Petiveria alliacea L. (Phytolaccaceae): planta medicinal com enorme potencial fitoquímico e alelopático: planta medicinal con enorme potencial fitoquímico y alelopático

Silva LM;
OrcID
Silva FJ
OrcID

Leonardo Mendes da Silva

Universidade Federal de Lavras (UFLA), Departamento de Ecologia, Laboratório de Eco-geno-toxicologia e Citogenética, Praça Prof. Edmir Sá Santos, s/n - Aquenta Sol, CEP 37200-900, Lavras, MG, Brasil

https://orcid.org/0000-0001-6510-9005

Mestrando em Botânica Aplicada pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Pós - Graduando em Ecologia e Biodiversidade pela Faculdade de Administração, Ciências e Educação (FAMART). Licenciado em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena (2018-2022). Atua como pesquisador na área de botânica e ecologia, utilizando organismos testes vegetais com a finalidade de avaliar a toxidade, citotoxicidade, genotoxicidade e mutagenicidade de poluentes ambientais e extratos derivados de plantas.

Fábio Júnio da Silva

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena, Rua Monsenhor José Augusto s/n, São José, CEP 36205-018, Barbacena, MG, Brasil

https://orcid.org/0000-0003-2159-5907

Possui curso-tecnico-profissionalizante em Técnico em Meio Ambiente pelo Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais(2019) e ensino-medio-segundo-graupela Escola Estadual Padre Egydio Reis(2014). Tem experiência na área de Ciências Ambientais. 


Palavras-chave

Alelopatia
Bioensaios vegetais
Bioherbicidas
Lactuca sativa
  • Resumo

    O objetivo deste estudo foi avaliar o potencial fitoquímico e alelopático do extrato aquoso das folhas da Petiveria alliacea na germinação e no crescimento inicial de plântulas de alface (Lactuca sativa L.). A análise fitoquímica foi realizada por técnicas colorimétricas e de precipitação. Para avaliar o potencial alelopático quatro concentrações (25%, 50%, 75% e 100%) foram estipuladas e as sementes de alface foram mantidas em contato com as mesmas por 72 horas. Os parâmetros avaliados foram: porcentagem de germinação, índice de velocidade de germinação, peso fresco e comprimento das plântulas (raiz e parte aérea). O estudo revelou que a Petiveria alliacea possui compostos químicos de 9 diferentes classes, incluindo, alcalóides, cumarinas, esteroides, fenóis, flavonoides, saponinas e taninos. A porcentagem de germinação foi afetada significativamente pelos extratos nas concentrações de 75% e 100%. Na concentração mais alta (100%), o extrato resultou em uma redução de 85,10% na porcentagem de germinação. Além disso, todas as concentrações do extrato foram capazes de inibir significativamente o índice de velocidade de germinação, o comprimento e o peso fresco das plântulas. Conclui-se que a Petiveria alliacea apresenta grande potencial como bioherbicida devido à sua capacidade de inibir a germinação e o crescimento das plântulas.

