Uma revisão bibliográfica sobre Araceae com foco nos gêneros Pistia, Philodendron e Montrichardia: aspectos botânicos, fitoquímicos e atividades biológicas

Dolabela, M F;
Silva, J V d S;
do Rosário, D M;
da Veiga, A d S S;
de Vasconcelos, F;
Percário, , S.

Maria Fâni Dolabela

Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará R. Augusto Correia, 1, B. Guamá, Belém, PA, Brasil CEP 66075-110

João Victor da S. Silva

Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará R. Augusto Correia, 1, B. Guamá, Belém, PA, Brasil CEP 66075-110

Diele M do Rosário

Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará R. Augusto Correia, 1, B. Guamá, Belém, PA, Brasil CEP 66075-110

Andreza do S. S. da Veiga

Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará R. Augusto Correia, 1, B. Guamá, Belém, PA, Brasil CEP 66075-110

Flávio de Vasconcelos

Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Pará R. Augusto Correia, 1, B. Guamá, Belém, PA, Brasil CEP 66075-110

Sandro Percário

Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Pará R. Augusto Correia, 1, B. Guamá, Belém, PA, Brasil CEP 66075-110


Palavras-chave

Medicinal plants
Araceae
Montrichardia
Pistia
Philodendron
Plantas medicinais
Araceae
Montrichardia
Pistia
Philodendron

Resumo

O presente estudo teve como objetivo realizar uma ampla revisão bibliográfica sobre a família Araceae. Esta revisão enfocou os gêneros Pistia, Philodendron e Montrichardia com alegação popular de uso medicinal. A pesquisa foi realizada em diferentes bases de dados, periódicos e livros especializados sobre o tema. A família Araceae é constituída por espécies ornamentais, tóxicas e medicinais. Pistia stratiotes conhecida popularmente como erva-de-santa-luzia, repolho-d’água, alface-d’agua e golfo, é usada como diurético, antifebrífugo, para tratamento de estrangúria, hematúria, diabetes, hemoptise, hidropsia, artrite, afecções hepáticas e escorbuto. Entretanto, estas alegações populares carecem de estudos de validação. Em termos químicos, foram isolados esteroides. O gênero mais estudado desta família, em termos de atividades biológicas, é o Montrichardia, sendo avaliadas suas atividades antiplasmódica, antibacteriana, antifúngica e antinociceptiva. Entretanto, existe uma carência de estudos fitoquímicos deste gênero. Para Philodendron, as principais alegações populares são tratamento da mordida de serpentes, analgésica, purgante, hemostática e vermífuga. Estudos fitoquímicos levaram ao isolamento de sitosteol e outras substâncias. Estudos biológicos confirmaram atividades em Trypanossoma cruzi e Trichomonas vaginalis, porém os mecanismos envolvidos na toxicidade ainda não estão completamente elucidados. Em síntese, esta família possui diferentes espécies com potencial terapêutico, sendo urgentes estudos que validem os usos medicinais descritos.

