Vernonia polyanthes (Spreng.) Less.: uma visão geral da sua utilização como planta medicinal, composição química e atividades farmacológicas

Souza, P V R d;
Mazzei, J L;
Siani, A C;
Behrens, , M. d. D. D.

Paulo Victor Ramos de Souza

Fiocruz/Farmanguinhos, Laboratório de Produtos Naturais, Rio de Janeiro, R.J, Brasil.

Possui graduação em Química pela Faculdade Souza Marques (2011) e especialização em Gestão e Tecnologia Industrial Farmacêutica pelo Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade - ICTQ (2014). Mestrando em Gestão, Pesquisa e Desenvolvimento na Indústria Farmacêutica -Farmanguinhos. Tem experiência na área de Química de Cosméticos, Injetáveis para Ressonância Magnética e Fármacos Manipulados, com ênfase em Controle de Qualidade. Atualmente é técnico em saúde pública (Área Química) da Fundação Oswaldo Cruz, em Farmanguinhos, no Departamento de Produtos Naturais, atuando na pesquisa, desenvolvimento e controle de qualidade de fitomedicamentos e insumos farmacêuticos de origem vegetal.

José Luiz Mazzei

Fiocruz/Farmanguinhos, Laboratório de Produtos Naturais, Rio de Janeiro, R.J, Brasil.

http://orcid.org/0000-0002-2009-0053

Graduado em Química Industrial pela Universidade Federal Fluminense (1990), concluiu mestrado em Engenharia Química (1994) e doutorado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004). Tem experiência na área de Química, com ênfase em Separação, atuando principalmente nos seguintes temas: cromatografia líquida de alta eficiência - analítica e preparativa, isolamento de marcadores bioquímicos naturais e na transposição de escala produtiva. Colabora com essas experiências em projetos com grupos de pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro, da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atuou como químico no Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes - UERJ de 2002 a 2011, na área de toxicologia, com ênfase em genotoxicidade. Tem exercido consultoria ad hoc para CNPq, FAPERJ, FAPITEC/SE e FAPESPA desde 2009. Ingressou no Instituto de Tecnologia de Fármacos (Farmanguinhos) - FIOCRUZ (Rio de Janeiro) em 2011 com o cargo de Tecnologista em Saúde Pública.

Antonio Carlos Siani

Fiocruz/Farmanguinhos, Laboratório de Produtos Naturais, Rio de Janeiro, R.J, Brasil.

Bacharelado em Química pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) (1976); Licenciatura Em Química pela UNICAMP (1978), mestrado em Química pela UNICAMP (1980) e doutorado em Química pela UNICAMP (1987). Função atual: Tecnologista Senior da Fundação Oswaldo Cruz, lotado no Instituto de Tecnologia em Fármacos (Far-Manguinhos). Consultor da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (ALANAC) entre 05/2005 e 10/2007; presidente do Conselho Editorial da Revista FITOS (2005-2010), atual membro do corpo editorial da Revista de Fitoterapia (public. Sociedade Iberoamericana de Fitoterapia); avaliador de artigos científicos em dezenas de periódicos nacionais e internacionais no tema de pesquisa, desenvolvimento de fármacos e medicamentos e gestão de C&T&I. Foco de atuação em Química de Produtos Naturais, e trabalhos multidisciplinares de fronteira com Farmacognosia, Farmácia, Farmacologia e Botânica. Atuação nos temas seguintes: Burseraceae, Myrtaceae, Rubiaceae, Meliaceae, Leguminosae; atividades anti-inflamatória, antiparasitária (dengue e leishmaniose) e antitumoral; padronização química de plantas medicinais, terpenóides, flavonoides, alcalóides; abordagem ecológica e tecnológica de óleos essenciais, com meta no desenvolvimento produtos. Experiência em gestão de projetos de P&D&I. Coordenador e Diretor Científico da Área de Produtos Naturais do Instituto de Tecnologia em Fármacos, entre 1997-2003. Assessor técnico da GESTEC/FIOCRUZ entre 2002-2005 para assuntos de patenteabilidade. Coordenador do Programa Nacional de Fitoterapia em Saúde Pública (Biotecnologia e Recursos Genéticos), como ação do PPA-MCT (2000-2003); participante do Grupo a Iniciativa para Drogas para Doenças Negligenciadas (DND/MSF, 2001-2004). Publicados cerca de 80 artigos, duas centenas de comunicações em simpósios e congressos, 1 livro, 3 capítulos de livros e 1 vídeo, entre várias outras produções acadêmicas, além da coautoria em 3 patentes. Responsável pela disciplina Gerenciamento de Projetos no programa do Mestrado Profissional Gestão, Pesquisa e Desenvolvimento na Indústria Farmacêutica, Farmanguinhos, Fiocruz, com 32h/ano, desde 2010. Desde Outubro-2015, exerce a atividade de Coordenador de Biotecnologia no Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), dentro de Plano de Trabalho cooperativo Fiocruz-Inmetro, que prevê a implantação de um organograma funcional, esquema de gestão técnica e a manutenção de um conjunto de bolsistas para reestruturar a instituição.

