e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes (Rubiaceae) é uma planta medicinal, conhecida como ipeca, que em suas raízes, são encontrados dois alcalóides de grande valor farmacológico (emetina e cefalina), usados no tratamento antidiarréico, amebicida, expectorante e antiinflamatório. O risco de extinção e a dificuldade do cultivo convencional da espécie, frente à grande demanda de mercado, fomentam estudos de métodos de cultivo que possibilitem a exploração econômica da mesma. Este trabalho apresenta dados sobre o desenvolvimento de protocolo de cultivo de raízes in vitro de P. ipecacuanha. Foram utilizadas folhas, segmentos nodais, internodais e raízes, que foram introduzidos em meios de cultura contendo diferentes concentrações (0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5 e 3,0 mg.L-1) de ácido indolbutírico. O melhor tratamento para a formação de raízes foi com a utilização de segmentos nodais, em meio de cultura contendo 2,5 e 3,0 mg.L-1 de AIB, que deram origem a 100% de formação de raízes, aos 60 dias de cultivo. Com relação ao número de raízes, o melhor resultado (13:1), foi obtido com a utilização de segmentos internodais em meio suplementado com 2,5 mg.L-1 de AIB e, o melhor comprimento de raízes foi obtido em segmentos radiculares desenvolvidos em 1,5 mg.L-1 de AIB (0,87cm por raiz).

    Artigo

    Texto completo

    PDF (English)
    HTML (English)
  • Referências

    Lameira OA. Cultivo da ipecacuanha [Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes]. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. Circ Tec. 2002; 28: 1-4. [Link].

    Oliveira LO, Venturini BA, Rossi AAB, Hastenreiter SS. Clonal diversity and conservation genetics of the medicinal plant Carapichea ipecacuanha (Rubiaceae). Genet Mol Biol. São Paulo. 2010; 33(1):86-93. ISSN: 1415-4757. [CrossRef].

    Ferreira Júnior WS, Cruz MP, Santos LL, Medeiros MFT. Use and importance of quina (Cinchona spp.) and ipeca (Carapichea ipecacuanha (Brot.) L. Andersson): Plants for medicinal use from the 16th century to the present. J Herb Med. 2012; 2(4):103-112. [CrossRef].

    Brandão MGL, Pignal M, Romaniuc S, Grael CFF, Fagg CFF. Useful Brazilian plants listed in the field books of the French naturalist Auguste de Saint-Hilaire (1779–1853). J Ethnoph. 2012; 143(2): 488-500. ISSN: 0378-8741. [CrossRef]. [PubMed].

    Agra MF, Silva KN, Basílio IJLD, França PF, Barbosa-Filho JM. Survey of medicinal plants used in the region Northeast of Brazil. Rev Bras Farm. João Pessoa. 2008; 18(3):472-508. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

    Otoni WC, Silva ML, Azevedo AA, Carvalho IF, Rossi AAB, Castrillon SI. Morfoanatomia dos sistemas gemíferos de poaia (Carapichea ipecacuanha (Brot.) L. Andersson) – Rubiaceae. Rev Fitos. Rio de Janeiro. 2015; 9(1): 9-17. [CrossRef].

    Andrade CRS, Lameira OA. Padrão de venação de Psychotria ipecacuanha (Brotero) Stokes (Rubiaceae). Rev Trópica: Cien Agr Biol. 2017; 9(1): 104-110. [Link].

    Miranda GO. A poaia: um estudo em Barra do Bugres. 1983. Monografia [Especialização em História e Historiografia de Mato Grosso] – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

    Corrêa MX. Ensaio bibliográfico sobre a Economia da Poaia na Zona da Mata Mineira. Em: XX ciclo de estudos históricos. Anais do XX ciclo de estudos históricos. Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz. 2010.

    Costa MP, Pinto JEB, França SC. Crescimento e teor de emetina em plantas de ipeca (Cephaelis ipecacuanha A.Richard.) obtidas in vitro e submetidas às condições de soluções nutritivas em casa de vegetação. Rev Cien Agrotec. 2000; 24(1): 46-53. [Link].

    Vieira LS. Manual da medicina popular: A Fitoterapia da Amazônia. Belém: Agronomia Vozes, 1991. 247p.

    Rocha TT, Lameira OA. Avaliação do período de floração e frutificação do BAG ipecacuanha. Em: 15° Seminário de Iniciação Científica da Embrapa. Belém, PA. Anais do XV Seminário de Iniciação Científica da Embrapa: Embrapa Amazônia Oriental, 2011. [Link].

    Cncflora. Carapichea ipecacuanha in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Acesso em: 16 jan 2018. [Link].

    Yoshimatsu K, Shimomura K. Cephaelis ipecacuanha A. Rich. (Brazilian ipeca) Micropropagation and the production of emetine and cephaeline. Em: Bajaj Y.P.S. Biotechnology in Agriculture Forestry: Medicinal and Aromatic Plants, Berlin: Springer Verlag. 1993; 21(4): 87-103.

    Kingston DGI. Modern Natural Products Drug Discovery and its Relevance to Biodiversity Conservation. J Nat Prod. Berlin: Springer Verlag. 2011; 74(3): 496-511. [CrossRef].

    Murashige T, Skoog FA. Revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco tissue culture. Phys Plant. 1962; 15: 473-497. [CrossRef].