  • Referências

    1. Luz DA, Pinheiro AM, Silva ML, Monteiro MC, Prediger RD, Ferraz Maia CS et al. Ethnobotany, phytochemistry and neuropharmacological effects of Petiveria alliacea L. (Phytolaccaceae): a review. J Ethnopharmacol. 2016; 185: 182–201. ISSN 0378-8741. [acesso em: 10 dez. 2022] Disponível em: [https://doi.org/10.1016/j.jep.2016.02.053].
    2. Marchioretto MS. Phytolaccaceae In: Flora e Fauna do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: [https://floradobrasil.jbrj.gov.br/FB24174]. [Acesso em: 31 jan. 2023].
    3. Gomes PB, Noronha EC, Melo CTV, Bezerra JNS, Neto MA, Lino CS et al. Central effects of isolated fractions from the root of Petiveria alliacea L. (tipi) in mice. J Ethnopharmacol. 2008; 120 (2): 209–14. ISSN 0378-8741. [acesso em: 10 dez. 2022] Disponível em: [https://doi.org/10.1016/j.jep.2008.08.012].
    4. Pettinelli JA, Soares BO, Collin M, Mansur EA, Engelmann F, Gagliardi RF. Cryotolerance of somatic embryos of guinea (Petiveria alliacea) to V-cryoplate technique and histological analysis of their structural integrity. Acta Physiol Plant. 2020; 42 (3) 1-10. ISSN 0137-5881 [acesso em: 12 jan. 2023] Disponível em: [https://doi.org/10.1007/s11738-019-3003-x].
    5. Miranda CCS, Silva GML, Brito AO, Paiva EC, Alves MHP, Sousa AN et al. Correlação entre fitoquímica e atividades farmacológicas da Petiveria Alliacea L. Rev Casos Cons. 2021; 12 (1) 1-13. ISSN 2237-7417 [acesso em: 12 jan. 2023] Disponível em: [https://periodicos.ufrn.br/casoseconsultoria/article/view/25555/14682].
    6. Silva LM, Borgo AL, Nascimento CMS, Silva FJ, Dutra VSV. Potencial alelopático e antiproliferativo de extratos aquosos obtidos dos frutos de Duranta erecta L.. In: Souza ESR, editor. Pesquisas em Temas de Ciências Agrária. 1a ed. Belém: RFB editora; 2023, p. 11-22. [acesso em: 12 jan. 2023] Disponível em: [https://doi.org/10.46898/rfb.b163d414-bfe6-4361-82eb-4a0087d5e679].
    7. Simões MS, Madail RH, Barbosa S, Nogueira MDL. Padronização de bioensaios para detecção de compostos alelopáticos e toxicantes ambientais utilizando alface. Biotemas. 2013; 26(3): 29-36. e-ISSN 2175-7925 [acesso em: 12 jan. 2023] Disponível em: [http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2013v26n3p29].
    8. Matos FJA. Introdução à Fitoquímica Experimental. 3ª Ed, Fortaleza: Edições UFC, 2009. ISBN: 85-7282-026-4
    9. Harborone JB, Baxter H, Moss GP. Phytochemical dictionary: handbook of bioactive compounds from plants. 2a ed. Taylor, Francis, London, 1999. ISBN: 9780748406203.
    10. Simões CMO, Schenkel EP, Palazzo MJC, Mentz LA, Rospretrovick P. Farmacognosia: do produto natural ao medicamento, 1a ed.; Artmed Editora: Porto Alegre, Brasil, 2016. ISBN 8582713592.
    11. Akintan MO, Akinneye JO. Fumigant toxicity and phytochemical analysis of Petiveria alliacea (Linneaus) leaf and root bark oil on adult Culex quinquefasciatus. Bull Natl Res Cent. 2020; 44(1): 1-11 ISSN 25228307 [acesso em: 09 jan. 2023] Disponível em: [https://doi.org/10.1186/s42269-020-00355-3].
    12. Cruz-Salomón KDC, Cruz-Rodríguez RI, Espinosa-Juárez JV, Cruz-Salomón A, Briones-Aranda A, Ruiz-Lau N et al. Estudo in vivo e in silico do efeito antinociceptivo e toxicológico dos extratos das folhas de Petiveria alliacea L. Pharmaceuticals. 2022; 15(8): 943. ISSN 1424-8247 [acesso em: 13 jan. 2023] Disponível em: [https://doi.org/10.3390/ph15080943].
    13. Bachheti A, Sharma A, Bachheti RK, Husen A, Pandey DP. Plant Allelochemicals and Their Various Applications. In: Mérillon J-M, Ramawat KG (editors). Co-Evolution of Secondary Metabolites. Reference Series in Phytochemistry. 2020; 441–65. ISBN 978-3-319-96396-9 [acesso em: 12 jan. 2023] Disponível em: [https://doi.org/10.1007/978-3-319-96397-6_14].
    14. Franco DP, Pereira TM, Vitorio F, Nadur NF, Lacerda RB, Kümmerle AE. A importância das cumarinas para a química medicinal e o desenvolvimento de compostos bioativos nos últimos anos. Quím Nova. 2020; 44(2): 180-197. ISSN 1678-7064. [acesso em: 23 jan. 2022] Disponível em: [https://doi.org/10.21577/0100-4042.20170654].
