e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    O presente trabalho teve como objetivo realizar um estudo para analisar o perfil das famílias atendidas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município de Umuarama/PR, que fazem ou não o uso de plantas medicinais, possibilitando assim, uma contribuição às pessoas da comunidade, com a prática dos profissionais que nela atuam. Para tanto, foi realizado um estudo de caráter descritivo a partir de uma pesquisa quantitativa, realizado entre os meses de julho a outubro de 2017. A entrevista foi realizada com os usuários das UBS, de idade superior a 18 anos. Para a coleta de dados foi utilizado um instrumento de pesquisa dividido em três partes: I, dados sócio demográficos; II, utilização dos serviços e III, o uso ou não de plantas medicinais. Analisando o perfil das famílias atendidas nas UBS, a prática do uso de plantas medicinais é uma atividade natural, (67,7% dos entrevistados) passado ao longo das gerações, nos núcleos familiares, em que os sujeitos da pesquisa as obtém, na maioria das vezes, do seu próprio quintal. Espera-se com este trabalho contribuir com os projetos desenvolvidos na atenção básica de saúde deste município, tanto como forma de preservação e/ou contribuição para o acesso a outras opções terapêuticas.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    Plantas Medicinais
    Uso Popular
    Tratamento Alternativo
    Promoção à Saúde
  • Referências

    Figueredo CA, Gurgel IGD, Gurgel Junior GD. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Revista de Saúde Coletiva. 2014; 24 (2): 381-400. ISSN: 0103-7331. [CrossRef]

    Oliveira GL, Oliveira AFM, Andrade LHC. Plantas medicinais utilizadas na comunidade urbana de Muribeca, Nordeste do Brasil. Acta Botânica Brasileira. 2010; 24 (2) 571-7. ISSN: 0102-3306. [CrossRef]

    Badke MR, Budó MLD, Silva FM, Ressel LB. Plantas Medicinais: o saber sustentado na pratica do cotidiano popular. Escola Anna Nery. 2011; 15 (1); 132-9. ISSN: 1414-8145. [CrossRef]

    Marinho MGV, Silva CC, Andrade LHC. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em área de caatinga no município de São José de Espinharas, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2011; 13 (2): 170-82. ISSN: 1516-0572. [CrossRef]

    Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996. Institui as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 10 out. 1996. [Link]

    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009. [Link]

    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n.º 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 04 mai. 2006. [Link]

    Brasil. Presidência da República. Decreto n.º 5813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 23 jun. 2006. [Link]

    Costa CGA, Garcia MT, Ribeiro SM, Salandini MFS, Bógus CM. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Ciências da saúde coletiva. 2015; 20 (10): 3099-110. ISSN: 1413-8123. [CrossRef]

    Barbetta PA. Estatística aplicada às ciências sociais. 8º ed. ver. Florianópolis: Ed. da UFSC; 2012. ISBN: 978-85-328-0604-8.

    Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População estimada. Disponível em: [Link]. Acesso em: 16 de novembro de 2017.

    Woitowicz KJ. Identidade Étnica no Mosaico Cultural Paranaense Considerações e paradoxos nas expressões folkcomunicacionais dos grupos migratórios do Paraná. In: XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Natal, RN – 2 a 6 de setembro de 2008. [Link]

    Oliveira KCS, Zanett ML. Conhecimento e atitude de usuários com diabetes mellitus em um Serviço de Atenção Básica à Saúde. Revista Escola de Enfermagem da USP. 2011; 45(4): 862-8. ISSN: 0080-6234. [CrossRef]

    Ethur LZ, Jobim JC, Ritter JG, Oliveira G, Trindade BS. Comércio formal e perfil de consumidores de plantas medicinais e fitoterápicos no município de Itaqui – RS. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2011; 13 (2): 121-8. ISSN 1516-0572. [CrossRef]

    Bolson M, Hefler SM, Dall’oglio Chaves EI, Gasparotto Junior A, Cardozo Junior EL. Ethno-medicinal study of plants used for treatment of human ailments, with residents of the surrounding region of forest fragments of Paraná, Brazil. Journal Ethnopharmacology. 2015; 161: 1-10. [CrossRef] [PubMed]

    Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília, DF: MS; 2009. [Link]

    Sales MDC, Sartor EB, Gentilli RML. Etnobotânica e etnofarmacologia: medicina tradicional e bioprospecção de fitoterápicos. Salus Journal of Health Sciences. 2015; 1 (1): 17-26. [Link]

    Arnous AH, Santos AS, Beinner RPC. Plantas Medicinais de uso caseiro- conhecimento e interesse popular por cultivo comunitário. Revista Espaço para a Saúde. 2005; 6 (2): 1-6. [Link]

    Veiga-Junior VF. Estudo do consumo de plantas medicinais na região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2008; 18 (2): 308-13. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]

    Carvalho ACB, Balbino EE, Maciel A, Perfeito JPS. Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2008; 18 (2): 314-19. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]

    Veiga Junior VF, Pinto AC, Maciel MAM. Plantas Medicinais: Cura segura?. Química Nova. 2005; 28 (3): 519-28. ISSN: 0100-4042. [CrossRef]

    Lanini J, Duarte-Almeida JM, Nappo S, Carlini EA. “O que vêm da terra não faz mal”- Relatos de problemas relacionados ao uso de plantas medicinais porraizeiros de Diadema/SP. Revista Brasileirade Farmacognosia. 2009; 19 (1): 121-9. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]

    Silveira PF, Bandeira MAM, Arrais PSD. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos: uma realidade. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2008; 18 (4): 618-26. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]

    Brasil. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 26, de 13 de Maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos. Brasília, DF. [Link]

    Brasil. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira - 1ª. Edição. Brasília: 2016. [Link]

    Gorril LE, Jacomassi E, Mella Junior SE, Dalsenter PR, Gasparoto Junior A, Lourenço ELB. Risco das plantas medicinais na gestação: uma revisão dos dados de acesso livre em língua portuguesa. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR. 2016; 20 (1): 67-72. ISSN: 1982-114X. [CrossRef]

    Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, MG, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. 2008; 44 (4): 629-36. ISSN: 1516-9332. [CrossRef]

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    Copyright (c) 2019 Revista Fitos
Feedback