Referências

  1. Almeida, S.L. 2006. Morfoanatomia dos órgãos vegetativos de Anthurium coriaceum G.Don (Araceae) em diferentes estádios do desenvolvimento. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.
  2. Amarante, C.B.; Silva, J.C.F.; Solano, F.A.R.; Nascimento, L.D.; Moraes, L.G.; Silva, G.F. e Uno, W.S. 2009. Estudo espectrométrico das folhas da aninga (Montrichardia linifera) coletadas à margem do Rio Guamá no Campus da UFPA, Belém-PA. Uma contribuição ao estudo químico da família Araceae. Revista Cientítica da UFPA, v. 7, p. 1-19.
  3. Amarante, C.B. 2010. Estudo químico, farmacognóstico, atividade biológica e farmacológica de Montrichardia linifera (Arruda) Schott. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Pará, Belém.
  4. Amarante, C.B.; Silva, J.C.; Müller, A.H. e Müller, R.C.S. 2011a. Avaliação da composição mineral do chá da folha senescente de Montrichardia linifera (Arruda) Schott (Araceae) por espectrometria de absorção atômica com chama (FAAS). Química Nova, v. 34, p. 419-423.
  5. Amarante, C.B.; Solano, F.A.R.; Lins, A.L.F.A.; Müller, A.H. e Müller, R.C.S. 2011b. Caracterização física, química e nutricional dos frutos da aninga. Planta Daninha, v. 29, p. 295-303.
  6. Amarante, C.B.; Müller, A.H.; Povoa, M.M. e Dolabela, M.F. 2011c. Estudo fitoquímico biomonitorado pelos ensaios de toxicidade frente à Artemia salina e de atividade antiplasmódica do caule de aninga (Montrichardia linifera). Acta Amazonica, v. 41, p. 431-434.
  7. Amarante, C.B.; Müller, A.H.; Müller, R.C.S.; Oliveira, D.J.; Lins, A.L.F.A.; Prado, A.F. e Dolabela, M.F. 2011d. Estudo farmacognóstico, fitoquímico e citotóxico do extrato etanólico e frações obtidos do caule de Montrichardia linifera (Arruda) Schott (Araceae). Revista Brasileira de Farmácia, v. 92, p. 60-65.
  8. Amarante, C.B.; Ruivo, M.L.P.; Silva, R.J.F.; Batista, R.J.R. e Botero, W.G. 2013. Teor de nutrientes do tecido foliar de duas espécies de Montrichardia cruger (araceae) em solos de várzea da Amazônia oriental. Revista Analytica, v. 67, p. 69-72.
  9. Amorozo, M.C.M. e Gély, A.L. 1988. Uso de plantas medicinais por caboclos do Baixo Amazonas. Barcarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Botânica, v. 4, p. 47-131.
  10. Andel, T.R.V. 2000. Non-timber forest products of the North-West District of Guyana. Part 1. (PhD thesis). Utrecht University. Tropenbos-Guyana. Disponível em:< http://dspace.library.uu.nl/handle/1874/1168>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  11. APG III. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, p. 105-121.
  12. Ayyad, S.N. 2002. A new cytotoxic stigmastane steroid from Pistia stratiotes. Pharmazie, v. 57, p. 212-214.
  13. Bezerra, M. e França, F. 1999. Arales de lagoas em uma área do semi-árido baiano. Sitientibus, v. 20, p. 45-54.
  14. Cabrera, L.I.; Salazar, G.A.; Chase, M.W.; Mayo, S.J.; Bogner, J. e DÁVILA, P. 2008. Phylogenetic relationships of Aroids and Duckweeds (Araceae) inferred from coding and noncoding plastid DNA. American Journal of Botany, v. 95, p. 1153-1165.
  15. Cardoso, L.R.; Martins, D.; Mori, E.S. e Terra, M.A. 2005. Variabilidade genética entre populações de Pistia stratiotes. Planta Daninha, v. 23, p. 181-185.
  16. Cavenaghi, A.L.; Velini, E.D.; Galo, M.L.B.T.; Carvalho, F.T.; Negrisoli, E.; Trindade, M.L.B. e Simionato, J.L.A. 2003. Caracterização da qualidade de água e sedimento relacionados com a ocorrência de plantas aquáticas em cinco reservatórios da bacia do rio Tietê. Planta Daninha, v. 21, p. 43-52.
