Espécies cultivadas no horto de plantas medicinais do campus 2 da UNIPAR com ação anti-inflamatória contra doenças articulares: revisão

Perfeito HLS;
OrcID
Pinc MM;
OrcID
Otenio JK;
OrcID
Matiussi JR;
OrcID
Ceranto DCFB;
OrcID
Alberton O;
OrcID
Lourenço ELB;
OrcID
Jacomassi E
OrcID

Heris Lorenzi dos Santos Perfeito

Universidade Paranaense (UNIPAR), Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, CEP 87502-210, Umuarama, PR, Brasil.

https://orcid.org/0000-0002-1798-7871

Mariana Moraes Pinc

Universidade Paranaense (UNIPAR), Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, Umuarama, Paraná, CEP: 87.502-210

https://orcid.org/0000-0003-1004-3680

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Paranaense (UNIPAR, Sede), onde recebeu o título de melhor aluna do curso no ano de 2019. Participou do programa de pesquisa da UNIPAR como PIBIC. É mestre em Ciência Animal com Ênfase em Produtos Bioativos pela Universidade Paranaense (2022), taxista (PROSUP/CAPES). Atualmente, é doutoranda em Biotecnologia Aplicada à Agricultura pela Universidade Paranaense, bolsista (PROSUP/CAPES).

Joice Karina Otenio

Universidade Paranaense (UNIPAR), Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, Umuarama, Paraná, CEP: 87.502-210

https://orcid.org/0000-0001-9488-0456

Graduada em Farmácia Generalista pela Universidade Paranaense - UNIPAR (2016). Iniciou a graduação no curso de Farmácia Generalista em 2012. Participou do Conselho Regional de Farmácia do Paraná Júnior (CRF-PR Júnior) e Projeto de Extensão Horto Medicinal do campus 2 da UNIPAR de Umuarama, durante os cinco anos da graduação. Foi monitora das disciplinas de Anatomia Humana, Botânica e Hematologia. Participou do programa de pesquisa da UNIPAR como PIBIC e PIC. Em 2016 realizou estágio extracurricular na empresa Vitalle Farmácia de Manipulação no setor de controle de qualidade. Atuou na Empresa Laboratório Reunidos de Umuarama como Farmacêutica-Bioquímica nas áreas de Imunologia, Uroanálise, Citologia, Microbiologia, Parasitologia, Hematologia e Bioquímica. Responsável pelo setor de Microbiologia/Citologia (2017/2019). Bolsista técnico da Fundação Araucária para apoio a Implementação de Laboratórios Multiusuários da UNIPAR. Mestre pelo Programa de Mestrado Profissional em Plantas Medicinais e Fitoterápicos na Atenção Básica - UNIPAR / Umuarama (2020).

José Ricardo Matiussi

Universidade Paranaense (UNIPAR), Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, Umuarama, Paraná, CEP: 87.502-210

https://orcid.org/0000-0001-9899-7993

Possui graduação em Processamento de Dados pelo Centro Universitário Filadélfia (1997). Atualmente é professor - Secretaria de Educação do Estado do Paraná, atuando como Coordenador Reginal de Tecnologia na Educação, no Núcleo Regional de Educação de Goioerê. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Ciência e Tecnologia de Alimentos

Daniela de Cassia Faglioni Boleta Ceranto

Universidade Paranaense (UNIPAR), Instituto Superior de Ciências e Técnicas Odontológicas. Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, Umuarama, Paraná, CEP: 87.502-210

https://orcid.org/0000-0002-6654-951X

Graduada em Odontologia pela Universidade Paranaense (1998), mestrado em Odontologia Fisiologia Oral pela Universidade Estadual de Campinas (2002) e doutorado em Odontologia área de concentração Fisiologia Oral pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Especialização em Acupuntura reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia. MAB Executivo em Estratégias Empresariais. Atualmente é professora titular da Universidade Paranaense campus sede Umuarama, nos cursos de Odontologia e Mestrado Profissional em Plantas Medicinais e Fitoterápicos na Atenção Básica. Tem experiência docente nas disciplinas de Fisiologia Humana, Anatomo-Fisiologia, Diagnóstico Bucal e Metodologia da Pesquisa, na área de Odontologia. Na área de Diagnóstico Bucal coordena projetos com o objetivo de realizar o diagnóstico precoce do câncer bucal e de lesões cancerizáveis. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos. Membro dos Colegiados dos Cursos de Odontologia e do Mestrado Profissional em Plantas Medicinais da Unipar. Coordenadora do Curso de Atualização em Auriculoterapia pela Unipar.

