Levantamento etnobotânico da família Cactaceae no estado de Sergipe

Eronides Soares Bravo Filho, Marlucia Cruz de Santana, Paulo Augusto Almeida Santos, Adauto de Souza Ribeiro

DOI: http://dx.doi.org/10.5935/2446-4775.20180005

Resumo


As Cactaceae ocorrem em uma ampla diversidade de clima, mas predominam em ambientes semiáridos e de solos rochoso-pedregosos. Família monofilética, distribuída em 127 gêneros e 1500 espécies. No APG III, foi subdividida em quatro Subfamílias: Maihuenoideae, Pereskeoideae, Opuntioideae e Cactoideae e integra o segundo grupo botânico mais numeroso da região neotropical. No estado de Sergipe ocorrem 11 gêneros e 26 espécies. O objetivo dessa pesquisa foi realizar um levantamento etnobotânico da família Cactaceae no estado de Sergipe. As cactáceas apresentaram uma grande variedade de usos, a exemplo da ornamentação, medicinal tradicional, alimentícia e manifestações culturais como inspiração místico-religioso, produção de poesias, cordéis e canções populares. Os resultados foram obtidos por meio de questionário semiestruturado, padronizado e aplicados a 36 indivíduos moradores de 11 localidades distribuídas nas regiões Leste, Agreste e Alto Sertão. Foi registrado no período de 2013 – 2015, 11 espécies de cactos aplicadas em 55 usos pelas comunidades locais, as quais foram agrupadas em quatro categorias: medicinal; alimentação humana e animal; construção e produção de objetos; ornamental e místico-cultural. Os cactos cabeça-de-frade, mandacaru, facheiro e palma forrageira tiveram a maior frequência de citações de usos. 


Palavras-chave


Botânica. Cactos. Conhecimento tradicional. Usos.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Andrade CTS. 2008. Cactos úteis na Bahia: ênfase do semiárido. Rio Grande do Sul: Editora USEB; 2008. 125p. ISBN: 9788589985192.

Arruda ECP. Histogênese de Segmentos caulinares de espécimes de Opuntioideae (Cactaceae). São Paulo, 2010. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Biociências] Universidade de São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-27092010-162201/pt-br.php. [DOI: http://dx.doi.org/10.11606/T.41.2010.tde-27092010-162201].

Cruz BM. Estudos de longevidade e germinação em sementes de espécimes do gênero Melocactus (Cactaceae) de Morro do Chapéu, Chapada Diamantina, Bahia. Feira de Santana, 90f. 2011. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais], Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Feira de Santana. Disponível em: http://rgv.web2207.uni5.net/dissertacoes/32.pdf.

Lucena CM, Ribeiro JES, Nunes EM, Meiado MV, Quirino ZGM, Casas A, Lucena RFP. Distribuição local de Cereus jamacaru dc. subsp. jamacaru e Pilosocereus pachycladus F. Ritter subsp. pernambucoensis (F. Ritter) Zappi (Cactaceae) e sua relação com uma comunidade rural no município do Congo, Paraíba. Rev Gaia Scie. 2015; 9(2): 97-103. ISSN: 1981-1268. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/24499.

Reis MBA. Análise comparativo de proteínas expressadas sob estresse hídrico em palma forrageira (Opuntia cochenillifera). 73p. Brasília, 2009. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Ciências Genômicas e Biotecnologia] Universidade Católica de Brasília. Disponível em: http://www.secheresse.info/spip.php?article13087.

Páez VA, Andrada AR, Lozzia ME, Muruaga NB. Número cromosómico y cariotipo de Gymnocalycium saglionis (Cactaceae). Bol Soc Latin Carib cact suc. 2012; 9(2): 24. ISSN: 1856-4569. https://www.researchgate.net/publication/306031483_Numero_cromosomico_y_cariotipo_de_Gymnocalycium_saglionis_Cactaceae.

Santos PTS, Santos SM, Coutrinho AP, Moura GSS, Antonino ACD. Telhado verde: desempenho do sistema construtivo na redução do escoamento superficial. Rev Amb Const. 2013; 13(1): 161-174. ISSN: 1678-8621. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212013000100011].

Taylor N, Santos MR, Larocca J, Zappi D. Cactaceae. 2015. In: Forzaa, R. C. (Org), Lista de Espécimes da Flora do Brasil. Disponível em: https://ckan.jbrj.gov.br/dataset/floradobrasil. Acesso em: 13 dez. 2015.

Lucena CM, Costa GM, Souza RF, Carvalho TKN, Marreiros NA, Alves CAB, et al. Conhecimento local sobre cactáceas em comunidades rurais na mesorregião do sertão da Paraíba (Nordeste, Brasil). Universidade Federal da Paraíba. 2012; 25(3): 282-288. ISSN: 1678-2593. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/biotemas/article/view/20546.

Bravo Filho ES. Diversidade, Etnobotânica e Propagação de cabeça-de-frade (Melocactus Link & Otto – CACTACEAE) no Estado de Sergipe. 161f. São Cristóvão, 2014. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente] Universidade Federal de Sergipe. Disponível em: https://ri.ufs.br/handle/riufs/4137.

Menezes MOT, Ribeiro-Silva S. Cactáceas do Ceará, Brasil: prioridades para a conservação. Rev Gaia Scie. 2015, 9(2): 67-76. ISSN: 1981-1268. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/gaia/article/view/24166.

Silva VA. Diversidade de uso das cactáceas no nordeste do Brasil: uma revisão. Rev Gaia Scie. 2015; 9(2): 137-154. ISSN: 1981-1268. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/26476.

Magalhães ACTV, Almeida JG. O uso da mucilagem de cacto em pasta de gesso: efeitos na absorção e na resistência à flexão estática. Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. 2010; 10(1): 139-151. ISSN: 1678-8621. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212010000100008].

Zappi D, Taylor N, Santos MR, Larocca J. Cactaceae in Lista de Espécimes da Flora do Brasil. 2014. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/jabot/FichaPublicaTaxonUC/FichaPublicaTaxonUC.do?id=FB1558. Acesso em: 02 de junho de 2014.

Bravo Filho ES, Santana MC, Santos PAA, Ribeiro AS. Importância econômico-cultural da família Cactaceae no Brasil. In: Soares MJN, Almeida GM, Costa JJ, editores. Percursos em Ciências Ambientais. 1ª ed. Aracaju: Criação Editora; 2017. p. 343-366.

Santos AF, Andrade, JA. 1998. Nova geografia de Sergipe. Editora Universidade de Sergipe, 1998. ISSN: 1981-7347.

Roque AA, Rocha RM, Loiola MIB. Uso e diversidade de plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (nordeste do Brasil). Rev Bras Plan Medic. 2010; 12(1): 31-42. ISSN: 1516-0572. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722010000100006].

Andrade CTS, Marques JGW, Zappi DC. Utilização medicinal de cactáceas por sertanejos baianos. Rev Bras Plan Medic. 2006; 8(3): 36-42. ISSN: 1516-0572. Disponível em: http://www.sbpmed.org.br/download/issn_06_2/artigo6_v8_n3.pdf.

Chaves EMF, Barros RFM. Cactáceas: recurso alimentar emergencial no semiárido, nordeste do Brasil. Rev Gaia Sci. 2015; 9(2): 129-135. ISSN: 1981-1268. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/26348.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.