Desenvolvimento da química verde no cenário industrial brasileiro

Rachel Novaes Gomes, Paula Siqueira Lima, Sergio Noboru Kuriyama, Antonio Augusto Fidalgo Neto

Resumo


A preocupação com as questões ambientais tem influenciado diretamente o desenvolvimento de novas tecnologias. A busca por um desenvolvimento sustentável tem levado a busca por metodologias que empreguem o conceito de Química Verde nos diferentes setores das Indústrias Brasileiras.  Nesta revisão, fazemos um breve relato da aplicação da Química verde no setor industrial Brasileiro.


Palavras-chave


Química Verde. Sustentabilidade. Indústria.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABIQUIM, 2001. Online. Associação Brasileira da Indústria Química. Disponível em: [Link]. Acesso em: nov. 2016.

Anastas PT, Warner JC. 1998. Green Chemistry: Theory and Practice. Oxford University Press, New York.

Anink D, Boonstra C, Mark J. 1996. Handbook of Sustainable Building. James & James, London.

Bazito RC. Introdução à Química Verde. Instituto de Química da USP. 2009. 90 p. Disponível em: [Link]. Acesso em: dez. 2016.

Casullo P, Soubirón E. 2012. Química Verde: Metas, Desafíos y Formas de Contribuir a su Desarrolo desde La Enseñanza Media. In: Moyna P, et al., Aportes de La Química al Mejoramiento de La Calidad de Vida, p. 15-45. Montevidéu.

CGEE. Química Verde no Brasil: 2010-2030. Centro de Estudos e Gestão Estratégico. Brasília. 2010.

Croston G. Consumo e sustentabilidade no setor de higiene pessoal perfumaria e cosméticos. III Caderno de Tendências 2014-2015: Higiene Pessoal-Perfumaria e Cosméticos. BB Editora, São Paulo. 2014.

Dunn PJ, Wells AS, Williams MT. 2010. Future Trends for Green Chemistry in the Pharmaceutical Industry. In: Dunn PJ, Wells AS, Williams MT. (eds), Green Chemistry in the Pharmaceutical Industry. Wiley-VCH Verlag GmbH & Co: KGaA, Weinheim, Alemanha.

EPA, online. 2010. Disponível em: [Link]. Acesso em: nov. 2016.

Gomes PC. A indústria de cosméticos e a sustentabilidade da cadeia produtiva. 2014. Disponível em: [Link]. Acesso em: nov. 2016.

Gronnow MJ, White RJ, Clarck JH, Macquarrie DJ. 2005. Energy Efficiency in Chemical Reactions: A Comparative Study of Different Reaction Techniques. Organic Process Research & Development, 9: 516-518. [CrossRef]

Hansen KB, Hsiao Y, Xu F, Rivera N, Clausen A, Kubryk M, et al. 2009. Highly efficient asymmetric synthesis of sitagliptin. Journal of the American Chemical Society, 131: 8798-804. [CrossRef]

Lenardão EJ, Freitag RA, Dabdoub MJ, Batista ACF, Silveira CC. "Green chemistry" - Os 12 princípios da química verde e sua inserção nas atividades de ensino e pesquisa. Química Nova, 26(1): 123-29, 2003. [Link]

Machado AASC. 2011. Da Génese ao ensino da Química Verde. Química Nova, 34(3): 535-543. [CrossRef]

Mohanty A, Misra M, Drzal L. 2002. Sustainable bio-composites from renewable resources: opportunities and challenges in the green materials world. Journal of Polymers and the Environment, 10(1-2): 19-6. [Link]

Sheldon RA, Arends I, Hanefeld U. 2007. Green Chemistry and Catalysis. Wiley-VCH, Weinheim.

Tundo P, Anastas P, Black DS, Breen J, Collins T, Memoli S, et al. Synthetic pathways and processes in green chemistry. Introductory overview. Pure and Applied. Chemistry, 72:1207-12. 2000. [CrossRef]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.