Oportunidades Tecnológicas, Estratégias Competitivas e Marco Regulatório: o Uso Sustentável da Biodiversidade por Empresas Brasileiras

Ferro, , A. F. P.

A. F. P. Ferro

Doutoranda em Política Científica e Tecnológica do Departamento de Política Científica e Tecnológica, Instituto de Geociências - Universidade Estadual de Campinas, IG/UNICAMP Rua João Pandiá Calógeras, no. 51, 13083-870 Campinas, SP, Brasil


Palavras-chave

Inovações tecnológicas
Custos de transação
Políticas públicas
Meio ambiente
Produtos naturais
Cosméticos
Technological innovation
Transaction costs
Public policy
Environment
Natural Products
Cosmetics

Resumo

A biodiversidade tem sido apontada como um elemento de importância estratégica devido, entre outros fatores, ao seu potencial como fornecedora de matéria-prima para diversos setores da economia. Diante deste quadro, mas também do de destruição deste patrimônio, têm se inserido muitas das atuais estratégias de empresas, as quais vêm procurando acompanhar e aproveitar o desenvolvimento de novas oportunidades tecnológicas abertas pelos mercados de produtos obtidos de forma ambientalmente responsável. A incorporação de modelos sustentáveis de uso dos recursos é, portanto, vista como um diferencial capaz de gerar vantagens competitivas. No entanto, falta ainda um ambiente institucional adequado para que o acesso a esses recursos se dê de modo a permitir a conservação dos mesmos, assim como a repartição dos benefícios advindos de sua exploração. Dessa forma, o presente artigo apresenta e discute de que forma algumas empresas brasileiras vêm utilizando em suas estratégias competitivas o potencial da biodiversidade como forma de criar e/ou de aproveitar novas oportunidades e explorar novos nichos de mercado, apontando as principais vantagens e limitações encontradas neste tipo de estratégia. Parece claro que a incorporação dos preceitos do desenvolvimento sustentável no uso da biodiversidade é uma tendência que vem se fortalecendo, principalmente em setores altamente dependentes de matéria-prima advinda da biodiversidade. Neste contexto, destaca-se a importância da geração de inovações para atender à demanda por novas práticas e tecnologias, assim como da conformação de um ambiente institucional capaz de estimular a incorporação da variável ambiental por todo o setor produtivo.

 


Referências

  1. CDB - CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA Homepage oficial. Disponível em: www.biodiv.org. Acesso em abril de 2005.
  2. DOSI, G.; ORSENIGO, L. Coordination and transformation: an overview of structures, behaviors and change in evolutionary environments. In: DOSI, G. et al. (orgs) Technical change and economic theory, London: Pinter Publishers, 1988.
  3. DOSI, G. e MALERBA, F. Organizational learning and instituitional embeddedness. In: DOSI, G. e MALERBA, F. (orgs.). Organization and Strategy in the Evolution of the Enterprise. Londres: MacMillan, p.1-24, 1996.
  4. FERRO, A. F. P. Oportunidades tecnológicas, estratégias competitivas e marco regulatório: o uso sustentável da biodiversidade por empresas brasileiras. Campinas, SP: [s.n.]. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto Geociências, 2006.
  5. GRUPO CENTROFLORA (2005) Homepage institucional. Disponível em http://www.centroflora.com.br/index.php. Acesso em novembro de 2005.
  6. GRUPO ORSA (2005) Homepage institucional. Disponível em http://www.grupoorsa.com.br/. Acesso em novembro de 2005.
  7. NATURA (2005) Homepage institucional. Disponível em: http://www.natura.net/port/index.asp. Acesso em novembro de 2005.
  8. NELSON, R; WINTER, S. An evolutionary Theory of Economic Change. Havard University Press, Cambridge, MA, 1982.
  9. PEREZ. C. Technological revolutions and finacial capital – The Dinamics of Bubbles and Golden Ages. Northampton: Edgar Elgar, 2002.
  10. PORTER, M. E.; VAN DER LINDE, C. Verde e Competitivo: Acabando com o Impasse. In: PORTER, M. E. Competição: estratégias competitivas essenciais. 3a ed. Rio de Janeiro, Editora Campus, p. 371-397, 1999.
  11. ROSENBERG, N. Perspectives on Technology. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.
  12. WCED (World Commission on Environment and Development): Our common future: the world commission on environment and development. Oxford:, Oxford University Press, p.420, 1987.
  13. WILSON, E. O. Diversidade da vida. Tradução: Carlos Afonso Malferrari. São Paulo : Cia das Letras, 1994.
  14. YBIOS (2005) Homepage institucional. Disponível em http://www.ybios.com.br. Acesso em novembro de 2005.