Plantas medicinais em comunidades quilombolas: revisão integrativa da literatura: revisión integrativa de literatura

Santana FR;
OrcID
Silva DM;
OrcID
Morais Siqueira C;
OrcID
Biondo E
OrcID

Fabiana Ribeiro Santana

Universidade Federal de Goiás, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública. Rua 235, Setor Leste Universitário, CEP 74605-050, Goiânia, GO, Brasil.

https://orcid.org/0000-0002-8696-6775

Possui Bacharelado e Licenciatura em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2003). Especialização em Educação Profissional na Área de Saúde: Enfermagem pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (2005). Especialização em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (2006). Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Goiás (2007). Especialização Multiprofissional em Saúde da Família pela Universidade Federal de Goiás (2010). Especialização em Segurança Alimentar e Agroecologia pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (2023). Doutorado em cotutela/dupla titulação entre a Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (doutora em ciências - enfermagem em saúde pública) e a Université de Cergy-Pontoise na França (doutora em ciências da educação). Participa do Réseau International Francophone Interdisciplinaire RechercheAvec que inclui membros do Brasil, México, França e Canadá coordenada por Gilles Monceau (Université de Cergy-Pontoise - France) e Marguerite Soulière (Université d'Ottawa - Canada). Pesquisadora e líder do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Agroecologia e Saúde (NEPEAS) da Universidade Federal de Goiás, membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Saúde Coletiva Profa. Dra. Maria Cecília Puntel de Almeida (NUPESCO) da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e membro do Diretório CNPq Análise Institucional & Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Saúde Coletiva do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás, atuando na graduação em Medicina, Biomedicina e Fisioterapia e no Mestrado Profissional em Saúde Coletiva. Tem experiência no ensino, pesquisa e extensão, com ênfase em Saúde Coletiva, atuando principalmente nas seguintes temáticas: saúde coletiva, atenção primária à saúde, promoção da saúde, educação em saúde, análise institucional e socioclínica institucional. 

Danni Maisa da Silva

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade Três Passos. Rua Cipriano Barata, 47, Érico Veríssimo, CEP 98600-000, Três Passos, RS, Brasil.

https://orcid.org/0000-0002-3600-0462

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Maria (2000), Mestrado em Agronomia (2002) e Doutorado em Ciência do Solo (2015), pela mesma instituição. Atuou como extensionista rural, pela EMATER/RS-ASCAR, por cerca de 6,5 anos. É Professora Adjunta em Ciência do Solo na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) há 16 anos, lotada na Unidade em Três Passos, onde atua nos Cursos de Bacharelado em Agronomia, Bacharelado em Gestão Ambiental, Especialização em Manejo Sustentável do Solo e Especialização em Gestão e Sustentabilidade Ambiental bem como em outros cursos e em outras unidades da Uergs. Foi Coordenadora do Curso de Graduação em Tecnologia em Gestão Ambiental (2013), do Curso de Especialização em Segurança Alimentar e Agroecologia, por duas edições (2013 e 2015) e do Curso de Bacharelado em Agronomia na Unidade em Três Passos (2019-2020).

Claudio Morais Siqueira

State University of Rio Grande do Sul, Três Passos Unit. Rua Cipriano Barata, 47, Érico Veríssimo, CEP 98600-000, Três Passos, RS, Brazil.

https://orcid.org/0000-0003-0527-9349

Possui graduação em medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, residência médica em pediatria pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, especialização em Saúde da Família pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, especialização em Fitoterapia pelas Faculdades Integradas Espírita e especialização em Gestão Pública em Saúde pela Universidade Federal de Uberlândia. Título de especialista da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Mestrado em Epidemiologia pela Universidade Federal de Goiás (2016) e Doutorado em Medicina Tropical e Saúde Pública pela Universidade Federal de Uberaba (2020). Foi Médico de Família e Comunidade e fez ambulatório de clínica médica e pediatria - Secretaria Municipal de Saúde de Uberaba. Foi professor de semiologia médica, epidemiologia analítica, políticas de saúde e tutoria da Universidade de Uberaba. Foi médico do ambulatório de clínica médica e pediatria no SUS de Aparecida de Goiânia. Atualmente é professor auxiliar no Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás.Tem experiência na área de Saúde Coletiva, Saúde da Família e Pediatria.

