e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    O presente trabalho objetivou realizar através de pesquisa bibliográfica um levantamento de informações etnobotânicas, etnofarmacológicas e farmacológicas das espécies medicinais das famílias Acanthaceae, Aizoaceae, Alismataceae e Amaranthaceae cultivadas no Horto Medicinal do Campus 2 da Universidade Paranaense - UNIPAR, localizada em Umuarama - PR. Para tanto, utilizou-se as seguintes bases de dados: Medline, PubMed, SciElo e Google Acadêmico, onde foram pesquisadas as palavras-chave: etnobotânica, etnofarmacologia, plantas medicinais, uso popular, ação farmacológica, composição química, efeitos adversos, além dos nomes científicos das espécies.  As quatro famílias abordadas neste estudo, somaram 14 espécies, sendo a maioria delas (11 espécies) de uso medicinal com informações etnobotânicas e etnofarmacológicas registradas na literatura consultada. No entanto, somente 5 espécies apresentaram estudos farmacológicos comprovando os usos populares. E, apenas 3 espécies são de uso exclusivamente ornamental.

    Artigo

    Texto completo

    PDF
    HTML

    Palavras-chave

    Etnobotânica. Etnofarmacologia. Plantas Medicinais. Uso Popular. Composição Química. Efeitos Adversos.
  • Referências

    Feijo AM, et al. Plantas medicinais utilizadas por idosos com diagnóstico de Diabetes Mellitus no tratamento dos sintomas da doença. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2012; 14 (1): 50-56. ISSN: 1516-0572. [CrossRef]

    Badke, M. R. et al. Plantas medicinais: O saber sustentado na prática do cotidiano popular. Escola Anna Nery. 2011; 15 (1): 132-139. ISSN: 1414-8145. [CrossRef]

    Veiga Junior VF, Pinto AC, Maciel MA. Plantas medicinais: Cura Segura? Química Nova. 2005; 28 (3): 519-528. ISSN: 0100-4042. [CrossRef]

    Borda AM, Macedo M. Plantas medicinais usadas para a saúde bucal pela comunidade do bairro Santa Cruz, Chapada dos Guimarães, MT, Brasil. Acta Botanica Brasilica. 2006; 20 (4): 771-782. ISSN: 0102-3306. [CrossRef]

    Sales, GPS, Albuquerque HNde, Cavalcanti MLF. Estudo do uso de plantas medicinais pela comunidade quilombola Senhor do Bonfim - Areia-PB. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 2009,1: 31-36. ISSN: 1519-5228. [Link]

    Brasil. Portaria no 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde: Brasília, 2006. Disponível em: [Link]

    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Série B. Textos Básicos de Saúde, Brasília, 2006. 60p. Disponível em: [Link]

    Kayser, O. Ethnobotany and medicinal plant biotechnology: from tradition to modern aspects of drug development. Planta Med, 2018, 84: 834-838. ISSN: 0032-0943. [PubMed] [CrossRef]

    Marisco G, Rocha R. Estudos Etnobotânicos em Comunidades Indígenas no Brasil. Revista Fitos, 2016, 10 (2): 155-162. ISSN: 2446-4827. [CrossRef]

    Canzi KN, et al. Levantamento florístico do horto medicinal do campus 2 da Universidade Paranaense (UNIPAR) – Umuarama/Pr. Arquivos de Ciência da Saúde da Unipar. 2012; 16 (3): 123-137. ISSN: 1982-114X. [Link]

    Ezike AC, Akah PA, Okoli CO. Bronchospasmolytic activity of the extract and fractions of Asystasia gangetica leaves. International Journal of Applied Research in Natural Products. 2008; 1 (3): 8-12. ISSN: 1940-6223. [Link]

    Tripathi S, et al. Rare ethno medicinal plants of south west Bengal, India with their different medicinal uses: Needs conservation. Internation Journal of Life Sciences Biotechnology and Pharma Research Hyderabad, INDIA. 2013; 2 (2): 114-122. ISSN: 2250-3137. [Link]

    Zheng X, Xing F. Ethnobotanical study on medicinal plants around Mt. Yinggeling, Hainan Island, China. Journal of Ethnopharmacology. 2009; 124: 197-210. [PubMed] [CrossRef]

    Biswas A, et al. Inherited folk pharmaceutical knowledge of tribal people in the Chittagong hill tracts, Bangladesh. Indian Journal of Traditional Knowledge. 2010; 9 (1): 77-89. ISSN: 0975-1068. [Link]

