Etnobotânica aplicada à seleção de espécies nativas amazônicas como subsídio à regionalização da fitoterapia no SUS: município de Oriximiná – PA, Brasil

Pires, J O;
Léda, P H d O;
Oliveira, D R d;
Coelho-Ferreira, M R;
Scher, I S;
Talgatti, , D. M.

Jéssica Oliveira Pires

Universidade Federal do Oeste do Pará. Rua Pedro Carlos de Oliveira, Cidade Nova, CEP 68270-000, Oriximiná, PA, Brasil

Graduanda em Ciências Biológicas da Conservação. Trabalha com plantas medicinais e seus usos.

Paulo Henrique de Oliveira Léda

Fundação Oswaldo Cruz- Fiocruz, Instituto de Tecnologia em Fármacos - Farmanguinhos,. Av3nida Comandante Guaranys, 447, Jacarepaguá, CEP 21041-250, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Graduado em Farmácia pela Universidade Federal Fluminense - UFF (1995) e mestre em Ciências Biológicas (Farmacologia e Terap. Experimental) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (1999). Integrou a equipe do Programa de Fitoterapia da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro de 1996 a 2006. Atualmente é Tecnologista em Saúde Publica na Fundação Oswaldo Cruz - Farmanguinhos/Fiocruz. Membro do Conselho Diretor da Associação Brasileira de Fitoterapia (ABFIT). Doutor em Biodiversidade e Conservação pelo Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade e Biotecnologia da Rede Bionorte.

Danilo Ribeiro de Oliveira

Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Centro de Ciências da Saúde. CCS, Faculdade de Farmácia, Departamento de Produtos Naturais e Alimentos, Bl. A2, Sala 01, Cidade Universitária – Fundão, Ilha do Governador, CEP 21941-590, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Possui graduação em Farmácia Industrial pela Universidade Federal Fluminense (UFF - 2002), especialista em Homeopatia pelo Instituto Hahnemanniano do Brasil (IHB - 2004), mestrado e doutorado em Química de Produtos Naturais pelo Núcleo de Pesquisa de Produtos Naturais/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ - 2004 e 2009). Tem experiência na área de Química de Produtos Naturais, atuando em pesquisa e extensão principalmente nos seguintes temas: farmacognosia, homeopatia, fitoquímica, óleos essenciais, comunidades tradicionais, etnobotânica, etnofarmacologia, bioprospecção, atividades biológicas, legislação ambiental, educação ambiental, Arranjos Produtivos Locais (APLs) e Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF). Atualmente é Professor Adjunto no Departamento de Produtos Naturais e Alimentos (DPNA) da Faculdade de Farmácia (FF) da UFRJ e Professor Permanente dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (PPGCF/FF/UFRJ), Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia Farmacêutica (CTECFAR/FF/UFRJ) e do Mestrado Profissional em Educação, Gestão e Difusão em Biociências (IBqM/UFRJ). Atua ainda como Coordenador da Sub-câmara de Biodiversidade (SBio), vinculada à Câmara Técnica de Ética em Pesquisa (CTEP), da Pró-Reitoria de Pós-graduação e Pesquisa da UFRJ (PR2), e como Coordenador de Biodiversidade da UFRJ.

Marlia Regina Coelho-Ferreira

Museu Paraense Emílio Goeldi, Av. Perimetral, 1901, Terra Firme, CEP 66077-830, Belém, PA, Brasil.

Graduada em Farmácia-Bioquímica pela Universidade Federal de Ouro Preto (1986), mestrado em Biologie Végétale Tropicale - Universite de Paris VI (Pierre et Marie Curie) (1992) e doutorado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Pará (2000). Atualmente é pesquisadora Titular III do Museu Paraense Emílio Goeldi. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Etnobotânica, Etnofarmacologia e Botânica Econômica, atuando principalmente em estudos que abordam saberes tradicionais de comunidades e povos indígenas da Amazônia brasileira sobre a biodiversidade vegetal, com destaque para as plantas medicinais de importância cultural e econômica. É docente dos Programas de Pós-graduação em Ciências Biológicas - Biologia Vegetal Tropical (UFRA/MPEG), da Rede Bionorte (Coordenação Estadual-Pará) e do Programa de Pós-graduação em Diversidade Sociocultural (MPEG).