Elaine Biondo

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade em Encantado. Rua Alegrete, 821, São José, CEP 95960-000, Encantado, RS, Brasil

https://orcid.org/0000-0001-7793-9700

Possui graduação em Ciência Biológicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1997), mestrado em Curso de Pós-graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Santa Maria (2000) e doutorado em Programa de Pós-graduação em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Na Unidade da Uergs em Encantado, atuando desde 2004, no Cursos de Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos ministrando disciplinas na área de Ciências da Vida e do Meio Ambiente. Curadora do Herbário UENC da UERGS Encantado. Atuando na área de Agroecologia e Transição agroecológica - pesquisa a organização e tecnologias para a transição agroecológica no Vale do Taquari, além da dinâmica da cadeia de comercialização de produtos orgânicos, auxiliando na transição agroecológica. Também atua na extensão com o fomento da Produção de base ecológica nas comunidades. escolas, conscientizando sobre o tema. Coordena o Núcleo de Estudos em Agroecologia e Produção Orgânica no Território Rural Vale do Taquari. Na Linha de Pesquisa Conservação e Manejo da Biodiversidade do Mestrado Profissional em Ambiente e Sustentabilidade na Uergs Hortênsias, atua na caracterização biológica, sistemática, genética e nutricional de plantas alimentícias não convencionais e plantas nativas com potencial alimentar e ornamental. Orienta no Mestrado Profissional em Ambiente e Sustentabilidade, Linha de Pesquisa: Conservação e Manejo da Biodiversidade. Ministra a disciplina eletiva Biodiversidade e Valorização de Plantas Nativas no Rio Grande do Sul. Atua na Especialização em Agroecologia e Produção Orgânica orientando no tema Agrobiodiversidade e Plantas alimentícias não convencionais. Mãe de Vallentina 12 anos e de Augusto 9 anos.


Palavras-chave

Plantas medicinais
Fitoterapia
Medicina Tradicional
Quilombolas
  • Resumo

    Os saberes tradicionais no uso de plantas medicinais de comunidades quilombolas são amplos e diversos e são estudados pela etnobotânica e/ou etnofarmacologia. Este trabalho tem como objetivo sintetizar o conhecimento etnobotânico de plantas medicinais de comunidades quilombolas. Trata-se de uma revisão integrativa realizada nas bases de dados Scopus, Medical Literature Analysis and Retrieval System Online/US National Library of Medicine (MEDLINE/PubMed), Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Institute for Scientific Information Web of Science. Identificaram-se 165 estudos, dos quais 16 atenderam os critérios de inclusão. Evidenciou-se um grande número e diversidade de espécies vegetais e indicações terapêuticas. Conclui-se que os saberes tradicionais quilombolas no uso de plantas medicinais possuem sustentação em racionalidades biomédicas e não biomédicas, como por exemplo, na medicina tradicional africana e indígena.