    Pilla MAC, Amorozo MCM, Furlan A. Obtenção e uso das plantas medicinais no distrito de Martim Francisco, município de Mogi-Mirim, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica. 2006; 20 (4): 789-802. ISSN: 0102-3306. [CrossRef]

    Iwalewa EO, et al. Inflammation: The foundation of diseases and disorders. A review of phytomedicines of South African origin used to treat pain and inflammatory conditions. African Journal of Biotechnology. 2007; 6 (25): 2868-2885. ISSN 1684–5315. [CrossRef]

    Cardoso GLC, Pereira NA, Lainetti R. Avaliação da atividade do chapéu-de-couro (Echinodorus grandiflorus) (Cham. & Schl.) Mitch. (Alismataceae) sobre os níveis plasmáticos de colesterol em camundongos. Revista Brasileira de Farmácia. 2005; 86 (3): 95-96. [Link]

    Bieski GC. Conhecimento etnofarmacobotânico de plantas medicinais utilizadas por comunidades tradicionais do Distrito Nossa Senhora Aparecida Chumbo, Poconé, Mato Grosso, Brasil, 2010. Dissertação (mestrado) Universidade Federal de Mato Grosso.

    Flores, AAD. Colección y caracterización morfológica de la diversidad de plantas medicinales de las provincias de Loja y Cotopaxi. Quito, Ecuador, 2014. Tesis de Grado Previa, Universidad Central del Ecuador.

    Bussmann RW, Sharon D. Traditional medicinal plant use in Northern Peru: tracking two thousand years of healing culture. Journal of ethnobiology and ethnomedicine. 2006; 2 (1): 1. ISSN: 1746-4269. [CrossRef]

    Tropicos. Missouri botanical garden W3 tropicos. vascular trópico. Disponível em: [Link]. Acesso em: 16 set. 2018.

    Souza VC, Lorenzi H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. São Paulo: Instituto Plantarum, 2008. ISBN: 9788586714290 8586714291.

    Lorenzi H. Plantas para jardim no Brasil: herbáceas arbustivas e trepadeiras. São Paulo: Instituto Plantarum, 2013. ISBN: 9788586714405.

    Vásquez SPF. Conhecimento, uso e conservação da diversidade vegetal em quatro comunidades ribeirinhas no município Manacapuru, Amazonas. 2014. 87 f. Tese (Doutorado em Botânica) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, INPA, Manaus.

    Oliveira LT, Albuquerque LCS, Silva NRR. Jardim didático como ferramenta educacional para aulas de botânica no IFRN. HOLOS. 2012; 4: 242-249. ISSN: 1807-1600. [CrossRef]

    Cavalcanti MLF, et al. Identificação dos vegetais destinados a ornamentação de praças, parques e creches em Campina Grande, PB. Revista Biológica e Ciências da Terra. 2004; 4 (1). [Link]

    Kamdem JP, Priso JR, Ndongo D. Diversity, structural parameters and non-timber forest products in the Forest reserve of bonepoupa (Douala, Cameroon). Ciência Florestal. 2013; 23 (4): 795-803. ISSN: 0103-9954. [CrossRef]

    Pradeep Kumar R, et al. Potential hypoglycemic & hypolipidemic effect of Morus Indica and Asystasia gangetica in alloxan induced diabetes mellitus. International Journal of Pharmacy and Pharmaceutical Sciences. 2010; 1 (1): 51-56. ISSN: 0975-7538. [PubMed]

    Mugabo P, Raji IA. Effects of aqueous leaf extract of Asystasia gangetica on the blood pressure and heart rate in male spontaneously hypertensive wistar rats. BMC Complementary and Alternative Medicine. 2013; 13:283. [CrossRef] [PubMed]

    Moronkola DO, Atewolara-Odule OC, Olubomehin OO. Compositions and comparison of the leaf and stem essential oils from Nigerian Hypoestes phyllostachya ‘rosea’ p. Beau. [acanthaceae]. African Journal of Pharmacy and Pharmacology. 2009; 3 (9): 458- 462. ISSN: 1996-0816. [Link]

    Althaus-Ottmann MM, Cruz MJR, Fonte NN. Diversidade e uso das plantas cultivadas nos quintais do bairro Fanny, Curitiba, PR, Brasil. Revista Brasileira de Biociências. 2011; 9 (1): 39-49. ISSN: 1980-4849. [Link]

