Atividade antimicrobiana de polifenóis isolados das folhas de Schinopsis brasiliensis (Engl.) guiado por bioautografia

Saraiva A., M.,
Coutinho F., N.,
da Silva R., O.,
Randau K., P.,
Xavier H., S.,
Pisciottano M. N. C.

Antonio Marcos Saraiva

Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (UF/PE), Laboratório de Análises Clínicas, Avenida Professor Moraes Rego, s/n, Cidade Universitária, Várzea, CEP 50670-901, Recife, PE, Brasil.

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal de Pernambuco (2001.1) e Habilitação - Análises Clínicas pela Universidade Federal de Pernambuco (2002.2), Mestre em Ciências Farmacêuticas - UFPE (2007) e Doutor em Ciênicas Farmacêuitcas - UFPE (2012). Desenvolve estudos nas áreas de produtos naturais e de síntese, testando-os frente a cepas de Staphylococcus aureus Multirresistentes (Clone Epidêmico Brasileiro, Clone Pediátrico e Clone Esporádico) e também outras cepas Gram positivas e Gram negativas de importância clínica e fungos leveduriformes. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Produção e Controle de Qualidade de Medicamentos, atuando principalmente nos seguintes temas: Staphylococcus aureus MRSA, Staphylococcus aureus MRSA multirresistência, Farmacologia de Produtos Naturais e Atividade Antimicrobiana.

Felipe Neves Coutinho

Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Farmácia, 4ª Travessa Professor Artur de Sá, Cidade Universitária, CEP 50740-521, Recife, PE, Brasil.

Farmacêutico graduado pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2012) com Habilitação em Indústria e.Análises Clínicas (2016). Possui mestrado acadêmico em Ciências Farmacêuticas na linha de Síntese de Fármacos pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas-PPGCF/UFPE. Atualmente é estudante de Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (PPGCF)/UFPE e candidato ao programa de doutorado sanduíche pelo CAPES/COFECUB. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Síntese Orgânica, atuando principalmente nos seguintes temas: isoxazolina, aminoácidos, anticâncer, oxadiazolinas, hidrazonas, hidrazidas, tiosemicarbazonas e tiazóis. Atuou como aluno de Iniciação Científica no laboratório de Análises Microbiológicas do Departamento de Ciências Farmacêuticas/UFPE. Foi estagiário do Hospital de Aeronáutica de Recife. Foi monitor das disciplinas Química Geral Aplicada e Química Analítica do curso de Farmácia da UFPE. Tem experiência profissional em farmácia comercial. Desenvolve projeto científico em cooperação com o Departamento de Anatomia/UFPE.

Ricardo Oliveira da Silva

Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Departamento de Química Fundamental, Avenida Professor Luiz Freire, s/n, Laboratório de RMN, Cidade Universitária, CEP 50670-901, Recife, PE, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura Plena em Química pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1997), mestrado (2004) e doutorado (2010) em Química pela Universidade Federal de Pernambuco. Atua desenvolvendo modelos metabonômicos, usando espectroscopia de RMN, para auxiliar os profissionais de saúde no diagnóstico clínico - hepatites, diabetes, câncer e asma. Atua também com análise orgânica, usando cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas e espectroscopia de RMN para elucidação estrutural de compostos orgânicos. Tem interesse em desenvolvimento de estratégias multidisciplinares e produção de recurso didático para o Ensino de Química no Ensino Médio, usando a História de Pernambuco como tema gerador. Foi professor da Rede Estadual de Ensino, por 12 anos (1998-2010). Atua nos Programas de Pós-Graduação em Química e em Saúde Translacional, ambos na UFPE. Atualmente, é professor adjunto do Departamento de Química Fundamental da Universidade Federal de Pernambuco, Coordenador de Área (Química, campus Recife) do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC e Subchefe do Departamento de Química Fundamental.

Karina Perrelli Randau

Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Ciências Farmacêuticas, Rua Professor Artur de Sá, s/n, CDU, Cidade Universitária, CEP 50740-521, Recife, PE, Brasil.