Maria das Dores Dutra Behrens

Fiocruz/Farmanguinhos, Laboratório de Produtos Naturais, Rio de Janeiro, R.J, Brasil.

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal Fluminense (1985), mestrado em Química Orgânica (Fotoquímica) pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1991) e doutorado em Química Orgânica (Química de Produtos Naturais) pela Universidade de Hannover (1996). Atualmente é pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz e Chefe do Departamento de Produtos Naturais de Farmanguinhos/FIOCRUZ. Membro do Comitê Gestor da Vice-Diretoria de Pesquisa de Farmanguinhos. Representante da Fiocruz na comissão técnica e multidisciplinar para elaboração da Relação Nacional de Plantas Medicinais e Relação Nacional de Medicamentos Fitoterápicos (Comafito), visando à inserção de plantas medicinais e fitoterápicos no SUS. Atua na área de projetos intitucionais estratégicos, principalmente aqueles concernentes à implantação das politicas nacionais vigentes para plantas medicinais e fitoterápicos. Como pesquisadora, atua no desenvolvimento e controle de qualidade de fitomedicamentos, com ênfase na cadeia tecnológica e produtiva de plantas medicinais.


Palavras-chave

Vernonia polyanthes. Arranjo Produtivo Local. Planta medicinal. Composição química. Atividade farmacológica.

Resumo

As aplicações da biodiversidade brasileira em saúde são abrangentes, mas ainda não têm sido bem exploradas oficialmente, considerando o pequeno número de espécies vegetais listadas em compêndios oficiais para uso medicinal. Das espécies conhecidas como assa-peixe, empregadas comumente pela população há muitos anos para diversos fins, sobretudo nas afecções respiratórias, Vernonia polyanthes (Spreng.) Less. é a única regulamentada para utilização no Brasil, indicada como expectorante no Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira. Seu cultivo é também praticado em Arranjos Produtivos Locais (APLs) de plantas medicinais, os quais possuem importante papel na conservação e sustentabilidade dos recursos naturais e na economia das famílias que dependem dessa parceria. Esta difusão de uso é característica de diversas espécies que compõem a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS, mas ainda sem monografias que respaldem os critérios de qualidade para seu uso seguro, conforme o preconizado pela Organização Mundial de Saúde para plantas medicinais. O objetivo deste trabalho foi apresentar uma visão geral do conhecimento científico desta espécie, com foco em sua utilização na fitoterapia, identificação química e atividades farmacológicas, na expectativa de subsidiar a elaboração de monografias de Vernonia polyanthes, agregando valor e qualidade nas atividades dos APLs a longo prazo. 


