Atividade antimicrobiana do óleo essencial de Melaleuca e sua incorporação em um creme mucocutâneo

Correa, L T;
Nicoletti, M A;
de Amorim, C S;
da Costa, A R;
Leoni, L A B;
Munõz, J W P;
Fukushima, , A. R.

Leonardo Tibiriçá Correa

Universidade São Judas Tadeu. Rua Taquari, 546, Mooca, CEP 03166-000, São Paulo, SP, Brasil.

Técnico em química pela Escola Técnica Estadual Tiquatira. Graduando de Farmácia pela Universidade São Judas Tadeu. Foi monitor voluntário do laboratório de química e microbiologia durante o curso técnico. Foi monitor bolsista da disciplina prática de "parasitologia" e, atualmente, é de "anatomia humana" e "bioquímica" na Universidade São Judas Tadeu. Foi monitor voluntário de "bioquímica", "microbiologia geral" e "física e cálculos farmacêuticos". Realizou o Programa de Atualização em Farmacologia aplicada e Toxicologia na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. Realizou iniciação científica voluntária pela Universidade São Judas Tadeu com tema "medicina integrativa em pacientes idosos". Autor de um romance "A vida e os amores de Alan Lobos"

Maria Aparecida Nicoletti

2Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Departamento de Farmácia. FARMUSP. Avenida Professor Lineu Prestes, 580, CEP 05508-900, São Paulo, SP, Brasil.

http://orcid.org/0000-0002-9164-7111

Possui graduação em Curso de Farmácia e Bioquímica pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP - Campus Araraquara (1980), Mestrado em Curso de Pós-Graduação em Fármaco e Medicamentos pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (1994) e Doutorado em Curso de Pós-Graduação em Fármaco e Medicamentos pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (1999). É especialista em Gestão da Assistência Farmacêutica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em desenvolvimento e produção de medicamentos e cosméticos, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento de produto, controle de qualidade, estabilidade, farmacotécnica e atenção/assistência farmacêuticas. Foi Docente da Universidade Paulista - UNIP no período de 1995 a 2009 e da Universidade Guarulhos - Ser Educacional no período de 1998 a 2016. É Farmacêutica Responsável da Farmácia Universitária do Departamento de Farmácia da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FARMUSP) desde 2003. Ministra o Módulo de Legislação Farmacêutica e Sanitária no Programa de Residência Farmacêutica em Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, desde 2012. Foi Membro da Câmara Técnica da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (CTA-ANFARMAG)

Cledja Soares de Amorim

Universidade São Judas Tadeu. Rua Taquari, 546, Mooca, CEP 03166-000, São Paulo, SP, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Alagoas (1996), mestrado em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo (1999) e doutorado em Infectologia pela Universidade Federal de São Paulo (2007). Atualmente é professora da UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU e professor do curso de Farmácia do CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO, onde leciona nas disciplinas de Microbiologia Básica,Microbiologia Clinica, Citologia e orientadora de TCC. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Micologia atuando principalmente nos seguintes temas: colonização e infecção de cateter por leveduras, diversidade genotípica do gênero Candida, identificação de Dermatofitos como também resistência de staphylococcus aureus isolados da microbiota e superfícies.

Amanda Ramos da Costa

Universidade São Judas Tadeu. Rua Taquari, 546, Mooca, CEP 03166-000, São Paulo, SP, Brasil.

Cursando Medicina Veterinária em Universidade São Judas Tadeu (USJT) na cidade de São Paulo, SP. 

Luís Antônio Bafille Leoni

Centro Universitário das Américas (Reitoria). Rua Augusta, 1508, Centro, CEP 01305-100, São Paulo, SP, Brasil.

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Estadual de Londrina (1991), mestrado em Ciência de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (1994) e Doutorado em Educação Física pela Universidade São Judas tadeu. Foi Pró-Reitor Acadêmico da Universidade São Judas Tadeu. Atualmente é Pró-Reitor Acadêmico do Centro Universitário das Américas.

Juliana Weckx Peña Munõz

Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. Departamento de Patologia, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva, 87, Butantã, CEP 05508-010, São Paulo, SP, Brasil.

Graduanda em Medicina Veterinária pela Universidade São Judas Tadeu (2015-2020), representou o curso de Medicina Veterinária na feira de profissões pela Universidade São Judas Tadeu (2017). Experiência em clínica de pequenos animais, com ênfase em fisioterapia animal. Possui certificações de cursos presenciais nas áreas de Medicina Felina e Animais Silvestres. Participou e colaborou com as atividades do Laboratório de Patologia Comparada de Animais Selvagens da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (2018). Atualmente participa do grupo de Pesquisa de Medicina Veterinária Legal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo.