Odair Alberton

Universidade Paranaense (UNIPAR), Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, Umuarama, Paraná, CEP: 87.502-210

https://orcid.org/0000-0002-4819-6669

Possui graduação em Agronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC (2001), mestrado em Microbiologia pela Universidade Estadual de Londrina-UEL (2003), doutorado em "Production Ecology and Resource Conservation" na Wageningen University - Holanda, em abril de 2008, sendo reconhecido como doutorado em agronomia pela Universidade Estadual de Londrina-UEL (2009) e estágio pós-doutoral na Embrapa-Soja em 2009 com bolsa DTI-CNPq. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Microbiologia e Bioquímica do Solo, atuando principalmente nos seguintes temas: sistemas de manejo do solo, biologia e microbiologia do solo, micorrizas, Interação plantas x micro-organismos, simbioses, fixação biológica de nitrogênio, plantas medicinais e aromáticas e meta-análises. Membro do colegiado e orientador no Programa de Pós-Graduação (nível Mestrado e Doutorado) em Biotecnologia Aplicada à Agricultura da UNIPAR (2010-2018). Coordenador, membro do colegiado e orientador no Programa de Pós-Graduação (nível Mestrado e Doutorado) em Biotecnologia Aplicada à Agricultura da UNIPAR (de 2020 até o presente). Membro do colegiado e orientador no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Plantas Medicinais e Fitoterápicos na Atenção Básica da UNIPAR (2018 até o presente). Concluiu a orientação e coorientação de 18 dissertações de mestrado, orientação e coorientação de 2 teses de doutorado. Atualmente é Professor, na Educação à Distância EaD nos cursos de engenharias e núcleos comuns nas disciplinas de: Estatística e Pesquisa operacional e Microbiologia ambiental). Membro do NDE (2021 até o presente) do curso EAD em engenharia agronômica e Membro do NDE, Colegiado e Equipe Multidisciplinar do Curso EAD em Gestão Ambiental (2019 até o presente). Membro da CIBio-UNIPAR/CTNBio (2010-2018 e 2020 até o presente). Revisor de mais de 40 periódicos e publicou 106 artigos científicos e 5 livros desde 2005. Consultor ad hoc de projetos e bolsas da Fundação Araucária-PR, Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (FACEPE), CAPES e CNPq.

Emerson Luiz Botelho Lourenço

Universidade Paranaense (UNIPAR), Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, Umuarama, Paraná, CEP: 87.502-210

https://orcid.org/0000-0002-1798-7871

Bolsista Produtividade Nível - 2 Cnpq. Graduado em Farmácia. Possui especialização em Farmacologia pela Unipar(1998), mestrado em Toxicologia e Análises Toxicológicas pela Universidade de São Paulo (2005). Doutor em Farmacologia pela UFPR com área de concentração em Toxicologia Reprodutiva (2012) e Pós Doutor em Farmacologia pela UFPR (2015) . Professor da Universidade Paranaense desde 1997. Atua como docente nos cursos de graduação de Farmácia e Medicina Veterinária nas disciplinas de Farmacologia e toxicologia respectivamente. Professor orientador do Programa de Mestrado e Doutorado em Ciência Animal com ênfase em produtos bioativos. Linha de Pesquisa: Clínica Veterinária, Reprodução Animal ,Terapêutica Experimental. Coordenador e orientador do Programa de Mestrado Profissional em Plantas Medicinais e Fitoterápicos na Atenção Básica. Linha de Pesquisa: Prospecção Etnofarmacológica e Avaliação da Eficácia e Segurança na utilização de plantas medicinais e fitoterápicos. Coordenador de Pós Graduação multi campi da Unipar.. Atua também na área de Consultoria e Prestação de Serviços através da empresa RESEARCHLAB - ASSESSORIA E CONSULTORIA TOXICO FARMACOLOGICA. 

