Avaliação do conhecimento e percepção de estudantes de farmácia sobre a fitoterapia em uma universidade pública, Brasil

Leite P;
Correia LC;
Meireles Camargos L;
Oliveira Castilho R

Paula Leite

Universidade Federal de Minas Gerais

Luciana Cristina Correia

Universidade Federal de Minas Gerais

Layla Meireles Camargos

Rachel Oliveira Castilho


Palavras-chave

Medicina complementar
Fitoterapia
Educação
Farmácia
  • Resumo

    A medicina popular brasileira, em relação à fitoterapia, caracteriza-se por uma grande biodiversidade e pela contribuição de diferentes etnias, aliada à transmissão de conhecimentos por sucessivas gerações. Nesse contexto, o uso de práticas da medicina complementar supre grande parte das necessidades da população em relação à atenção à saúde, devendo ser promovido de forma racional. Assim, foi realizado um estudo observacional descritivo sobre o conhecimento da medicina complementar, com ênfase em fitoterapia, entre estudantes de farmácia de uma universidade no Brasil, com o objetivo de fazer um diagnóstico do conhecimento e percepção sobre este tema. Dentre os participantes da pesquisa, a maioria não demonstrou domínio sobre o assunto, o que se deve principalmente à falta de abordá-lo durante a graduação, sendo também o motivo para que eles não se considerem aptos a trabalhar profissionalmente com a medicina complementar. No entanto, a maioria dos entrevistados considera essa prática importante, fazendo uso da mesma e demonstrando interesse em cursos sobre o tema. Esses resultados corroboram com outros estudos brasileiros que demonstram a necessidade de uma maior discussão sobre a medicina complementar e a fitoterapia no meio acadêmico, a fim de possibilitar a formação de profissionais qualificados para trabalhar neste âmbito.