Itana Suzart Scher

Universidade Federal da Bahia - UFBA, Faculdade Farmácia, Programa Farmácia da Terra, Rua Barão do Jeremoabo, n° 147, Ondina, CEP 40170-115, Salvador, Bahia, Brasil.

Graduada da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia, experiência na área de Farmácia, com ênfase em Farmacognosia, Etnofarmácia, Etnobotânica e Educação em saúde. Trabalha com fitoterápicos, plantas medicinais e comunidade no Programa de Extensão Permanente Farmácia da Terra. Foi monitora voluntária na disciplina FAR 172 - Fitofármacos e Fitoterapia (2013.1). Participou do Diretório Acadêmico Ferreira Gomes entre os anos 2013-2016, auxiliando na resolução de questões referentes aos estudantes. Foi bolsista IC pela FAPESB no projeto EDUCAÇÃO EM SAÚDE, CULTURA E AMBIENTE COMO ESTRATÉGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DA FITOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO CONDE/BAHIA, entre 2013 e 2015. Foi bolsista PIBIEX - PROEXT UFBA de 2016 a 2019, em três projetos de extensão seguidos: Plantas Medicinais no SUS como estratégia de Redução de Danos para usuários do Centro de Atenção Psicossocial ? Álcool e outras drogas (CAPS-AD); Fitoterapia e outras Praticas Integrativas e Complementares no SUS como estratégia para a educação popular e promoção da saúde e Educação e promoção da saúde como estratégia para expansão da fitoterapia no SUS. Trabalha com Educação em Saúde, Fitoterapia, SUS e juventude. Experiência com software de gerenciamento bibliográgica (endnote, mendeley), adquirido junto aos anos de trabalho no Farterra, assim como com elaboração de monografias, cartilhas, folderes de plantas medicinais.

Dávia Marciana Talgatti

Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA, Campus Oriximiná. Avenida PA 254, 257, Santíssimo, CEP 68270000, Oriximiná, PA, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Pelotas (2006), mestrado em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009), doutorado em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2014) e pós-doutorado em Sociedade, Natureza e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Oeste do Pará (2015-2017). Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Botânica criptogâmica, atuando principalmente nos seguintes temas: perifíton, fitoplâncton, microfitobentos, taxonomia, organismos bioindicadores da qualidade e condições ambientais de ecossistemas aquáticos, e ecologia de microalgas e cianobactérias. Atualmente é Professora Adjunta na área de Botânica, do curso de Ciências Biológicas do Campus de Oriximiná da Universidade Federal do Oeste do Pará. Ministra disciplinas de taxonomia, ecologia e fisiologia de algas e plantas amazônicas, atua orientando estudos que versam sobre a relação de algas, cianobactérias, plantas aquáticas e terrestres com as condições ambientais do meio que estão inseridas, levantamentos florísticos e ecologia de comunidades. Além disso, desenvolve projetos relacionadas à extensão (orientadora de bolsistas pibex), principalmente voltados à divulgação da Ciência, envolvendo estudantes do ensino fundamental e médio do município de Oriximiná-PA. É Diretora do Campus Universitário da Ufopa em Oriximiná (CORI). Coordenada dois e é colaboradora em mais dois projetos de pesquisa credenciados na PROPPIT-Ufopa. Coordenada o Laboratório de Algas e Plantas da Amazônia (LAPAM-CORI).


