Garrafadas: uma abordagem analítica

Luciene de Andrade Quaresma Ferreira, Carlos Alexandre Marques

DOI: http://dx.doi.org/10.17648/2446-4775.2018.639

Resumo


“Garrafadas” são combinações de plantas medicinais, podendo conter ainda produtos de origem animal ou mineral, e que têm como veículo aguardente ou vinho. Trata-se de uma preparação típica da medicina popular, utilizada no tratamento de enfermidades diversas. No presente trabalho, objetivou-se caracterizar a identidade botânica das espécies vegetais utilizadas; além de realizar testes fitoquímicos após a separação dos extratos, por cromatografia em camada delgada, a fim de detectar os metabólitos presentes nas amostras analisadas. Os resultados obtidos permitiram identificar, nesse tipo de estudo, resultados relacionados à identidade das espécies vegetais encontradas e a presença de metabólitos nos materiais analisados em laboratório.


Palavras-chave


Botânica aplicada. Medicina popular. Identidade botânica.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Arnous AH, Santos AS, Beinner RPC. Plantas medicinais de uso caseiro - conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Rev Esp Sau. 2006; 60(2):1-6. [Link].

Carvalho AR, Lacerda TJ, Oliveira FE, et al. Extratos de plantas medicinais como estratégia para o controle de doenças fúngicas do inhame (Dioscorea sp.) no Nordeste. Rev Bras Farmacog. 2000; 16(2). ISSN: 1981-528X.

Dias JFG, VIrtuoso S, Davet A. Atividade antibacteriana e antifúngica de extratos etanólicos de Aster lanceolatus Willd, Astereceae. Rev Bras Farmacog. 2006;16(1): 83-87. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Elizabetsky E, Souza CG, Nascimento TV, Lacerda EU, Melo GJ, Lima ASC, et al. Etnofarmacologia como ferramenta na busca de substâncias ativas. In: Simões CMO, Schenkel EP, Gosmann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR. 2003; 107-121. Porto Alegre/Florianópolis.

Albuquerque UP. Introdução a Etnobotânica. 93p. 2ª ed. Editora Interciência. Rio de Janeiro. 2005. ISBN: 8571931275.

Albuquerque UP, Hanazaki N. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e pespectivas. Rev Bras Farmacog. João Pessoa. 2006.16(supl.0): 678-689. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Indras DM. Estudo da toxicidade de garrafada de uso popular. 2017. 84p. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas], Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2017. [Link].

Bochner R, Fizson JT, Assis MA, Avelar KES. Problemas associados ao uso de plantas medicinais comercializadas no Mercadão de Madureira, município do Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Plan Med. 2012. 14(3): 537-547. ISSN 1983-084X. [CrossRef].

Andreata RH, Travassos OP. Chaves para determinar as famílias de Pteridophyta, Gymnospermae e Angiospermae. Revisada e aumentada (Ed.), 134 p. Editora Universitária Santa Úrsula. Rio de Janeiro. 1994.

Barroso GM. Sistemática de angiospermas no Brasil. Vol. 1. 2ª ed. Editora UFV. Viçosa. 2002.

Cambi V, Bucciarelli A, Flemmer AR, Hansen P. Morfoanatomia de Pluchea sagittalis (Asteraceae), Espécie Nativa de Interés Medicinal. Acta Farm Bonaerense. 2006; 25: 43-49. ISSN: 0326-2383. [Link].

Silva MSA, Silva MAR, Hijino JS, Pereira MSV, Carvalho ATT. Atividade antimicrobiana e antiaderente in vitro do extrato de Rosmarinus officinalis Linn. sobre bactérias orais planctônicas. Rev Bras Farmacog. 2008;18(2):236-240. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Costa MVL, Tavares ES. Anatomia foliar de Chenopodium ambrosioides L. (Chenopodiaceae) – erva-de-Santa Maria. Rev Bras Plan Med. 2006; 8: 63 – 71. ISSN 1983-084X. [Link].

Rocha JF, Rosa MMT, Frade CCM, Diersmenn EM. Estudo anatômico e histoquímico em folhas de Plantago major L. e Plantago australis Lam. (Plantaginaceae). Rev Univ Rur. Série Ciências da Vida. 2002; 22(1): 33-41.

Hyakutake S, Grotta SA. Contribuição ao estudo morfológico e anatômico de Anemopaegma arvense (Vell.) Stellfeld var. petiolata Bignoniaceae. Rev Fac Farm Bioq. 1965; 3: 51-78.

Jacomassi E, Machado SR. Características anatômicas de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. Ex Reissek e Maytenus aquifolia Mart.) e mata-olho (Sorocea bonplandii (Baill) Burg. Lanj. e Boer.) para o controle de qualidade da matéria prima. Rev Bras Plan Med. Botucatu. 2003; 6(1):84-96. ISSN 1983-084X. [Link].

Souza VC, Lorenzi H. Botânica Sistemática. Guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. 2ª ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum. 2008; 704p. ISBN: 9788586714290.