    Golan K, Górska-Drabik E. The Scale insects (Hemiptera, Coccinea) of ornamental plants in a greenhouse of the Maria Curie Sklodowska University Botanical Garden in Lublin. Journal of Plant Protection Research. 2006; 46 (4): 347-352. ISSN: 1427-4345. [Link]

    Daniel TF, Rodríguez D. New distribution records for Acanthaceae in El Salvador with a list of native and naturalized species noting occurrences by department. Phytoneuron, 2016, 31: 1-8. ISSN: 2153 733X. [Link]

    Akhtar MF, et al. Cardiovascular evaluation of Ruellia patula and Ruellia brittoniana. Journal of Islamic Academy of Sciences. 1992; 5 (1): 67-71. ISSN: 2415-1297. [Link]

    Velayos M, et al. Preliminary checklist of vascular plants of Bioko Island (Equatorial Guinea). Botanica Complutensis. 2013; 37: 109-133. ISSN: 0214-4565. [CrossRef]

    Junaedi DI. Exotic plants in the cibodas botanic gardens remnant forest: inventory and cluster analysis of several environmental factors. Buletin Kebun Raya. 2014; 17 (1). ISSN: 0125-961X. [Link]

    Silva JC, et al. Ethnobotany as tool in the dissemination of knowledge: relation young people and the socio-environmental program of the JBRJ. Revista Fitos. 2015; 9 (2): 73-159. ISSN: 1808-9569. [CrossRef]

    Souza CCV. Etnobotânica de quintais em três comunidades ribeirinhas na Amazônia Central, Manaus – AM. 2010. 103 p. Dissertação (mestrado em botânica) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus.

    Siviero A, et al. Plantas ornamentais em quintais urbanos de Rio Branco, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum. 2014; 9 (3): 797-813. ISSN: 1981-8122. [CrossRef]

    Lorenzi H. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 2. ed. São Paulo: Instituto Plantarum, 1999. ISBN: 9788586714085.

    Souza NB. Efeito dos solos antrópicos (Terra preta de índio) na diversidade vegetal de quintais em comunidades ribeirinhas no Rio Madeira, Amazonas. 2014. 75 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus.

    Lopez OR. Introduced Alien Plant Species in the Neotropics: the Panama Case. The Open Environmental Research Journal. 2012; 5: 84-89. ISSN: 2590-2776. [CrossRef]

    Aleixo KP. Sazonalidade na disponibilidade de alimento e dinâmica de forrageamento em Scaptotrigona aff. depilis (Hymenoptera, Apidae, Meliponini). 2013. Dissertação (mestrado). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP.

    Kar A, Borthakur SK. Wild vegetables sold in local markets of karbi anglong, Assam. Indian Journal of Traditional knowledge. 2007; 6 (1): 169-172. . ISSN: 0972-5938. [Link]

    Dhileepan K, et al. The leaf-tying moth Hypocosmia pyrochroma (Lep.,Pyralidae), a host-specific biological control agent for cat's claw creeper Macfadyena unguis-cati (Bignoniaceae) in Australia. Journal of Applied Entomology. 2007; 131 (8): 564-568. ISSN: 1439-0418. [CrossRef]

    Oliveira CMG, et al. Ocorrência de nematóides fitoparasitos em plantas ornamentais nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental. 2007; 13 (2): 135-141. ISSN: 2447-536X. [CrossRef]

    Vieira RMS. Flora da Madeira: plantas vasculares naturalizadas no Arquipélago da Madeira. Boletim do Museu Municipal de Funchal (História Natural). Eco do Funchal: Portugal Suplemento n. 8, 2002. ISSN: 0870-3876.

    Robledo A, Ríos S, Alcaraz F. Notas sobre La flora Alóctona del Sureste Iberico, (España) II. Anales de Biología. 1996; 21 (10): 47-54. ISSN: 1138-3399. [Link]

    Hamdy RS, et al. The floristic composition of some historical botanical gardens in the metropolitan of Cairo, Egypt. African Journal of Agricultural Research.2007; 2 (11): 610-648. ISSN: 1991-637X. [Link]

    Newton LE, Mbugua PK. A check-list and identification key for succulent plants in general cultivation in Nairobi. Journal of the East Africa Natural History Society an National Museum. 1993; 82 (201): 43-53. [Link]

    Augusto WFC, Santos MR, Sampaio AVCF. O Uso do Teto Verde na Arquitetura. In: ENTAC – Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 2012 14; Juiz de Fora. 2012. Anais... Juiz de Fora; 2012.

