e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    Estudou-se a anatomia foliar de Ocotea paulensis Vatt., Ocotea odorifera (Vell.) J. G. Rohwer, Nectandra lanceolata Nees et Mart. ex Nees e Nectandra rigida (H.B.K) Nees, com o objetivo de identificar caracteres anatômicos que possam auxiliar na identificação destas espécies. O número de células que formam os tricomas, o tipo de estômato, a formação de periderme no pecíolo, os contrafortes na parede periclinal externa das células epidérmicas, a conformação do bordo foliar, a presença de hipoderme, a conformação do sistema vascular na nervura mediana e o padrão de venação apresentaram diferenças marcantes, possibilitando a separação das espécies, baseada nestes caracteres.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    Anatomia foliar
    Taxonomia
    Lauraceae
    Nectandra
    Ocotea.
  • Referências

    , Inamdar JA. Stomatal complex in Lauraceae; structure and ontogeny. Acta Botanica Indica 1981; 9: 50-56.

    Baas P, Gregory M. A survey of oil cells in the dicotyledons with a comments on their replacement by and joint occurence with mucilage cells. Israel Journal of Botany 1985; 34: 167 – 186.

    Barros CF, Callado CH, Cunha M da, Costa CG, Pugialli HRL, Marquete O; Machado, RD 1997. Anatomia ecológica e Micromorfologia Foliar de espécies de Floresta Montana na Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In: Lima, H.C & Guedes-Bruni, RR. Serra de Macaé de Cima: Diversidade Florística e Conservação em Mata Atlântica. 1a edição. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

    Barroso GM, Peixoto AL, Ichaso CLF, Guimarães EF, Costa CG.Sistemática das Angiospermas do Brasil. Vol. I. 2a edição. Viçosa: Editora UFV; 2002.

    Baruah A, Nath SC. Foliar epidermal caracters in twelve species of Cinnamomum Schaeffer (Lauraceae) from Northestern India. Phytomorphology 1997; 47(2): 127–134.

    Braga MMN. Sobre a ocorrência de estômatos “graminóides” em espécies do gênero Virola L. e em outras dicotiledôneas. Acta amazonica 1984,14 (3/4): 521 - 525.

    Carvalho PER. Canela-branca. Circular técnica. Embrapa Florestas 2002; 63: 1-7.

    Carvalho DA, Oliveira-Filho AT, Vilela, EA, Gavilanes ML. Flora arbustivo-arbórea de uma floresta ripária no Alto Rio Grande em Bom Sucesso, MG. Acta Botanica Brasilica 1995, 9 (2): 231–245.

    Christophel DC, Kerrigan R, Rowett AI. The use of cuticular features in the taxonomy of the Lauraceae. Annals of the Missouri Botanical Garden 1996, 83: 419 – 432.

    Coe-Teixeira B. Lauráceas do estado de São Paulo III. Nectandra. Anais do XV Congresso da Sociedade Botânica do Brasil 1964:119–123.

    Coe-Teixeira, B. Lauráceas do gênero Ocotea do estado de São Paulo. Rodriguésia 1980, 32(52): 55–139.

    Esau K. Anatomy of the seed plants. 2nd ed., New York: Ed. Jonh Villey & Sons; 1977.

    Faggetter CD. Leaf cuticules (phytoglyphs) of selected Lauraceae. In: Metcalfe, C.R.(ed.). Anatomy of the Dicotyledons, Vol. III. 2a ed. Oxford, Oxford Claredon Press. 1987.

    Felfili JM, Filgueiras TS, Haridassan M, Silva-Junior MC, Cunha-de-Mendonça R, Resende AV. Projeto biogeografia do bioma cerrado: Vegetação e Solos. Cadernos de Geociências 1994, 12: 75–166.

    Fontenelle GB, Costa CG, Machado RD. Foliar anatomy and micromorphology of eleven species of Eugenia L. (Myrtaceae). Botanical Journal of the Linnean Society 1994, 116 (2): 111-133.

    Hickey LJ. A Revised classification of the architecture of Dicotiledonous leaves. In: Metcalfe CR, Chalk L. Anatomy of the Dicotyledons, Vol. I. 2a ed. Oxford: Oxford Claredon Press; 1979.

    IEF – Instituto Estadual de Florestas. Pesquisas prioritárias para o Parque Estadual do Rio Doce, Brasil, Belo Horizonte.1994.

    Johansen DA. Plant Microtechnique. 1st ed. New York: Mc Graw Hill Company: 503p; 1940.

    Le Quesne PW, Larrahondo JE, Raffauf RF. Antitumor plants. X. Constituents of Nectandra rigida. Journal of Natural Products, 1980 43(3): 353-359.

    Lopes WP. Florística e Fitossociologia de um trecho de vegetação arbórea no Parque Estadual do Rio Doce, MG. Viçosa - MG: UFV. Dissertação (Mestrado em Botânica)-Universidade Federal de Viçosa; 1998.

    Marques CA. Importância econômica da família Lauraceae. Floresta e Ambiente 2001, 8(1): 195-206.

    Marques CA, Barros CF, Costa CG. Beilshmiedia rigida (Mez) Kosterm. (Lauraceae): diferenciação e desenvolvimento da lâmina foliar. Rodriguésia 2004, 55 (84): 89-100.

    Metcalfe CR, Chalk L. Anatomy of the Dicotyledons, Vol. I. 1a ed. Oxford: Oxford Claredon Press: 1155p; 1950.

    Metcalfe CR. Anatomy of the Dicotyledons, Vol. III. 2a ed. Oxford: Oxford Claredon Press, 98 – 125; 1987.

    Moraes PLR, Paoli AAS. Epiderme e padrão de venação foliar de espécies de Lauraceae. Acta Botanica Brasilica 1999, 13(1): 87 – 97.

    Oliveira-Filho AT, Machado JNM. Composição florística de uma floresta semidecídua montana, na serra de São José, Tiradentes, Minas Gerais. Acta Botanica Brasilica 1993, 7 (2): 71 – 87.

    Paula A. de. Alterações florísticas e fitossociológicas da vegetação arbórea numa floresta semidecidual em Viçosa, MG. Viçosa-MG: UFV. Dissertação (Mestrado em Botânica)-Universidade Federal de Viçosa; 1999.

    Pedralli G, Teixeira MCB, França EG. Lauraceae do Parque Estadual do Rio Doce, Minas Gerais, Brasil. Ciência e Cultura 1986, 38(8): 1414 – 1421.

    Pedralli G, Freitas VLO, Meyer ST, Teixeira MCB. Levantamento florístico na estação ecológica do Tripuí, Ouro Preto, MG. Acta Botanica Brasilica 1997, 11(2): 191 – 213.

    Petzold V. Systematish-anatomische Untersuchungen über die Laubbläter der amerikanischen Lauraceen. Botanische Jahrbücher für Systematik Planzengeschichte und Planzengeographie 1907, 38: 445 – 474.

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    Copyright (c) 2019 Revista Fitos