Ezilda Jacomassi

Universidade Paranaense (UNIPAR), Praça Mascarenhas de Moraes, 4282, Zona III, Umuarama, Paraná, CEP: 87.502-210

https://orcid.org/0000-0003-0967-8427

Graduada em Ciências Biológicas (1991) pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Especialização (1994) em Educação Ambiental pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Mestrado (2000) e Doutorado (2006) em Ciências Biológicas, área de concentração em Botânica, pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professora Titular da Universidade Paranaense (UNIPAR), atuando nos Cursos de Graduação, na modalidade presencial e EAD, em Ciências Biológicas, Engenharia Agronômica e Farmácia, na disciplina de botânica. Professora do Programa de Mestrado Profissional em Plantas Medicinais e Fitoterápicos na atenção Básica à Saúde. Coordenadora do projeto institucional de extensão ?Horto Medicinal da UNIPAR?. Principais temas de atuação nos trabalhos acadêmicos: Botânica Estrutural, Sistemática Vegetal, Cultivo de Plantas Medicinais, Etnobotânica e Etnofarmacologia.


Palavras-chave

Artrite
Artrose
Espécie vegetal
Mediador inflamatório
  • Resumo

    O tratamento de doenças inflamatórias se dá por meio de fármacos anti-inflamatórios, que exercem inúmeros efeitos colaterais que podem restringir seu uso e a duração. Diante disso, com o intuito de melhorar a saúde dos pacientes que sofrem de distúrbios inflamatórios como a artrite reumatoide (AR) e a osteoartrite (OA), o presente trabalho teve como objetivo realizar um levantamento na literatura científica disponível, das principais espécies medicinais com ação anti-inflamatória contra doenças articulares, cultivadas no Horto Medicinal do Campus 2 da UNIPAR – Universidade Paranaense/Umuarama. Dentre as 92 espécies do Horto, empregadas como anti-inflamatória, 6 foram selecionadas: Zingiber officinale, Curcuma longa, Baccharis trimera, Solidago chilenses, Cordia verbenacea, e Echinodorus grandiflorus. Os estudos demonstraram que as plantas medicinais supracitadas possuem efeitos na atenuação dos sintomas e patogênese de pacientes que possuem AR e OA, cujo compostos bioativos presentes, mostraram-se eficazes na redução de mediadores inflamatórios como prostaglandinas, COX, citocinas pró-inflamatórias e quimiocinas. Com isso, conclui-se que o uso de plantas medicinais com potencial anti-inflamatório, isolado ou em combinação com certos fármacos antiartríticos convencionais, pode ser uma terapia alternativa ou auxiliar para o tratamento de AR e OA, atuando na interrupção e alívio da dor, prevenindo danos às articulações e órgãos.