  • Referências

    1. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. 2006. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf]. [acesso em: 09 abr. 2022].
    2. Brasil. Ministério da Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. 2012. Disponível em: [https://aps.saude.gov.br/biblioteca/visualizar/MTIwOA==]. [acesso em: 09 abr. 2022].
    3. Nespoli G, Leda PHO, Gomes AMO, Behrens M. O potencial da fitoterapia no contexto da atenção básica à saúde e da produção do cuidado integral. In: Nespoli G, Gomes AMO, Borges CF, Chagas DC, Dias JVS, Mattos L et al., editores. Educação popular e plantas medicinais na atenção básica à saúde; 2021. p. 77-88.
    4. Ferreira ALS, Pasa MC, Nunez CV. A etnobotânica e o uso de plantas medicinais na Comunidade Barreirinho, Santo Antônio de Leverger, Mato Grosso, Brasil. Interações. 2020; 21(4): 817-830. [https://doi.org/10.20435/inter.v21i4.1924].
    5. Guimarães BO, Oliveira AP, Morais IL. Plantas medicinais de uso popular na Comunidade Quilombola de Piracanjuba - Ana Laura, Piracanjuba, GO. Fronteiras: J Social Technol Environ Sci. 2019; 8(3): 196-220. [https://doi.org/10.21664/2238-8869.2019v8i3.p196-220].
    6. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4): 58-64. [https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018].
    7. Page MJ, McKenzie JE, Bossuyt PM, Boutron I, Hoffmann TC, Mulrow CD et al. The Prisma 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. BMJ. 2021; 372(71): 1-9. [https://doi.org/10.1136/bmj.n71].
    8. Pereira MG, Galvão TF. Etapas de busca e seleção de artigos em revisões sistemáticas da literatura. Epidemiol Serv Saúde. 2014; 23(2): 369-371. [https://doi.org/10.5123/S1679-49742014000200019]
    9. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Uso de gerenciador de referências bibliográficas na seleção dos estudos primários em revisão integrativa. Texto Contexto Enferm. 2019; 28: e20170204. [https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2017-0204].
    10. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Trata sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa em ciências humanas e sociais. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 24 mai. 2016; Seção 1, n. 98, p. 44.
    11. Rodrigues E, Carlini EA. Plants used by a Quilombola group in Brazil with potential central nervous system effects. Phytother Res. 2004; 18(9): 748-753. [https://doi.org/10.1002/ptr.1535].
    12. Rodrigues E. Carlini EA. A Comparison of Plants Utilized in Ritual Healing by Two Brazilian Cultures: Quilombolas and Krahô Indians. J Psychoact Drugs. 2006; 38(2): 285-295. [https://doi.org/10.1080/02791072.2006.10399854] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17165371/].
    13. Rodrigues E. Plants of restricted use indicated by three cultures in Brazil (Caboclo-river dweller, Indian and Quilombola). J Ethnopharmacol. 2007; 111(2): 295-302. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2006.11.017].
    14. Negri G, Rodrigues E. Essential oils found in the smoke of “tira-capeta”, a cigarette used by some quilombolas living in pantanal wetlands of Brazil. Rev Bras Farmacogn. 2010; 20(3): 310-316. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2010000300004].
    15. Oliveira DR, Leitão GG, Coelho TS, Silva PEA, Lourenço MCS, Leitão SG. Ethnopharmacological versus random plant selection methods for the evaluation of the antimycobacterial activity. Rev Bras Farmacogn. 2011; 21(5): 793-806. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2011005000084].
    16. Oliveira DR, Costa ALMA, Leitão GG, Castro NG, Santos JP, Leitão SG. Estudo etnofarmacognóstico da saracuramirá (Ampelozizyphus amazonicus Ducke), uma planta medicinal usada por comunidades quilombolas do Município de Oriximiná-PA, Brasil. Acta Amazon. 2011; 41(3): 383-392. [https://doi.org/10.1590/S0044-59672011000300008].
    17. Ferreira FMC, Lourenço FJC, Baliza DP. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais na comunidade quilombola Carreiros, Mercês - Minas Gerais. Rev Verde. 2014; 9(3): 205-212. [https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/2612].
    18. Martins RC, Filgueiras TS, Albuquerque UP. Use and Diversity of Palm (Arecaceae) Resources in Central Western Brazil. Scient World J. 2014; 2014: 1-14. [https://doi.org/10.1155/2014/942043] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24772040/].
    19. Gomes-Neto FR, Almeida GSS, Jesus NG, Fonseca MR. Estudo Etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela Comunidade do Sisal no município de Catu, Bahia, Brasil. Rev Bras Pl Medic. 2014; 16(4): 856-865. [https://doi.org/10.1590/1983-084X/11_207].
    20. Oliveira DR, Leitão GG, Fernandes PD, Leitão SG. Ethnopharmacological studies of Lippia origanoides. Rev Bras Farmacogn. 2014; 24(2): 206-214. [https://doi.org/10.1016/j.bjp.2014.03.001].
    21. Oliveira DR, Krettli AU, Aguiar ACC, Leitão GG, Vieira MN., Martins KS et al. Ethnopharmacological evaluation of medicinal plants used against malaria by Quilombola Communities from Oriximiná, Brazil. J Ethnopharmacol. 2015; 173: 424-434. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2015.07.035].
    22. Oliveira LR. Uso popular de plantas medicinais por mulheres da comunidade quilombola de Furadinho em Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Rev Verde. 2015; 10(3): 25-31. [https://doi.org/10.18378/rvads.v10i3.3408].
    23. Santana BF, Voeks RA, Funch LS. Ethnomedicinal survey of a maroon community in Brazil's Atlantic tropical forest. J Ethnopharmacol. 2016; 181: 37-49. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2016.01.014].
    24. Conde BE, Ticktin T, Fonseca AS, Macedo AL, Orsi TO, Chedier LM et al. Local ecological knowledge and its relationship with biodiversity conservation among two Quilombola groups living in the Atlantic Rainforest, Brazil. PLoS One. 2017; 12(11): e0187599. [https://doi.org/10.1371/journal.pone.0187599].
    25. Yazbek PB, Matta P, Passero LF, Santos GG, Braga S, Assunção L et al. Plants utilized as medicines by residents of Quilombo da Fazenda, Núcleo Picinguaba, Ubatuba, São Paulo, Brazil: A participatory survey. J Ethnopharmacol. 2019; 244: 112123. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2019.112123].
    26. Magalhães PKA, Araújo EN, Santos AM, Vanderley MB, Souza CCL, Correia MS et al. Ethnobotanical and ethnopharmacological study of medicinal plants used by a traditional community in Brazil’s northeastern. Braz J Biol. 2022; 82: e237642. [https://doi.org/10.1590/1519-6984.237642].
    27. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira; 2021. Disponível em: [https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/farmacopeia-brasileira]. [acesso em: 09 abr. 2022].
    28. Harley RM, França F. Lamiaceae. In: Giulietti AM, Rapini A, Andrade MJG, Queiroz LP, Silva JMC, editores. Pl Raras Brasil. Belo Horizonte: Conservação Internacional; 2009. p. 192-200.
    29. Harley RM, França F, Santos EP, Santos JS, Pastore JFBF. Lamiaceae. In: Reflora. Lista de Espécies da Flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico; 2015.
    30. Brasil. Ministério da Saúde. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais Rename 2022; 2022. Disponível em: [https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/sectics/daf/relacao-nacional-de-medicamentos-essenciais]. [acesso em: 09 abr. 2022].
    31. Brasil. Ministério da Saúde. Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS; 2009. Disponível em: [https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/sectics/daf/pnpmf/ppnpmf/renisus]. [acesso em: 09 abr. 2022].
    32. Gouveia GDA, Simionato C. Memento Fitoterápico para prática clínica na AB. Florianópolis: CCS/UFSC; 2019. [https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/13389/1/Memento_FINAL.pdf].

