Escolas Fitoparceiras: Saúde, Ambiente e Educação através das Plantas Medicinais

Magalhães-Fraga, S A P;
Oliveira, , M. F. S.

S. A. P. Magalhães-Fraga

Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz, NGBS/Far-Manguinhos/Fiocruz, Rua Comandante Guaranys 447, Jacarepaguá, 22775-610 Rio de Janeiro, RJ, Brasil

M. F. S. Oliveira

Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz, NGBS/Far-Manguinhos/Fiocruz, Rua Comandante Guaranys 447, Jacarepaguá, 22775-610 Rio de Janeiro, RJ, Brasil


Palavras-chave

Saúde
Desenvolvimento
Sustentável
Plantas Medicinais
Escolas
Health
Sustainable Development
Medicinal Plants
Schools

Resumo

Este artigo é parte do estudo apresentado pela autora Maria de Fátima Silva de Oliveira como monografia de conclusão do Curso de Especialização em Gestão da Inovação em Fitomedicamentos do NGBS/Coordenação de Estudos de Far-Manguinhos.

Em 22 de junho de 2006, o governo federal aprovou a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Essa política possui diretrizes imprescindíveis para a melhoria do acesso da população às plantas medicinais de forma segura, à inclusão social e regional, além do uso sustentável da biodiversidade brasileira. Como a escola é um espaço de formação de futuros cidadãos e a educação é um elemento indispensável de transformação, o presente trabalho através da gestão participativa visa levar à unidade escolar e ao seu entorno ações educativas que promovam a saúde e o desenvolvimento sustentável utilizando plantas medicinais como tema gerador. Os alunos realizarão um levantamento das plantas medicinais utilizadas pelos seus pais e responsáveis e a partir dos dados obtidos construirão uma horta medicinal, um herbário e aprenderão práticas de compostagem. Também visitarão outras instituições com projetos relacionados com plantas medicinais. Além disso, pais e responsáveis com conhecimentos de plantas medicinais terão a oportunidade de organizar e realizar eventos. Todas as atividades servirão de ferramenta para os educadores abordarem temas de acordo com os conteúdos apresentados em sala de aula. Assim, acreditamos estar contribuindo para a formação de cidadãos conscientes, responsáveis e participantes, aumentando a autoestima a partir do momento que se sentirem parte integrante do projeto, bem como contribuir com a implantação das diretrizes do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos atendendo às demandas das comunidades locais com o resgate do saberes relativos às plantas medicinais já utilizadas pela comunidade local e o esclarecimento sobre a sua correta utilização.