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal de Pernambuco (1998), Mestrado em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal de Pernambuco (2001) e Doutorado em Ciências Naturais (Ciências Farmacêuticas) em Química de Produtos Naturais/Fitoquímica pela Ludwig Maximilians Universität München, Alemanha (2006). É Professora do Departamento de Ciências Farmacêuticas da UFPE. É orientadora de mestrado e doutorado pelo Programa de Pós Graduação em Inovação Terapêutica (PPGIT) e tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Farmacobotânica, Farmacognosia e Fitoquímica. Foi tutora do PET/Saúde-Pró Saúde em 2012-2014. É tutora da Residência Multiprofissional em Atenção Básica e Saúde da Família de Jaboatão dos Guararapes-PE(2019-). Atua nas Práticas Integrativas e Complementares.

Haroudo Satiro Xavier

Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Ciências Farmacêuticas, Rua Professor Artur de Sá, s/n, CDU, Cidade Universitária, CEP 50740-521, Recife, PE, Brasil.

Possui graduação em Ciências Farmacêuticas (Bioquímica) pela Universidade Federal de Pernambuco (1971), Mestrado em Química de Produtos Naturais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1975) e Doutorado em Ciências Farmacêuticas & Biológicas -Université de Montpellier I (1988). Atualmente é professor adjunto iv do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal de Pernambuco, lecionando as Disciplias de Framacognosia 1 e 2 na Graduação e Química de Produtos Naturais e Métodos Cromatográficos no Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (Mestrado e Doutorado). Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Farmacognosia, atuando principalmente no aprimoramento de técnicas farmacognósticas; procedimentos cromatográficos; prospecção, extração, isolamento e caracterização de substancias naturais, quimiotaxonomia e ecologia química.

Maria Nelly Caetano Pisciottano

Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Ciências Farmacêuticas, Rua Professor Artur de Sá, s/n, CDU, Cidade Universitária, CEP 50740-520, Recife, PE, Brasil.

Possui Graduação em Farmácia Industrial - Universidad de La Republica Del Uruguay (UDELAR) (1965) e doutorado em Ciências Farmacêuticas - Universite Libre de Bruxelles (1978). Atualmente é Professora Associada I da Universidade Federal de Pernambuco. Assesssoria para ações do MERCOSUL da UFPE e Coordenadora do Convênio de Cooperação Internacional assinado entre a Universidad de La Republica de Uruguay (UDELAR) e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Análise e Controle de Medicamentos, sendo Consultora da Organização Mundial da Saúde ( OPAS/OMS) na àrea de Controle de Qualidade Microbiologico de Medicamentos e Correlatos. Nos serviços técnicos, colabora com a Farmacopéia Internacional para Revisão de Novas Monografias e integra o Banco de Consultores CYTED/CNPq (Programa Iberoamericano de Ciencia y Tecnología para el Desarrollo). Na sua experência profissional foi pesquisadora no Instituto Pasteur de Lille/França para montar um Laboratório de Cultura Celular aplicado ao diagnóstico de doenças Pré-natais de Crianças. Atua principalmente nos seguintes temas: Atividade Antimicrobiana de Produtos Naturais e de Sintesis e no Estudo da determinação de Sensibilidade/resistencia de Cepas de Staphylococcus aureus MRSA Multirresistentes e determinação de Clones Epidemicos, integrando a Rede Brasil MRSA que tem como Laboratório de Referência, o Laboratório de Biologia Molecular da Profª. Agnes Figueiredo/Instituto de Microbiologia Prof. Paulo de Góes/UFRJ. Tem organizado o "I Simpósio de Multirresistência Bacteriana (2002)"; "I Congresso Norte-Nordeste de Multirresistencia bacteriana , I Simposio Norte-Nordeste de Infecção Hospitalar, I Simpósio Norte-Nordeste de Controle da Qualidade dos Medicamentos (2004); II Congresso Norte-Nordeste de Multirresistência bacteriana, I Workshop Sulamericano de Ciência e Tecnologias Farmacêuticas (2006). Lider do Grupo de Pesquisa "Doenças Infecciosas e Resistência Antimicrobiana .