  • Referências

    1. World Health Organization (WHO). WHO Traditional Medicine Strategy 2014–2023. 76p. Disponível em: [https://www.who.int/publications/i/item/9789241506096]. [acesso em: 08 set. 2022].
    2. Leite PM, Camargos LM, Castilho RO. Recent progress in phytotherapy: A Brazilian perspective. Eur J Integr Med. 2021; 41: 101270. [https://doi.org/10.1016/j.eujim.2020.101270].
    3. World Health Organization (WHO). Declaration of Alma-Ata (1978). 3p. Disponível em: [https://www.who.int/teams/social-determinants-of-health/declaration-of-alma-ata]. [acesso em: 08 set. 2022].
    4. Brasil. Ministério da Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Série A: Normas e Manuais Técnicos. Cadernos de Atenção Básica n. 31. 154 p. Disponível em: [https://aps.saude.gov.br/biblioteca/visualizar/MTIwOA==].
    5. Brasil. Ministério da Saúde. Práticas Integrativas e Complementares (PICs). Brasília: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: [https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/p/pics]. [acesso em: 08 set. 2022].
    6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Série B: Textos Básicos de Saúde. 92 p. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf].
    7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 190 p. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_programa_nacional_plantas_medicinais_fitoterapicos.pdf].
    8. Figueredo CA, Gurgel IGD, Junior G.D. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis. 2014; 24(2): 381–400. [https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200004].
    9. Barreto BB. Fitoterapia como conteúdo nos cursos de graduação da área da saúde: importância para a formação profissional. Brasília, 2015. Tese de doutorado [Programa de pós-graduação em Ciências da Saúde) - Universidade de Brasília. DOI: [http://dx.doi.org/10.26512/2015.07.T.18613].
    10. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira. 1ª ed. Brasília: ANVISA; 2016 [acesso em: 08 set. 2022]. Disponível em: [http://antigo.anvisa.gov.br/documents/33832/2909630/Memento+Fitoterapico/a80ec477-bb36-4ae0-b1d2-e2461217e06b].
    11. Saad G, Léda P, Sá I, Seixlac A. Fitoterapia Contemporânea: tradição e ciência na prática clínica. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan LTDA; 2018. ISBN 13: 9788527730419.
    12. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Instrução normativa N° 02, de 13 de maio de 2014. Publica a “Lista de medicamentos fitoterápicos de registro simplificado” e a “Lista de produtos tradicionais fitoterápicos de registro simplificado”. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 32 p. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2014/int0002_13_05_2014.pdf].
    13. Faria AMB, Valiatti TB, Oliveira AA, Salvi JO. A fitoterapia entre acadêmicos das ciências da vida / The phytotherapic perceptions among life sciences majors. Rev Saúde Desenvolv. 2017; 11 (9): 198–213. ISSN 2316-2864. Disponível em: [https://www.revistasuninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/786].
    14. Brasil. Ministério da Saúde. Plantas Medicinais de Interesse ao SUS – Renisus. (2021, Agosto). [acesso em: 01 fev. 2022] Disponível em: URL: [https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/sectics/daf/pnpmf/ppnpmf/renisus].
    15. Amorim JM, Souza LCR, Souza RAL, Filha RS, Silva JO, Araújo SA, Tagliti CA, Silva ACS, Castilho RO. Costus spiralis extract restores kidney function in cisplatin-induced nephrotoxicity model: Ethnopharmacological use, chemical and toxicological investigation. J Ethnopharmacol. 2022; 299: 115510. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2022.115510].
    16. Leite PM, Miranda APN, Amorim JM, Santos LB, Duarte RCF, Maltarollo VG et al.. Correlation of chemical composition and anticoagulant activity in different accessions of Brazilian Lippia alba (Verbenaceae). J Herb Med. 2022; 34: 100581. [https://doi.org/https://doi.org/10.1016/j.hermed.2022.100581].
    17. Leite PM, Miranda APN, Gomes I, Rodrigues ML, Camargos LM, Amorim JM et al.. Antithrombotic potential of Lippia alba: A mechanistic approach. J Ethnopharmacol. 2022; 115744. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2022.115744].
    18. Neves NCV, De Mello MP, Smith SM, Boylan F, Caliari MV, Castilho RO. Chemical composition and in vitro anti-helicobacter pylori activity of Campomanesia lineatifolia Ruiz & Pavón (Myrtaceae) Essential Oil. Plants. 2022; 11(15): 1945. [https://doi.org/10.3390/plants11151945].
    19. Brasil. Ministério da Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde - BVS. Criado no Brasil o primeiro Consórcio de Pesquisadores em Saúde Integrativa da América Latina (2017). Disponível em: [https://mtci.bvsalud.org/pt/criado-no-brasil-o-primeiro-consorcio-de-pesquisadores-em-saude-integrativa-da-america-latina/]. [acesso em: 13 out. 2020].
