Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em um Centro Universitário no município de Quixadá, Ceará, Brasil

Bandeira, I B;
Vandesmet, , L. C. S.

Isabela Barros Bandeira

Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica), Rua Juvêncio Alves, 660, Centro, CEP 63900-257, Quixadá, CE, Brasil.

https://orcid.org/0000-0001-5722-5583

https://orcid.org/0000-0001-5722-5583

Graduada em Bacharelado em Biomedicina do Centro Universitário Católica de Quixadá, UNICATÓLICA. Atualmente pós-graduanda em Hematologia Clínica pelo Centro Universitário Unichristus. Responsável técnica pelos postos de coleta nos municípios de Mombaça e Madalena-Ceará. Tem experiência na área de hematologia com ênfase em diagnóstico de anemias e entre outras doenças do sangue. Experiência laboratorial no setor público e privado.

Lilian Cortez Sombra Vandesmet

Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica), Rua Juvêncio Alves, 660, Centro, CEP 63900-257, Quixadá, CE, Brasil.

Possui graduação em BIOMEDICINA pelo Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (2011), mestrado em Bioprospecção Molecular pela Universidade Regional do Cariri (2015) e doutorado em Bioquímica e Fisiologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2020). Tem experiência na área de analises clínicas, farmacologia clinica e microbiologia. Atua na pesquisa cientifica com ênfase em Produtos Naturais, principalmente nos seguintes temas: nordeste do brasil, atividade anti-inflamatória, antimicrobiana, fitoquímica e plantas medicinais.


Palavras-chave

Ethnologist
Medicinal plants
Students
Etnobotânico
Plantas medicinais
Estudantes

Resumo

As plantas medicinais são elementos que compõem parte da biodiversidade, sendo amplamente utilizadas de várias maneiras desde os primórdios da civilização. O uso de ervas medicinais abrange o conhecimento popular, que condiz com os cuidados essenciais de preparo, bem como os efeitos desencadeados no organismo e a ação benéfica para atingir a cura imediata da enfermidade. O objetivo do estudo foi avaliar o conhecimento e o uso de plantas medicinais por alunos de uma instituição de ensino superior no município de Quixadá, Ceará, Brasil. O presente estudo foi realizado durante o período de março a maio de 2019, com cem acadêmicos que responderam um questionário estruturado. Cinco alunos entrevistados recusaram-se a participar, sendo coletados resultados apenas de noventa e cinco participantes. Estes citaram quarenta espécies, sendo que 70% foram espécies exóticas, tendo como predominância o uso da folha. O modo de preparo que se destacou foi a infusão, referente ao chá. Portanto, o presente levantamento etnobotânico permitiu verificar que a comunidade acadêmica ainda possui conhecimento em relação a plantas medicinais, e fazem uso de produtos naturais com o intuito de tratar doenças, sintomas ou para fins estéticos.