    Teixeira PC, Ilha MSO. Aproveitamento de água pluvial em edifícios com coberturas verdes: Parâmetros de qualidade da água. In: ENTAC – Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 14. 2014, Juiz de Fora. Anais… Juiz de Fora, 2014.

    Caetano FDNC, Tibiriça ACG, Santos GLAA. Sistema de cobertura verde para uma edificação da área de saúde numa IFES. In: Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, 13, 2010, Canela. Anais... Canela, 2010.

    Pagliarini MS. Meiotic Behavior and Pollen Fertility in Aptenia cordifolia (Aizoaceae). Caryologia. 1990; 43 (2): 157-162. ISSN: 0008-7114. [CrossRef]

    Bianco MS. Viabilidade agroeconômica do consórcio de couve com espinafre ‘Nova Zelândia’. 55p. 2015. Tese (doutorado em agronomia) – Universidade Estadual Paulista ‘Júlio de Mesquita Filho’ – Campus de Jaboticabal, Jaboticabal.

    Azevedo FLAA. Valor nutricional, capacidade antioxidante e utilização de folhas de espinafre (Tetragonia tetragonioides) em pó como ingrediente de pão de forma. 2012. 130 f. Tese (Dutorado - Ciência e Tecnologia de Alimentos) - Universidade Federal da Paraíba: João Pessoa.

    Menezes LS, Leite SLC, Ritter MR. Florística de um fragmento de restinga em Imbé, Rio Grande do Sul, Brasil. Instituto Anchietano de Pesquisas. 2013; 141-155. ISSN: 0373-840X. [Link]

    Messias MCRB, et al. Popular use of medicinal plants and the socioeconomic profile of the users: a study in the urban area of Ouro Preto, Minas Gerais, Brazil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2015; 17 (1): 76-104. ISSN: 1516-0572. [CrossRef]

    Rahmatullah M, et al. A Comparative Analysis of Medicinal Plants Used by Folk Medicinal Healers in Villages Adjoining the Ghaghot, Bangali and Padma Rivers of Bangladesh. American Eurasian Journal of Sustainable Agriculture. 2010; 4 (1): 70-85. ISSN: 1998-1074. [Link]

    Okuyama E, Yamazaki M. The Principles of Tetragonia tetragonioides having Anti-ulcerogenic Activity. II. Isolation and Structure of Cerebrosides. Chemical and Pharmaceutical Bulletin. 1983; 31 (7): 2209-2219. ISSN: 0009-2363. [PubMed]

    Cambie RC, Ferguson LR. Potential functional foods in the traditional Maori diet. Mutation Research. 2003; 523-524. [PubMed]

    Souza CD, Felfili JM. Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, GO, Brasil. Acta Botanica Brasilica. 2006; 20 (1): 135-142. ISSN: 0102-3306. [CrossRef]

    Ribeiro DA, et al. Potencial terapêutico e uso de plantas medicinais em uma área de Caatinga no estado do Ceará, nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. 2014; 16 (4): 912-930. ISSN: 1516-0572. [CrossRef]

    Fernandes NK, Krupek RA. O uso de plantas medicinais por grupos da terceira idade no município de União da Vitória (PR). Arquivos do MUDI. 2014; 18 (3): 49-64. [Link]

    Lopes GFG, Pantoja SCS. Levantamento das espécies de plantas medicinais utilizadas pela população de Santa Cruz – Rio de Janeiro –RJ. Revista Eletrônica Novo Enfoque. 2013; 16 (16): 62-80. ISSN: 1808-3501. [Link]

    Staniski A, Floriani N, Strachulski J. Estudo Etnobotânico de plantas medicinais na comunidade faxinalense Sete Saltos de Baixo, Ponta Grossa – PR. Terr@ Plural. 2014; 8 (2): 321-340. ISSN: 1981-6537. [Link]

    Arjona FBS, Montezuma RCM, Silva IM. Aspectos etnobotânicos e biogeografia de espécies medicinais e/ou rituais comercializadas no mercado de Madureira, RJ. Revista Caminhos da Geografia. 2007; 8 (23): 41-50. ISSN: 1678-6343. [Link]