Como citar

1.
Santana FR, Silva DM da, Morais Siqueira C, Biondo E. Plantas medicinais em comunidades quilombolas: revisão integrativa da literatura: revisión integrativa de literatura. Rev Fitos [Internet]. 20º de dezembro de 2023 [citado 21º de fevereiro de 2024];17(4):577-9. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/?journal=revista-fitos&page=article&op=view&path[]=1569

Recomendados para você

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Autor(es)

  • Fabiana Ribeiro Santana
    Universidade Federal de Goiás, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública. Rua 235, Setor Leste Universitário, CEP 74605-050, Goiânia, GO, Brasil.
    https://orcid.org/0000-0002-8696-6775
  • Danni Maisa da Silva
    Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade Três Passos. Rua Cipriano Barata, 47, Érico Veríssimo, CEP 98600-000, Três Passos, RS, Brasil.
    https://orcid.org/0000-0002-3600-0462
  • Claudio Morais Siqueira
    State University of Rio Grande do Sul, Três Passos Unit. Rua Cipriano Barata, 47, Érico Veríssimo, CEP 98600-000, Três Passos, RS, Brazil.
    https://orcid.org/0000-0003-0527-9349
  • Elaine Biondo
    Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Unidade em Encantado. Rua Alegrete, 821, São José, CEP 95960-000, Encantado, RS, Brasil
    https://orcid.org/0000-0001-7793-9700

Métricas

  • Artigo visto 46 vez(es)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Citações


Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2023 Revista Fitos
Informe um erro