    15. Smith J, Brown A. Triterpenes and steroids from the medicinal plants of Africa. Afr J Tradit Complement Altern Med. 2022; 19(2): 125-130. ISSN 2505-0044 [acesso em: 24 jan. 2023] Disponível em: [http://www.africanjournalofmedicine.com/article/S0189-6016(21)30045-9/fulltext].
    16. Souza-Sales Q, Gonçalves FMB, Ramos AC, Paes MM, Raquel M. Phytochemical analysis and cytotoxic activity of Petiveria alliacea (Phytolaccaceae). Int J Sci. 2016; 5(1): 52-58. ISSN 2305-3925 [acesso em: 29 jan. 2023] Disponível em: [https://www.ijsciences.com/pub/issue/2016-04/].
    17. Silva LM, Silva FJ, Borgo AL, Dutra VSV, Nascimento CMS. Potencial fitoquímico e fitotóxico do extrato aquoso obtido das sementes de urucum (Bixa orellana L.). In: Vilar FCR, Silva TB (editores). Plantas medicinais e suas potencialidades. 1a ed. Guarujá: Editora Científica Digital. 2023; 1: 110-121. [acesso em: 14 jan. 2023] Disponível em: [https://doi.org/10.37885/221111087].
    18. Patel JM. A Review of Potential Health Benefits of Flavonoids. J Undergrad Res. 2008; 3(2): 1-5. ISSN 1718-8482 [acesso em: 23 jan. 2023] Disponível em: [http://www.lurj.org/article.php/vol3n2/flavonoids.xml].
    19. Corsato JM, Fortes AMT, Santorum M, Leszczynski R. Efeito alelopático do extrato aquoso de folhas de girassol sobre a germinação de soja e picão-preto. Semin Cienc Agrar. 2010; 31(2): 353-360. ISSN 1676-546X [acesso em 22 jan. 2022] Disponível em: [http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=445744096008].
    20. Soares JC. Potencial alelopático do extrato aquoso de Petiveria alliacea L. na germinação e crescimento de plântulas de Lactuca sativa L. e Solanum esculentum L. Relat Pesq. 2015. [acesso em: 22 jan. 2022] Disponível em: [http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/4415].
    21. Rodrigues LCA, Barbosa S, Silva MP, Maselli BS, Beijo LA, Kummrow F. Fitotoxicidade citogenotoxicidade de água e sedimento de córrego urbano em bioensaio com Lactuca sativa. Rev Bras Eng Agric Ambient. 2013; 17(10): 1099-1108. ISSN 1807-1929. [acesso em 26 jan. 2022] Disponível em: [https://doi.org/10.1590/S1415-43662013001000012].
    22. Dias AG, Zucoloto M, Caldas-Zetun M, Coelho I, Moreira-Sobreir F. Estresse oxidativo em células vegetais mediante aleloquímicos. Rev Fac Nal Agr Medellìn. 2008; 61(1): 4237-4247. ISSN 0304-2847 [acesso em: 31 jan. 2023] Disponível em: [http://www.scielo.org.co/pdf/rfnam/v61n1/a01v61n1.pdf].
    23. Silva LM, Cimino FF, Borgo AL, Dutra VSV et al. Avaliação da toxicidade, citotoxicidade e genotoxicidade do infuso dos rizomas de Curcuma longa L. (Zingiberaceae). Rev Fitos. 2022; (Ahead of print). e-ISSN 2446.4775= [acesso em: 21 jan. 2023] Disponível em: [https://doi.org/10.32712/2446-4775.2022.1447].
    24. Taiz L, Zeiger E, Møller IM, Murphy A. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6th ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2017. ISBN-13: 978-8582713662
    25. Silveira PF, Maia SSS, Coelho MDFB. Potencial alelopático do extrato aquoso de cascas de jurema preta no desenvolvimento inicial de alface. Rev Caatinga. 2012; 25(1): 20-27. ISSN 1983-2125. [acesso em: 30 jan. 2023] Disponível em: [https://periodicos.ufersa.edu.br/caatinga/article/view/2027/pdf].

Como citar

1.
Silva LM da, Silva FJ da. Petiveria alliacea L. (Phytolaccaceae): planta medicinal com enorme potencial fitoquímico e alelopático: planta medicinal con enorme potencial fitoquímico y alelopático. Rev Fitos [Internet]. 20º de dezembro de 2023 [citado 3º de março de 2024];17(4):502-1. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/?journal=revista-fitos&page=article&op=view&path[]=1546

Autor(es)

  • Leonardo Mendes da Silva
    Universidade Federal de Lavras (UFLA), Departamento de Ecologia, Laboratório de Eco-geno-toxicologia e Citogenética, Praça Prof. Edmir Sá Santos, s/n - Aquenta Sol, CEP 37200-900, Lavras, MG, Brasil
    https://orcid.org/0000-0001-6510-9005
  • Fábio Júnio da Silva
    Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena, Rua Monsenhor José Augusto s/n, São José, CEP 36205-018, Barbacena, MG, Brasil
    https://orcid.org/0000-0003-2159-5907

Métricas

  • Artigo visto 262 vez(es)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Citações


Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2023 Revista Fitos
Informe um erro