    20. Sousa IMC, Aquino CMF, Bezerra AFB. Custo-efetividade em práticas integrativas e complementares: diferentes paradigmas. J Manag Prim Heal Care. 2018; 8(2): 343–350. ISSN 2179-6750. [https://doi.org/10.14295/jmphc.v8i2.557. Disponível em: https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/557].
    21. Brandão MGL, Moreira RA, Acúrcio FA. Interesse dos estudantes de Farmácia e Biologia por plantas medicinais e fitoterapia. Rev Bras Farmacogn. 2001; 11 (2): 71–76. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2001000200002].
    22. Vieira LEB, Silva IB, Matwijszyn MA, Randau KP. Implantação da disciplina Práticas Integrativas e Complementares em curso de graduação em Farmácia. Anais CONGREPICS. Campina Grande: Realize Editora, 2017. Disponível em: [https://www.editorarealize.com.br/index.php/artigo/visualizar/31857]. Acesso em: 12/09/2022.
    23. Rezende H, Monteiro I. A utilização da fitoterapia no cotidiano de uma população rural. Rev Esc Enferm. 2002; USP 36(3): 282–288. [https://doi.org/10.1590/S0080-62342002000300011].
    24. Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Plantas Med. 2011; 13(4): 486–491. [https://doi.org/10.1590/S1516-05722011000400014].
    25. Maranhão DG. Análise situacional de seis programas de fitoterapia brasileiros. Rio de Janeiro; 2011. 47 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: [https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/7784].
    26. Silva LAD, Albiero ALM. Programas de fitoterapia na atenção primária à saúde: existem experiências exitosas?. Rev Bras Farm. 2014; 95(3): 889–908. Disponível em: [https://pt.slideshare.net/nechapeco/657-programasdefitoterapianaatencaoprimaria-existemexperienciasexitosas].
    27. Matsuchita HLP, Matsuchita ASP. Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública. Uniciências. 2015; 19(1): 86–92. [https://doi.org/10.17921/1415-5141.2015v19n1p%25p].
    28. Barreto BB. Fitoterapia na atenção primária à saúde – a visão dos profissionais envolvidos. Juiz de Fora, 2011. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Juiz de Fora. Disponível em: [https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/2460].
    29. Junior BJN, Tinel LO, Silva ES, Rodrigues LA, Freitas TON, Nunes XP et al. Avaliação do conhecimento e percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família sobre o uso de plantas medicinais e fitoterapia em Petrolina-PE, Brasil. Rev Bras Plantas Med. 2016; 18(1): 57–66. [https://doi.org/10.1590/1983-084X/15_031].
    30. Dewick PM. Medicinal natural product - a biosynthetic approach. 3rd ed. New York: John Wiley & Sons. 2009. [http://dx.doi.org/10.1002/9780470742761].
    31. Leite PM, Freitas AA, Mourão AOM, Martins MAP, Castilho RO. Warfarin Safety: a cross-sectional study of the factors associated with the consumption of medicinal plants in a Brazilian Anticoagulation Clinic. Am J Cardiovasc Drugs. 2018; 18(3): 231–243. [https://doi.org/10.1007/s40256-018-0268-1].
    32. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 702, de 21 de Março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação no 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares – PNPIC. Brasil: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0702_22_03_2018.html].
    33. Nicoletti MA, Oliveira-Júnior MA, Bertasso CC, Caporossi PY, Tavares APL. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma. 2007; 19(1/2). Disponível em: [https://www.revistas.cff.org.br/?journal=infarma&page=article&op=view&path%5B%5D=222&path%5B%5D=210].
    34. Leite PM, Martins MAP, Castilho RO. Review on mechanisms and interactions in concomitant use of herbs and warfarin therapy. Biomed Pharmacother. 2016; 83: 14–21. [https://doi.org/10.1016/j.biopha.2016.06.012].
    35. Leite PM, Martins MAP, Carvalho MG, Castilho RO. Mechanisms and interactions in concomitant use of herbs and warfarin therapy: An updated. Biomed Pharmacother. 2021; 143: 1–14. [https://doi.org/10.1016/j.biopha.2021.112103].
    36. Rates SMK. Promoção do uso racional de fitoterápicos: uma abordagem no ensino de Farmacognosia. Rev Bras Farmacogn. 2001; 11(2): 57–69. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2001000200001].

Como citar

1.
Leite P, Correia LC, Meireles Camargos L, Oliveira Castilho R. Avaliação do conhecimento e percepção de estudantes de farmácia sobre a fitoterapia em uma universidade pública, Brasil. Rev Fitos [Internet]. 16º de janeiro de 2024 [citado 3º de março de 2024];18(Suppl. 2):e1508. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/?journal=revista-fitos&page=article&op=view&path[]=1508

Recomendados para você

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Autor(es)

  • Paula Leite
    Universidade Federal de Minas Gerais
  • Luciana Cristina Correia
    Universidade Federal de Minas Gerais
  • Layla Meireles Camargos
  • Rachel Oliveira Castilho

Métricas

  • Artigo visto 121 vez(es)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Citações


Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2024 Revista Fitos
Informe um erro