e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    Verbena litoralis, conhecida por gervãozinho-do-campo, dentre outras denominações, é utilizada na medicina popular contra diarreias, desordens gastrointestinais e febres. Recentemente, suas atividades antimicrobiana e antioxidante foram comprovadas. Para auxiliar na sua identificação, o objetivo do presente trabalho foi descrever características anatômicas foliares de V. litoralis. Folhas adultas e expandidas foram coletadas no município de Taubaté-SP. Amostras coletadas do 2º e 3º nós foram fixadas e as secções obtidas à mão livre, com auxílio de lâmina de barbear e isopor foram obtidas no sentido transversal e paradérmico. As lâminas foram preparadas segundo técnicas usuais de anatomia vegetal. As folhas apresentam, em vista frontal da face adaxial, células sinuosas com estômatos anisocíticos, enquanto, na abaxial, estômatos anomocíticos. Tricomas glandulares e tectores unicelulares foram observados em ambas as faces. A nervura central é biconvexa com feixe vascular colateral, o mesofilo dorsiventral com parênquima paliçádico e lacunoso. A região basal do limbo, em vista transversal, apresenta inúmeros tricomas glandulares peltado e subssésis, além de tectores unicelulares, abaixo da epiderme ocorre colênquima angular, o sistema vascular é constituído por um feixe colateral e dois a quatro acessórios. Comparando com dados da literatura, a espécie em estudo se destaca pelas características dos tricomas glandulares.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    droga vegetal
    farmacobotânica
    planta medicinal
    tricomas
  • Referências

    Lima R, Guex CG, da Silva ARH, Lhamas CL, Dos Santos Moreira KL, Casoti R et al. Acute and subacute toxicity and chemical constituents of the hydroethanolic extract of Verbena litoralis Kunth. J Ethnopharmacol. 2018; 224:76-84.

    Li Y, Ishibashi M, Satake M, Oshima Y, Ohizumi Y. A New Iridoid Glycoside with Nerve Growth Factor-Potentiating Activity, Gelsemiol 6′-trans-Caffeoyl-1-glucoside, from Verbena littoralis. Chem Pharm Bulletin. 2003; 51(9): 1103-1105.

    Castro-Gamboa I, Castro O. Iridoids from the aerial parts of Verbena littoralis (Verbenaceae). Phytochem. 2004; 65(16): 2369-2372.

    Carrillo-Rosario T, Díaz de Ramírez A. Actividad antimalárica de extractos acuosos de Lantana camara L., Verbena littoralis L. y Heliotropium indicum L. en ratones infectados con Plasmodium berghei. Rev Fac Farm. 2006; 48(1): 14-20. Acesso em: 13 jun. 2018.

    Braga VF, et al. Micropropagation, antinociceptive and antioxidant activities of extracts of Verbena litoralis Kunth (Verbenaceae). Anais Acad Bras Cien. 2012; 84(1): 139-148. ISSN 0001-3765.

    Rashidian A, Kazemi F, Mehrzadi S, Dehpour AR, Mehr SE, Rezayat SM. Anticonvulsant Effects of Aerial Parts of Verbena officinalis Extract in Mice: Involvement of Benzodiazepine and Opioid Receptors. J Evid-based Compl Altern Med. 2017; 22(4): 632-636.

    Souza TJT, Manfron MP, Zanetti GD, Hoelzzel SCS, Pagliarin VP. Análise Morfo-Histológica e Fitoquímica de Verbena litoralis Kunth. Acta Farm Bonaer. 2005; 2(24): 209-214. ISSN 0326-2383. Acesso em: 13 jun. 2018.

    O'leary N, Mðlgura ME, Morrone O. Revisión taxonómica de las especies del género Verbena (Verbenaceae): serie Pachystachyae. Annals Mis Bot Garden. 2007; 94(3): 571-621.

    Calzada-Sánchez EV, Aguilar-Rodríguez S, López-Villafranco ME, Aguilar-Contreras A. Anatomía de hoja y tallo de Verbenaceae medicinales. Bot Sci. 2014; 92(4): 469-480. ISSN 2007-447. Acesso em: 13 jun. 2018.

    Yeo PF. A Re-Definition of Verbena brasiliensis. Kew Bulletin. 1990; 45(1): 101-120.

    Verloove F. Physalis ixocarpa Brot. ex Hornem. e Verbena litoralis Kunth, novos xenófitos espanhóis e registros de outras interessantes plantas vasculares alienígenas na Catalunha (Espanha). Lazaroa. 2004; 24: 7-11. ISSN 0210-9778. [Link]. Acesso: 13 jun. 2018.

    Nesom GL. Infrageneric classification of Verbena (Verbenaceae). Phytoneuron. 2010; 11: 1-15. Acesso em: 13 jun. 2018.

    Flora do Brasil 2020 em construção. Verbena litoralis Kunth. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Acesso em: 13 jun. 2018.

    Flora digital do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Verbena litoralis Kunth. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Acesso em: 13 jun. 2018.

    Cruz LVV, Salimena FRG. Verbenaceae J. St.-Hil. do Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. Boletim Bot. 2017; 35:65-74.

    Trentin BE, Estevan DA, Rossetto EFS, Gorenstein MR, Brizola GP, Bechara FC. Restauração florestal na Mata Atlântica: passiva, nucleação e plantio de alta diversidade. Cien Florestal. 2018; 28(1): 160-174. ISSN 1980-5098.

    Johansen DA. Plant Microtechniche. Mc Graw Hill, New York. 1940. 523p. ISBN 10: 0011854677.

    Bukatsch F. 1972. Bemerkungen zur Doppelfärbung: Astrablau-Safranin. Mikrokosmos. 1972; 61(8):255.

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    Copyright (c) 2019 Revista Fitos
Feedback