Bases epistemológicas do conhecimento em rede: abordagem adequada à Inovação em Medicamentos da Biodiversidade

Abreu RAS
OrcID

Rosane de Albuquerque dos Santos Abreu

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto de Tecnologia em Fármacos-Farmanguinhos, Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS), Avenida Comandante Guaranys, 447, Jacarepaguá, CEP 22775-903, Rio de Janeiro, Brasil

http://orcid.org/0000-0002-1644-906X

Doutora em Psicologia, PUC/RJ. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa (CNPQ) Políticas e Gestão do Desenvolvimento de Fitomedicamentos no Brasil; Núcleo de Estudos sobre Tecnologia e Subjetividade (NETS) do Departamento de Psicologia da PUC/RJ; na área da Informática Aplicada à Educação, ênfase nas reações humanas (cognitivas, subjetivas). Coordenadora da Divisão de Rede de Conhecimento e Inovação em Medicamentos da Biodiversidade - REDESFITO, NGBS, Farmanguinhos/FIOCRUZ. Docente da disciplina Gestão em Rede do Curso de Especialização em Gestão da Inovação em Medicamentos da Biodiversidade, Editora Executiva da Revista Fitos. Gestão em rede de inovação em medicamentos da biodiversidade; docência e pesquisa em saúde, educação, psicologia, tecnologias da informação e comunicação, EAD.


Palavras-chave

Conhecimentos
Rede
Inovação em Medicamentos
Biodiversidade
  • Resumo

    O presente estudo, uma revisão bibliográfica, teve como objetivo descrever a evolução das concepções de conhecimento nos dois últimos séculos, com vistas a identificar os pressupostos que sustentam a concepção de conhecimento em rede. Conceitua-se conhecimento em rede como aquele resultante do processo de interação entre atores que compartilham significados e propósitos, com vistas a promover ações construídas coletivamente e pautadas em situações localizadas. Entende-se que conhecimento em rede é a concepção mais adequada para a inovação em medicamentos da biodiversidade. Tendo como norteadoras as crises epistemológicas que permearam os séculos XX e XXI, foram selecionados autores, principalmente da Sociologia e da Filosofia, que explicaram as transformações epistemológicas desses momentos.