  17. Cícero, E.A.S.; Pitelli, R.A.; Sena, J.A.D. e Ferraudo, A.S. 2007. Variabilidade genética e sensibilidade de acessos de Pistia stratiotes ao herbicida glyphosate. Planta Daninha, v. 25, p. 579-587.
  18. Cilliers, C.J.; Zeller, D. e Strydo, G. 1996. Short- and long-term control of wáter lettuce (Pistia stratiotes) on seasonal water bodies and on a river system in the Kruger National Park, South Africa. Hydrobiologia, v. 340, p. 173-179.
  19. Coelho, M.A.N. 2013. Montrichardia in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB5014>. Acesso em: 27 Jun. 2014.
  20. Costa, E.S.S.; Dolabela, M.F.; Póvoa, M.M.; Oliveira, D.J. e Müller, A.H. 2009. Estudos farmacognósticos, fitoquímicos, atividade antiplasmódica e toxicidade em Artemia salina de extrato etanólico de folhas de Montrichardia linifera (Arruda) Schott, Araceae. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 19, p. 834-838.
  21. Cronquist, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. Columbia University Press. New York.
  22. Cusimano, N.; Bogner, J.; Mayo, S.J.; Boyce, P.C.; Wong, S.Y.; Hesse, M.; Hetterscheid, W.L.A.; Keating, R.C. e French, J.C. 2011. Relationships within the Araceae: comparison of morphological patterns with molecular phylogenies. American Journal of Botany, v. 98, p. 654-668.
  23. Dahlgren, R.M.T.; Clifford, H.T.; Yeo, P.F. 1985. The Families of the Monocotyledons. Structure, Evolution, and Taxonomy. Springer-verlag. Germany.
  24. Dahlgren, R.M.T. e Clifford, H.T. 1987. The monocotyledons. A comparative study. Academic Press. London.
  25. Dolabela, M.F. 2007. Atividade antiplasmódica e citotoxicidade de E. febrifuga (A.St.Hill.)Juss. Ex. Mart. (Rutaceae) e espécies de Aspidosperma Mart.(Apocynaceae). Tese (Doutorado). Faculdade de Farmácia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
  26. Engler, H. G. A. 1878. Araceae. In: Martius, C. F. P. von; Eichler, A. W. & Urban, I. Flora brasiliensis. Munchen, Wien, Leipzig, v. 3, n. 2, p. 26-223.
  27. Engler, A. 1911. Araceae-Lasioideae. In: ENGLER, Das Pflanzenreich [...] [Helf 48] IV. 23C. Real Jardín Botânico CSIC. Leipzig. Disponível em:< http://bibdigital.rjb.csic.es/ing/Libro.php?Libro=577>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  28. Feitosa, C.M.; Bezerra, M.Z.B.; Cito, M.G.L.; Junior, J.S.C.; Lopes, J.A.D. e Neto, J.M.M. 2007. Constituintes químicos de Philodendron imbe Schott. Química Nova, vol.30, p.41-44.
  29. Fundação SOS Mata Atlântica; INPE. Divulgados novos dados sobre a situação da Mata Atlântica. 04 junho 2013. Disponível em:<http://www.sosma.org.br/14622/divulgados-novos-dados-sobre-a-situacao-da-mata-atlantica/>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  30. Gardner, D.G. 1994. Injury to the oral mucous membranes caused by the common houseplant, dieffenbachia. A review. Oral Surgery Oral Medicine Oral Pathology, v. 78, p. 631-633.
  31. Gauthier, M.P.L.; Barabé, D. e Bruneau, A. 2008. Molecular phylogeny of the genus Philodendron (Araceae): delimitation and infrageneric classification. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 156, p. 13-27.
  32. Grayum, M.H. 1990. Evolution and phylogeny of the Araceae. Annals of the Missouri Botanical Garden, v. 77, p. 628-697.
  33. Grayum, M.H. 1996. Revision of Philodendron subgenus Pteromischum (Araceae) for Pacific and Caribbean Tropical America. Systematic Botany Monographs, Michigan, v.47, p.1-233.
  34. Genua, J.M. e Hillson, C.J. 1985. The occurrence, type and location of calcium oxalate crystals in the leaves of fourteen species of Araceae. Annals of Botany, v. 56, p. 351-361.