Palavras-chave

β-1,2,3,4,6-Pentagaloil-D-Glicose;
Staphylococcus aureus MRSA multirresistente
Pseudomonas aeruginosa;
Bioautografia.
β-1,2,3,4,6-Pentagaloyl-D-Glucose;
Staphylococcus aureus multiresistant MRSA
Pseudomonas aeruginosa;
Bioautography.

Resumo

O extrato metanólico das folhas de Schinopsis brasiliensis apresentou atividade antimicrobiana com Concentração mínima inibitória de 31,15 µg/mL frente Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis e Staphylococcus saprophyticus. A prospecção fitoquímica das folhas de Schinopsis brasiliensis (Engl.) guiado pelo método bioautográfico permitiu isolar duas moléculas (galato de metila - GM and β-1,2,3,4,6-PentaGaloil-D-Glicose - PGG), as quais apresentaram atividade antimicrobina frente S. aureus, Staphylococcus coagulase negativo e Enterococcus faecalis, com halos de ordem de 14 a 20 mm. Ainda, PGG apresentou atividade antimicrobiana frente Pseudomonas aeruginosa com halos da ordem de 21 mm e GM com halos de ordem de 17 a 18 mm frente Escherichia coli. Novos estudos, tais como a quantificação dos compostos antimicrobianos e identificação de outros metabólitos secundários das folhas de S. brasiliensis, são necessários pelos presentes resultados.


