Inovação na Fiocruz: projeto Profito, um estudo de caso

Brito, , L. d. C.

Lavínia de Carvalho Brito

Universidade Estadual do Rio de Janeiro-UERJ, Instituto de Biologia (IBRAG), Departamento de Biofísica e Biometria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos, Laboratório de Produtos Naturais 3 (PN3), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

http://orcid.org/0000-0003-4448-1275


Palavras-chave

Profito. Plantas medicinais. Inovação. Arranjos Produtivos Locais.

Resumo

O presente trabalho é um estudo de caso do projeto Profito, que se iniciou em 2006, vinculada ao Laboratório da Biodiversidade (PAF/NGBS/Fiocruz) em parceria com o Instituto Três Rios (UFRRJ) e os agricultores do Parque Estadual da Pedra Branca (PEPB), destacando a importância deste como um exemplo prático de inovação. Foi utilizada uma metodologia qualitativa, que teve como base a coleta de informações, a partir de uma revisão bibliográfica não exaustiva de 2006 a 2015. O Profito envolveu a capacitação dos agricultores sobre formas de plantio, informações técnicas e certificação dos produtos, de acordo com as demandas de mercado. Promoveu ainda alterações profundas no modus-vivendi dos agricultores, com a inserção destes em uma rede sociotécnica, que gerou transformações irreversíveis em termos de cooperação e articulação dos mesmos em associações, fóruns e conselhos. O projeto original continua se desdobrando em subprojetos até os dias atuais. Assim, o projeto Profito é um exemplo de como esta metodologia pode ser um dos caminhos para o desenvolvimento brasileiro, viabilizando novas condições dos pontos de vista social, político ou econômico.