Palavras-chave

Medicinal Plants
Traditional Knowledge
Phytotherapy
Amazon
Unified Health System (UHS)
Oriximiná - PA
Plantas medicinais
Conhecimento tradicional
Fitoterapia
Amazônia
Sistema Único de Saúde (SUS)
Oriximiná - PA

Resumo

O Brasil apresenta rica diversidade vegetal, sobretudo na Amazônia, onde grupos étnicos utilizam diversas plantas no preparo de remédios caseiros. Estas práticas terapêuticas ocorrem sem interface com políticas de saúde. Neste contexto, conduziu-se levantamento etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais, por moradores de Oriximiná-PA, e analisou-se presença das nativas da Amazônia em documentos do Sistema Único de Saúde (SUS). Após a realização de entrevistas semiestruturadas, obteve-se a coleta e identificação de 112 espécies pertencentes a 50 famílias, sendo a maior parte referente à família Fabaceae e nativas da Amazônia (56%). Após identificação, comparou-se as nativas da Amazônia com aquelas presentes em 14 documentos do SUS, onde a Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS) e o Programa de Pesquisa em Plantas Medicinais (PPPM) demonstraram mais quantidade de nativas, enquanto houve exclusão nas atualizações da Farmacopeia Brasileira. Porém, observou-se tendência de aumento em documentos elaborados após reconhecimento da fitoterapia no SUS. Entretanto, a maior parte das endêmicas da Amazônia não consta em nenhum dos documentos analisados. Logo, o estudo etnobotânico conduzido em Oriximiná demonstra a importância das nativas para a população, em contrapartida à sua pouca representatividade no SUS. Pesquisa desta natureza, objetiva alinhar políticas de saúde ao território.