Referências

  1. Singh AK, Venkatesh V, Singh RP, Singh M. Bacterial and antimicrobial resistance profile of bloodstream infections: A hospital‑based study. J Health Res. 2014; 1(3):140-144. [CrossRef]
  2. Saraiva AM, Saraiva CL, Gonçalves AM, Soares RR, Mendes FO, Cordeiro RP. Antimicrobial activity and bioautographic study of antistaphylococcal components from Caesalpinia pyramidalis Tull. Braz. J Pharm Sci. 2012; 48(1): 147-154. ISSN 2175-9790.
  3. Prado MCG, Barbosa DCA, Alves JLH. Aspecto Morfo-Estruturais da Unidade de Dispersão de Schinopsis brasiliensis Engl. “Baraúna” (Anacardiaceae). Bol Soc Brot. Coimbra. 1995; 67(2): 187-197. ISSN 0081-0657.
  4. Cardoso MP, David JM, David JP. A new alkyl phenol from Schinopsis brasiliensis. Nat Prod Res. 2005; 19(5):431-433. [CrossRef].
  5. Albuquerque UP, Medeiros PM, Almeida ALS, Monteiro JM, Lins Neto EMF, Melo JG et al. Medicinal plants of the caatinga (semi-arid) vegetation of NE Brazil: A quantitative approach. J Ethnopharmacol. 2007; 114(3):325–354. [CrossRef].
  6. Albuquerque UP. Re-examining hypotheses concerning the use and knowledge of medicinal plants: a study in the Caatinga vegetation of NE Brazil. J Ethnomed. 2006; 2:30. [CrossRef].
  7. Almeida CFCBR, Silva TCL, Amorim ELC, Maia MBS, Albuquerque UP. Life strategy and chemical composition as predictors of the selection of medicinal plants from the Caatinga (Northeast Brazil). J Arid Environ. 2005; 62(1):127-142. [CrossRef].
  8. Saraiva AM, Castro RHA, Cordeiro RP, Peixoto Sobrinho TJS, Castro VTNA, Amorim ELC et al. In vitro evaluation of antioxidant, antimicrobial and toxicity properties of extracts of Schinopsis brasiliensis Engl. (Anacardiaceae). Afr J Pharm Pharmacol. 2011; 5:1724-1731. ISSN 1996-0816.
  9. Souza ON. Chemical Constituents of the Leaves of Schinopsis brasiliensis. 1990. These of Phylosophy Doctor. The Polytechnic of North London. London. 207p.
  10. Moreira BO. Estudo fitoquímico e avaliação da atividade antioxidante dos extratos hexânicos e diclorometânico das folhas de Schinopsis brasiliensis Engl. (Anacardeaceae). 2009. 103p. Dissertação de Mestrado. Instituto de Química. Universidade Federal da Bahia, Salvador. [Link].
  11. Cardoso MP. Contribuição ao estudo fitoquímico de Schinopsis brasiliensis (Anacardiaceae). 2001. 106p. Dissertação de Mestrado. [Programa de pós-graduação em Química], Instituto de Química, Universidade Federal da Bahia, Salvador.
  12. Santos CCS, Masullo M, Cerulli A, Mari A, Estevam CS, Pizza C, Piacente S. Isolation of antioxidant phenolics from Schinopsis brasiliensis based on a preliminary LC-MS profiling. Phytochem. 2017; 140:45-51. [CrossRef].
  13. Brasil. MME (Ministério de Minas e Energia). Diagnóstico do município de Mirandiba. Disponível em: [Link]. Acesso em: 15 ago. 2019.
  14. Yao L, Jlang Y, Datta N, Singanusong R, Liu X, Duan J. HPLC analyses of flavanols and phenolic acids in the fresh young shoots of tea (Camellia sinensis) grown in Australia. Food Chem. 2004; 84:253-263. [CrossRef].
  15. CLSI - Clinical Laboratory Standards Institute. Metodologia dos testes de sensibilidade a agentes antimicrobianos por diluição para bactéria de crescimento aeróbico. 6ª ed. M7-A6. 2003; 23(2):49. [Link].
  16. Pessini GL, Holetz FD, Sanches NR, Cortez DA, Dias Filho BP, Nakamura CV. Avaliação da atividade antibacteriana e antifúngica de extratos de plantas utilizadas na medicina popular. Rev Bras Farmacogn. 2003; 13(suppl.1):21-24. ISSN 0102-695X.
  17. Sakagami Y, Linuma M, Piyasema KGNP, Dharmaratne HRW. Antibacterial activity of -mangostin agins vancomycin resistant Enterococci (VRE) and synergism with antibiotics. Phytomedicine. 2005; 12(3):203-208. [CrossRef].
  18. CLSI - Clinical Laboratory Standards Institute. Padronização dos testes de sensibilidade a antimicrobianos por disco-difusão – Norma M2-A8. 8ª ed. ANVISA/MS – CLSI, 2003. [Link].