Referências

  1. BAPTISTA, S. R. N. Capacitação em Rede para Inserção de Agricultores em Arranjo Produtivo Local de Plantas Medicinais e Fitoterápico. Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-Graduação em Gestão da Inovação em Fitomedicamentos, Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2010. [Link]. Acesso em: 02 set. 2016.
  2. BAPTISTA, S. R. N.; FERNANDEZ, A. C. F.; Santos, P. X. Redes Sociotécnicas de Plantas Medicinais e Fitoterápicos na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades, 2012, Niterói: ANINTER-SH/PPGSD-UFF. ISSN 2316-266X. [Link]. Acesso em: 02 set. 2016.
  3. BAPTISTA, S. R. N. Comunicação oral em redes sociotécnicas orientadas a plantas medicinais: a relação entre informação científica e conhecimento tradicional. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Informação e Comunicação, PPGICS/ICICT/FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 2014. [Link]. Acesso em: 02 set. 2016.
  4. BRASIL. Ministério da Saúde, Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção1, p.20-5, 2006 (a) [Link]. Acesso em 05 set. 2016.
  5. BRASIL. Presidência da República. Decreto 5813, de 22 de junho de 2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p.2, 2006 (b) [Link]. Acesso em 03 set. 2016.
  6. BRASIL. Ministério da Saúde, Portaria GM/MS 2960, de 09 de dezembro de 2008. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Seção 1, p.56, 2008 [Link]. Acesso em 05 set. 2016.
  7. COSTA, J. A. Qualidade microbiológica do sabonete líquido de pitanga (Eugenia uniflora l.) produzido por agricultores do projeto PROFITO. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) - Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2014a.
  8. COSTA, V. B. A indicação geográfica como ferramenta de valorização de território e proteção de comunidades locais com reputação de cultivo de plantas medicinais: o caso da região do maciço da Pedra Branca no Estado do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação, Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, 2014b. [Link]. Acesso em: 05 set. 2016.
  9. FARIA, G. S. Incidência de plantas medicinais em hortas do bairro de Jacarepaguá, Rio de Janeiro: registro da percepção do uso terapêutico. Trabalho de Conclusão Curso apresentado no Programa de Pós-graduação em Gestão e Inovação em Fitomedicamentos, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Farmanguinhos, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2011. [Link] Acesso em: 07 set. 2016.
  10. FERNANDEZ, A. C. F. Do Sertão Carioca ao Parque Estadual da Pedra Branca: a construção social de uma unidade de conservação à luz das políticas ambientais fluminenses e da evolução urbana do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia, IFICS, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2009. [Link]. Acesso em: 07 set. 2016.
  11. FERNANDEZ, A.; BATISTA, S. N. Capacitação em rede com pequenos produtores de uma unidade de proteção integral: uma reflexão sobre metodologias participativas. In: V Encontro Nacional de Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade (V ENANPPAS), Florianópolis, 2010. [Link]. Acesso em: 07 set. 2016.
  12. FERNANDEZ, A. C. F; BAPTISTA, S. R. N. Território-rede de agroecologia: ciência (s) e saberes locais na ambientação de lutas na zona oeste e região metropolitana do Rio de Janeiro. 38º Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (AMPOCS) GT-07 Conflitos ambientais, estudo e ideologia do desenvolvimento: mediação e luta por direitos, Caxambu, 2014. [Link] Acesso em: 07 set. 2016.
  13. FERREIRA, L. L. C. Sistematização de ações para implantação de arranjos produtivos locais em plantas medicinais e fitoterápicos. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado no Programa de Pós-graduação em Gestão e Inovação em Fitomedicamentos, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Farmanguinhos, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2012. [Link]. Acesso em: 07 set. 2016.
  14. FIOCRUZ. Experiências do Edital de Cooperação Social para o Desenvolvimento Territorializado 02/2011, Coordenadoria de Cooperação Social da Presidência, 2014. [Link] Acesso em 05/10/2015. Acesso em: 02 set. 2016.
  15. GUIMARÃES, M. C. Desenvolvimento de um pacote metodológico para capacitação de agricultores na área de cultivo e comercialização de plantas medicinais. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. Acesso em: 08 set. 2016.
  16. IWAMA, A. Y. Questão fundiária em áreas protegidas: uma experiência no Parque Estadual da Pedra Branca (PEPB). Sociedade & Natureza, Universidade Federal de Uberlândia, v.26, n.1, p77-93, Uberlândia, 2014. ISSN 1982-4513. [Link]. Acesso em: 09 set. 2016.
  17. LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Arranjos Produtivos Locais: Uma nova estratégia de ação para o SEBRAE, Glossário de Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais, Rio de Janeiro, 2003. [Link]. Acesso em 04/09/2015. Acesso em: 09 set. 2016.
  18. MAGALHÃES-FRAGA, S. A. P.; OLIVEIRA, M. F. S. Escolas Fitoparceiras: Saúde, Ambiente e Educação através das Plantas Medicinais. Revista Fitos, v. 5, n.1, p. 46-58, Rio de Janeiro, 2010. [Link]. Acesso em: 09 set. 2016.
  19. MARANHÃO, D. G. Análise Situacional de Seis Programas de Fitoterapia Brasileiros. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado no Programa de Pós-graduação em Gestão e Inovação em Fitomedicamentos, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Farmanguinhos, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2011. [Link]. Acesso em: 02 set. 2016.
  20. MARQUES, F. Revista de Manguinhos, Rio de Janeiro, Fiocruz, outubro de 2010. [Link]. Acesso em: 09 set. 2016.
  21. MINAYO, M.C.S. Teoria Método e Criatividade, 18a ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2001.
  22. PRADO, B. A.; MATTOS, C.; FERNANDEZ, A. C. F. Agricultores do maciço da Pedra Branca (RJ): em busca de reconhecimento de seus espaços de vida. Agriculturas, AS-PTA, v. 9, n 2, 2012. [Link] Acesso em: 08 set. 2016.
  23. OLIVEIRA, M. F. S. Escolas Fitoparceiras: Saúde, ambiente e educação através das Plantas Medicinais. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado no Programa de Pós-graduação em Gestão e Inovação em Fitomedicamentos, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Farmanguinhos, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2010. [Link]. Acesso em: 08 set. 2016.
  24. RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.
  25. RICARDO, L.M. Arranjos produtivos locais de Plantas medicinais e fitoterápicos no âmbito do SUS. II Encontro dos Núcleos Estaduais de Apoio a APL, 2013, 6ª Conferência, Brasília, DF. [Link]. Acesso em: 05 set. 2016.
  26. SANTOS, J.E.A.; CÂNDIDO, G.A. Estruturas de governança em arranjos produtivos locais: Um estudo de caso no APL de calçados do munícipio de Campina Grande – PB. In XV Simpósio de Administração da Produção Logística e Operações Internacionais (XV SIMPOI), São Paulo, SP, 2012. [Link]. Acesso em: 05 set. 2016.
  27. TORRES, K.R. Os arranjos produtivos locais (APLs) no contexto da implementação da Política e do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápico. Dissertação de Mestrado Profissional em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Fiocruz, Rio de Janeiro, 2013. [Link]. Acesso em: 05 set. 2016.
  28. VALVERDE, A.V. Análise qualitativa em cromatografia de camada delgada de flavonoides presentes em plantas medicinais cultivadas em sistema agroflorestal: Baccharis trimera (Less) DC, Eugenia uniflora L., Psidium guajava L., Schinus terebinthifolius Raddi e Vernonia polyanthes Less. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia), Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2012.
  29. VALVERDE, A.V. Gestão da Inovação para o Desenvolvimento de produtos da Agrobiodiversidade de Plantas Medicinais. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Programa de Pós-graduação em Gestão da Inovação em Fitomedicamentos, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Farmanguinhos, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2014.
  30. VILLAS BÔAS G. K. Inovação em medicamentos da biodiversidade: uma adaptação necessária (ou útil) nas políticas públicas. Tese de Doutorado em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2013. [Link]. Acesso em: 05 set. 2016.
  31. YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª Ed, Porto Alegre: Editora: Bookmam, 2001. ISBN 85-7307-852-9.