  • Referências

    1. Barcelos TN, Deborah LN, MM, Junior DDFC, Cavalcante JR, Faerstein E. Análise de fake news veiculadas durante a pandemia de COVID-19 no Brasil. Rev Panam Salud Públ. 09 Jun 2021; 45: [https://doi.org/10.26633/RPSP.2021.65].
    2. Capra FA. Pandemia COVID-19: uma análise sistêmica. Rev Inter Literat Ecocr. Tradução de Siddharth Bora, EUA. Jun-Jul. 2020; 5(1): 6-13. Disponível em: [https://asle-brasil.com/journal/index.php/aslebr/article/view/107/74].
    3. Mello JRR, Duarte EC, Moraes MV, Fleck K, Arraes PSD. Automedicação e uso indiscriminado de medicamentos durante a pandemia de Covid-19. Cad Saúde Públ. 2021; 37(4): [https://doi.org/10.1590/0102-311X00053221].
    4. Guevara AJH, Dib VC. Da Sociedade do Conhecimento à sociedade da Consciência: princípios, práticas e paradoxos. São Paulo: Saraiva. 2007. ISBN 978-85-02-06425-6.
    5. Kuhn TS. A Estrutura das Revoluções Científicas. Editora Perspectiva, 1978. ISBN 8527301113.
    6. Pessis-Pasternak G. Do Caos à Inteligência Artificial, quando os cientistas se interrogam. p. 22. São Paulo: Editora da UNESP, 1993. ISBN 85-7139040-1.
    7. Prigogine I. Arquiteto das Estruturas Dissipativas. In Pessis-Parternak. Do Caos à Inteligência Artificial, quando os cientistas se interrogam. p. 22, São Paulo: Editora da UNESP, 1993, ISBN 85-7139040-1.
    8. Maturana HR, Varella FJ. A Árvore do Conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. Campinas: PSY. 1995. p. 69. ISBN 8572420320.
    9. Piaget J. A Epistemologia Genética. Petrópolis: Vozes, 1971. ISBN 9788474442175
    10. Morin E. O Problema Epistemológico da Complexidade. Portugal: Publicações Europa-América LTDA, 1983. ISBN 9789721018228.
    11. Tulku T. Conhecimento da Liberdade: tempo de mudança. Trad. Manoel Vidal, São Paulo: Instituto Nyingma do Brasil/ Palas Athena, 1990.
    12. Capra F. O Tao da Física, um paralelo entre a Física Moderna e o Misticismo Oriental. São Paulo: Cultrix, 2011. ISBN 9780704501423.
    13. Capra F. O Ponto de Mutação. São Paulo: Cultrix, 2012. ISBN 9780671244231.
    14. Vygotsky LS. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987. ISBN 9780262220033.
    15. Vygotsky LS, Luria AR, Leontiev AN. Linguagem, Desenvolvimento e Aprendizagem. São Paulo, Ed Ícone, 2017. ISBN: 9788527400466.
    16. Morin E. O Método IV: as ideias, a sua natureza, vida, habitat e organização. Portugal: Ed Europa-América, 1991. ISBN: 9789721034778.
    17. Morin E. Ciência com consciência. Maria D. Alexandre (Tradutor), Maria Alice Araripe de Sampaio. Doria (Tradutor) Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994. ISBN: ‎ 8528605795.
    18. Petraglia IC. Edgar Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. ISBN: 8532615104.
    19. Bauman Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2001. ISBN: 9788571105980.
    20. Bell D. The coming of the post-industrial society: a venture in social forecasting. New York: Basic Books, 1974. ISBN: 9780435820664.
    21. Castells M. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. ISBN: 9788577530366.
    22. Castells M. A Galáxia da Internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2003. ISBN: 8571107408.
    23. Lévy P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. ISBN: 8573261269.
    24. Lévy P. A Inteligência Coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Edições Loyola, 1999. ISBN: 8515016133.
    25. Lévy P. As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993. ISBN: 8585490152.
    26. Gibbons M, Limoges C, Nowotny H, Schwartzman S, Scott P, Trow M. The new production of knowledge. p. 36. SAGE Publications. Edição do Kindle. 1994. ISBN: 13. 978-0803977945.
    27. Nonaka I, Takeuchi H. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. ISBN: 0470820748.
    28. Alexandre M. O saber popular e sua influência na construção das representações sociais. Comum. Rio de Janeiro. ago/dez 2000; 5(15): 161-171. [https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5&q=O+SABER+POPULAR+E+SUA+INFLU%C3%8ANCIA+NA+CONSTRU%C3%87%C3%83O+DAS+REPRESENTA%C3%87%C3%95ES+SOCIAIS&btnG=].
    29. Castro CP (Tradução). Cartilha da série ABS. Convenção sobre a diversidade biológica: ABS, Tema Conhecimento Tradicional. Secretariado da Convenção sobre Diversidade Biológica. Montreal. Canada. 2012. [https://www.cbd.int/abs/infokit/revised/web/factsheet-tk-pt.pdf].
    30. Gilbert B. Discurso na cerimônia de homenagem na celebração do 121º aniversário da Fundação. (virtual) 2021. Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde, CIBS – Farmanguinhos/Fundação Oswaldo Cruz. [https://www.far.fiocruz.br/2021/06/benjamin-gilbert-recebe-titulo-de-pesquisador-emerito-da-fiocruz].
    31. Schumpeter JA. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultura, 1988. ISBN: 85-351-0915-3.
    32. Freeman C. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Camb J Econ. 1995; 19(1): 5-24. [https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.cje.a035309].
    33. Dosi G. Technological paradigms and technological trajectories. Res Policy. 1982; 11(3). [https://doi.org/10.1016/0048-7333(82)90016-6].
    34. Santos ABA, Fazion CB, Meroe GPS. Inovação: um estudo sobre a evolução do conceito de Schumpeter, Cad Admin. 2011; 5(1): ISSN 1414-7394. [https://revistas.pucsp.br/caadm/article/view/9014].
    35. Callon M. Por uma nova abordagem da Ciência, da Inovação e do Mercado. O papel das redes sociotécnicas, in: Tramas da Rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação; organizador: Parente A – Porto Alegre, RS. Editora Meridional Ltda. Sulina, 2013. 303p. ISBN: 978-85-205-0373-7. [https://www.editorasulina.com.br/img/sumarios/278.pdf].
    36. Villas Bôas GK. Inovação em medicamentos da biodiversidade: uma adaptação necessária (ou útil) nas políticas públicas. Rio de Janeiro. 2013. 174 f. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública] - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca - ENSP, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. Brasil. 2013. [https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/13796].
    37. Guilhermino JF, Rossi SJ, Villas Boas GK, Quental CM. Caracterização e Institucionalização do Sistema Nacional das RedesFito: elementos que contribuirão para elaboração de um termo de referência. Rev Fitos. [Online]. Jan. /Mar. 2010; 5(1): 4-21. [https://doi.org/10.32712/2446-4775.2010.105].
    38. RedesFito. Disponível em: [https://redesfito.far.fiocruz.br/index.php/a-redesfito].
    39. Menezes H. O que é sociobiodiversidade? [online] mai. 2021. Disponível em: [https://sosamazonia.org.br/tpost/lb65m0vse1-o-que-sociobiodiversidade].
    40. Villas Bôas GK, Gilon C. Contribuição ao debate sobre o papel da inovação em medicamentos a partir da biodiversidade. Rev Fitos. Dez. 2016; 10(2): 103-114. [https://doi.org/10.5935/2446-4775.20160009] [https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/19247].

Como citar

1.
Abreu R de A dos S. Bases epistemológicas do conhecimento em rede: abordagem adequada à Inovação em Medicamentos da Biodiversidade. Rev Fitos [Internet]. 16º de janeiro de 2024 [citado 3º de março de 2024];18(Suppl. 2):e1414. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/?journal=revista-fitos&page=article&op=view&path[]=1414

Recomendados para você

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Autor(es)

  • Rosane de Albuquerque dos Santos Abreu
    Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto de Tecnologia em Fármacos-Farmanguinhos, Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS), Avenida Comandante Guaranys, 447, Jacarepaguá, CEP 22775-903, Rio de Janeiro, Brasil
    http://orcid.org/0000-0002-1644-906X

Métricas

  • Artigo visto 146 vez(es)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Citações


Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2024 Revista Fitos
Informe um erro