Fitovigilância no Serviço Especial de Saúde de Araraquara - São Paulo - Brasil

Raquel Regina Duarte Moreira
OrcID
Gardenha da Silva Rosa
OrcID
Nereide Rossi Frederico
OrcID
Walter Manso Figueiredo
OrcID
Cleopatra da Silva Planeta
OrcID

    Raquel Regina Duarte Moreira

    Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Fármacos e Medicamentos. Rodovia Araraquara Jaú Km 1, Campus Ville, CEP 14801-903, Araraquara, SP, Brasil.

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-6457-7402

    Possui graduação em Farmácia Bioquímica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1985), mestrado em Ciências Biológicas (Microbiologia Aplicada) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996) e doutorado em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000). Especialização em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública - Universidade de São Paulo (1986). Realizou Pós-Doutorado na Faculdade de Farmácia na Universidade de Coimbra, Portual (2013-2015). Atualmente é professor assistente doutor na Disciplina de Farmacognosia, Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Fitoterapia, atuando principalmente nos seguintes temas: composição química e atividades antimicrobiana e antiparasitária de óleos essenciais; farmacovigilância; Práticas Integrativas e Complementares aplicadas a Saúde Pública, educação em saúde, atenção basica a saúde, saude coletiva, interações medicamentosas e Pesquisa e Desenvolvimento de Fármacos e Medicamentos.

    Gardenha da Silva Rosa

    Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Fármacos e Medicamentos. Rodovia Araraquara Jaú Km 1, Campus Ville, CEP 14801-903, Araraquara, SP, Brasil.

    OrcID https://orcid.org/0000-0001-9228-7579

    Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. Especialista em Farmacologia Clínica e Prescrição Farmacêutica pela Faculdade Catedral/ I-BRAS (2017). Possui graduação em Farmácia pela ASSOCIACAO DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUI-AESPI (2015) e graduação em Comunicação Social pela Universidade Estadual do Piauí (2007). Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Farmácia clínica, assistência e atenção farmacêuticas

    Nereide Rossi Frederico

    Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Saúde Pública, Serviço Especial de Saúde de Araraquara, Rua Itália, 1617, Centro, CEP 14801-350, Araraquara, SP, Brasil.

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-6586-4905

    Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Botucatu (1995). Tem especialização em Saúde Pública pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Araraquara (1997). Atualmente é enfermeiro da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde Pública. No momento cursa o 5º ano de Psicologia pela Universidade Paulista - Campus de Araraquara.

    Walter Manso Figueiredo

    Universidade de Araraquara (UNIARA), Faculdade de Medicina. Rua Carlos Gomes, 1338, Centro, CEP 14801-320, Araraquara, SP, Brasil.

    OrcID https://orcid.org/0000-0003-0772-0089

    Possui graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Petrópolis (1981) com Especialização em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública - USP e mestrado em Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (1999). Atualmente é professor da Universidade de Araraquara, Coordenador do Programa de Aprendizagem Saúde e Sociedade do curso de Medicina e medico consultante e Diretor Técnico do Serviço Especial de Saúde de Araraquara da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Gestão em Saúde, Saúde Publica, Pediatria, Epidemiologia, Medicina Preventiva e Imunização, atuando principalmente nos seguintes temas: doenças infecciosas, dengue, influenza, epidemiologia, tuberculose, epidemiologia molecular, vigilância epidemiológica, toxoplasmose, organização de serviços de saúde e saúde publica.

    Cleopatra da Silva Planeta

    Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Fármacos e Medicamentos. Rodovia Araraquara Jaú Km 1, Campus Ville, CEP 14801-903, Araraquara, SP, Brasil.

