Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em duas comunidades da região serrana do Rio de Janeiro, Brasil.

Boscolo, O H;
Galvão, , M. N.

Odara Horta Boscolo

Universidade Federal Fluminense (UFF), Outeiro de São João Batista, s/n, Centro de Estudos Gerais, Instituto de Biologia. Campus Valonguinho, Centro, CEP 20940-040, Niterói, RJ, Brasil

Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense. Doutora em Etnobotânica pelo Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Botânica pelo Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Etnobotânica, Botânica Econômica e Taxonomia, atuando principalmente nos seguintes temas: plantas alimentícias, plantas medicinais, comunidades rurais, conhecimento tradicional e propriedade intelectual. (Texto informado pelo autor)

Marcelo Neto Galvão

Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), Jacarepaguá, Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde(CIBS). Estrada Rodrigues Caldas, 3400, Taquara, CEP 22713-375, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

http://orcid.org/0000-0002-7450-3597

Doutor em Etnobotânica pelo Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro. Curador da Coleção Botânica de Plantas Medicinais de Farmanguinhos-FIOCRUZ. Botânico da Plataforma Agroecológica de Fitomedicamentos do Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde (NGBS) / Farmanguinhos-FIOCRUZ. Professor Colaborador do curso de pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Inovação em Medicamentos da Biodiversidade do NGBS/Fiocruz. Editor Científico e Editor da Área de Botânica da Revista Fitos de Farmanguinhos/Fiocruz. Atua em projetos e assessoria a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação na área de fitomedicamentos e plantas medicinais através do Sistema Nacional das RedesFito em todo Brasil. Área de ênfase: Etnobotânica, Plantas Medicinais, Botânica Aplicada a PD&I em medicamentos da biodiversidade, Etnofarmacologia.


Palavras-chave

Plantas Medicinais. Etnobotânica. Nova Friburgo. Rio Bonito. Galdinópolis.
Medicinal Plants. Ethnobotany. Nova Friburgo. Rio Bonito. Galdinópolis.

Resumo

O uso de plantas medicinais é uma prática bastante difundida entre populações rurais no Brasil e mundialmente. A retomada de antigos saberes de culturas passadas e a incorporação de novas práticas nos usos de plantas têm possibilitado a revalorização da etnobotânica em muitas regiões do país, abrindo caminhos para o aproveitamento e conservação de ecossistemas. O presente trabalho objetiva analisar quantitativa e qualitativa o uso medicinal das espécies vegetais a partir dos saberes das comunidades de Galdinópolis e Rio Bonito. Foram utilizadas as metodologias: Observação Direta, "bola de neve", caminhada livre e ordenação NMDS. Foram entrevistados 18 informantes. As plantas citadas foram coletadas, herborizadas e depositadas no herbário do Museu Nacional. Foram reconhecidas 186 espécies pertencentes a 66 famílias botânicas. As indicações para o sistema digestivo foram as mais expressivas (20%), seguidas das indicações para o sistema respiratório (15%), sistema urinário (10%) e sistema nervoso (8%). As análises qualitativas e quantitativas do conhecimento tradicional nas comunidades estudadas mostraram-se complementares na construção de um retrato etnográfico sobre o uso de plantas medicinais em ambas áreas estudadas, valorizando assim a sociobiodiversidade e gerando subsídios para ações públicas que remetem a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)