  19. Cho JY, Sohn MJ, Lee J, Kim WG. Isolation and identification of pentagalloylglucose with broad-spectrum antibacterial activity from Rhus trichocarpa Miquel. Food Chem. 2010; 123: 501-596. [CrossRef].
  20. Cannell RJP, Farmer P, Walker JM. Purification and characterization of pentagalloylglucose, an α-glucosidase inhibitor/antibiotic from the freshwater green alga Spirogyra varians. Biochem J. 1988; 255:937-941. [CrossRef].
  21. Söhretoglu D, Sakar MK, Sabuncuoglu SA, Özgünes H, Sterner O. Polyphenolic Constituents and Antioxidant Potential of Geranium stepporum Davis. Rec Nat Prod. 2001; 5(1):22-28. ISSN 1307-6167.
  22. Beretta G, Artali R, Caneva E, Facino RM. Conformation of the tridimensional structure of 1,2,3,4,6-pentagalloyl-β-D-glucopyranose (PGG) by 1H NMR, NOESY and theoretical study and membrane interaction in a simulated phospholipid bilayer: a first insight. Magn Reson Chem. 2011; 49:132-136. [CrossRef].
  23. Khanbabaee, K.; Lötzerich, K. Efficient Total Synthesis of the Natural Products 2,3,4,6-Tetra-O-galloyI-D-glucopyranose, 1,2,3,4,6-Penta-O-galloyl-β-D-glucopyranose and the Unnatural 1,2,3,4,6-Penta-O-galloyl-α-D-glucopyranose. Tetrahedron. 1997; 53:10725-10732. [CrossRef].
  24. Moura ACS, Vilegas W, Santos LC. Identificação de alguns constituintes químicos de Indigofera hirsuta linn. (Fabaceae) por CLAE-IES-EM (TOF) e avaliação da atividade antirradicalar. Quim Nova. 2011; 34(7):1136-1140. ISSN 0100-4042.
  25. Alves TMA, Silva AF, Brandão M, Grand TSM, Smônia FA, Smânia Jr. A et al. Biological Screening of Brazilian Medicinal Plants. Rev Mem Inst Oswaldo Cruz. 2000; 95: 367-373. ISSN 1678-8060.
  26. Roux DG, Paulus E. Condensed Tannins - The isolation and distribution of interrelated heartwood components of Schinopsis spp. Biochem J. 1961; 78:785-789. [PubMed].
  27. Araújo TAS, Alencar NL, Amorim ELC, Albuquerque UP. A new approach to study medicinal plants with tannins and flavonoids contents from the local knowledge. J Ethnopharmacol. 2000; 120:72–80. [CrossRef].
  28. Bylka W, Matlawska I, Pilewski NA. Natural Flavonoids as Antimicrobial Agents. J Am Nutr Assoc. 2004; 7(2): 24-31. [Link].
  29. Vatten DA, Shetty K. Biological functionality of ellagic acid: review. J Food Biochem. 2005; 29: 234-266. [CrossRef].
  30. Akiyama H, Fuji K, Yamasaki O, Oono T, Iwatsuki K. Antibacterial action of several tannins against Staphylococcus aureus. J Antimicrob Chemother. 2001; 48:487-491. [CrossRef].
  31. Virtuoso S, Davet A, Dias JFG, Cunico MM, Miguel MD, Oliveira AB et al. Estudo preliminar da atividade antibacteriana das cascas de Erythrina velutina Willd., Fabaceae (Leguminosae). Rev Bras Farmacogn. 2005; 15: 137-142. ISSN 1981-528X
  32. Carvalher-Machado SC, Rosas EC, Brito FA, Heringe AP, Oliveira RR, Kaplan MAC et al. The anti-allergic activity of the acetate fraction of Schinus terebinthifolius leaves in IgE induced mice paw edema and pleurisy. Int Immunopharmacol. 2008; 8: 1552–1560. [CrossRef].
  33. Zhang J, Li L, Kim S, Hagerman AE, Lü J. Anti-cancer, anti-diabetic and other pharmacologic and biological activities of penta-galloyl-glucose. Pharm. Res., 2009; 26: 2066. [CrossRef].
  34. Chai Y, Lee HJ, Shaik AA, Nkhata K, Xing C, Zhang J et al. Penta-O-Galloyl-β-D-glucose induces G1 arrest and DNA replicative S-phase arrest independently of P21 cyclin-dependent kinase inhibitor 1A, P27 cyclin-dependent kinase inhibitor 1B and P53 in human breast câncer cells and is orally active against triple-negative xenograft growth. Breast Cancer Res. 2010; 12: R67. [CrossRef].
  35. Huh J, Lee E, Kim M, Kang S. Penta - O -galloyl-beta- D -glucose suppresses tumor growth via inhibition of angiogenesis and stimulation of apoptosis: roles of cyclooxygenase-2 and mitogen-activated protein kinase pathways. Carcinosenesis. 2005; 26(8): 1436-1445. [CrossRef].
  36. Zaidi-Yahiaoui R, Zaidi F, Bessai AA. Influence of gallic and tannic acids on enzymatic activity and growth of Pectobacterium chrysanthemi (Dickeya chrysanthemi bv. chrysanthemi). Afr J Biotechnol. 2008; 7(4): 482-486. ISSN 1684-5315.