Plantas alimentícias não convencionais e medicinais: conhecimento e aplicações em feiras-livres de Belém, Pará, Brasil

Santos, J J F;
Gomes, , R. S. L. d. C. e. S.

Jéssica Juliane Furtado Santos

Universidade Federal do Pará (UFPA), Lab. Estudos Pesquisas em Políticas Públicas de Saúde e Direitos Humanos. Rua Augusto Correa, 01, Cidade Universitária Prof. José da Silveira Neto, Instituto de Ciências Biológicas, 3º andar, Guamá, CEP: 66075-900, Belém, PA, Brasil.

https://orcid.org/0000-0002-3773-7714

Nutricionista e Bióloga pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestra em Ciências Biológicas (Botânica Tropical) pela Universidade Federal Rural da Amazônia/Museu Paraense Emílio Goeldi (UFRA/MPEG). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Possui experiência na área de Botânica, com ênfase em Etnobotânica, especialmente nos estudos sobre Plantas Medicinais; além de Ensino de Biologia. Apresenta experiência, também, na área de Nutrição, com destaque para os temas: Plantas Alimentícias Não Convencionais, Aproveitamento Integral de Alimentos, Fitoterapia e Análise de Alimentos.

Réia Sílvia Lemos da Costa e Silva Gomes

Universidade Federal do Pará (UFPA), Lab Estudos Pesquisas em Políticas Públicas de Saúde e Direitos Humanos. Rua Augusto Correa, 01, Cidade Universitária Prof. José da Silveira Neto, Instituto de Ciências Biológicas - 3º andar Guamá, CEP: 66075-900, Belém, PA, Brasil.

http://orcid.org/0000-0002-9944-4896

Professora Associado, lotada no Instituto de Ciências Biológicas (ICB/UFPA), desde março/1980. Graduada em Nutrição (1978) e Medicina (1997) - Universidade Federal do Pará - UFPA. Especialista em 'Planejamento de Ensino Superior' (UFPA/1982); 'Histologia e Embriologia' (UERJ - 1987); 'Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior dos Profissionais de Saúde' (ENSP/FIOCRUZ-Rede Unida-MS - 2006); 'Diplomado Internacional de Especialización en Derechos Económicos, Sociales y Culturales de los Pueblos Indígenas y Derecho a la Alimentación' (Fundación Henry Dunant/Chile - 2010); 'Gestão em Saúde' (UAB/PNAP/MS - 2012); 'Design Instrucional para EaD' (UNOESTE - 2017); 'Ciência dos Alimentos e Longevidade Humana (Faculdade Stella Maris - 2019). Mestre em Morfologia (UERJ - 1997). Doutora em 'Ciências Morfológicas' (UFRJ - 2005). Exerceu os cargos de Coordenadora do Curso de Nutrição da UFPA (1983 a 1985, 1985 a 1987, 1993 a 1995), de Coordenadora do Curso de Medicina da UFPA (2005 a 2007) e Diretora da Faculdade de Nutrição - FANUT/UFPA (2008 a 2009; 2017 a 2019). Foi membro Suplente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do Estado do Pará - CONSEANS/PA (2008 a 2010; 2010 a 2012); membro Titular do Conselho Municipal de Segurança Alimentar do Município de Belém/PA - COMSEA (2017 a 2021); Presidente do Conselho de Alimentação Escolar do Município de Belém/PA - CAE Belém (2017 a 2021). É membro titular do Comitê de Ética em Pesquisas com Seres Humanos - ICS/UFPA (2019 - ....); Consultora 'ad hoc' do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, do BASis/Sinaes, para Avaliação Externa Institucional e de Cursos, presencial e online (2006 a ....). Desenvolve atividades de ensino/pesquisa/extensão em Biodiversidade, Saúde, Segurança Alimentar e Nutricional, Alimentação de escolares e ribeirinhos amazônidas (Baixo Tocantins e Ilha do Marajó). Comendadora por Mérito (Medalha Francisco Caldeira Castelo Branco - Prefeitura de Belém (2014)


Palavras-chave

Diversidade alimentar
Cultura alimentar
Fitoterapia
PANC
Amazônia
Food diversity
Food culture
Phytotherapy
PANC
Amazonia

Resumo

Plantas alimentícias não convencionais (PANC) são espécies pouco conhecidas, mas possuem rico valor nutricional e propriedades terapêuticas. Diante disso, este estudo objetivou realizar levantamento das PANC comercializadas em feiras-livres de Belém, sua procedência e usos. A coleta dos dados foi realizada em 30 locais de venda, abrangendo 10 feiras/mercados públicos, para análise qualitativa e quantitativa. Foram encontradas 34 espécies, de 24 famílias botânicas; e o local de venda com maior diversidade de espécies foi a Feira do Ver-o-Peso, sendo o principal fornecedor para as demais feiras e mercados de Belém. As partes das PANC mais utilizadas como alimentos foram folhas e frutos; e como uso medicinal, predominaram espécies utilizadas para tratamento de problemas do aparelho digestivo. As plantas pesquisadas expressam relevante diversidade vegetal, e podem ser usadas em preparações alimentares saudáveis, contribuindo para uma alimentação saudável e resgate da cultura alimentar regional.


