Avaliação da qualidade das plantas medicinais comercializadas no Mercado Municipal de Campos dos Goytacazes-RJ

Marcos Vinícius Leal-Costa, Fernanda S. Teodoro, Caio Barbieri, Luis Felipe Umbelino dos Santos, Adriana de Sousa

Resumo


O Mercado Municipal de Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil, é um tradicional ponto de comercialização de plantas medicinais no Norte Fluminense. Tendo em conta a sua importância como fonte de conhecimento tradicional, foi realizado um levantamento de plantas medicinais comercializadas em 2014, e analisadas as embalagens nas quais eram oferecidas ao consumidor. As espécies amplamente comercializadas foram assapeixe, balieira, capim-limão, chá verde, erva cidreira, erva doce e espinheira santa. A análise de controle de qualidade demonstrou que as amostras vendidas no mercado municipal não estão em conformidade com as resoluções RDC Nº 26/2014 e com a RDC Nº 84/2016 da ANVISA. Os resultados mostraram que as embalagens não conferem proteção adequada ao produto, bem como não há na embalagem dos fitoterápicos comercializados todas as informações necessárias ao consumidor. Além disso, a espinheira-santa foi comercializada com erro de identificação botânica.

Palavras-chave


Fitoterápicos. Controle de qualidade. Conformidade de embalagens. Erro de identificação botânica.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Assis M A, Morelli-Amaral VF, Pimenta FP. Grupos de pesquisa e sua produção científica sobre plantas medicinais: um estudo exploratório no Estado do Rio de Janeiro. Rev Fitos, Rio de Janeiro, 2015; 9(1): 1-72. [CrossRef]. DOI: 10.5935/2446-4775.20150005.

Brasil. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 jun. 2006, p. 2. [Link] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5813.htm

Brasil. ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 84, de 17 de junho de 2016. Aprova o Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira e dá outras providências. Disponível em: [Link]. http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/2909630/Memento+Fitoterapico/a80ec477-bb36-4ae0-b1d2-e2461217e06b Acesso em: 04/11/2016.

Cajaiba RL, Silva WB, Sousa RDN, Sousa AS. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais comercializadas no município de Uruará, Pará, Brasil. Biotemas. Florianópolis. 2016; 29(1): 115-131. [CrossRef]. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7925.2016v29n1p115.

Nascimento VT, Lacerda EU, Melo JG, Lima CSA, et al. Controle de qualidade de produtos à base de plantas medicinais comercializados na cidade do Recife-PE: erva-doce (Pimpinella anisum L.), quebra-pedra (Phyllanthus spp.), espinheira santa (Maytenus ilicifolia Mart.) e camomila (Matricaria recutita L.). Rev Bras Pl Med. 2005; 7(3):56-64. [Link]. http://www.sbpmed.org.br/download/issn_05_3/artigo8_v7_n3.pdf.

Johansen DA. Plant microtechnique. Mc Graw Hill, New York, 1940.

Arnott HJ. Leaf clearings. Turtox News, 37(8):192-194, 1959.

Colet CF, Dal Molin GT, Cavinatto AW, Baiotto CS, Oliveira KR. Análises das embalagens de plantas medicinais comercializadas em farmácias e drogarias do município de Ijuí/RS. Rev Bras Pl Med. Campinas. 2015; 17(2):331-339. [CrossRef]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-084X/13_027.

Alberton MD, Falkenberg DDB, Falkenberg MDB. Análise cromatográfica de fitoterápicos a base de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia). Rev Bras Farmacog. 2002; 12: 11-13. [CrossRef]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2002000300006.

Jesus WMDM, Cunha TND. Estudo das propriedades farmacológicas da espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek) e de duas espécies adulterantes. Rev S Des. 2012; 2(1): 20-46. ISSN: 2316-2864. [Link]. https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/67.

Oliveira ASC. Qualidade da espinheira-santa comercializada no mercado formal na cidade de Pelotas. 2016. 102f. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS. [Link]. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/1063475/1/RosaLiaDissertacaoFinal0909Marcia.pdf

Machado AV, Santos M. Morfo-anatomia foliar comparativa de espécies conhecidas como espinheira-santa: Maytenus ilicifolia (Celastraceae), Sorocea bonplandii (Moraceae) e Zollernia ilicifolia (Leguminosae). Insula. Florianópolis. 2004; (33):01-19. [Link]. https://periodicos.ufsc.br/index.php/insula/article/view/20428/18818.

Duarte MR, Debur MC. Stem and leaf morphoanatomy of Maytenus ilicifolia. Fitot. Novara. 2005; 76(1): 41-49. ISSN: 0367-326X. [CrossRef]. DOI: https://doi.org/10.1016/j.fitote.2004.10.003.

Gonzalez FG, Portela TY, Stipp EJ, Di Stasi LC. Antiulcerogenic and analgesic effects f Maytenus aquifolium, Sorocea bomplandii and Zolernia ilicifolia. J Ethnop. Graz. 2001; 77: 41-47. ISSN: 0378-8741. [CrossRef]. DOI:https://doi.org/10.1016/S0378-8741(01)00268-9. [PubMed]. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11483377.

Ruschel AR, Nodari RO. Colheita foliar da cancorosa [Sorocea bonplandii (Baill.) urg., Lanj. & W. Boer]: uma espinheira-santa da Mata Atlântica. Rev Bras Pl Med. Botucatu. 2008; 10(4):43-50. [Link]. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/38959/1/SP6061.pdf.

Coulaud-Cunha S, Oliveira RS, Waissmann W. Venda livre de Sorocea bomplandii Bailon como Espinheira Santa no município de Rio de Janeiro- RJ. Rev Bras Farmacog. Curitiba. 2004; 14(supl. 0): 51-53. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2004000300019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.