Referências

  1. Camargo MTLA. As plantas medicinais e o sagrado: a etnofarmacobotânica em uma revisão historiográfica da medicina popular no Brasil. São Paulo: Editora Ícone. 2014. ISBN: 978-85-274-1242-1.
  2. Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Fitoterapia na atenção primária à saúde. Rev Saúde Públ. 2014; 48(3):541-53. ISSN 0034-8910. [CrossRef].
  3. Gondim GMM, Monken M. O Uso do Território na Atenção Primária à Saúde. In: Mendonça MHM, Matta G, Gondim R, Giovanella L (ed.). Atenção Primária à Saúde no Brasil: conceitos, práticas e pesquisa. Rio de Janeiro: Fiocruz. 2018. ISBN: 978-85-7541-563-4.
  4. Almeida MZ, Leda PHO, Silva MQO, Pinto A, Lisboa M, Guedes ML. Species with medicinal and mystical-religious uses in São Francisco do Conde, Bahia, Brazil: a contribution to the selection of species for introduction into the local Unified Health System. Rev Bras Farmacogn. 2014; 24(2):171-84. ISSN 0102-695X. [CrossRef].
  5. Luz M. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis: Rev Saúde Colet. 1997; 7(1): 13-43. ISSN 1809-4481. [CrossRef].
  6. Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS. Coleção Para Entender a Gestão do SUS. Brasília: CONASS; 2011. ISBN: 978-85-89545-63-1.
  7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos/ Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 190 p. ISBN 978-85-334-2399-2. [Link].
  8. Brandão MG, Cosenza GP, Grael CF, Netto Junior NL, Monte-Mór RL. Traditional uses of American plant species from the 1st edition of Brazilian Official Pharmacopoeia. Rev Bras Farmacogn. 2009; 19(2a):478-87. ISSN 1981-528X. [CrossRef].
  9. Brandão MGL, Cosenza GP, Stanislau AM, Fernandes GW. Influence of Brazilian herbal regulations on the use and conservation of native medicinal plants. Environ Monit Assess. 2009; 164:369-77. [CrossRef] [PubMed].
  10. Oliveira DR, Oliveira ACD, Marques LC. O estado regulatório dos fitoterápicos no Brasil: um paralelo entre a legislação e o mercado farmacêutico (1995–2015). Rev Visa Deb 2016; 4(4):139-48. ISSN 2317-269x. [CrossRef].
  11. Morosini MV, Fonseca AF. Configurações do Trabalho dos Agentes Comunitários na Atenção Primária à Saúde: entre normas e práticas. In: Mendonça MHM, Matta G, Gondim R, Giovanella L (Ed.). Atenção Primária à Saúde: conceitos, práticas e pesquisa. Rio de Janeiro: Fiocruz. 2018; ISBN: 978-85-7541-563-4.
  12. Brasil. Ministério da Integração Nacional. Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia-SUDAM. Diretoria de Planejamento e Articulação de Políticas. Coordenação - Geral de Elaboração e Avaliação dos Planos de Desenvolvimento- CGEAP. Plano Regional de Desenvolvimento da Amazônia (PRDA): 2016-2019. Belém: SUDAM; 2016. 151p. [Link].
  13. Shanley P, Rosa NA. Conhecimento em Erosão: Um Inventário Etnobotânico na Fronteira de Exploração da Amazônia Oriental. Bol Mus Paraen Emílio Goeldi. Série Ciências Naturais. 2005; 1(1): 147-71. [Link].
  14. Léda PHO. Etnobotânica Aplicada às Plantas Medicinais como Subsídio para a Introdução de Espécies Nativas do Bioma Amazônia no Sistema Único de Saúde de Oriximiná – Pará, Brasil. Tese de Doutorado [Programa de Pós-graduação em Biodiversidade e Biotecnologia – PGBIO]. Universidade Federal do Pará. Belém: Mus Paraen Emílio Goeldi. 2019. [Link].
  15. Pinto LN, Flor ASSO, Barbosa WLR. Fitoterapia popular na Amazônia Paraense: uma abordagem no município de Igarapé-Mirí, estado do Pará nos anos de 2000 e 2008. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2015; 35(2):305-11. ISSN 1808-4532. [Link].
  16. Ferreira LLC, Matos JL, Oliveira DR, Behrens M. Incentivo governamental para Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS. Rev Fitos, 2017; 11(Supl. 1): 54-61. [CrossRef].
  17. Rodrigues AG, Pereira AM, Simoni CD, Trajano MA, Santos MG, Morais P. Relatório de gestão 2006/2010 - Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. 2011; [Link].