  • Referências

    1. Ponceano MSB. Fitoquímica no tratamento da artrite reumatoide. Faro, Portugal; 2020. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas] - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade do Algarve, Faro, Portugal, 2020. [https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/15176/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20%282%29.pdf].
    2. Sohn DH, Sokolove J, Sharpe O, Erhart JC, Chandra PE, Lahey LJ et al. Plasma proteins present in osteoarthritic synovial fluid can stimulate cytokine production via Toll-like receptor 4. Arthritis Res Ther. 2012; 14(1): 1-13. ISSN 1478-6362. [https://doi.org/10.1186/ar3555].
    3. Machado CRL. Avaliação morfológica e funcional dos sinoviócitos fibroblastos símiles de pacientes com artrite reumatoide, osteoartrite e de modelo experimental. Belo Horizonte, 2020. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Ciências Aplicadas à Saúde do Adulto] - Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG. Belo Horizonte, MG, 2020. [https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/34669].
    4. Strand V, Kimberly R, Isaacs JD. Biologic therapies in rheumatology: lessons learned, future directions. Nat Rev Drug Discov. 2007; 6(1): 75-92. ISSN 1474-1784. [https://doi.org/10.1038/nrd2196].
    5. Silva BC. Predição in silico e avaliação da atividade antinociceptiva de cumarinas e saponinas obtidas de plantas do semiárido em modelo de artrite induzida por Zimosan. Feira de Santana, 2019, 79 p. Dissertação de Mestrado Acadêmico [em Biotecnologia] – Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Feira de Santana, 2019. [http://tede2.uefs.br:8080/handle/tede/805].
    6. Hwang JH, Jung HW, Oh SW, Kang JS, Kim JP, Park YK. Effects of Zingiber officinale extract on collagen-induced arthritis in mice and IL-1β-induced inflammation in human synovial fibroblasts. Eur J Inflamm. 2017; 15(3): 168-178. [https://doi.org/10.1177/1721727X17727997].
    7. Pelletier JP, Martel-Pelletier J, Abramson SB. Osteoarthritis, an Inflammatory Disease. Arthritis Rheum. 2001; 44(6): 1237-1247. ISSN 2326-5205. [https://doi.org/10.1016/j.joca.2012.11.012] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23194896/] .
    8. Nakagawa Y, Mukai S, Yamada S, Matsuoka M, Tarumi E, Hashimoto T et al. Short-term effects of highly-bioavailable curcumin for treating knee osteoarthritis: a randomized, double-blind, placebo-controlled prospective study. J Orthop Sci. 2014; 19(6): 933-939. [https://doi.org/10.1007/s00776-014-0633-0].
    9. Marmitt DJ, Rampel C, Goettert MI, Silva AC. Plantas medicinais da RENISUS com potencial anti-inflamatório: revisão sistemática em três bases de dados científicas. Rev Fitos. 2015; 9(2): 73-159. [https://doi.org/10.5935/2446-4775.20150011].
    10. Tropicos. Missouri botanical garden W3 tropicos. Vascular trópico. Disponível em: [https://www.tropicos.org/]. Acesso em: 16 mar. 2022.
    11. Lorenzi H, Matos FJA. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas cultivadas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. ISBN 85-86714-18-6.
    12. Mutthuraj D, Vinutha T, Gopenath TS, Kaginelli B, Karthikeyan M, Ashok G et al. Inhibition of Pro-Inflammatory Molecules by Ginger (Zingiber officinale Roscoe) and its Anti-Inflammatory Effects on Arthritis Patients. J Drug Deliv Ther. 2020; 10(Supl.): 125-139. ISSN 2250-1177. [https://doi.org/10.22270/jddt.v10i2-s.3963].
    13. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Memento Terapêutico Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira, 2016. Brasília: Anvisa, 2016. [https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/formulario-fitoterapico/MementoFitoterapico1.pdf].
    14. Altman RD, Marcussen KC. Effects of a ginger extract on a knee pain in patients with osteoarthitis. Arthritis Rheum. 2001; 44(11): 2531-2538. ISSN 2326-5205. [https://doi.org/10.1002/1529-0131(200111)44:11%3c2531::AID-ART433%3e3.0.CO;2-J] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11710709/].