    Miranda CS, Chalfun NJ, Hoffmann A, Dutra LF, Coelho GVA. Enxertia recíproca e AIB como fatores indutores do enraizamento de estacas lenhosas dos porta-enxertos de pessegueiro ‘Okinawa’ e umezeiro. Cien Agrotec. 2004; 28: 778-784. [CrossRef].

    Figueiredo LS, Bonfim FPG, Ferraz EO, Castro CE, Souza MF, Martins ER. Influência do ácido indolbutírico no enraizamento de alecrim-pimenta (Lippia sidoides) em leito com umidade controlada. Rev Bras Plan Medic. 2009; 11: 33-36. [CrossRef].

    Duarte EF, Resende Júnior PM, Carneiro IF. Enraizamento de estacas de ixora (Ixora coccinea L.) com o uso de AIB e solução mineral. Em: Congresso de pesquisa, ensino e extensão da UFG - CONPEEX 3. 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do III Seminário de Pesquisa e Pós-Graduação [CD-ROM], Goiânia: Universidade Federal de Goiânia, 2006. [Link].

    Vasques GH, Mesquita KAC. Avaliação de diferentes substratos e doses de hormônio no enraizamento de estacas de ixora (Ixora coccinea L. inn “compacta”). Em: Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais, 14, Anais do Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas, 1, Universidade Federal de Lavras, Lavras: UFLA/FAEPE, 2003. 101p.

    Pasqual M, Chalfun NNJ, Ramos JD, Vale MR, Silva CRR. Fruticultura comercial: propagação de plantas frutíferas. Lavras: UFLA. 137p. 2001.

    Ramos JD, Matos LES, Gontijo TCA, Pio R, Junqueira KP, Santos FC. Enraizamento de estacas herbáceas de ‘mirabolano’ (Prunus cerasifera EHRN) em diferentes substratos e concentrações de ácido indolbutírico. Rev Bras Frutic. 2003; 25(1):189-91. ISSN: 1806-9967. [CrossRef] [Link].

    Krysczun DK, Siilva JAG, Marolli A, Trautmann APB, Lucio AD, Carbonera R. Growth regulator on oat yield indicators. Rev Bras Eng Agr Amb. 2017; 21(12):828-833. [CrossRef].

    Hartmann HT, Kester DE, Davies RT, Geneve RL. Plant propagation: principles and practices. 8ª ed. New Jersey: Prentice Hall, 2011. 915p.

    Zietemann C, Roberto SR. Efeito de diferentes substratos e épocas de coleta no enraizamento de estacas herbáceas de goiabeira, cvs. Paluma e Século XXI. Rev Bras Frut. 2007; 29:31-36. [CrossRef].

    Carvalho Júnior WGO, Melo MTP, Martins ER. Comprimento da estaca no desenvolvimento de mudas de alecrim pimenta. Cien Rural. Santa Maria. 2009; 39:2199-2202. ISSN: 1678-4596. [CrossRef].

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    1. DIREITOS CEDIDOS - A cessão total não exclusiva, permanente e irrevogável dos direitos autorais patrimoniais não comerciais de utilização de que trata este documento inclui, exemplificativamente, os direitos de disponibilização e comunicação pública da OBRA, em qualquer meio ou veículo, inclusive em Repositórios Digitais, bem como os direitos de reprodução, exibição, execução, declamação, recitação, exposição, arquivamento, inclusão em banco de dados, preservação, difusão, distribuição, divulgação, empréstimo, tradução, dublagem, legendagem, inclusão em novas obras ou coletâneas, reutilização, edição, produção de material didático e cursos ou qualquer forma de utilização não comercial.

    2. AUTORIZAÇÃO A TERCEIROS - A cessão aqui especificada concede à FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ o direito de autorizar qualquer pessoa – física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira – a acessar e utilizar amplamente a OBRA, sem exclusividade, para quaisquer finalidades não comerciais, nos termos deste instrumento.

    3. USOS NÃO COMERCIAIS - Usos não comerciais são aqueles em que a OBRA é disponibilizada gratuitamente, sem cobrança ao usuário e sem intuito de lucro direto por parte daquele que a disponibiliza e utiliza.

    4. NÃO EXCLUSIVIDADE - A não exclusividade dos direitos cedidos significa que tanto o AUTOR como a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ou seus autorizados poderão exercê-los individualmente de forma independente de autorização ou comunicação, prévia ou futura.

    5. DIREITOS RESERVADOS - São reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) os direitos morais sobre as obras de sua autoria e/ou titularidade, sendo os terceiros usuários responsáveis pela atribuição de autoria e manutenção da integridade da OBRA em qualquer utilização. Ficam reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) e/ou TITULAR(es) os usos comerciais da OBRA incluída no âmbito deste instrumento.

    6. AUTORIA E TITULARIDADE - O AUTOR declara ainda que a obra é criação original própria e inédita, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo e outros elementos que fazem parte da OBRA, inclusive os direitos de voz e imagem vinculados à OBRA, obrigando-se a indenizar terceiros por danos, bem como indenizar e ressarcir a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ de eventuais despesas que vierem a suportar, em razão de qualquer ofensa a direitos autorais ou direitos de voz ou imagem, principalmente no que diz respeito a plágio e violações de direitos.

    7. GRATUIDADE - A cessão e autorização dos direitos indicados e estabelecidos neste Instrumento será gratuita, não sendo devida qualquer remuneração, a qualquer título, ao autor e/ou titular, a qualquer tempo.