Referências

  1. ALVES, T. M. A.; NAJEM, T. J.; CARVALHO, L. H.; KRETTLI, A. U.; ZANI, C. L. Antiplasmodial triterpene from Vernonia brasiliana. Thieme Verlags gruppe, Planta Medica, v. 63, p. 554-555, Stuttgart, 1997. ISSN 0032-0943. [CrossRef] [PubMed].
  2. ALVES, V. F. G.; NEVES, L. DE J. Anatomia foliar de Vernonia polyanthes Less (Asteraceae). Editora da UFRRJ, Revista Universidade Rural, Série Ciências da Vida, v. 22, n. 2, p. 1–8, Seropédica, 2003. ISSN 2175-1196 [Link].
  3. BARBASTEFANO, V. Atividade antiulcerogênica de extratos brutos, frações semi-purificadas e substância ativa de duas espécies do gênero Vernonia: Vernonia polyanthes e Vernonia ferruginea. Campinas, SP: Tese de Doutorado apresentada no Instituto de Biologia, Departamento de Fisiologia e Física, UNICAMP, 2007. [Link].
  4. BARBASTEFANO, V.; COLA, M.; LUIZ-FERREIRA, A.; FARIAS-SILVA, E.; HIRUMA-LIMA, C. A.; RINALDO, D.; VILEGAS, W.; SOUZA-BRITO, A. R. M. Vernonia polyanthes as a new source of antiulcer drugs. Elsevier, Fitoterapia, v. 78, n. 7–8, p. 545–551, Milano, 2007. ISSN 0367-326X. [CrossRef] [PubMed].
  5. BATUGAL, P. A.; KANNIAH, J.; LEE, S. Y.; OLIVER, J. T. Medicinal Plants Research in Asia, Volume I: The Framework and Project Workplans. Serdang: International Plant Genetic Resources Institute, 2004. ISBN 9290436158. [Link].
  6. BENFATTI, A. C.; BARBASTEFANO, V.; RODRIGUES, J.; RINALDO, D.; SANTOS, L. C.; BRITO, A. R. M. S.; VILEGAS, W. Estudo químico do extrato clorofórmico das folhas de Vernonia polyanthes Less. (Asteraceae). Anais da 30a Reunião anual da Sociedade Brasileira de Química. São Paulo, 2007. [Link].
  7. BOHLMANN, F.; JAKUPOVIC, J.; GUPTA, R. K.; KING, R. M.; ROBINSON, H. Allenic germacranolides, bourbonene derived lactones and other constituents from Vernonia species. Phytochemistry, New York, Elsevier, v. 20, n. 3, p. 473–480, 1981. ISSN: 0031-9422 [CrossRef].
  8. BOYD, E. M. Expectorants and respiratory tract fluid. John Wiley & Sons. Journal of Pharmacy and Pharmacology, John Wiley & Sons, v. 6, n. 4, p. 521–542, London, 1954. ISSN 0022-3573. [PubMed].
  9. BRAGA, F. G.; BOUZADA, M. L. M.; FABRI, R. L.; MATOS, M. O.; MOREIRA, F. O.; SCIO, E.; COIMBRA, E. S. Antileishmanial and antifungal activity of plants used in traditional medicine in Brazil. Elsevier, Journal of Ethnopharmacology, Lausanne, v. 111, n. 2, p. 396–402, 2007. ISSN 0378-8741 [CrossRef] [PubMed].
  10. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira. 5ª ed. Brasília: ANVISA, 546p. 2 v. 2010. [Link].
  11. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Brasília: ANVISA, 126p. 2011. [Link].
  12. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Portaria nº 13, de 19 de junho de 2012. Habilita municípios a receberem recursos referentes ao apoio à estruturação, consolidação e fortalecimento de Arranjos Produtivos Locais (APLs), no âmbito do SUS, conforme a Política e o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, selecionados pelo Edital SCTIE nº 1, de 26 de abril de 2012 (Seleção de propostas de arranjos produtivos locais no âmbito do SUS, conforme a política e o programa nacional de plantas medicinais e fitoterápicos). Brasília: Ministério da Saúde, 2012. [Link].
  13. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. [Link].
  14. EUROPEAN Pharmacopoeia, 5a ed. Strasbourg: Council of Europe, 2779p. 2004. ISBN 9789287152817.
