e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    As bebidas de infusão são utilizadas desde a antiguidade como medicamentos. De fatos muitos dos medicamentos que hoje fazem parte da alopatia tradicional, são provenientes de extratos vegetais. Hoje, é possível comprar em Farmácias, drogarias e, até supermercados, folhas e ervas de forma industrializada ou semi industrializada.  O problema é que o produto industrializado nem sempre se apresenta “puro”, além de possibilitar o uso indiscriminado. Alguns fitoterápicos, se usados de forma inadequada podem perder as suas propriedades funcionais ou pior, podem provocar males maiores do que benefícios à saúde do usuário. Neste trabalho faremos uma analise de chá de Hamamelis virginiana L. encontrado em farmácias e drogarias e, verificaremos as condições do produto segundo as normas da ANVISA e farmacopéia brasileira e, também quanto à caracterização farmacobotânica.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    Hamamelis virginiana (L.). Análise Macroscópica. Análise Microscópica.
  • Referências

    Brasil, INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. 1998. [Link]. Acesso em: 04 mar. 2018.

    UNITED States Department of Agriculture - Natural Resources Conservation Service. USDA - Natural Resources Conservation Service. [Link]. Acesso em: 03 jan. 2018.

    Meyer LM, Schmidt KA, Robertson BA. Evaluating exotic plants as evolutionary traps for nesting Veeries. The Condor: Ornithological Applications. 2015; 117(3): 320-327. ISSN: 1938-5129. [CrossRef].

    Niedenthal T, Mayer JG. Drink before breakfast and vomit. Zeitschrift für Phytotherapie, 2017; 38: 137-144. [CrossRef].

    Costa JGM, Leite GO, Dubois AF, Seeger RL, Boligon AA, Athayde ML, Campos AR, da Rocha JB. Antioxidant effect of Stryphnodendron rotundifolium Martius extracts from Cariri-Ceará State (Brazil): potential involvement in its therapeutic use. Molec. 2012 jan.18; 17(1): 934-950. ISSN: 1420-3049. [CrossRef]. [PubMed].

    Faivre C, Ghedira K, Goetzet P, Le Jeune R. Hamamelis virginiana L. (Hamamelidaceae). Phytothérapie. 2009; 7(4): 215-220. ISSN: 1765-2847. [CrossRef].

    Ferreira Filho JCC, Pereira IF, Cunha DA, Valença AMG. Avaliação da atividade antibacteriana das tinturas de Hamamelis virginiana L. e Stryphnodendron rotundifolium Mart. frente a bactérias bucais. Rev Bras Cienc Sau. 2013; 17(1): 71-78. ISSN: 1415-2177. [CrossRef].

    Edwards SE, Rocha IC, Williamson EM, Heinrich M. Phytopharmacy: An Evidence-Based Guide to Herbal Medicinal Products. [S.l.]: John Wiley & Sons, Ltd. 2015. 414p. ISBN: 978-1-118-54356-6.

    Bele AA, Jadhav VM, Kadam VJ. Potential of Tannins: A Review. A J PLant Scien. 2010; 9(4): 209-214. [CrossRef].

    Silva AP, Rocha R, Silva CM, Mira L, Duarte MF, Florêncio MH. Antioxidants in medicinal plant extracts. A research study of the antioxidant capacity of Crataegus, Hamamelis and Hydrastis. Phytother Res. 2000; 14(8): 612-616. [PubMed].

    Saric S, Clark AK, Sivamani RK. Systematic Review of Oral and Topical. Dermat. 2017; 2(2): 21-30. [CrossRef].

    Mackay D. Hemorrhoids and Varicose Veins: A Review of Treatment Options. Altern Med Rev. 2018; 6(2):126-40. [PubMed].

    Edwards EJ, Spriggs EL, Chatelet DS, Donoghue MJ. Unpacking a century-old mystery: Winter buds and the latitudinal gradient in leaf form. Am J Bot. 2016;103(6): 975-978. [CrossRef].

    Endress PKA. Suprageneric taxonomic classification of the Hamamelidaceae. Taxon, 1989; 38(3): 371-376. [CrossRef].

    Upton R, Graff A, Jolliffe Georgina J, Lãnger R, Williamson Elizabeth W. American Herbal Pharmacopeia: Botanical Pharmacognosy-Microscopic Characterization of Botanical Medicines. 1st ed. [S.l.]: CRC Press - Taylor & Francis Group, 2011. ISBN-13: 978-1420073263.

    Farmacopeia Brasileira. Farmacopeia Brasileira - 4ª Ed. Parte II. Comissão Permanente de Revisão da Farmacopeia Brasileira. Atheneu, São Paulo. 1996.

    Brasil, ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RCD nº 23, 15 mar. 2000, 2000. [Link].

    Brasil, ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 278, 22 ago. 2005, 2005. [Link].

    Brasil, ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 48, 25 out. 2013, 2013. [Link].

    Brasil, ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 10, 09 mar. 2010, 2010. [Link].

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    1. DIREITOS CEDIDOS - A cessão total não exclusiva, permanente e irrevogável dos direitos autorais patrimoniais não comerciais de utilização de que trata este documento inclui, exemplificativamente, os direitos de disponibilização e comunicação pública da OBRA, em qualquer meio ou veículo, inclusive em Repositórios Digitais, bem como os direitos de reprodução, exibição, execução, declamação, recitação, exposição, arquivamento, inclusão em banco de dados, preservação, difusão, distribuição, divulgação, empréstimo, tradução, dublagem, legendagem, inclusão em novas obras ou coletâneas, reutilização, edição, produção de material didático e cursos ou qualquer forma de utilização não comercial.

    2. AUTORIZAÇÃO A TERCEIROS - A cessão aqui especificada concede à FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ o direito de autorizar qualquer pessoa – física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira – a acessar e utilizar amplamente a OBRA, sem exclusividade, para quaisquer finalidades não comerciais, nos termos deste instrumento.

    3. USOS NÃO COMERCIAIS - Usos não comerciais são aqueles em que a OBRA é disponibilizada gratuitamente, sem cobrança ao usuário e sem intuito de lucro direto por parte daquele que a disponibiliza e utiliza.

    4. NÃO EXCLUSIVIDADE - A não exclusividade dos direitos cedidos significa que tanto o AUTOR como a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ou seus autorizados poderão exercê-los individualmente de forma independente de autorização ou comunicação, prévia ou futura.

    5. DIREITOS RESERVADOS - São reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) os direitos morais sobre as obras de sua autoria e/ou titularidade, sendo os terceiros usuários responsáveis pela atribuição de autoria e manutenção da integridade da OBRA em qualquer utilização. Ficam reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) e/ou TITULAR(es) os usos comerciais da OBRA incluída no âmbito deste instrumento.

    6. AUTORIA E TITULARIDADE - O AUTOR declara ainda que a obra é criação original própria e inédita, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo e outros elementos que fazem parte da OBRA, inclusive os direitos de voz e imagem vinculados à OBRA, obrigando-se a indenizar terceiros por danos, bem como indenizar e ressarcir a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ de eventuais despesas que vierem a suportar, em razão de qualquer ofensa a direitos autorais ou direitos de voz ou imagem, principalmente no que diz respeito a plágio e violações de direitos.

    7. GRATUIDADE - A cessão e autorização dos direitos indicados e estabelecidos neste Instrumento será gratuita, não sendo devida qualquer remuneração, a qualquer título, ao autor e/ou titular, a qualquer tempo.