Kraus JE, Arduin M. Manual básico de métodos em morfologia vegetal. 1ª ed. 133 p. Seropédica, UFRRJ. Rio de Janeiro. 1997. ISBN: 85-85720-11-5.

Leite KA. Abordagem taxonômica da família Boraginaceae Juss. na ilha grande, angra dos reis – RJ. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso [Curso de Ciências Biológicas], Universidade Castelo Branco (UCB). 2009. [Link].

Marques CA. Importância econômica da família Lauraceae Lindl. Fl Amb. 2001; 8(1):195 – 206. [Link].

Shaheen ASM. Morphological and anatomical investigations in Desmodium tortuosum (sw.) dc. (Fabaceae): a new addition to the egyptian flora. Bangladesh Association of Plant Taxonomists. 2008.15: 21-29. [Link].

Solereder H. Systematic anatomy of the dicotyledons. v.1, p. 253- 272. Oxford at the Clarendon press. Oxford, UK. 1908.

Trópicos. Missouri Botanical Garden. [Link]. Acesso em: 30 mai 2018.

Matos FJA. Introdução à fitoquímica experimental. 2a ed. Editora UFC. Fortaleza, CE. 1997.

Araujo CRF, Pereira MSV, Hijino JS, Pereira JV, Martins AB. Atividade antifúngica in vitro da casca do Anarcadium occidentale Linn., sobre leveduras do gênero candida. Arquivos de Odontologia. Belo Horizonte. 2005; 41(3):193-272.

Comparative Toxicogenomics Database (CTD). [Link] Acesso em: 20 dez 2017.

Corrêa AD, Quintas LEM, Batista RS. Plantas medicinais do cultivo a terapêutica. 2ª ed. Editora Vozes. Petrópolis, RJ. 1999.

Hosttetmann K, Queiroz EF, Vieira PC. Princípios Ativos de Plantas Superiores. Editora Edufscar. São Paulo, SP. 2002.

IPÊ. Instituto de Pesquisas ecológicas. Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan. p.1-4. 2018.

Legramandi VHP. Kalanchoe gastonis-bonnieri Raym.-Hamet e Kalanchoe pinnata Pers. (Crassulaceae): atividade antifúngica e estudo farmacognóstico comparativo. 62p. 2011. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas], Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. [Link].

Martins ER, Castro DM, Castellani CD, Dias JE. Plan Med. 1ª ed. Editora UFV. Viçosa, MG. 1994.

Marques LC. Contribuição ao esclarecimento da identidade botânica da droga vegetal Catuaba. Rev Rac. 1998. 43: p. 8-11.

Marques LC, Pieri C, Roman-Júnior WA, Cardoso MLC, Milaneze-Gutierre MA, Mello JCP. Controle farmacognóstico das raízes de Heteropteris aphrodisiaca O. Mach. (Malpighiaceae). Rev Bras Farmacog. 2007.17: 604-615. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Beltrame FL, Rocha DC, Carmo MRB, Cass QB. Estudo morfo-anatômico de amostras comerciais de catuaba. Publicações UEPG. Ciências Biológicas e da Saúde. 2010; 16(2):111-118. [Link].

Mauro C, Pereira MAS, Silva CP, Missima J, Ohnuki T, Rinaldi RB. Estudo anatômico das espécies de cerrado Anemopaegma arvense (Vell.) Stellf. ex de Souza (catuaba), Zeyheria montana Mart. (bolsa-de-pastor) e Jacaranda decurrens Chamisso (caroba) – Bignoniaceae. Rev Bras Farmacog. 2007;17(2): 262-265. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Valente LMM, Alves FF, Bezerra GM, Almeida MBS, Rosário SL, Mazzei JL, D’Avilla LA, Siani AC. Desenvolvimento e aplicação de metodologia por cromatografia em camada delgada para determinação do perfil de alcaloides oxindólicos pantaciclícos nas espécies sul-americanas do gênero Uncaria. Rev Bras Farmacog. 2006;16(2): 216-223. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Oliveira KP, Sofiat TF, Mourão KSM, Marques LC. Análise Farmacognóstica comparativa de dois lotes de cascas de Trichilia catigua Adr. Juss. (Meliaceae), a catuaba da Bahia. Rev Pesq Inov Farm. 2011;3(1):2-8. ISSN: 2176-9532. [Link].

Baratto LC, Hohlemwerger SVA, Guedes MLS, Duarte MR, Baratto CAM. Himatanthus lancifolius (Müll. Arg.) Woodson, Apocynaceae: estudo farmacobotânico de uma planta medicinal da Farmacopeia Brasileira, 1ª edição. Rev Bras Farmacog. 2010. 20(5): 651-658. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Coelho MFB, Jorge AS, Macedo M, Nogueira-Borges BH, Spiller C. Nó-de-cachorro (Heteropterys tomentosa A. Juss.): espécie de uso medicinal em Mato Grosso, Brasil. Rev Bras Plan Med. Botucatu. 2011;13(4):475-485. ISSN: 1983-084X. [CrossRef].

Oliveira F, Akisue G, Akisue MK. Farmacog. São Paulo/Rio de Janeiro: Ed. Atheneu. 412p. 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.