Referências

  1. BARTLE, P. Gestão participativa. Métodos de aumentar os resultados da equipe na tomada de decisões organizacionais. 2005. Disponível em
  2. <http://www.scn.org/mpfc/modules/pm-pmp.htm> Acesso em 10/10/2009.
  3. BLANCO, M.C.S.G.; SOUZA, M.M.S. Farmácia Viva – adote esse remédio. Ed. SAA-CATI, Campinas, São Paulo, 2004, pp. 43.
  4. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares Nacionais: Introdução. Ed. MEC/SEF, Brasília, 1997, 126 pp.
  5. BRASIL. Ministério da Saúde. A Promoção da Saúde no contexto escolar. Revista de Saúde Pública, n.4, v.6, p.533-5, 2002.
  6. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília, DF, 2006a.
  7. BRASIL. Ministério da Saúde. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília, DF, 2006b.
  8. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 687, de 30 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília, DF, 2006c.
  9. BRASIL. Ministério da Saúde. Decreto nº 6.286, 05 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola – PSE, e dá outras providências. Brasília, 2007a. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6286.htm>. Acesso em
  10. //08/2009.
  11. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria interministerial nº. 2.960, de 9 de dezembro de 2008. Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília, DF, 2008a.
  12. BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Instrução Normativa nº. 05, de 11 de dezembro de 2008. Determina a publicação da “Lista de Medicamentos Fitoterápicos de Registro Simplificado”. Brasília, DF, 2008b.
  13. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 2.982 de 26 de novembro de 2009. Aprova as normas de execução e de financiamento da Assistência Farmacêutica na Atenção Básica em Saúde. Brasília, 2009a.
  14. BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: Garantindo Saúde nos Municípios, 3ª ed. Brasília, DF, 2009b.
  15. BRASIL. Ministério da Saúde RENISUS. Relação nacional de plantas medicinais de interesse ao SUS. Espécies vegetais. Brasília, DF, 2009c. Disponível em <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/RENISUS.pdf>. Acesso em 10/10/2009.
  16. CAPRA, F.; DUAILIBI, M. Prefácio. In: STONE, M.K. & BARLOW, Z. (org.) Alfabetização ecológica. A educação das Crianças para um mundo sustentável. Ed. Cultrix, São Paulo, 2006, pp. 312.
  17. PROJETO HORTA EDUCATIVA. Programa de Comunicação Ambiental CST – Escolas. Arcelor Brasil. Serra: Companhia Siderúrgica de Tubarão, 2005. Disponível em <http://www.cst.com.br/estudantes_pesquisadores/atividades_pca_escolas/publicacoes/pdf/projeto_horta_educativa_1.pdf > Acesso em 23/05/2009.
  18. FAZENDA, I.C.A. (org.). Práticas interdisciplinares na escola. Ed. Cortez, São Paulo, 1993. Resenha de: MONFARDINI, C.T.J. Práticas interdisciplinares na escola. Educ@ação Revista de educação do Centro Regional Universitário de Espírito Santo do Pinhal (UNIPINHAL), v.1, n.3, 2005.
  19. FERNANDES, M.C.A. A Horta Escolar como Eixo Gerador de Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável. Projeto PCT/BRA/3003. Ed. FAO e FNDE/MEC, Brasília, 2005.
  20. FRANCO NETTO, G. O olhar do SUS é fundamental. Revista Radis, n.83, p.10-11, 2009.
  21. LOBINO, F.M.G. Plantando conhecimento, colhendo cidadania: Plantas Medicinais uma experiência transdisciplinar. Programa de Comunicação Ambiental-CST-Escolas, Vitória, ES, 2005. Disponível em: http://www.google.com.br/search?q=www.redebrasileiradetransdisciplinaridade.net%2F...%2FArtigo_Maria_das_Gracas_F._Lobino.doc+&rlz=1I7TSHB_en&ie=UTF-8&oe=UTF-
  22. &sourceid=ie7&redir_esc=&ei=mI-kS4CkA4LGlQf5s-R1 Acesso em 20/03/2010.
  23. LUZIA, A.M.S. Panorama da Educação Brasileira Frente ao Terceiro Milênio. Revista Eletrônica de Ciências, n.27 (Jun-Ago), 2004. Disponível em <http://www.cdcc.usp.br/ciencia/artigos/art_27/psiedu.html> Acesso em 20/03/2010.
  24. MORGADO, F.S. A horta escolar na educação ambiental e alimentar: experiência do Projeto Horta Viva nas escolas municipais de Florianópolis. Relatório de conclusão de graduação em Engenheira Agrônoma. Curso de Agronomia da Universidade Federal de Santa Catarina,
  25. Florianópolis, 2006, 50 pp.
  26. OLIVEIRA, R.R.C.; FÉRRER, J.A.C.; FIGUEIREDO, C.A. Educação em saúde e o uso de plantas medicinais como estratégias de enfrentamento das doenças mais comuns em uma comunidade carente. X Encontro de Extensão, UFPB-PRAC, Paraíba, PB, 2008. Estudo CCSNEPHFOUT02. Disponível em <http://www.prac.ufpb.br/anais/xenex_xienid/x_enex/ANAIS/Area6/6CCSNEPHFOUT02.pdf>. Acesso em 20/03/2010.
  27. OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Carta de Ottawa. Primeira Conferência Internacional de Promoção da Saúde, Ottawa, Canadá, 21 de novembro de 1986. Disponível em <http://www.opas.org.br/promocao/uploadArq/Ottawa.pdf > Acesso em 17/08/2009.
  28. SILVA, N.C.A.; PLATÃO, G.R.; GOMES, P.A.; MARTINS, E.R. Horto Medicinal Escolar: ferramenta agroecológica. Resumos do V Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA, Guarapari, ES), seção Sociedade e Natureza. Revista Brasileira de Agroecologia. v.2, n.2, p.436-439, 2007.
  29. TEMPORÃO, J.G. Políticas para a vida saudável. Saúde, Brasil. Brasília, DF, 148ª ed., p.02 (Set), 2008.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.