    15. Lee HY, Park SH, Lee M, Kim HJ, Ryu SY, Kim ND, et al. 1‐Dehydro-[10]‐gingerdione from ginger inhibits IKKβ activity for NF‐κB activation and suppresses NF‐κB‐regulated expression of inflammatory genes. Br J Clin Pharmacol. 2012; 167(1): 128-140. ISSN 0007-1188. [https://doi.org/10.1111/j.1476-5381.2012.01980.x].
    16. Marchi JP, Tedesco L, Melo AC, Frasson AC. Curcuma longa L., o açafrão da terra, e seus benefícios medicinais. Arq Ciênc Saúde UNIPAR. 2017; 20(3): 1-7. ISSN 1415-076X. [https://doi.org/10.25110/arqsaude.v20i3.2016.5871].
    17. Susana MC. Curcumina: propriedades biológicas e aplicações terapêuticas. Lisboa, 2017. Monografia de Mestrado Integrado [em Ciências Farmacêuticas] - Universidade de Lisboa, Faculdade de Farmácia. Lisboa, 2017. [https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/36170/1/MICF_Marta_Caldeira_Susana.pdf].
    18. Zeng L, Yu G, Hao W, Yang K, Chen H. The efficacy and safety of Curcuma longa extract and curcumin supplements on osteoarthritis: a systematic review and meta-analysis. Biosci Rep. 2021; 41(6):. ISSN 0144-8463. [https://doi.org/10.1042/BSR20210817].
    19. Karam TK, Dalposso LM, Casa DM, Freitas GBL. Carqueja (Baccharis trimera): utilização terapêutica e biossíntese. Rev Bras Pl Med. 2013; 15(2): 280-286. ISSN 1516-0572. [https://doi.org/10.1590/S1516-05722013000200017].
    20. Torres LMB, Torres LMB, Gamberini MT, Roque NF, Lima-Landman MT, Souccar C et al. Diterpene from Baccharis trimera with a relaxant effect on rat vascular smooth muscle. Phytochemistry. 2000; 55(6): 617-619. ISSN 0031-9422. [https://doi.org/10.1016/s0031-9422(00)00223-5].
    21. Ferreira PA. Otimização da obtenção da associação em dose fixa do Sulfato de Hidroxicloquina e o Liófilo de Baccharis trimera (LESS.) DC.: avaliação da toxicidade experimental aguda e crônica. Recife, 2017. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas] - Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Recife, 2017. [https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/25921].
    22. Nogueira NPA, Reis PA, Laranja GAT, Pinto AC, Aiub CAF, Felzenszwalb I et al. In vitro and in vivo toxicological evaluation of extract and fractions from Baccharis trimera with anti-inflammatory activity. J Ethnopharmacol. 2011; 138(2): 513-522. ISSN 0378-8741. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2011.09.051].
    23. Casoti R. Estudos metabolômicos do gênero Baccharis (Asteraceae), avaliação do potencial anti-inflamatório in vitro e suas correlações através de métodos in silico. Ribeirão Preto, 2017. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas] - Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, USP, Ribeirão Preto, 2017. [https://doi.org/10.11606/T.60.2017.tde-03072017-110435].
    24. Paul EL, Lunardelli A, Caberlon E, de Oliveira CB, Santos RCV, Biolchi V et al. Anti-inflammatory and immunomodulatory effects of Baccharis trimera aqueous extract on induced pleurisy in rats and lymphoproliferation in vitro. Inflammation. 2009; 32(6): 419-425. [https://doi.org/10.1007/s10753-009-9151-1].
    25. Ferreira PA. Desenvolvimento de forma farmacêutica sólida à base de Baccharis trimera (Less.) DC. para o tratamento da artrite reumatoide. Recife, 2012. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Inovação Terapêutica] – Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Recife, 2012. [https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPE_8ff9a0aa73f710177b76f68f7b0ceee2].
    26. Rabelo ACS, Costa DC. A review of biological and pharmacological activities of Baccharis trimera. Chem Biol Interact. 2018; 296: 65-75. [https://doi.org/10.1016/j.cbi.2018.09.002].
    27. Gene RM, Cartañá C, Adzet T, Marín E, Parella T, Canigueral S. Anti-inflammatory and analgesic activity of Baccharis trimera: identification of its active constituents. Pl Med. 1996; 62(3): 232-235. [https://doi.org/10.1055/s-2006-957866].
    28. Jardim PMS. Plantas medicinais e fitoterápicos: guia rápido para a utilização de algumas espécies vegetais. 2ª ed., 98p. - Brasília: Universidade de Brasília, 2016. [https://www.bibliotecaagptea.org.br/agricultura/plantas_medicinais/livros/PLANTAS%20MEDICINAIS%20E%20FITOTERAPICOS%20GUIA%20RAPIDO%20PARA%20A%20UTILIZACAO%20DE%20ALGUMAS%20ESPECIES%20VEGETAIS.pdf].