Referências

  1. Pinto EPP, Amorozo MCM, Furlan A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidade rurais de mata atlântica - Itacaré, BA, Brasil. Acta Bot Brasilica. 2006; 20: 751-62. [https://doi.org/https://doi.org/10.1590/S0102-33062006000400001].
  2. Silva Mi, Oliveira HB. Desenvolvimento de software com orientações sobre o uso de plantas medicinais mais utilizadas do sul de Minas Gerais. Brazilian Appl Sci Rev. 2018; 2(3): 1104-10. ISSN 2595-3621. [https://doi.org/10.34115/basr.v2i3.492].
  3. Caetano N, Saraiva A, Pereira R, Carvalho D, Pimentel MCB, Maia MBS. Determinação de atividades antimicrobiana de extratos de plantas de uso popular como anti-inflamatório. Rev Bras Farmacogn. 2002; 12(Supp.1): 132-5. [https://doi.org/10.1590/S0102-695X2002000300062].
  4. Nascimento GGF, Locatelli J, Freitas PC, Silva GL. Antibacterial activity of plant extracts and phytochemicals on antibiotic-resistant bacteria. Brazilian J Microbiol. 2000; 31: 247-56. [https://doi.org/10.1590/S1517-83822000000400003].
  5. Lima C, Lima C, Silva A, Fausto A, Santos V, Costa D. Experiência com plantas medicinais no semiárido: desafios à transição agroecológica. Cad Macambira. 2017; 2(2): 168. [https://doi.org/10.35642/cm.v2i2.162].
  6. Silva S, Anselmo MGV, Dantas WM, Rosa JH, Nunes EN, Soares JP et al. Conhecimento e uso de plantas medicinais em uma comunidade rural no município de Cuitegi, Paraíba, Nordeste do Brasil. Rev Gaia Sci. 2014; 8(1): 1-18. ISSN 1981-1268. [https://periodicos.ufpb.br/index.php/gaia/article/view/21256].
  7. Amorozo MCM, Gély A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo Amazonas. Bol Museu Paraense Em Goeldi. Nova Série Botânica. Belém. 1988; 4(1): 47-131. [https://repositorio.museu-goeldi.br/handle/mgoeldi/310].
  8. Amorozo MCM. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antonio do Leverger, MT, Brasil. Acta Bot Brasilica. 2002; 16(2): 189-203. [https://doi.org/10.1590/S0102-33062002000200006].
  9. Martins ER, Castro DM, Castellani DC, Dias JE. Plantas medicinais. 1ª ed. UFV. 2003. ISBN-86-72680115.
  10. Costa SCC, Gutiérrez IE. Plantas medicinais e seus usos. Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, Editora. Feira Santana. 2016.
  11. Santos SIF, Alves HHS, Barros KBNT, Pessoa CV. Use of medicinal plants by elders of a philanthropic. Rev Bras Pesq Ciênc Saúde. 2017; 2: 71-5.
  12. Veiga Junior VF, Pinto AC, Maciel MAM. Plantas medicinais: cura segura? Quim Nova. 2005; 28(3): 519-28. [https://doi.org/10.1590/S0100-40422005000300026].
  13. Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no "Programa de Saúde da Família". Rev Bras Ciênc Farm. 2008; 44(4): 629-36. [https://doi.org/10.1590/S1516-93322008000400009].
  14. Rauber AC, Leandrini JA, Moura GS, Franzener G. Plantas medicinais de uso agropecuário pelas famílias agricultoras do Núcleo Luta Camponesa da Rede Ecovida de Agroecologia no estado do Paraná. Rev Verde Agroecol Desenvolv Sustentável. 2020; 15(3): 274-83. [http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v15i3.7776].
  15. Brasil. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017; 4.
  16. Vandesmet LCS. Potencial antiparasitário e antifúngico do óleo essencial de Psidium myrsinites DC. Recife, 2020. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Bioquímica e Fisiologia] - Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, Recife, 2020. [https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/39437].
  17. Vásquez SPF, Mendonça MS, Noda SN. Etnobotânica de plantas medicinais em comunidades ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Acta Amaz. 2014; 44: 457-72. [https://doi.org/10.1590/1809-4392201400423].
  18. Rodrigues E. Plants and animals utilized as medicines in the Jaú National Park (JNP), Brazilian Amazon. Phytother Res. 2006; 20(5): 378-91. [https://doi.org/10.1002/ptr.1866] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/16619367/].
  19. Coelho-Ferreira M. Medicinal knowledge and plant utilization in an Amazonian coastal community of Marudá, Pará State (Brazil). J Ethnopharmacol. 2009; 126(1): 159-75. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2009.07.016] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19632314/].
  20. Cassino MF. Estudo etnobotânico de plantas medicinais em comunidades de várzea do rio Solimões, Amazonas e aspectos farmacognósticos de Justicia pectoralis Jacq. Forma mutuquinha (Acanthaceae). Manaus, 2010. 150 f. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-graduação em Botânica] – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, INPA, Manaus, AM. 2010. [https://livros01.livrosgratis.com.br/cp148789.pdf].
  21. Silva JA, Bündchen M. Conhecimento etnobotânico sobre as plantas medicinais utilizadas pela comunidade do Bairro Cidade Alta, município de Videira, Santa Catarina, Brasil. Unoesc & Ciência-ACBS. 2011; 2(2):129-40. [https://www.researchgate.net/publication/291215040].
  22. Cartaxo SL, Souza MMA, Albuquerque UP. Medicinal plants with bioprospecting potential used in semi-arid northeastern Brazil. J Ethnopharmacol. 2010; 131(2): 326-42. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2010.07.003] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20621178/].
  23. Pasa MC. Saber local e medicina popular: a etnobotânica em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Bol Mus Paraense Emílio Goeldi Ciênc Humanas. 2011; 6(1): 179-96. [https://anpocs.com/index.php/boletim-do-museu-paraense-emilio-goeldi-ciencias-humanas/user-item/6614].
  24. Vendruscolo GS, Mentz LA. Levantamento etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais por moradores do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Heringia, Série Botânica. 2006; 61(1/2): 83-103. ISSN 2446-8231. [https://isb.emnuvens.com.br/iheringia/article/view/185].
  25. Cunha SA, Bortolotto IM. Etnobotânica de Plantas Medicinais no Assentamento Monjolinho, município de Anastácio, Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Bot Brasilica. 2011; 25(3): 685-98. ISSN 0102-3306. [https://doi.org/10.1590/S0102-33062011000300022].
  26. Giraldi M, Hanazaki N. Uso e conhecimento tradicional de plantas medicinais no Sertão do Ribeirão, Florianópolis, SC, Brasil. Acta Bot Brasilica. 2010; 24(2): 395-406. [https://doi.org/10.1590/S0102-33062010000200010].
  27. Badke MR, Budó MLD, Silva FM, Ressel LB. Plantas medicinais: o saber sustentado na prática do cotidiano popular. Esc Anna Nery. 2011; 15: 132-9. [https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000100019].
  28. Albertasse PD, Thomaz LD, Andrade MA. Plantas medicinais e seus usos na comunidade da Barra do Jucu, Vila Velha, ES. Rev Bras Pl Med. 2010; 12(3): 250-60. [https://doi.org/10.1590/S1516-05722010000300002].
  29. Battisti C, Garlet TMB, Essi L, Horbach RK, Andrade A, Badke MR. Plantas medicinais utilizadas no município de Palmeira das Missões, RS, Brasil. Rev Bras Biociênc. 2013; 11(3): 338-48. [https://www.seer.ufrgs.br/rbrasbioci/article/view/115518/0].
  30. Lacerda DP, Dresch A, Proença A, Antunes Júnior JAV. Design Science Research: a research method to production engineering. Gestão & Produção. 2013; 20(4): 741-61. [https://doi.org/10.1590/S0104-530X2013005000014].
  31. Nilles JH. Levantamento das plantas medicinais utilizadas no município de Roque Gonzales, Rio Grande do Sul. Cerro Largo. 2019. 32 p. Trabalho de conclusão de curso [Graduação em Ciências Biológicas] - Universidade Federal da Fronteira Sul, UFFS, Campus de Cerro Largo, RS. 2019. [https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/2469].
  32. Moreira LF, Emilio L, Santana EC. A importância das plantas na vida de estudantes universitários da Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, Cuiabá, MT. Biodiversidade. 2018; 17(1): 89-96. [https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/issue/view/430].

Downloads

Não há dados estatísticos.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.