Referências

  1. Van den Berg ME. Plantas medicinais na Amazônia: contribuição ao seu conhecimento sistemático. 3ª ed. Belém/PA: MPEG, 2010. 269p. ISBN: 978-85-61377-19-9. [Link].
  2. Fiovaranti C. A maior diversidade de plantas do mundo: botânicos registram 46 mil espécies e identificam em média 250 por ano no Brasil (Depoimento: Botânica). Pesquisa FAPESP, São Paulo, mar/2016; 241: 42-47. [Link].
  3. Kinupp VF. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC). In: Val AL, Santos GM. GEEA: Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos. Caderno de Debates. v. 7. Manaus/AM: INPA, 2014. 185 p. ISBN: 978-85-211-0124-6 [Link].
  4. Ranieri GR (coord.). Guia prático sobre PANC: plantas alimentícias não convencionais. São Paulo/SP: Instituto Kairós, 2017. 43 p. ISBN: 978-85-99517-08-6 [Link].
  5. Kinupp VF, Barros IBI. Riqueza de Plantas Alimentícias Não-Convencionais na Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Rev bras Bioci, 2007; 5(supl.1): 63-65. ISSN 1980-4849. [Link].
  6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Alimentos regionais brasileiros. 2ª ed. Brasília/DF: MS, 2015. 484 p. ISBN: 978-85-334-2145-5 [Link].
  7. Kelen MEB, Nouhuys ISV, Kehl LC, Brack P, Silva DB. Plantas alimentícias não convencionais (PANCs): hortaliças espontâneas e nativas. Porto Alegre/RS: UFRGS; 2015. 44 p. ISBN: 978-85-66106-63-6. [Link].
  8. Kinupp VF, Lorenzi H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo/SP: Instituto Plantarum, 2014. 768 p. ISBN: 978-85-86714-46-7.
  9. Silva KC, Boeira ASP. Catálogo Ilustrativo de Plantas alimentícias não convencionais comercializadas nas Feiras Livres e Mercados de Manaus-Amazonas. Manaus/AM: Uninorte. 2018. 103 p. [Link].
  10. Kinupp VF, Barros IBI. Teores de proteína e minerais de espécies nativas, potenciais hortaliças e frutas. Ciênc Tecnol Aliment. 2008; 28(4): 846-857. ISSN 0101-2061. [CrossRef] [Link].
  11. Brasil. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2ª ed. Brasília/DF: MS, 2014. 156 p. ISBN: 978-85-334-2176-9. [Link].
  12. Biondo E, Fleck M, Kolchinski EM, Sant’Anna V, Polesi RG. Diversidade e potencial de utilização de plantas alimentícias não convencionais ocorrentes no Vale do Taquari, RS. Rev Elet Cient UERGS. 2018; 4(1): 61-90. ISSN-L: 2448-0479. [CrossRef].
  13. Borges CKGD, Silva CC. Plantas alimentícias não convencionais (PANC): a divulgação científica das espécies na cidade de Manaus, AM. RECEI Mossoró, 2018; 4(11). ISSN 2447-0783. [Link].
  14. Kinupp VF. Plantas Alimentícias Não-Convencionais (PANC): uma riqueza negligenciada. In: Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC, 2009. Manaus/AM. [Link].
  15. Ferreira Junior WS, Almeida JL, Albuquerque UP. Urbanização e serviços públicos. Pt. 6: 175-179. In: Albuquerque UP; Alves RRN (orgs.). Introdução à Etnobiologia. Recife/PE: NUPEEA, 2014. 283 p. ISBN 978-85-63756-26-8.
  16. Santos JJF, Coelho-Ferreira M, Lima, PGC. Etnobotânica de plantas medicinais em mercados públicos da Região Metropolitana de Belém do Pará, Brasil. Biota Amazônia – Macapá. 2018; 8(1): 1-9. ISSN 2179-5746. [Link].
  17. Polesi RG, Rolim M, Zanetti C, Sant’Anna V, Biondo E. Agrobiodiversidade e Segurança Alimentar no Vale do Taquari, RS: plantas alimentícias não convencionais e frutas nativas. Rev Cient Rural. 2017; 19(2): 118-135. ISSN 2179-5746. [Link].
  18. Schneider MH, Costa GD, Maia PCC, Bonatti J. Comercialização de Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) em Cuiabá-MT. In: Anais do 14° Congresso Nacional do Meio Ambiente. 2017; 9(1): 234. Poços de Caldas/MG. [Link].
  19. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@ Belém – Pará. [Link].
  20. Belém. Prefeitura Municipal. Revisão do Plano Diretor do Município de Belém. [Link].
  21. Angiosperm Phylogeny Group III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Bot J Linn Soc, 2009; 161: 105-121. [CrossRef].
  22. Lista de Espécies da Flora do Brasil. Site, 2019. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. [Link].