  15. EUROPEAN Pharmacopoeia, 8a ed. Suplementos 8.0 and 8.2. Strasbourg: Council of Europe, 2014. ISBN 9789287175274.
  16. FARMACOPEIA dos Estados Unidos do Brasil, 1a ed. Rio de Janeiro: [s.n.], 1175p. 1926. [Link].
  17. FARMACOPEIA dos Estados Unidos do Brasil, 2a ed. Rio de Janeiro: Gráfica Siqueira, 658p. 1959. [Link].
  18. FARMACOPEIA dos Estados Unidos do Brasil, 3a ed. São Paulo: Editora Andrei, 2 v. 1192p. 1977. [Link].
  19. FARMACOPEIA Brasileira, 4a ed. São Paulo: Atheneu, v. 2. 1988. [Link].
  20. FARMACOPEIA Portuguesa, 8a ed. Lisboa: Comissão da Farmacopeia Portuguesa, 2 v. 2005.ISBN: 9789788425670.
  21. FARMACOPEIA Portuguesa, 9a ed. Lisboa: Comissão da Farmacopeia Portuguesa, 3827p. 2008. ISBN 9789728425968.
  22. GILBERT, B.; FERREIRA, J. L. P.; ALVES, L. F. Monografia de Plantas Medicinais Brasileiras e Aclimatadas. Curitiba: Associação Brasileira da Indústria Fitoterápica, 250p. 2005. ISBN 8599088017.
  23. IGILE, G; OLESEK, W.; JURZYSTA, M.; AQUINO, R.; TOMMASI, N.; PIZZA, C. Vernoniosides D and E, two novel saponins from Vernonia amygdalina. American Chemical Society, Journal of Natural Products, Cincinnati, v. 58, n. 9, p. 1438-1443, 1995. ISSN 0163-3864 [CrossRef].
  24. IGUAL, M. O.; MARTUCCI, M. E. P.; COSTA, F. B.; GOBBO-NETO, L. Sesquiterpene lactones, chlorogenic acids and flavonoids from leaves of Vernonia polyanthes Less (Asteraceae). Elsevier, Biochemical Systematics and Ecology, v. 51, p. 94–97, Oxford, 2013. ISSN 0305-1978 [CrossRef].
  25. IPNI. The International Plant Names Index. [Link]. Acesso em: 05 set. 2015.
  26. JBRJ - Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Lista de Espécies da Flora do Brasil. [Link]. Acesso em: 05 set. 2016.
  27. JORGETTO, G. V.; BORIOLO, M. F. G.; SILVA, L. M.; NOGUEIRA, D. A.; JOSÉ, T. D. S.; RIBEIRO, G. E.; OLIVEIRA, N. M. S.; FIORINI, J. E. Ensaios de atividade microbiana in vitro e mutagênica in vivo com extrato de Vernonia polyanthes Less (Assa-peixe). Instituto Adolfo Lutz, Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 70, n. 1, p. 53–61, São Paulo, 2011. ISSN 0073-9855 [Link].
  28. KAGAN, L.; LAVY, E.; HOFFMAN, A. Effect of mode of administration on guaifenesin pharmacokinetics and expectorant action in the rat model. Elsevier, Pulmonary Pharmacology & Therapeutics, v. 22, p. 260–265, 2009. ISSN 1094-5539 [CrossRef] [PubMed].
  29. LORENZI, H.; MATOS, F. J. DE A. Plantas Medicinais no Brasil: Nativas e Exóticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002. ISBN 8586714283.
  30. MARTUCCI, M. E. P. Análise da interação ecoquímica entre a lagarta-do-girassol Chlosyne lacinia (Lepidoptera: Nymphalidae) e as Asteraceae Tithonia diversifolia e Vernonia polyanthes utilizando cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massas. Ribeirão Preto, SP: Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, USP, 2012. [CrossRef].
  31. MARTUCCI, M. E. P.; DE VOS, R. C. H.; CAROLLO, C. A.; GOBBO-NETO, L. Metabolomics as a potential chemotaxonomical tool: Application in the genus Vernonia Schreb. Plos One, Iratxe Puebla, v. 9, n. 4, p. e93149, San Francisco, 2014. ISSN 1932-6203 [CrossRef] [PubMed].
  32. MOBOT - Missouri Botanical Garden. Tropicos. [Link] Acesso em: 05 set. 2016.
