e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    No Brasil existem duas políticas nacionais que incentivam a utilização de Fitoterápicos como terapia alternativa na atenção básica de saúde (ABS): Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF) e a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), que fornecem as diretrizes da Fitoterapia nos Serviços de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) através das plantas medicinais de interesse ao SUS (RENISUS). O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão bibliográfica de artigos e documentos expostos durante as aulas de Fitoterapia no curso de Medicina do Norte do Brasil. A formação em saúde, de modo geral, ainda precisa avançar no sentido de preparar profissionais no atendimento aos pressupostos do SUS e seus programas de saúde instituídos, a exemplo da PNPMF e da PNPIC, oferecendo-lhes suporte para que sejam coerentemente inseridos na prática profissional e no dia a dia dos serviços, com comprometimento e responsabilidade.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    PNPMF e PNPIC. Fitoterápicos. SUS (RENISUS). Atenção básica.
  • Referências

    Cortez LDC, Jeukens MMF. Fitoterápicos na atenção primária à saúde: revisão da literatura. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa SP. Set 2017; 62(3):150-5. ISSN 1809-3019. [CrossRef].

    Brasil. Conselho Federal e Medicina-CFM. Ementa Nº 3490/99, de 11 de out de 2008. A fitoterapia não é reconhecida como especialidade médica pelo CFM, porém é reconhecida como um processo terapêutico pelos organismos sanitários nacionais (ANVISA). Fortaleza, 11 out. 2008; p. 1-2. [Link].

    Brasil. Agência Nacional de Vigilância sanitária-ANVISA. Resolução n° 84, de 17 jun de 2016. Aprova o Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 20 jun 2016; Sessão 1, vol. 116, p. 70. [Link].

    Rosa C, Câmara SG, Béria JU. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Cienc. Saúde Colet. Jan 2011; 16(1):311-318. ISSN 1678-4561. [CrossRef].

    Brasil. Conselho Federal de Farmácia-CFF. Resolução Nº 546, de 21 de jul de 2011. Dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos de prescrição. Brasília, 26 jul. 2011; p.1-6. [Link].

    Brasil. Conselho Federal de Odontologia-CFO. Resolução Nº 82, de 25 de set de 2008. Reconhece e regulamenta o uso pelo cirurgião-dentista de práticas integrativas e complementares à saúde bucal. Rio de Janeiro, 25 set. 2008; p. 1-2.

    Brasil. Conselho Federal de Nutricionistas-CFN. Resolução Nº 556, de 11 de abr de 2015. Altera as Resoluções nº 416, de 2008, e nº 525, de 2013, e acrescenta disposições à regulamentação da prática da Fitoterapia para o nutricionista como complemento da prescrição dietética. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 28 jun. 2013; Sessão 1, vol. 28, p. 141. [Link].

    Brasil. Agência Nacional de Vigilância sanitária-ANVISA. Resolução n°18, de 3 de abr de 2013. Dispõe sobre as boas práticas de processamento e armazenamento de plantas medicinais, preparação e dispensação de produtos magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos em farmácias vivas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 21 agosto 2006. [Link].

    Santos MG. Farmácias Vivas. Comunidade de práticas. Disponível em: [Link]. Acesso em: 20 mai 2019; 1(1).

    Soares AAP, Silva ACR, Neto JHA, Cavalcante ALC, Melo OF, Siqueira RMP. Aceitação de fitoterápicos por prescritores da atenção primária à saúde. SANARE. Rev Polit Publ. 2018; 17(2): 124-40. ISSN 2317-7748.

    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos e Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Portaria nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 4 maio. 2006; Seção 1, v. 20, p. 60. [Link].

    Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 3 maio 2006. [Link].

    Vieira. JS. Uma experiência na saúde coletiva no quinto ano da graduação em medicina. São Luís; 2018. Monografia. [Coordenação do Curso de Medicina] Universidade Federal do Maranhão.

    Veiga Junior VF. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev Bras Farmacogn, abr/jun 2008; 18(2):308-313. ISSN 1981-528X. [CrossRef].

    Nobrega LN, Ugulino PTD, Cajá DF, Dantas AEF. A importância da orientação dos profissionais das equipes de saúde da família acerca do uso da fitoterapia. Rev Bras Educ Saúde, fev 2017; 7(1):43-48. ISSN 2358-2391. [CrossRef].

    Queiroz MS. O itinerário rumo às medicinas alternativas: uma análise em representações sociais de profissionais da saúde. Cad Saúde Pública, jun 2000; 16(2):363-375. ISSN 1678-4464. [CrossRef].

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    Copyright (c) 2019 Revista Fitos
Feedback