André Rinaldi Fukushima

Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. Departamento de Patologia, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva, 87, Butantã, CEP 05508-010, São Paulo, SP, Brasil. 5Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciências da Saúde IGESP (FASIG), Departamento de Pesquisa e Extensão. Rua da Consolação, 1025. Centro, CEP 01301-000, São Paulo, SP, Brasil.

http://orcid.org/0000-0001-6026-3054

Possui graduação em Farmácia pela Universidade São Judas Tadeu (2008). Mestrado em Toxicologia e Análises Toxicológicas pela Universidade de São Paulo (2010) e Doutorado em Toxicologia pelo departamento de Patologia Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. Foi professor, ministrando a disciplina de Química farmacêutica na Universidade Guarulhos (2010 - 2014). Foi por 8 anos e meio Professor na Universidade São Judas Tadeu nos cursos de farmácia, nutrição, biologia, enfermagem, biomedicina e medicina veterinária. Ministra aulas como professor convidado em duas pós graduações. Tem experiência na área de Toxicologia, com ênfase em Análises Toxicológicas, atuando principalmente nos seguintes temas: drogas de abuso, crack,cocaína, cocaetileno, toxicologia, toxicologia forense, toxicologia dos praguicidas, praguicidas, anticolinesterásicos. Mais recentemente assumiu o cargo de coordenador da pós-graduação em Saúde Coletiva na Universidade São Judas Tadeu - SP, sendo essa a primeira Pós-graduação em Saúde Coletiva ofertada por Universidade Particular pelo periodo de 1 ano. Coordena a área regulação com foco no ENADE no Centro Universitário das Américas (FAM) e é Coordenador de Pesquisa e Extensão na Faculdade de Ciências da Saúde IGESP (FASIG)


Palavras-chave

Escherichia coli. Staphylococcus aureus. Candida albicans. Óleo de Melaleuca. Agentes antimicrobianos.
Escherichia coli. Staphylococcus aureus. Candida albicans. Melaleuca oil. Antimicrobial agentes.

Resumo

Óleos essenciais com atividade antimicrobiana têm despertado interesse como alternativa terapêutica. Esse trabalho teve por objetivo identificar a concentração inibitória mínima (CIM50) do óleo de Melaleuca frente a três microrganismos Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Candida albicans, com a finalidade de incorporá-lo em um creme O/A com atividade antimicrobiana e avaliar sua estabilidade preliminar durante 10 dias, utilizando métodos estatísticos para concluir este estudo. A metodologia utilizada foi realizada por meio de microdiluição seriada em placa de ELISA estéril. Os microrganismos foram suspensos em solução salina utilizando a escala McFarland (106 para fungo e 103 para bactéria). A CIM50 correspondeu a redução em 50% do halo de crescimento na menor concentração de emulsão de óleo de Melaleuca. Os resultados obtidos mostraram que as concentrações mínimas inibitórias para os microrganismos avaliados foram 9,0 mg/mL para Staphyloccocus aureus, 4,5 mg/mL para Escherichia coli e 4,5 mg/mL para Candida albicans. O creme desenvolvido não apresentou alterações significativas em relação à densidade e pH bem como às características físicas avaliadas. Com os resultados obtidos conclui-se que é promissor o desenvolvimento de formas farmacêuticas semissólidas com a incorporação do óleo de Melaleuca como possível nova alternativa terapêutica frente aos microrganismos estudados.