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-1378-6327

    Possui graduação em Farmácia Bioquímica pela Universidade de São Paulo (1985), mestrado em Farmacologia pela Universidade de São Paulo ?SP (1988), doutorado em Farmacologia pela Universidade de São Paulo- SP (1992) e pós-doutorado no ?Laboratory of Molecular and Developmental Neuroscience? ? ?Harvard Medical School? Boston, MA, USA (1994 - 1996). Pró-reitora de Extensão Universitária e Cultura da Unesp (2017-2021), Vice-diretora (2009 - 2013) e Diretora (2013-2017) da Faculdade de Ciências Farmacêuticas - Unesp. Atualmente é Professora Titular de Farmacologia da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista ? UNESP e sua linha de pesquisa envolve a investigação das bases neurais da dependência de drogas utilizando as abordagens comportamental e molecular."


Palavras-chave

Plantas medicinais
Automedicação
Farmacovigilância

Resumo

Esse estudo teve como objetivo realizar um levantamento acerca do uso de plantas medicinais, pelos usuários da clínica médica do Serviço Especial de Saúde de Araraquara (SESA), da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP), São Paulo, Brasil. As informações foram obtidas por meio de entrevista com 63 pacientes da clínica médica do SESA. Os resultados mostraram que do total de entrevistados, 60% eram mulheres, na maioria na faixa etária entre 60-69 anos. 70% dos entrevistados usam e/ou já usaram plantas medicinais, sendo a mais citada erva-cidreira (Melissa officinalis L.). 50,33% buscaram informações sobre o uso de plantas medicinais com familiares. 82% relataram não informar ao médico sobre o uso de plantas medicinais, antes ou durante o tratamento. Relataram desconhecer os riscos do uso concomitante destes produtos com fármacos sintéticos. Portanto, a promoção de ações educativas e do estabelecimento de protocolo de Fitovigilância nos Serviços de Saúde, é de extrema importância, minimizando os riscos à saúde dos pacientes, decorrentes do uso concomitante de plantas medicinais, fitoterápicos e sintéticos.