    Maioli-Azevedo V, Fonseca-Kruel VS. Plantas medicinais e ritualísticas vendidas em feiras livres no município do Rio de Janeiro, RJ, Brasil: estudo de caso nas zonas Norte e Sul. Acta Botanica Brasilica. 2007; 21 (2): 263-275. ISSN: 0102-3306. [CrossRef]

    Azevedo SKS, Silva IM. Plantas medicinais e de uso religioso comercializadas em mercados e feiras livres no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica. 2006; 20 (1): 185-194. ISSN: 0102-3306. [CrossRef]

    Di Stasi LC, et al. Medicinal plants popularly used in the Brasilian Tropical Atlantic Forest. Fitoterapia. 2002; 73 (1): 69-91. [CrossRef]

    Cardoso GLC, Pereira NA, Lainetti R. Avaliação das atividades antinociceptiva, antiinflamatória e diurética de chapéu-de-couro (Echinodorus grandiflorus, [Cham. & Schl.] Mitch, Alismataceae). Revista Brasileira de Farmácia. 2003; 84 (1): 5-7. [Link]

    Gasparotto FM et al. Heart-Protective Effects of Echinodorus grandiflorus in Rabbits That Are Fed a High-cholesterol Diet. Planta Med. 2018; 84 (17): 1271-1279. [PubMed]

    Prando TB et al. Ethnopharmacological investigation of the diuretic and hemodynamic properties of native species of the Brazilian biodiversity. J Ethnopharmacol. 2015; 4 (174): 369-78. [PubMed]

    Prando TB et al. Involvement of bradykinin B2 and muscarinic receptors in the prolonged diuretic and antihypertensive properties of Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli. Phytomedicine. 2016; 15;23 (11): 1249-58. [PubMed]

    Dutra RC, et al. Investigação das atividades analgésica e antiinflamatória do extrato metanólico dos rizomas de Echinodorus grandiflorus. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2006; 16 (4): 469-474. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]

    Conceição FG. Efeitos anti-hipertensivos e microcirculatórios do extrato hidro-alcóolico de Echinodorus grandiflorus (chapéu de couro) em ratos espontaneamente hipertensos. 2011. 59 f. Dissertação (Mestrado em ciências) - Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

    Lessa MA, et al. Antihypertensive effects of crude extracts from leaves of Echinodorus grandiflorus. Fundamental & Clinical Pharmacology. 2008; 22 (1): 161-168. [PubMed] [CrossRef]

    Burgiolo ASS, et al. Effects of aqueous extract of Echinodorus grandiflorus on the immune response in ovalbumin-induced pulmonary allergy. Ann of Alergy, Asthma & Immunology. 2011; 106: 481- 488. [PubMed] [CrossRef]

    Coelho APD. Potencial Genotóxico e Antiproliferativo dos extratos de Echinodorus grandiflorus e Sagittaria montevidensis (ALISMATACEAE). 2013. 57 f. Dissertação (Mestrado em Agrobiologia) - Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Naturais e Exatas, Santa Maria.

    Schinitzler M, Petereit F, Nahrstedt A. Trans-Aconitic acid, glucosylflavones and hydroxycinnamoyltartaric acids from the leaves of Echinodorus grandiflorus ssp. Aureus, a Brazilian medicinal plant. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2007; 17 (2): 149-154. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]

    Pimenta DS, Figueiredo MR, Kaplan MA. Essential oil from two populations of Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli (Chapéu-de-couro). Anais da Academia Brasileira de Ciências. 2006; 78 (4): 623-628. ISSN: 0001-3765. [CrossRef] 82. Costa M, et al. Isolation and synthesis of a new clerodane from Echinodorus grandiflorus. Phytochemistry. 1999; 50: 117-122. [CrossRef]

    Tanaka CMA, et al. A Cembrane from Echinodorus grandiflorus. Phytochemistry. 1997; 44 (8): 1547-1549. [CrossRef]

    Oliveira DP et al. Encapsulation of trans-aconitic acid in mucoadhesive microspheres prolongs the anti-inflammatory effect in LPS-induced acute arthritis. Eur J Pharm Sci, 2018, 1 (119): 112-120. [PubMed]

    Oliveira DP et al. Esterification of trans-aconitic acid improves its anti-inflammatory activity in LPS-induced acute arthritis. Biomed Pharmacother, 2018, 99: 87-95. [PubMed]