Referências

  1. Martinez MB, Taddei CR. Enterobacteriaceae. In: Trabulsi LR, Altertum F. (Orgs.). Microbiologia. 6ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2015. cap. 35, p.293-302.
  2. Heilberg IP, Schor N. Abordagem, Diagnóstico e Terapêutica na Infecção do Trato Urinário – (ITU). Rev Assoc Med Bras. Jan./mar. 2003; 49(1):109-16. ISSN 1806-9282. [CrossRef].
  3. Hasenack BS, Marquez AS, Pinheiro EHT, Guilherme, RL, Frasson FT, Avelar GS. Disúria e polaciúria: sintomas realmente sugestivos de infecção do trato urinário? Rev Bras Anal Clin. 2004; 36(3):163-6. [Link].
  4. McCulloch JA, Mamizuca EM. Staphylococcus aureus. In: Trabulsi LR, Althertum F. (Orgs.). Microbiologia. 6ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2015. cap. 20, p.179-188.
  5. Nogueira PSF, Moura ERJ, Costa MMF, Monteiro WMS, Brondi L. Perfil da Infecção Hospitalar em um Hospital Universitário. Rev Enferm UERJ. Jan./mar. 2009; 17(1):96-101. [Link].
  6. Gomperitz OF, Valderez G, Paula CR. Micoses oportunistas e outras micoses: candidíases, aspergilose, mucormicose, fusariose, pneumocistose, peniciliose, tricosporonose, oculomicose e otomicose. In: Trabulsi LR, Alterthum F, Correa B, Paula CR. (Orgs.). Microbiologia. 6ª ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2015. cap.70, p.601-608.
  7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 156 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Cadernos de Atenção Básica, nº 31.
  8. Nascimento PFC, Nascimento AC, Rodrigues CS, Antoniolli AR, Santos PO, Barbosa-Júnior AM, Trindade RC. Atividade antimicrobiana dos óleos essenciais: uma abordagem multifatorial dos métodos. Rev Bras Farmacogn. Jan./mar. 2007; 17(1):108-113. ISSN 1981-528X. [CrossRef].
  9. Gustafson JE, Liew YC, Chew S, Markham J, Bell HC, Wyllie SG, Warmington JR. Effects of tea tree oil on Escherichia coli. Lett. Appl. Microbiol. 1998; 26:194-8. [CrossRef].
  10. Carson CF, Mee BJ, Riley TV. Mechanism of action of Melaleuca alternifolia (tea tree) oil on Staphylococcus aureus determined by time-kill, lysis, leakage, and salt tolerance assays and electron microscopy. Antimicrob Agents Chemother. 2002; 46(6):1914-20. [CrossRef] [PubMed].
  11. Oliveira ACM, Fontana A, Negrini TC, Nogueira MNM, Bedran TBL, Andrade CR et al. Emprego do óleo de Melaleuca alternifolia Cheel (Myrtaceae) na odontologia: perspectivas quanto à utilização como antimicrobiano alternativo às doenças infecciosas de origem bucal. Rev Bras Pl Med. 2011; 13(4):492-496. ISSN 1516-0572. [CrossRef].
  12. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária-ANVISA. Monografia M47. Melaleuca alternifólia. Disponível em: [Link].
  13. Cavalcanti YW, Almeida LFD, Padilha WWN. Atividade antifúngica de Três Óleos Essenciais Sobre Cepas de Candida. Rev Odontol Bras Central. 2011; 20(52):68-73. ISSN 0102-695X. [CrossRef].
  14. Lima IO, Oliveira RAG, Lima EO, Farias NMP, Souza EL. Atividade antifúngica de óleos essenciais sobre espécies de Candida. Rev Bras Farmacogn. 2006; 16(2):197-201. ISSN 0102-695X. [Link].
  15. Aligiannis N, Kalpoutzakis E, Mitaku S, Chinou JB. Composition and Antimicrobial Activity of the Essential Oils of Two Origanum Species. J Agric Food Chem. 2001; 49(9):4168-70. [CrossRef] [PubMed].
  16. Pozzatti P, Loreto ES, Lopes PGM, Athayde ML, Santurio JM, Alves SH. Comparison of the susceptibilities of clinical isolates of Candida albicans and Candida dubliniensis to essential oils. Mycoses. Jan. 2009; 53(1):12-5. [CrossRef] [PubMed].
  17. NCCLS. National Committee for Clinical Laboratory Standards. Methods for Dilution Antimicrobial Susceptibility Tests for Bacteria That Grow Aerobically; Approved Standard-Sixth Edition. NCCLS document M7-A6. ISBN 1-56238-486-4. NCCLS, 940 West Valley Road, Suite 1400, Wayne, Pennsylvania 19087-1898 USA, 2003.
  18. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Guia de estabilidade de produtos cosméticos. 1ª ed. Brasília: ANVISA, 2004. 52p.
  19. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Farmacopeia Brasileira. 5ª ed. Brasília. 2010; vol. 2. 546p.
  20. Rosa AM, Chang MR, Spositto FLE, da Silva CG, Miyagusku L, Sversut RA et al. Análise microbiológica de xampus e cremes condicionadores para uso infantil. Rev Cienc Farm Básica Apl. 2015; 36(1):43-49. ISSN 2179-443X
  21. Brasil. Resolução RDC nº 481, de 23 de setembro de 1999. Aprova “Parâmetros de Controle Microbiológico para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumaria”. Órgão emissor: ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: [Link]. Acesso em: 15 jan. 2019.
  22. Mejía C, Zurita J, Guzmán-Blanco M. Epidemiologia e vigilância de Staphylococcus aureus resistente à meticilina na América Latina. Braz J Infect Dis. 2010; 14(2). ISSN 1413-8670. [CrossRef].