e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    Este trabalho teve por objetivo valorizar o uso de plantas medicinais na Estratégia Saúde da Família (ESF) como instrumento para a promoção de saúde na comunidade rural de Palmares. Assim, foram realizados estudos exploratórios descritivos de abordagem quali-quantitativa, para o conhecimento do uso difuso de plantas medicinais, bem como do estado da arte sobre plantas medicinais e fitoterápicos entre os profissionais de saúde. Observou-se que 82% da população estudada faz o uso de plantas medicinais na forma de chá (64%), com folhas (52%). E todos os profissionais de saúde desconheciam sobre a fitoterapia no Sistema Único de Saúde (SUS), apresentando demanda espontânea por capacitação. A capacitação deu-se nas Unidade Básica de Saúde (UBS), tratando sobre diferentes temas. Como retorno à comunidade, foi implantada uma horta comunitária de plantas medicinais e foram elaborados materiais didáticos para auxiliar na educação continuada do serviço de saúde, como o memento de plantas medicinais. Portanto, para a introdução desta prática como terapêutica no SUS, é essencial planejar e executar atividades voltadas para a educação em saúde, valorizando os aspectos culturais envolvidos no uso das plantas medicinais pelos usuários do SUS local, de forma participativa e dialógica.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    Promoção de saúde. Plantas medicinais. Gestão participativa. Educação em Saúde. Horta comunitária.
  • Referências

    Brasil. Decreto nº 5.813 de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinal e Fitoterápico e dá outras providências. Diário Oficial da União 2006.

    Brasil. Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União 2006.

    OMS. Atenção primária à saúde: agora mais do que nunca. Washington, DC; 2008. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos

    /pdf/31_03_2010_9.22.37.70fbb6ffd32f6598e4de044a8feeacdc.pdf.

    Tomazzoni MI. Subsídio para a introdução do uso de fitoterápicos na rede básica de saúde do município de Cascavel/PR. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Enfermagem]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2004. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/33085.

    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. 2006.

    Noumi E, Houngue F, Lontsi D. Traditional medicines in primary health care: plants used for the treatment of hypertension in Bafia, Cameroon. Fitoterapia. 1999; 70:134-139. [DOI: https://doi.org/10.1016/S0367-326X(98)00025-2].

    Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no Programa de Saúde da Família, Governador Valadares, MG, Brasil. Rev Bras Cien Farm. 2008; 44(4):629-636. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-93322008000400009].

    Bernard HR. Research methods incultural anthropology. USA:SAGE Publication; 1988. APUD: Albuquerque UP, Lucena RFP, Cunha LVFC. Métodos e Técnicas na Pesquisa Etnobotânica. Recife:Comunigraf; 2008.

    Albuquerque UP, Lucena RF P, Cunha LVFC. Métodos e Técnicas na Pesquisa Etnobotânica. Recife: Comunigraf; 2008.

    Conill EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad Saúde Púb. 2008; 24(1):7-16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24s1/02.pdf

    Soratto J, Witt RR. Participação e controle social: percepção dos trabalhos da saúde da família. Texto & Cont Enfer. 2013; 22(1):89-96. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100011].

    Araujo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Cien Saúde Colet 2007; 12(2):455-464. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200022].

    Tuler AC, Silva NCB. Women’s ethnomedicinal knowledge in the rural community of São José da Figueira, Durandé, Minas Gerais, Brazil. Rev Bras Farmacog 2014; 24:159-170. [DOI: https://doi.org/10.1016/j.bjp.2014.03.004].

    Patzlaff RG. Estudo etnobotânico de plantas de uso medicinal e místico na comunidade da Capoeira Grande, Pedra de Guaratiba, Rio de Janeiro, RJ, Brasil [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Botânica Tropical; 2007. Disponível em: http://www.academia.edu/1112431/Estudo_etnobot%C3%A2nico_de_plantas_de_uso_medicinal_e_m%C3%ADstico_na_comunidade_da_Capoeira_Grande_Pedra_de_Guaratiba_RJ_Brasil.

    Botsaris AS, Machado PV. Introdução a fitoterapia. Memento Terapêutico Fitoterápico. 1999; 1:8-11.

    Model D, Esswein D, Gallina LS, Teo CRPA, Nothaft SCS, Busato MA. Ambiente e alimentação saudável: percepção e práticas de agricultores familiares. Campo-território: Rev Geog Agr. 2015; 10(21):142-158. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/28751.

    Silva CSP, Proença CEB. Uso e disponibilidade de recursos medicinais no município de Ouro Verde de Goiás, GO, Brasil. Acta Bot Bras. 2008; 22(2):481-492. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062008000200016].

    Pilla MAC, Amorozo MCM, Furlan A. Obtenção e uso das plantas medicinais no distrito de Martim Francisco, Município de Mogi-Mirim, SP, Brasil. Acta Bot Bras. 2006; 20(4):789-802. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062006000400005].