  35. Gonçalves, E.G. 2002. Sistemática e evolução da tribo Spathicarpeae (Araceae). Tese (Doutorado em Botânica). Universidade de São Paulo. São Paulo.
  36. Hahn, W.J. 1997. Monocotyledons. Disponível em:< http://tolweb.org/Monocotyledons/20668>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  37. Herrera, F.A., Jaramillo, C.A.; Dilcher, D.L.; Wing, S.L. e Gómez-N, C. 2008. Fossil Araceae from a Paleocene Neotropical rainforest in Colombia. American Journal of Botany, v. 95, p. 1569-1583.
  38. Holanda, F.S.R.; Santos, L.G.C.; Santos, C.M.; Casado, A.P.B.; Pedrotti, A. e Ribeiro, G.T. 2005. Riparian vegetation affected by bank erosion in the Lower São Francisco River, Northeastern Brazil. Revista Árvore, v. 29, p. 327-336.
  39. Johann, S. 2003. Atividade antimicrobiana de flavonoides polimetoxilados isolados de frutos cítricos. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia). Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
  40. Judd,W.S.; Campbell,C.S.; Kellog,E.A. e Stevens, P.F. (ed.) 1999. Plant systematics: A phylogenetic approach. Sinauer Associates. Massachusetts.
  41. Kissmann, K.G. (ed.) 1997. Plantas infestantes e nocivas. BASF. São Bernardo do Campo.
  42. Knight, T.E.; Boll, P.; Epstein, W.L. e Prasad, A.K. 1996. Resorcinols and catechols: A clinical study of cross-sensitivity. American Journalof Contact Dermatitis, v. 7, p. 138-145.
  43. Lahitte, H.B.; Hurrell, J.A.; Belgrano, M.J.; Jankowski, L.; Haloura, P. e Mehltreter, K. (ed.) 1998. Plantas medicinales rioplatenses. Editora. L.O.L.A. Buenos Aires.
  44. Lins, A.L.F.A. 1994. Aspectos morfológicos e anatômicos de raízes do gênero Montrichardia Crüger. (Aracea). Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas/Botânica). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
  45. Lins, A.L.F.A. e Oliveira, P.L. 1994. Origem, Aspectos morfológicos e anatômicos das raízes embrionárias de Montrichardia linifera (Arruda) Schott (Araceae). Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, sér. Bot., Belém, v. 10, (2): 221-236.
  46. Liu, Q.; Hu, C.; Tan, Q.; Sun, X.; Su, J. e Liang, Y. 2008. Effects of As on As uptake, speciation, and nutrient uptake by winter wheat (Triticum aestivum L.) under hydroponic conditions. Journal of Environmental Science. v. 20, p. 326-331.
  47. Lorenzi, H. (ed.) 2000. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. Plantarum. São Paulo.
  48. Lorenzi, H. (ed.) 2002. Árvores Brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Plantarum. São Paulo.
  49. Luna J.S.; Santos, A.F.; Lima, M.R.F.; Omena, M.C.; Mendonça, F.A.C.; Bieber, L.W. e Sant’Ana, A.E.G. 2005. A study of the larvicidal and molluscicidal activities of some medicinal plants from northeast Brazil. Journal of Ethnopharmacology, v. 97, p. 199-206.
  50. Macedo, E.G.; Santos Filho, B.G.; Potiguara, R.C.V. e Santos, D.S.B. 2005. Anatomia e arquitetura foliar de Montrichardia linifera (Arruda) Schott (Aracea) espécie da várzea amazônica. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Ciências Naturais, v. 1, p. 19-43.
  51. Matos, F.J.A.1997. Introdução à fitoquímica experimental. UFC Edições. Fortaleza.
  52. Matos, F.J.A. (ed.) 2000. Plantas medicinais: guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. Imprensa Universitária/UFC. Fortaleza.
  53. Mayo, S.J. 1988. Aspectos da evolução e da geografia do gênero Philodendron Schott (Araceae). Acta Botanica. Brasilica, v. 1, p. 27-40.