Referências

  1. Homar JC. Medicinas complementarias o alternativas? Un dilema para el sistema público. Aten Prim. 2005; 35(8): 389-91. ISSN 0212-6567. [https://doi.org/10.1157/13074790].
  2. Silva MIG, Gondim APS, Nunes IFS, Sousa FCF. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família no município de Maracanáu (CE). Rev Bras Farmacogn. 2006; 16 (4): 455-462. ISSN 1981-528X. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2006000400003].
  3. Nicoletti MA, Oliveira-Júnior MA, Bertasso CC, Caporossi PY, Tavares APL. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma. 2007; 19(1/2): 32-40. ISSN 2318-9312. [https://cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/10/infa09.pdf].
  4. Williamson E. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos. Porto Alegre: Artmed; 2012. 440 p. ISBN 978-85-363-2622-1. [https://statics-shoptime.b2w.io/sherlock/books/firstChapter/111164876.pdf].
  5. Calixto JB. Efficacy, safety, quality control, marketing and regulatory guidelines for herbal medicines (phytotherapeutic agents). Braz J Med Biol Res. 2000; 33(2): 179-189. ISSN 1414-431X. [https://doi.org/10.1590/S0100-879X2000000200004].
  6. Funari CS, Ferro VO. Uso ético da biodiversidade brasileira: necessidade e oportunidade. Rev Bras Farmacogn. 2005; 15(2): 178-182. ISSN 1981-528X. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2005000200018].
  7. Silveira PF, Bandeira MAM, Arrais PSD. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e fitoterápicos: uma realidade. Rev Bras Farmacogn. 2008; 18(4): 618-626. ISSN 1981-528X. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2008000400021].
  8. Capasso R, Izzo AA, Pinto L, Bifulco T, Vitobello C, Mascolo N et al. Phytotherapy and quality of herbal medicines. Fitoterapia. 2000; 71: S58-S65. ISSN 0367-326X. [https://doi.org/10.1016/s0367-326x(00)00173-8].
  9. Veiga Junior VF. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev Bras Farmacogn. 2008; 18(2): 308-313. ISSN 1981-528X. [https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2008000200027] [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2008000200027].
  10. Jacomini LCL, Silva NA. Drug interactions: a contribuition to the rational use of synthetic and biological immunosuppressants. Rev Bras Reumatol. 2011; 51(2): 161-174. ISSN 1809-4570. [https://www.scielo.br/j/rbr/a/Fr3jGvSXCdBcqM8ZmSQZxKd/?lang=pt].
  11. Pierce A 1999. The American Pharmaceutical Association Pratical Guide to Natural Medicines. New York: The Stonesong Press. Apud Quackwatch Therapeutic Research Faculty, Stockton, Califórnia, 2001. [https://openlibrary.org/books/OL366358M/The_American_Pharmaceutical_Association_practical_guide_to_natural_medicines].
  12. Amorim MFD, Diniz MFFM, Araújo MST, Pita JCLR, Dantas JG, Ramalho JA et al. The controvertible role of kava (Piper methysticum G. Foster) an anxiolytic herb, on toxic hepatitis. Rev Bras Farmacogn. 2007; 17(3): 448-454. ISSN 1981-528X. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2007000300020].
  13. Fugh-Berman A, Ernst E. Herb-drug interactions: review and assessment of report reliability. Br J Clin Pharmacol. 2001; 52(5): 587-595. ISSN 0306-5251. [https://doi.org/10.1046/j.0306-5251.2001.01469.x] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11736868/].
  14. Silva MC, Colino PS, Pontes Neto JG. Interações medicamentosas em fitoterápicos. Res Soc Dev. 2021; 10(15): e224101522892. ISSN 2525-3409. [https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/22892].
  15. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Diabetes e Hipertensão Arterial. Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e Diabetes mellitus (DM): protocolo. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. 96 p. (Cadernos de atenção Básica, 7). ISBN 85-334-0341-0. [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/hipertensao_arterial_sistemica_cab7.pdf].
  16. Miranzi SSC, Ferreira FS, Iwamoto HH, Pereira GA, Miranzi MAS. Qualidade de vida de indivíduos com Diabetes Mellitus e Hipertensão acompanhados por uma equipe de saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4): 672-679. ISSN 0104-0707. [https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400007].
  17. Otero MJ, Domínguez-Gil A. Acontecimientos adversos por medicamentos: una patología emergente. Farm Hosp. 2000; 24(4): 258-266. ISSN 1130-6343. [https://www.sefh.es/revistas/vol24/n4/240410.pdf].
  18. Bates DW, Cullen DJ, Laird N, Petersen LA, Small SD, Servi D et al. Incidence of adverse drug events and potential adverse drug events - Implications for prevention. JAMA. 1995, 274(1): 29-34. ISSN 1538- 3598. [https://doi.org/10.1001/jama.274.1.29].
  19. Doucet J, Jego A, Noel D, Geffroy CE, Capet C, Coquard A et al. Preventable and Non-Preventable Risk Factors for Adverse Drug Events Related to Hospital Admission in the Elderly. Clin Drug Invest. 2002; 22(6): 385-392. ISSN 1173-2563. [https://doi.org/10.2165/00044011-200222060-00006].
  20. World Health Organization (WHO). The importance of Pharmacovigilance-Safety Monitoring of Medicinal Products. Geneva, 2002. ISBN 9241590157. [https://www.who.int/publications/i/item/10665-42493].
  21. World Health Organization (WHO). WHO Guidelines on safety monitoring of herbal medicines in pharmacovigilance systems. Geneva, 2004. [https://apps.who.int/iris/handle/10665/43034] .
  22. Pinn G. Adverse effects associated with herbal medicine. Aust Fam Physician. 2001; 30(11): 1070-1075. PMID: 11759460. ISSN 0300-8495. [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11759460/].
  23. Andrade TL. Caracterização da associação entre Diabetes mellitus e Hipertensão arterial na atenção primária: estudo quantitativo no município de Jeceaba–MG. Belo Horizonte. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso [Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família] - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2010. [https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0645.pdf].
  24. Berto SJP, Carvalhaes MABL, Moura EC. Tabagismo associado a outros fatores comportamentais de risco de doenças e agravos crônicos não transmissíveis. Cad Saúde Publica. 2010; 26(8): 1573-1582. ISSN 1678-4464. [https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000800011].
  25. Barbosa DR, Lenardon L, Partata AK. KAVA-KAVA (Piper methysticum): uma revisão geral. Rev Cient ITPAC. 2013; 6(3): Centro Universitário Tocantinense Presidente Antônio Carlos. ISSN 1983-6708. [https://redib.org/Record/oai_articulo364267-kava-kava-piper-methysticum-uma-revis%C3%A3o-geral].
  26. Brantley SJ, Argikar AA, Lin YS, Nagar S, Paine MF. Herb-Drug Interactions: Challenges and Opportunities for Improved Predictions. Drug Metab Dispos. 2014; 42(3): 301-317. ISSN 1521-009X. [https://doi.org/10.1124/dmd.113.055236].
  27. Betoni JE, Mantovani RP, Barbosa LN, Di Stasi LC, Fernandes Junior A. Synergism between plant extract and antimicrobial drugs used on Staphylococcus aureus diseases. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2006; 101(4): 387-390. ISSN 1678-8060. [https://doi.org/10.1590/S0074-02762006000400007].
  28. Abebe W. Herbal medication: potential for adverse interactions with analgesic drugs. J Clin Pharm Ther. 2002; 27(6): 391-401. ISSN 1365-2710 [https://doi.org/10.1046/j.1365-2710.2002.00444.x].
  29. Basila D, Yuan CS. Effects of dietary supplements on coagulation and platelet function. Thromb Res. 2005; 117(1-2): 49-53. ISSN 0049-3848. [https://doi.org/10.1016/j.thromres.2005.04.017].
  30. Segal R, Pilote L. Warfarin interaction with Matricaria chamomilla. CMAJ. 2006; 174(9): 1281-1282. ISSN 0820-3946. [https://doi.org/10.1503/cmaj.051191].