  33. OLIVEIRA, D. G.; PRINCE, K. A.; HIGUCHI, C. T.; SANTOS, A. C. B.; LOPES, L. M. X.; SIMÕES, M. J. S.; LEITE, C. Q. F. Antimycobacterial activity of some Brazilian indigenous medicinal drinks. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Araraquara, Unesp, v. 28, n. 2, p. 165–169, 2009. ISSN 1808-4532 [Link].
  34. PETRI, R. D.; PLETSCH, M. U.; ZEIFERT, M.; SCHWEIGERT, I. D. Efeitos de extratos hidroetanólicos de Vernonia tweediana e Vernonia cognata sobre a imunidade de camundongos. Associação Brasileira de Farmacêuticos, Revista Brasileira de Farmácia, v. 89, n. 2, p. 139-141, Rio de Janeiro, 2008. ISSN 0370-372X [Link].
  35. PORTAL BRASIL. SUS tem Fitoterápicos para Doenças Simples. Notícia. Publicada em 09 de Novembro de 2012. Última modificação em 29 de julho de 2014. [Link]. Acesso em: 31 mai. 2016.
  36. PROBST, I. S. Atividade antibacteriana de óleos essenciais e avaliação de potencial sinérgico. Botucatu, SP: Dissertação de Mestrado apresentada no Instituto de Biociências, UNESP, 2012. [Link].
  37. RAMOS, J. O. Avaliação da atividade tóxica e do perfil fitoquímico de extratos e frações de Vernonia condensata Baker e Vernonia polyanthes Less. Anápolis, GO: Trabalho de Conclusão de Curso apresentado na Coordenação de Química, IFG, Goiás, 2014. [Link].
  38. RODRIGUES, V. E. G.; CARVALHO, D. DE. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no domínio do cerrado na região do Alto Rio Grande-Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia, Editora da Universidade Federal de Lavras, v. 25, n. 1, p. 102–123, Lavras, 2001. ISSN 1413-7054 [Link].
  39. SILVA, N. C. C. Estudo comparativo da ação antimicrobiana de extratos e óleos essenciais de plantas medicinais e sinergismo com drogas antimicrobianas. Botucatu, SP: Dissertação de Mestrado apresentada no Instituto de Biociências, UNESP, 2010. [Link].
  40. SILVA, N. C.; BARBOSA, L.; SEITO, L. N.; FERNANDES, A. Antimicrobial activity and phytochemical analysis of crude extracts and essential oils from medicinal plants. Taylor & Francis, Natural Product Research, Abingdon, v. 26, n. 16, p. 1510–1514, 2012. ISSN 1478-6419 [CrossRef] [PubMed].
  41. SILVA, J. L.; SOUZA, P. E.; ALVES, E.; PINTO, J. E. B. P.; BERTOLUCCI, S. K. V.; FREITAS, M. L. O.; ANDRADE, C. C. L.; RESENDE, M. L. V. Essential oil of Cymbopogon flexuosus, Vernonia polyanthes and potassium phosphite in control of bean anthracnose. Ebène, Academic Journals, Journal of Medicinal Plants Research, v. 9, n. 8, p. 243–253, 2015. ISSN 1996-0875 [CrossRef].
  42. SILVEIRA, R. R.; FOGLIO, M. A.; GONTIJO, J. A. R. Effect of the crude extract of Vernonia polyanthes Less. on blood pressure and renal sodium excretion in unanesthetized rats. Jena, Urban & Fischer Verlag, Phytomedicine, v. 10, n. 2–3, p. 127–131, 2003. ISSN 0944-7113 [CrossRef] [PubMed].
  43. SILVEIRA, R. R.; RÚBIO, C. R.; ALVES, M. J. Q. F. Modificações da diurese e da pressão arterial em ratos Wistar anestesiados, após a administração oral de infuso de assa-peixe (Vernonia polyanthes Less.). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, Editora da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, v. 2, n. 2, p. 31–35, São Paulo, 2000. ISSN 1516-0572 [Link].
  44. SOUZA, D. A. S. Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e sua contribuição para a estruturação de Sistemas Sustentáveis voltados para a Inovação em Fitomedicamentos. Rio de Janeiro, RJ: Trabalho de Conclusao de Curso apresentado no Curso de Pós-graduação em Gestão da Inovação em Fitomedicamentos, Farmanguinhos, FIOCRUZ, 2014. [Link].