  54. Mayo, S.J. 1989. Observations of gynoecial structure in Philodendron (Araceae). Botanical Journal of the Linnean Society, v. 100, p. 139-172.
  55. Mayo, S.J. 1990. Problems of speciation, biogeography and systematic in some Araceae of the Brazilian Atlantic Forest. In: Anais do II Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira. São Paulo.
  56. Mayo, S.J.; Borgner, J e Boyce, P.C. 1997. The genera of Araceae. Royal Botanic Gardens. Kew.
  57. Medina, J.C. 1959. Plantas fibrosas da flora mundial. Instituto Agronômico, Campinas.
  58. Meotti, F.C. 2006. Análise dos mecanismos de ação antinociceptiva e antiinflamatória do flavonóide miricitrina: estudo in vivo e in vitro. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.
  59. Miranda, J.A.L.; Rocha, A.J. e Andrade, I.M. Atividade antibacteriana de extratos brutos de Montrichardia linifera (ARACEAE). 2013. 64º Congresso Nacional de Botânica. Belo Horizonte. Disponível em:<http://www.botanica.org.br/trabalhos-cientificos/64CNBot/resumo-ins19084-id4214.pdf>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  60. Morton, J.F. 1982. Plants poisonous to people in Florida and other warm places. Southeastern Printing Co. Florida.
  61. Moura, F.B.P. 2006. A Mata Atlântica em Alagoas. Editora da UFAL. Maceió.
  62. Mrvos, R.; Dean, B.S. e Krenzelok, E.P. 1991. Philodendron/Dieffenbachia ingestions: are they a problem? Journal of Toxicology - Clinical Toxicoloy, v. 29, p. 485–491.
  63. Muelas-Serrano, S.; Nogal, J.J.; Martinez-Diaz, R.A.; Escario, J.A.; Martinez-Fernandez, A.R. e Gomez-Barrio, A. 2000. In vitro screening of American plant extracts on Trypanosoma cruzi and Trichomonas vaginalis. Journal of Ethnopharmacology, v. 71, p. 101–107.
  64. Noelli, F.S. 1998. Múltiplos usos de espécies vegetais pela farmacologia guarani através de informações históricas. Diálogos, v. 2, p. 177-199.
  65. Odjegba, V.J. e Fasidi, I.O. 2007. Changes in atioxidant enzyme activities in Eichornia crassipes (Pontederiaceae) and Pistia stratiotes (Araceae) under heavy metal stress. Revista Biologia Tropical, v. 55, p. 815-823.
  66. Oliveira, R.B.; Godoy, S.A.P. e Costa, F.B. 2003. Plantas Tóxicas: Conhecimento e Prevenção de Acidentes. Holos. Ribeirão Preto.
  67. Ottobelli, I.; Facundo, V. A.; Zuliani, J.; Luz, C. C.; Brasil, H. O. B.; Militão, J.S.L.T. e Braz-Filho, R. 2011. Estudos químicos de duas plantas medicinais da amazônia: Philodendron scabrum k. Krause (araceae) e Vatairea guianensis aubl. (fabaceae). Acta Amazonica, v. 41, p. 393-400.
  68. Panama. 2004. Tropical lake ecology assessment with emphasis on changes in salinity of lakes. Project N° SAA-140714. Technical Memorandum # 2: Inventory of flora and fauna. Panama Canal Authority; URS Holdings, Inc. Disponível em. < http://www.pancanal.com/esp/plan/estudios/0261-03.pdf>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  69. Pantoja, K.R.S.; Amarante, C.B. e Lins, A.L.F.A. Determinação de cádmio (Cd) em diferentes amostras de Montrichardia linifera (ARACEAE) por espectrometria de absorção atômica de chama. 2013. 64º Congresso Nacional de Botânica. Belo Horizonte. Disponível em:< http://www.botanica.org.br/trabalhos-cientificos/64CNBot/resumo-ins19245-id6251.pdf>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  70. Piedade, M.T.F.; Schöngart, J. e Junk, W.J. 2005. O manejo sustentável das áreas alagáveis da Amazônia central e as comunidades de herbáceas aquáticas. Uakari – Revista Eletrônica, v. 1, p. 43-55.
  71. Plowman, T. 1969. Folk uses of new world aroids. Economic Botanny, v.23, p.97-122.