  18. Ribeiro LHL. Análise dos Programas de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no Sistema Único de Saúde (SUS) sob a Perspectiva Territorial. Ciênc Saúde Coletiva. 2017; 24(5): 1733-1742. ISSN 1678-4561. [CrossRef].
  19. Brasil. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. @cidades. [online] 2017. [Link].
  20. Léda PHO, Souza MD, Nunes SRB, Scher IS, Pires JO, Araújo JS. Agentes Comunitários de Saúde e plantas medicinais: etnobotânica na análise de remédios caseiros para introdução na atenção básica em Oriximiná – Pará, Brasil. In: Ferla AA, Schweickardt KHSC, Schweickardt JC, Gai DN (Ed.). Atenção básica e formação profissional em saúde: inovações na Amazônia. Porto Alegre: Rede Unida; 2019. ISBN: 978-85-54329-17-4. [CrossRef] [Link].
  21. Backes DS, Colomé JS, Erdmann RH, Lunardi VL. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. Mundo Saúde. 2011; 35(4): 438. [Link].
  22. Léda PHO, Oliveira DR, Coelho-Ferreira MR. Etnobotânica Aplicada ao Sistema Único de Saúde (SUS) como Método de Seleção de Espécies Nativas de Uso Tradicional do Bioma Amazônia: O Caso de Oriximiná-Pará, Brasil. In: Neto C, Andrade E, Ruivo MdL, editors. Avanços nos Estudos da Biodiversidade e Biotecnologia na Amazônia. Belém: Universidade Federal Rural da Amazônia, Universidade Federal do Pará, Mus Paraen Emílio Goeldi. 2020. No prelo.
  23. Albuquerque UP, Lucena RFP, Alencar NL. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. In: Albuquerque UP, Lucena RFP (eds.). Métodos e técnicas para coleta de dados etnobiológicos. Recife: NUPEEA/Livro Rápido. 2010; p. 39-64. ISBN 978-85-63756-01-5
  24. Chase MW, Christenhusz M, Fay M, Byng J, Judd WS, Soltis D. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Bot J Linn Soc. 2016; 181(1):1-20. ISSN 1095-8339. [CrossRef].
  25. Brasil. Flora do Brasil 2020 em construção. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro-IPJBRJ. Rio de Janeiro. 2017. [Link].
  26. WHO. Relatório da Conferência internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. Brasil: UNICEF. 1979; ISSN 1020-3311.
  27. Brasil. Departamento Nacional de Saúde Pública. Pharmacopeia Brasileira. Decreto nº 17.509, de 4 de novembro de 1926. Adopta, como código pharmaceutico brasileiro, a Pharmacopeia Brasileira, elaborada pelo pharmaceutico Rodolpho Albino Dias da Silva. Rio de Janeiro: Brasil; 1926. [Link].
  28. Brasil. ANVISA Farmacopeia dos Estados Unidos do Brasil. 2ª Edição. Decreto 45.502 de 27 de fevereiro de 1959. Aprova a 2ª Edição da Farmacopeia Brasileira. São Paulo: Indústria Gráfica Siqueira, 1959. [Link].
  29. Brasil. ANVISA. Farmacopeia Brasileira. 3ª Edição. Revista e complementada pela Portaria Ministerial nº 383/1977. São Paulo: Organização Andrei Editora S.A., 1977. [Link].
  30. Brasil. ANVISA. Farmacopeia Brasileira 4ª Edição. Portaria nº 175, republicada em 19 de junho 1996. Parte II. São Paulo: Atheneu Editora, 1996. [Link].
  31. Brasil. ANVISA. Farmacopeia Brasileira. 5ª Edição, volume 2. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 49, de 23 de novembro de 2010. Brasília: ANVISA; 2010. [Link].
  32. Brasil. ANVISA. Farmacopeia Brasileira. 6ª edição. Volume II – Monografias Plantas Medicinais. RDC nº 298, de 12 de agosto de 2019 - dispõe sobre a aprovação da Farmacopeia Brasileira. Brasília: ANVISA; 2019. [Link].
  33. Brasil. ANVISA. RDC nº 10, de 9 de março de 2010 - Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União nº 46, de 10 de março de 2010. [Link].
  34. Brasil. ANVISA. RDC Nº 26 de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos. Brasília: Diário Oficial União, 14 maio 2014. [Link].
  35. Brasil. Ministério da Saúde. A fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. [Link].
  36. World Health Organization - WHO. WHO monographs on selected medicinal plants - volume 1. Geneva: World Health Organization 1999. 297p. ISBN: 9241545178. [Link].
  37. World Health Organization - WHO. WHO monographs on selected medicinal plants - volume 2. Geneva: World Health Organization; 2002. 358p. ISBN: 9241545372. [Link].