  45. SOUZA, F. A.; SENA, J.; MARANHO, L. T.; OLIVEIRA, C. M. R.; GUIMARÃES, A. T. B. Caracterização fitoquímica preliminar de infusões populares obtidas das partes aéreas das espécies Apium leptophylum (Pers.) F. Muell. ex Benth. (Apiaceae), Elvira biflora L. (DC.) e Vernonia polyanthes Less. (Asteraceae). Associação Brasileira de Farmacêuticos, Revista Brasileira de Farmácia, v. 89, n. 1, p. 24–27, Rio de Janeiro, 2008. ISSN 0370-372X [Link].
  46. SOUZA, P. V. R.; BEHRENS, M. D.; MAZZEI, J.L. Gaps on quality control of the herbal medicines available by Local Productive Arrangements. 3rd International Symposium on Challenges and New Technologies in Drug Discovery & Pharmaceutical Production. 2015. Rio de Janeiro. [CrossRef].
  47. TEMPONI, V. S.; SILVA, J. B.; ALVES, M. S.; RIBEIRO, A.; PINHO, J. J. R. G.; YAMAMOTO, C. H.; PINTO, M. A. O.; DEL-VECHIO-VIEIRA, G.; SOUSA, O. V. Antinociceptive and anti-inflammatory effects of ethanol extract from Vernonia polyanthes leaves in rodents. International Journal of Molecular Sciences, Basel, Multidisciplinary Digital Publishing Institute, v. 13, n. 3, p. 3887–3899, 2012. ISSN 1422-0067 [CrossRef] [PubMed].
  48. THE INDIAN Pharmacopoeia 2007 edition. Ghaziabad: The Indian Pharmacopoeia Commission, 3 v. [Link]v1 [Link]v2 [Link]v3, 2007.
  49. THE JAPANESE Pharmacopoeia, 15a ed. Tokyo: Society of Japanese Pharmacopoeia, 2276 p. 2006. [Link].
  50. THE JAPANESE Pharmacopoeia, 16a ed. Tokyo: Society of Japanese Pharmacopoeia, 2545 p. 2012. [Link].
  51. THE PLANT LIST. Disponível em: [Link]. Acesso em: 30 ago. 2016.
  52. THE UNITED STATES Pharmacopeia 37. National Formulary 32. Rockville: U.S. Pharmacopeia Convention, 3v, 2013. ISBN 9781936424221
  53. VALVERDE, A. L.; CARDOSO, G. L.; PEREIRA, N. A.; SILVA, A. J.; KUSTER, R. M. Analgesic and anti-inflammatory activities of vernonioside B2 from Vernonia condensata. Heyden & Son, Phytotherapy Research, London, v. 15, p. 263–264, 2001. ISSN 0951-418X [CrossRef] [PubMed].
  54. VEGA, A. J.; DEMATTEIS, M. The transfer of Vernonia perangusta to the genus Vernonanthura (Vernonieae, Asteraceae) and the correct name for Vernonanthura phosphorica. Phytotaxa, Auckland, Magnolia Press, v. 8, p. 46–50, 2010. ISSN 1179-3155 [CrossRef].
  55. VELOSO, C.P.; LARROSA, C. R. R. Biodiversidade Brasileira como Fonte de Medicamentos Fitoterápicos. 7ª Mostra de Produção Científica da Pós-Graduação Lato Sensu da PUC Goiás, Goiás. 2012. [Link].
  56. WHO - World Health Organization. Quality Control Methods for Herbal Materials. Geneva: World Health Organization, 2011. 173p. [Link].
  57. WHO - World Health Organization. WHO Monographs on Medicinal Plants Commonly Used in the Newly Independent States (NIS). Geneva: World Health Organization, 2010. 452p. [Link].
  58. WHO - World Health Organization. WHO Monographs on Selected Medicinal Plants. v1. Geneva: World Health Organization, 1999. 295p. [Link].
  59. WHO - World Health Organization. WHO Monographs on Selected Medicinal Plants. v2. Geneva: World Health Organization, 2002. 357p. [Link].
  60. WHO - World Health Organization. WHO Monographs on Selected Medicinal Plants. v3. Geneva: World Health Organization, 2007. 390p. [Link].
  61. WHO - World Health Organization. WHO Monographs on Selected Medicinal Plants. v4. Geneva: World Health Organization, 2009. 456p. [Link].