  72. Ponchet, M.; Martin-tanguy, J.; Marais, A. e Martin, C. 1980. Hydroxycinnamoyl acid amides and aromatic amines in the inflorescences of some Araceae species. Phytochemistry, v. 21, p. 2865-2869.
  73. Pulle, A. A. e Lanjouw, J. 1968. Flora do Suriname Part. 2. E. J. Brill, Leiden.
  74. Rodrigues, V.E.G. 2007. Etnobotânica e florística de plantas medicinais nativas de remanescentes de floresta estacional semidecidual na Região do Alto Rio Grande, MG. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Universidade Federal de Lavras, Lavras.
  75. Sakai, W.S.; Hanson, M. e Jones, C.R. 1972. Raphides with barbs and grooves in Xanthosoma sagittifolium (Araceae). Science, v. 178, p. 314-315.
  76. Santos, A.P.B. 2011. A Beleza, a Popularidade, a Toxicidade e a Importância Econômica de Espécies de Aráceas. Revista Virtual de Química, v. 3, p. 181-195.
  77. Schutz, A. (ed.) 1968. Introdução ao Estudo da Botânica Sistemática. Editora Globo. Rio de Janeiro.
  78. Silva Filho, P.V. e Brandão, M. 1992. Plantas medicamentosas de uso popular coletadas e comercializadas na região metropolitana de Belo Horizonte, MG. Daphne, v. 2, p. 39-52.
  79. Silva, L.M.; Oliveira, M.C; Silva, R.M.O.; Prado, A.F.; Müller, A.H.; Müller, R.C.S.; Dolabela, M.F. e Amarante, C.B. Avaliação da toxicidade em Artemia salina de extratos obtidos do caule e folha de Montrichardia linifera (Araceae). 2009. Sociedade Brasileira de Química (SBQ) – 32ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. Fortaleza.
  80. Silva, R.N.O.; Souza, E.M.; Prado, A.F.; Muller, A.H.; Amarante, C.B.; Povoa, M.M.; Mota, E.F. e Dolabela, M.F. 2011a. Prospección fitoquímica y actividad antiplasmódica del extracto hexánico de Montrichardia linifera (Arruda) Schott. Revista Cubana de Plantas Medicinales, v. 16, p. 135-139.
  81. Silva, C.S.; Pereira, S.F.P.; Souza Filho, A.P.S.; Diniz, V.M.; Oliveira, M.S.; Oliveira, G.R.F. e Santos, D.C. Distribuição de Fe, Al e Cu em aningas (Montrichardia linifera) em área atingida por vazamento de lama vermelha - polo industrial de Barcarena-Pará. 2011b. 51° Congresso Brasileiro de Química: Meio Ambiente e Energia – CBQ. São Luiz. Disponível em:< http://www.abq.org.br/cbq/2011/trabalhos/4/4-226-10459.htm>. Acesso em: 29 maio. 2014.
  82. Souza, V.C. e Lorenzi, H. (ed.) 2005. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Editora Plantarum. São Paulo.
  83. Stalcup, M.M. 2000. Plantas de Uso Medicinal ou Ritual numa Feira Livre no Rio de Janeiro, Brasil. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas – Botânica). Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Botânica), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
  84. Temponi, L.G.; Garcia, F.C.P.; Sakuragui, C.M. e Carvalho-Okano, R.M. 2006. Araceae do Parque Estadual do Rio Doce, MG, Brasil. Acta Botanica. Brasilica, v. 20, p. 87-103.
  85. Toursarkissian, M. 1980. Plantas medicinales de la Argentina. Editorial Hemisferio Sur. Buenos Aires.
  86. Trevisan, M.T.S. e Macedo, F.V.V. 2003. Seleção de plantas com atividade anticolinesterase para tratamento da doença de Alzheimer. Química Nova, v. 26, p. 301-304.
  87. Vianna, W.O.; Soares, M.K.M. e Appezzato-da-gloria, B. 2001. Anatomia da raiz escora de Philodendron bipinnatifidum Schott (Araceae). Acta Botanica. Brasilica, v.15, p. 313-320.
  88. Winton, M.D. e Clayton, J.S. 1996. The impact of invasive submerged weed species on seed banks in lake sediments. Aquatic Botany, v. 53, p. 31-45.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)