    Siqueira JC, Sequeira JC, Marchioretto MS. Fitogeografia das Amaranthaceae Brasileiras. Pesquisas-Botânica. 1995; 45: 5-21. [Link]

    Uchôa ADA. Perfil fitoquímico e avaliação da bioatividade: antioxidante e antimicrobiana de extratos de folhas da Alternanthera brasiliana (l.) kuntze (amaranthaceae). 2014. 90 p. Dissertação (mestrado em bioquímica e fisiologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

    Vendruscolo GS, Mentz LA. Levantamento etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais por moradores do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. IHERINGIA. 2016; 61 (1-2): 83-103. ISSN: 2446-8231. [Link]

    Rodrigues VEG, De Carvalho DA. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no domínio dos cerrados na região do Alto Rio Grande – Minas Gerais. Ciênc. agrotec. Lavras. 2001; 25 (1): 102-123. [Link]

    Cabral AL, Maciel JR. Levantamento etnobotânico da coleção de plantas medicinais do Jardim Botânico do Recife, PE. Natureza online. 2011; 9 (3): 146-151. ISSN: 1806–7409. [Link]

    Martins AMLL, De Oliveira C, Neves RJ. Guia para identificação de plantas medicinais do Recôncavo da Bahia. Revista extensão. 2011; 1 (1). ISSN: 2236-6784. [Link]

    Mota RS, Dias HM. Quilombolas e recursos florestais medicinais no sul da Bahia, Brasil. Revista Internacional de Desenvolvimento Local. 2012; 13 (2): 151-159. ISSN: 1518-7012. [CrossRef]

    Lima DF, et al. Conhecimento e uso de plantas medicinais por usuários de duas unidades básicas de saúde. Revista Rene. 2014; 15 (3): 383-390. ISSN: 1517-3852. [Link]

    Pereira NDV, et al. Recursos vegetais e o saber local: uso de plantas medicinais no horto florestal Toti Garcia. Cuiabá MT. Biodiversidade. 2016; 15 (2): 124-135. [Link]

    Caetano N, et al. Determinação de atividade antimicrobiana de extratos de plantas de uso popular como antiflamatório. Revista Brasileira de Farmacognosia. 2002; 12: 132-135. ISSN: 0102-695X. [CrossRef]

    Brochado CO, et al. Flavonol robinobiosides and rutinosides from Alternanthera brasiliana (Amaranthaceae) and their effects lymphocyte proliferation in vitro. Journal of the Brazilian Chemical Society. 2003; 14 (3): 449-451. ISSN: 0103-5053. [CrossRef]

    Menezes CR, Hardoim EL. Identificação, seleção e caracterização das espécies vegetais destinadas ao Jardim Sensorial Tumucumaque, município de Serra do Navio, AP/Brasil. Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota). 2013; 3 (1): 22-30. ISSN: 2179-5746. [CrossRef]

    Ferraz LS, et al. Levantamento da diversidade das plantas medicinais utilizadas pela comunidade do Curado. In: IX Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão, Recife (PB), 2009.

    Povh JA, Alves GSP. Estudo etnobotânico de plantas medicinais na comunidade de Santa Rita, Ituiutaba–MG. Biotemas. 2013; 26 (3): 231-242. ISSN: 2175-7925. [CrossRef]

    Vargas C, et al. Plantas medicinais utilizadas na cicatrização de feridas por agricultores da região sul do RS. Revista de Pesquisa: Cuidado e Fundamental. 2014; 6 (2). ISSN: 2175-5361. [Link]

    Piriz MA, et al. Uso popular de plantas medicinais na cicatrização de feridas: implicações para a enfermagem. Revista Enfermagem UERJ. 2015; 23 (7): 647-649. [CrossRef]

    Silva LE, Quadros DA, Neto AJM. Estudo etnobotânico e etnofarmacológico de plantas medicinais utilizadas na região de Matinhos - PR. Ciência e Natura. 2015; 37 (2): 266-276. ISSN: 0100-8307. [CrossRef]

    Demésio ANS, Paula D. Levantamento florístico e análise crítica do paisagismo do centro de excelência em turismo da Universidade de Brasília. 2012. 66 p. Monografia (graduação em agronomia) – Universidade de Brasília – Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Brasília.