  23. Tropicos. Missouri Botanical Garden. Site. 2019. [Link].
  24. Kinupp VF. Plantas Alimentícias não convencionais da região metropolitana de Porto Alegre. Porto Alegre. 562 p. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia] - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Porto Alegre, RS, 2007. [Link].
  25. Chaves MS. Plantas alimentícias não convencionais em comunidades ribeirinhas na Amazônia. Viçosa/, 2016. 108 p. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Agroecologia] - Universidade Federal de Viçosa, UFV, Viçosa, MG. 2016. [Link].
  26. Grandi TSM. Tratado das plantas medicinais: mineiras, nativas e cultivadas. Belo Horizonte/MG: Adaequatio Estúdio, 2014. 1204 p. ISBN: 978-85-68322-00-0. [Link].
  27. Carmo TN, Lucas FCA, Lobato GJM, Gurgel ESC. Plantas medicinais e ritualísticas comercializadas na feira de 25 de setembro, Belém, PA. Enciclopédia Biosfera, 2015; 11(21): 3440-3467. ISSN 2317-2606. [Link].
  28. Medeiros JFS. As feiras em Belém (PA): dimensão geográfica e existência cotidiana. Belém, 2010. 118 p. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Geografia]. Universidade Federal do Pará, UFPA. Belém, PA, 2010.
  29. Silva ES. Plantas Alimentícias em Comunidades Agrícolas no Município de Rio Preto da Eva-AM. Manaus, 2017. 67 p. Dissertação de Mestrado [em Botânica] - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, INPA. Manaus, AM, 2017. [Link].
  30. Machado CC, Boscolo OH. Plantas alimentícias não convencionais em quintais da comunidade da Fazendinha, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Bioci, 2018; 16(1): 28-36. ISSN 1980-4849. [Link].
  31. Nascimento VT, Campos LZO, Albuquerque UP. Plantas Alimentícias. Pt. 5: 99-104. In: Albuquerque UP; Alves RRN (orgs.). Introdução à Etnobiologia. Recife: NUPEEA; 2014. 283 p. ISBN 978-85-63756-26-8.
  32. Gonçalves GG. Etnobotânica de plantas alimentícias em comunidades indígenas multiétnicas do Baixo Rio Uaupés – Amazonas. São Paulo/SP, 2017. 191 p. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Horticultura]. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. São Paulo, SP, 2017. [Link].
  33. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília/DF: MS, 2012. 156 p. ISBN 978-85-334-1912-4. [Link].
  34. Cajaiba RL, Silva WB, Sousa RDN, Sousa AS. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais comercializadas no município de Uruará, Pará, Brasil. Biotemas, 2016; 29(1):115-131. eISSN 2175-7925. [CrossRef].
  35. Carvalho PGB, Machado CM, Moretti, CL, Fonseca MEN. Hortaliças como alimentos funcionais. Hortic Bras, 2006; 24(4): 397-404. ISSN 1806-9991 [CrossRef].
  36. Moreira AVB, Mancini Filho J. Atividade antioxidante das especiarias mostarda, canela e erva-doce em sistemas aquoso e lipídico. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2003; 25: 31-46. [Link].
  37. Henrique VA, Ferreira LP, Nunes CR. Análise físico-química e antioxidante de manjericão (Ocimum basilicum L.) orgânico. Rev Interdisc Pensam Científico, 2017; 2(3): 85-97. ISSN: 2446-6778. [CrossRef].
  38. Viana MMS. Potencial nutricional, antioxidante e atividade biológica de hortaliças não convencionais. Sete Lagoas/MG, 2013. 59 p. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias]. Universidade Federal de São João del-Rei. Sete Lagoas/MG, 2013. [Link].
  39. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Brasília/DF: Anvisa; 2011. 126 p. [Link].
  40. CFN. Conselho Federal de Nutrição. Resolução CFN nº 680, de 19 de janeiro de 2021. Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista e das outras providências. Brasília/DF: CFN, 2021. D.O.U. nº 13, de 20 de janeiro de 2021, seção 1, pp. 78 e 79. [Link].
  41. Moura ASC, Araújo LG, Branco ACSC, Carvalho LMF. Conhecimento sobre plantas medicinais e fitoterápicos: um estudo com acadêmicos de nutrição. Rev Interdisc, 2016; 9(3)18-25. ISSN 2317-5079. [Link].

Downloads

Não há dados estatísticos.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.