvisa.gov.br/hotsite/cd_farmacopeia/pdf/volume2.pdf.

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 259 de 20/09/2002. Dispõe sobre o regulamento técnico para rotulagem de alimentos embalados. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2002. http://www.ibravin.org.br/admin/arquivos/informes/1455824267-1ed.pdf.

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 10 de 09/03/2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à ANVISA e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 10 de mar. 2010.

    Kneifel W, Czech E, Kopp B. Microbial contamination of medicinal plants. A review. Planta Med, New York. 2002; 68: 5–15. ISSN: 0032-0943. [DOI: https://doi.org/10.1055/s-2002-20060] [https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11842319]

    Melo MCB, Klem VGQ, Mota JAC, Pena FJ. Parasitoses intestinais. Rev Méd Min Ger, Minas Gerais, Bireme. 2004; 14(Supl.1): 3-12. ISSN: 2238-3182. http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=776029&indexSearch=ID.

    Migliato KF, Moreira RRD, Mello JCP, Sacramento LVS, et al. Controle de qualidade de produtos à base de plantas medicinais comercializados na cidade do Recife-PE: erva-doce (Pimpinella anisum L.), quebra-pedra (Phyllanthus spp.), espinheira santa (Maytenus ilicifolia Mart.) e camomila (Matricaria recutita L.). Rev Bras Plan. Med, Botucatu, Scielo. 2005; 7(3): 56-64. ISSN: 1516-0572. http://www.sbpmed.org.br/download/issn_05_3/artigo8_v7_n3.pdf.

    Toledo OLA, Hirata LL, Buffon MLM, Miguel DM, Miguel GO. Fitoterápicos: Uma abordagem farmacotécnica. Rev Lecta, Bragança Paulista. 2003; 21(1/2): 7-13. ISSN: 0104-0987. http://www.ebah.com.br/content/ABAAAglo4AF/fitoterapicos-abordagem-farmacotecnica.

    Lucca PSR, Eckert RG, Smanhotto V, Kuhn LM, Minanti LR. Avaliação farmacognóstica e microbiológica da droga vegetal camomila (Chamomilla recutita L.) comercializada como alimento em Cascavel – Paraná. Scielo, Rev Bras Plan. Med, Paraná. 2010; 12(2):153-156. ISSN: 1516-0572. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722010000200005]

    Falkowski GJS, Jacomassi E, Takemura OS. Qualidade e autenticidade de amostras de chá de camomila (Matricaria recutita L. Asteraceae). Rev Inst Ad Lutz, São Paulo, Scielo. 2009; 68(1): 64-72. ISSN: 0073-9855. http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0073-98552009000100009&lng=pt&nrm=iso.

    ONU- Organização das Nações Unidas. Comitê Permanente de Nutrição. Relatório Rotulagem de alimentos da perspectiva do direito ao consumo seguro e saudável. 2005 [Link]. Acesso em: 15 mar. 2016.

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 278 de 22/09/ 2005. Aprova as categorias de Alimentos e Embalagens Dispensados e com Obrigatoriedade de Registro. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 set. 2005c. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2005/res0278_22_09_2005.html

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 13 de 14/03/2013. Dispõe sobre as boas práticas de fabricação de produtos tradicionais fitoterápicos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 19 de mar. 2013. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2013/rdc0013_14_03_2013.html.

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 175 de 08/07/2003. Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 09 jul. 2003b. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/RDC_175_2003.pdf/3d4f8758-0582-4510-9043-335fd4389380.

    Brasil: Ministério da Saúde. Lei no 10.674, de 16 de mai. 2003. Obriga a que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Brasília, DF, 16 de maio. 2003a. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/393963/lei_10674.pdf/eb3ab49c-5d38-4633-8c15-2031101ae27e

    Brasil: Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 360 de 23/12/2003. Aprova Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 dez. 2003c. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0360_23_12_2003.pdf/5d4fc713-9c66-4512-b3c1-afee57e7d9bc.

    Simões CMO, Schenkel EP, Gosmann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR. Farmacognosia: da planta ao medicamento, 5ª ed., Ed. da UFSC. Porto Alegre, 1102 p, 2004. ISBN: 8570256825.

    Auricchio TM, Longatto BAM, Nicoletti AM. Análise comparativa de embalagens secundárias e bulas de medicamentos contendo Panax ginseng C.A. Meyer. Cad S Púb. Rio de Janeiro, Scielo. 2007; 23(10): 2295–2304. ISSN: 1678-4464. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007001000005].

    Brasil. Ministério da Saúde. ANVISA. Rotulagem Nutricional Obrigatória: Manual de orientação aos consumidores saudável, 2008. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/396679/manual_consumidor.pdf/e31144d3-0207-4a37-9b3b-e4638d48934bAcesso em: 15/03/2016.

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    1. DIREITOS CEDIDOS - A cessão total não exclusiva, permanente e irrevogável dos direitos autorais patrimoniais não comerciais de utilização de que trata este documento inclui, exemplificativamente, os direitos de disponibilização e comunicação pública da OBRA, em qualquer meio ou veículo, inclusive em Repositórios Digitais, bem como os direitos de reprodução, exibição, execução, declamação, recitação, exposição, arquivamento, inclusão em banco de dados, preservação, difusão, distribuição, divulgação, empréstimo, tradução, dublagem, legendagem, inclusão em novas obras ou coletâneas, reutilização, edição, produção de material didático e cursos ou qualquer forma de utilização não comercial.

    2. AUTORIZAÇÃO A TERCEIROS - A cessão aqui especificada concede à FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ o direito de autorizar qualquer pessoa – física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira – a acessar e utilizar amplamente a OBRA, sem exclusividade, para quaisquer finalidades não comerciais, nos termos deste instrumento.

    3. USOS NÃO COMERCIAIS - Usos não comerciais são aqueles em que a OBRA é disponibilizada gratuitamente, sem cobrança ao usuário e sem intuito de lucro direto por parte daquele que a disponibiliza e utiliza.

    4. NÃO EXCLUSIVIDADE - A não exclusividade dos direitos cedidos significa que tanto o AUTOR como a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ou seus autorizados poderão exercê-los individualmente de forma independente de autorização ou comunicação, prévia ou futura.

    5. DIREITOS RESERVADOS - São reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) os direitos morais sobre as obras de sua autoria e/ou titularidade, sendo os terceiros usuários responsáveis pela atribuição de autoria e manutenção da integridade da OBRA em qualquer utilização. Ficam reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) e/ou TITULAR(es) os usos comerciais da OBRA incluída no âmbito deste instrumento.

    6. AUTORIA E TITULARIDADE - O AUTOR declara ainda que a obra é criação original própria e inédita, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo e outros elementos que fazem parte da OBRA, inclusive os direitos de voz e imagem vinculados à OBRA, obrigando-se a indenizar terceiros por danos, bem como indenizar e ressarcir a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ de eventuais despesas que vierem a suportar, em razão de qualquer ofensa a direitos autorais ou direitos de voz ou imagem, principalmente no que diz respeito a plágio e violações de direitos.

    7. GRATUIDADE - A cessão e autorização dos direitos indicados e estabelecidos neste Instrumento será gratuita, não sendo devida qualquer remuneração, a qualquer título, ao autor e/ou titular, a qualquer tempo.

Feedback