  38. World Health Organization - WHO. WHO monographs on selected medicinal plants - volume 3. Geneva: World Health Organization 2007. 390p. ISBN: 9789241547024. [Link].
  39. World Health Organization - WHO. WHO monographs on selected medicinal plants - volume 4. Geneva: World Health Organization, 2009. 456p. ISBN: 9789241547055. [Link].
  40. Santos MG, Carvalho ACB. Plantas medicinais: saberes tradicionais e o sistema de saúde. In: Santos MG, Quinteiro M, editors. Saberes tradicionais e locais: reflexões etnobiológicas. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2018. ISBN: 978-85-7511-485-8.
  41. Brasil. ANVISA. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Brasília: ANVISA; 2011. 126p. [Link].
  42. Brasil. ANVISA. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira - Primeiro Suplemento. Brasília: 2018. 160p. [Link].
  43. Brasil. Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira. Brasília: ANVISA; 2016. 115p. [Link].
  44. Brasil. ANVISA. Instrução Normativa nº 4, de 18 de junho de 2014. Determina a publicação do Guia de orientação para registro de Medicamento Fitoterápico e registro e notificação de Produto Tradicional Fitoterápico. Brasília: ANVISA; 2014. 128p. [Link].
  45. Rosa LS, Silveira EL, Santos MM, Modesto RS, Perote JRS, Vieira TA. Os Quintais agroflorestais em áreas de agricultores familiares no município de Bragança-PA: composição florística, uso de espécies e divisão de trabalho familiar. Resumos do V Congresso Brasileiro de Agroecologia Guarapari, ES. Rev Bras Agro. 2007; 2(2):337-341. ISSN 1980-9735. [Link].
  46. Coelho-Ferreira M. Medicinal Knowledge and Plant Utilization in an Amazonian Coastal Community of Marudá, Pará State (Brazil). J Ethnopharmacol. 2009; 126(1):159-75. ISSN 0378-8741. [CrossRef] [PubMed].
  47. Martins WMO, Martins LMO, Paiva FS, Martins WJO, Júnior SFL. Agrobiodiversidade nos Quintais e Roçados Ribeirinhos na Comunidade Boca do Môa – Acre. Biotemas. UFSC. 2012; 25(3): 111-20. ISSN 2175-7925. [CrossRef].
  48. Siviero A, Delunardo TA, Haverroth M, Oliveira LC, Mendonça AMS. Plantas Medicinais em Quintais Urbanos de Rio Branco, Acre. Rev Bras Pl Med. 2012; 14(4): 598-610. ISSN 1516-0572. [CrossRef].
  49. Bieski IGC, Leonti M, Arnason JT, Ferrier J, Rapinski M, Violante IMP. Ethnobotanical study of medicinal plants by population of Valley of Juruena Region, Legal Amazon, Mato Grosso, Brazil. J Ethnopharmacol. 2015; 173: 383-423. ISSN 0378-8741. [CrossRef] [PubMed].
  50. Carneiro DB, Menezes MPM, Barboza MSL. Plantas nativas úteis na Vila dos Pescadores da Reserva Extrativista Marinha Caeté - Taperaçu, Pará, Brasil. Acta Bot Bras. 2010; 24(4): 1027-33. ISSN 0102-3306. [CrossRef].
  51. Cavalheiro L, Guarim-Neto G. Ethnobotany and regional knowledge: combining popular knowledge with the biotechnological potential of plants in the Aldeia Velha community, Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brazil. Bol Latinoam Caribe Plant Med Aromat. 2018; 17(2): 197-216. [Link].
  52. Monteiro MVB, Bevilaqua CML, Palha MDC, Braga RR, Schwanke K, Rodrigues ST. Ethnoveterinary knowledge of the inhabitants of Marajó Island, Eastern Amazonia, Brazil. Acta Amaz. 2011; 41: 233-42. ISSN 0044-5967. [CrossRef].
  53. Pereira ZV, Mussury RM, Almeida AB, Sangalli A. Medicinal plants used by Ponta Porã community, Mato Grosso do Sul state. Acta Sci Biol Sci. 2009; 31(3): 293-9. ISSN 1807-863x. [CrossRef].
  54. Ritter RA, Monteiro MVB, Monteiro FOB, Rodrigues ST, Soares ML, Silva JCR. Ethnoveterinary knowledge and practices at Colares island, Pará state, eastern Amazon, Brazil. J Ethnopharmacol. 2012; 144(2): 346-52. ISSN 0378-8741. [CrossRef] [PubMed].
  55. Santos MRA, Lima MR, Oliveira CLLG. Medicinal plants used in Rondônia, Western Amazon, Brazil. Rev Bras Plantas Med. 2014; 16: 707-20. ISSN 1516-0572. [CrossRef].