    Tavares DPA. Um projeto de revitalização e reestruturação da estação ferroviária de Guaratinguetá, 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação. Disponível em: [Link]

    Marques MS. Retratos de dois momentos: plantas de uso medicinal nas comunidades da Costa Da Lagoa e do Canto Dos Araçás, Florianópolis, SC, 2010.Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel Ciências Biológicas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC.

    Périco LM. A atuação do engenheiro agrônomo na Fundação do Meio Ambiente de Criciúma – FAMCRI, 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel Engenharia Agronômica) Centro de Ciências Agrarias, da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis-SC.

    Assis GFP, et al. Diversidade vegetal nos quintais da comunidade do poço, Santo Antônio–,MT Brasil. Biodiversidade. 2015; 14 (2): 93-105. [Link]

    Florentino ATN, Araújo EL, De Albuquerque UP. Contribuição de quintais agroflorestais na conservação de plantas da Caatinga, Município de Caruaru, PE, Brasil. Acta Bot. Bras. 2007; 21 (1). ISSN: 0102-3306. [CrossRef]

    Brizidio AK, Nunes RO. Composição florística dos quintais nos Bairros Floresta e Texeirão na cidade de Cacoal, Rondônia. Revista Científica Virtual Facimed. 2010; 2 (2): 195-210. [Link]

    Oliveira GL. Etnobotânica nordestina: Plantas Medicinais da comunidade Muribeca (Jaboatão dos Guararapes – PE, Brasil), 2007. Dissetação (mestrado) Universidade Federal do Pernambuco, Recife.

    Rondina RVD, Bandoni AL, Coussio JD. Especies medicinales argentinas con potencial actividad analgésica. Dominguezia. 2008; 24 (1). [Link]

    Nascimento JM, Conceição GM. Plantas medicinais e indicações terapêuticas da Comunidade quilombola Olho d’água do Raposo, Caxias, Maranhão, Brasil. Revista de Biologia e Farmácia. 2011; 6 (2): 138-151. ISSN: 1983-4209. [Link]

    Leite CV, Oliveira GL. Plantas medicinais cultivadas e utilizadas na Associação Casa de Ervas Barranco da Esperança e Vida (ACEBEV), Porteirinha, MG. Revista Fitos Eletrônica. 2013; 7 (1). ISSN: 2446-4907. [Link]

    Gonçalves KG, Pasa MC. O saber local e as plantas medicinais na Comunidade Sucuri, Cuiabá, MT, Brasil. Biodiversidade. 2015; 14 (2): 50-73. [Link]

    Cai Y, Sun M, Corke H. Antioxidant Activity of Betalains from Plants of the Amaranthaceae. Journal of agricultural and food chemistry. 2003; 51 (8) 2288-2294. [PubMed]

    Biondi D, Macedo JHP. Plantas invasoras encontradas na área urbana de Curitiba (PR). Revista Floresta. 2008; 38 (1): 129-144. ISSN: 1982-4688. [CrossRef]

    Montesinos MGD, Sarmiento OF, Vásquez MAI. Estudio etnobotánico de los principales mercados de Tuxtla Gutiérrez, Chiapas, México. Lacandonia. 2011; 5 (2): 21-42. [Link]

    Vasconceellos MC. Um olhar etnobotânico para os usos dos recursos vegetais dos terreiros de uma comunidade remanescente de quilombos do Vale do Ribeira, SP. 2004. 159 f . Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual Paulista, Botucatu.

    Tuler AC. Levantamento etnobotânico na comunidade rural de São José da Figueira, Durandé, MG, Brasil. Alegre: UFES, 2011. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Espírito Santo.

    Tene V, et al. An ethnobotanical survey of medicinal plants used in Loja and Zamora-Chinchipe, Ecuador. Journal of Ethnopharmacology. 2007; 111 (1): 63-81. [PubMed] [CrossRef]

    López A, Alexandra J. Plan de capacitación turística para el manejo de la educación ambiental de los niños que visitan el Jardín Botánico Atocha-La Liria en el cantón Ambato provincia de Tungurahua, 2013. Trabalho de Conclusão de Curso.

    Martins DM, Ninahuaman MFML, Marques WSV. Efeitos do Extrato Aquoso (EA) da Iresine herbstii Sobre o Processo de Cicatrização de Feridas Cutâneas em Ratos. Estima – Revista da Associação Brasileira de Estomaterapia: estomias, feridas e icontinências. 2007; 5 (1). [Link]

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    Copyright (c) 2019 Revista Fitos
Feedback