    29. Liz R, Vigil SVG, Goulart S, Izabel M, Moritz G, Schenkel EP et al. The anti-inflamatory modulatory role of Solidago chilensis Meyen in the murine model of the air pouch. Pharmacol Pharm. 2008; 60(4): 515-521. ISSN 2042-7158. [https://doi.org/10.1211/jpp.60.4.0015].
    30. Prudêncio R. Levantamento etnofarmacológico de Solidago chilensis Meyen “arnica-brasileira” (asteraceae). Criciúma, 2012. Monografia [Especialização em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais] - Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, Criciúma, 2012. [http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/1173/3/R%C3%BAlia%20Prud%C3%AAncio.pdf].
    31. Gilbert B, Favoreto R. Cordia Verbenacea DC Boraginaceae. Rev Fitos. 2012; 7(1): 17-25. [https://revistafitos.far.fiocruz.br/index.php/revista-fitos/article/view/133/131].
    32. Martim JKP, Maranho LT, Costa-Casagrande TA. Review: Role of the chemical compounds present in the essential oil and in the extract of Cordia verbenacea DC as an anti-inflammatory, antimicrobial and healing product. J Ethnopharmacol. 2021; 265(1): 1-8. ISSN 1872-7573. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2020.113300].
    33. Fernandes ES, Passos GF, Medeiros R, da Cunha FM, Ferreira J, Campos MM, et al. Anti-inflammatory effects of compounds alphahumulene and trans-caryophyllene isolated from the essential oil of Cordia verbenacea. Eur. J. Pharmacol. 2007; 569: 228-236. ISSN 0014-2999. [https://doi.org/10.1016/j.ejphar.2007.04.059].
    34. Marques AM. Potencial químico e farmacológico de Echinodorus grandiflorus: uma espécie de uso popular com grande potencial para o desenvolvimento de um fitomedicamento no país. Rio de Janeiro, 2016, 45 f. Monografia [Programa de Pós-Graduação Gestão da Inovação em Medicamentos da Biodiversidade] - Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, RJ, 2016. [https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/17711].
    35. Gasparotto FM, Palozi RAC, da Silva CHF, Pauli KB, Donadel G, Lourenço BH LB et al. Antiatherosclerotic Properties of Echinodorus grandiflorus (Cham. & Schltdl.) Micheli: From Antioxidant and Lipid-Lowering Effects to an Anti-Inflammatory Role. J Med Food. 2019; 22(9): 919-927. ISSN 1096-620X. [https://doi.org/10.1089/jmf.2019.0017].
    36. Dutra RC, Tavares CZ, Ferraz SO, Sousa OV, Pimenta DS. Investigação das atividades analgésica e anti-inflamatória do extrato metanólico dos rizomas de Echinodorus grandiflorus. Rev Bras Farmacogn. 2006; 16(4): 469-474. ISSN 0102-695X. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2006000400005].
    37. Garcia EF, de Oliveira MA, Candido LC, Coelho FM, Costa VV, Queiroz-Junior, CM, et al. Effect of the Hydroethanolic Extract from Echinodorus grandiflorus Leaves and a Fraction Enriched in Flavone-C-Glycosides on Antigen-Induced Arthritis in Mice. Pl Med. 2016; 82(5): 407-413. ISSN 0032-0943. [https://doi.org/10.1055/s-0035-1568200].
    38. Oliveira DP, Moreira TV, Batista NV, Souza-Filho JD, Amaral FA, Teixeira MM, et al. Esterification of trans-aconitic acid improves its anti-inflammatory activity in LPS-induced acute arthritis. Biomed. Pharmacother. 2018; 99: 87-95. ISSN 0753-3322. [https://doi.org/10.1016/j.biopha.2018.01.009].
    39. Marques AM, Provance-Junior DW, Kaplan MAC, Figueiredo MR. Echinodorus grandiflorus: ethnobotanical, phytochemical and pharmacological overview of a medicinal plant used in Brazil. Food Chem Toxicol. 2017; 109: 1032-1047. ISSN 0278-6915. [https://doi.org/10.1016/j.fct.2017.03.026].

Como citar

1.
Perfeito HL dos S, Pinc MM, Otenio JK, Matiussi JR, Ceranto D de CFB, Alberton O, Lourenço ELB, Jacomassi E. Espécies cultivadas no horto de plantas medicinais do campus 2 da UNIPAR com ação anti-inflamatória contra doenças articulares: revisão. Rev Fitos [Internet]. 20º de dezembro de 2023 [citado 21º de fevereiro de 2024];17(4):561-76. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/?journal=revista-fitos&page=article&op=view&path[]=1475

Artigos do mesmo autor

Autor(es)

Métricas

  • Artigo visto 238 vez(es)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Citações


Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2023 Revista Fitos
Informe um erro