    Oliveira FCS, Barros RFM, Moita Neto JM. Plantas medicinais utilizadas em comunidades rurais de Oeiras, semiárido piauiense. Rev Bras Pl Med 2010; 12(3):282-301. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722010000300006].

    Pasa MC, Soares JJ, Guarim Neto G. Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu, MT, Brasil). Acta Bot Bras. 2005; 19(2):195-207. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062005000200001].

    Pereira AJ, Zeni ALB, Esemann-Quadros K. Estudo etnobotânico de espécies medicinais em Gaspar Alto Central, SC. Rev Cient Elet Eng Flor. 2011;18(1). Disponível em:http://www.faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/PE0RUGIc6AgRvBS_2013-4-29-14-21-7.pdf.

    Zabala, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

    Brasil. Política de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde. Diário Oficial da União 2004.

    Mattos RA. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad Saúde Púb. 2004; 20(5):1411-1416. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500037].

    Lorenzi H, Matos FJA. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2ª ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum; 2008.

    Badaulf C, Kubo RR, Silva F, Irgang BE. Ferveu, queimou o ser da erva: conhecimento de especialistas locais sobre plantas medicinais na região Sul do Brasil. Rev Bras Pl Med. 2009; 11(3):282-291. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-05722009000300009].

    Vieira, MLS, Leite JCA, Moura TL, Lima MA. Uso popular de plantas medicinais no município de Rio Tinto, Paraíba, Brasil. In: Congresso de Ecologia do Brasil. 16 a 22 de setembro de 2011. São Lourenço, MG; 2011. [Link].

    Milani JF, Guido LFE, Barbosa AA. Educação ambiental a partir do resgate dos quintais e seus valores etnobotânico no distrito Cruzeiro dos Peixotos, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil. Horiz Cient. 2011; 5(1):1-32. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/horizontecientifico/article/view/7260.

    Costa CGA, Garcia MT, Ribeiro SM, Salandini MFS, Bógus CM. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Cien Saúde Colet. 2015; 20(10):3099-3110. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152010.00352015].

    Otani MAP, Barros NF. A Medicina Integrativa e a construção de um novo modelo de saúde. Cien Saúde Colet. 2011; 16(3):1801-1811. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000300016].

    Penna CMM. Realidade e imaginário no processo de viver de moradores em um distrito brasileiro. Texto & Contexto Enfer. 2007; 16(1):80-88. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000100010].

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    1. DIREITOS CEDIDOS - A cessão total não exclusiva, permanente e irrevogável dos direitos autorais patrimoniais não comerciais de utilização de que trata este documento inclui, exemplificativamente, os direitos de disponibilização e comunicação pública da OBRA, em qualquer meio ou veículo, inclusive em Repositórios Digitais, bem como os direitos de reprodução, exibição, execução, declamação, recitação, exposição, arquivamento, inclusão em banco de dados, preservação, difusão, distribuição, divulgação, empréstimo, tradução, dublagem, legendagem, inclusão em novas obras ou coletâneas, reutilização, edição, produção de material didático e cursos ou qualquer forma de utilização não comercial.

    2. AUTORIZAÇÃO A TERCEIROS - A cessão aqui especificada concede à FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ o direito de autorizar qualquer pessoa – física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira – a acessar e utilizar amplamente a OBRA, sem exclusividade, para quaisquer finalidades não comerciais, nos termos deste instrumento.

    3. USOS NÃO COMERCIAIS - Usos não comerciais são aqueles em que a OBRA é disponibilizada gratuitamente, sem cobrança ao usuário e sem intuito de lucro direto por parte daquele que a disponibiliza e utiliza.

    4. NÃO EXCLUSIVIDADE - A não exclusividade dos direitos cedidos significa que tanto o AUTOR como a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ou seus autorizados poderão exercê-los individualmente de forma independente de autorização ou comunicação, prévia ou futura.

    5. DIREITOS RESERVADOS - São reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) os direitos morais sobre as obras de sua autoria e/ou titularidade, sendo os terceiros usuários responsáveis pela atribuição de autoria e manutenção da integridade da OBRA em qualquer utilização. Ficam reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) e/ou TITULAR(es) os usos comerciais da OBRA incluída no âmbito deste instrumento.

    6. AUTORIA E TITULARIDADE - O AUTOR declara ainda que a obra é criação original própria e inédita, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo e outros elementos que fazem parte da OBRA, inclusive os direitos de voz e imagem vinculados à OBRA, obrigando-se a indenizar terceiros por danos, bem como indenizar e ressarcir a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ de eventuais despesas que vierem a suportar, em razão de qualquer ofensa a direitos autorais ou direitos de voz ou imagem, principalmente no que diz respeito a plágio e violações de direitos.

    7. GRATUIDADE - A cessão e autorização dos direitos indicados e estabelecidos neste Instrumento será gratuita, não sendo devida qualquer remuneração, a qualquer título, ao autor e/ou titular, a qualquer tempo.

Feedback