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Autor(es)

  • Raquel Regina Duarte Moreira
    Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Fármacos e Medicamentos. Rodovia Araraquara Jaú Km 1, Campus Ville, CEP 14801-903, Araraquara, SP, Brasil.
    https://orcid.org/0000-0002-6457-7402
  • Gardenha da Silva Rosa
    Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Fármacos e Medicamentos. Rodovia Araraquara Jaú Km 1, Campus Ville, CEP 14801-903, Araraquara, SP, Brasil.
    https://orcid.org/0000-0001-9228-7579
  • Nereide Rossi Frederico
    Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Saúde Pública, Serviço Especial de Saúde de Araraquara, Rua Itália, 1617, Centro, CEP 14801-350, Araraquara, SP, Brasil.
    https://orcid.org/0000-0002-6586-4905
  • Walter Manso Figueiredo
    Universidade de Araraquara (UNIARA), Faculdade de Medicina. Rua Carlos Gomes, 1338, Centro, CEP 14801-320, Araraquara, SP, Brasil.
    https://orcid.org/0000-0003-0772-0089
  • Cleopatra da Silva Planeta
    Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara, Departamento de Fármacos e Medicamentos. Rodovia Araraquara Jaú Km 1, Campus Ville, CEP 14801-903, Araraquara, SP, Brasil.
    https://orcid.org/0000-0002-1378-6327

Métricas

  • Artigo visto 118 vez(es)

Como Citar

1.
Fitovigilância no Serviço Especial de Saúde de Araraquara - São Paulo - Brasil. Rev Fitos [Internet]. 31º de março de 2023 [citado 15º de abril de 2024];17(1):53-6. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/index.php/revista-fitos/article/view/1167
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista Fitos

Informe um erro