  56. Vásquez SPF, Mendonça M, Noda SN. Etnobotânica de Plantas Medicinais em Comunidades Ribeirinhas do Município de Manacapuru, Amazonas, Brasil. Acta Amaz. 2014; 44(4):457-72. ISSN 0044-5967. [CrossRef].
  57. Amorozo MCM, Gély A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo Amazonas Barcarena, PA, Brasil. Mus Paraen Emílio Goeldi. 1988; 4(1):47-131. [Link].
  58. Ribeiro RV, Bieski IGC, Balogun SO, Martins DTO. Ethnobotanical study of medicinal plants used by Ribeirinhos in the North Araguaia microregion, Mato Grosso, Brazil. J Ethnopharmacol. 2017; 205:69-102. ISSN 0378-8741. [CrossRef].
  59. Costa IBC, Bonfim FPG, Pasa MC, Montero DAV. Ethnobotanical survey of medicinal flora in the rural community Rio dos Couros, state of Mato Grosso, Brazil. Bol Latinoam Caribe Plant Med Aromat. 2017; 16(1). ISSN 0717-7917. [Link].
  60. Palheta IC, Tavares-Martins ACC, Lucas FCA, Jardim MAG. Ethnobotanical study of medicinal plants in urban home gardens in the city of Abaetetuba, Pará state, Brazil. Bol Latinoam Caribe Plant Med Aromat. 2017; 16(3): 206-62. ISSN 0717-7917. [Link].
  61. Pedrollo CT, Kinupp VF, Shepard G, Heinrich M. Medicinal plants at Rio Jauaperi, Brazilian Amazon: Ethnobotanical survey and environmental conservation. J Ethnopharmacol. 2016; 186: 111-24. ISSN 0378-8741. [CrossRef] [PubMed].
  62. Vieira LS, Sousa RS, Lemos JR. Plantas medicinais conhecidas por especialistas locais de uma comunidade rural maranhense. Rev Bras Plantas Med. 2015; 17(4) Supl. 3: 1061-8. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  63. Santos J, Pagani E, Ramos J, Rodrigues E. Observations on the therapeutic practices of riverine communities of the Unini River, AM, Brazil. J Ethnopharmacol. 2012; 142: 503–15. [CrossRef].
  64. Branch LC, Silva MF. Folk medicine of Alter do Chão, Pará, Brasil. Acta Amaz. 1983; 13(5-6): 737-97. ISSN 1809-4392. [CrossRef].
  65. Oliveira DR. Bioprospecção de Espécies Vegetais do Conhecimento Tradicional Associado ao Patrimônio Genético em Comunidades Quilombolas de Oriximiná-PA. 303p. 2009. Tese de Doutorado. Núcleo de Pesquisas em Produtos Naturais, Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2009.
  66. Breitbach UB, Niehues M, Lopes NP, Faria JE, Brandão MG. Amazonian Brazilian medicinal plants described by CFP von Martius in the 19th century. J Ethnopharmacol. 2013; 147(1): 180-9. ISSN 0378-8741. [CrossRef].
  67. Amorozo MCM. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT. Brasil. Acta Bot Bras. 2002; 16: 189-203. ISSN 1677-941X. [CrossRef].
  68. Stasi LCD, Hiruma-Lima CA, Guimarães E, Santos CM. Medicinal Plants popularly used in brazilian Amazon. Fitoterapia. 1994; 65(6): 529-40. ISSN 0367326X.
  69. Carniello MA, Silva RS, Cruz MAB, Guarim-Neto G. Quintais urbanos de Mirassol D'Oeste-MT, Brasil: uma abordagem etnobotânica. Acta Amaz. 2010; 40: 451-70. ISSN 0044-5967. [CrossRef].
  70. Santos MRA, Lima MR, Ferreira MGR. Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia. Hortic Bras. 2008; 26: 244-50. ISSN 1806-9991. [CrossRef].
  71. Leão RBA, Coelho-Ferreira MR, Jardim MAG. Levantamento de plantas de uso terapêutico no município de Santa Bárbara do Pará, Estado do Pará, Brasil. Rev Bras Farm. 2007; 88(1): 21-5. [Link].
  72. Roman ALC, Santos JUM. A Importância das Plantas Medicinais para a Comunidade Pesqueira de Algodoal. Mus Paraen Emílio Goeldi. 2006; 1(1): 69-80. ISSN 1981-8114. [Link].
  73. Rodrigues E. Plants and animals utilized as medicines in the Jaú National Park (JNP), Brazilian Amazon. Phytother Res. 2006; 20(5):378-91. [CrossRef] [PubMed].
  74. Arumugam G, Swamy M, Sinniah U. Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng: botanical, phytochemical, pharmacological and nutritional significance. Molecules. 2016; 21(4): 369. [CrossRef] [PubMed].
  75. Pattewar SV. Kalanchoe pinnata: phytochemical and pharmacological profile. Int J Pharm Sci Res. 2012; 3(4): 993. [CrossRef].
  76. Alencar NL, Medeiros P, Medeiros MFT. Medicinal plants prescribed in the hospital of the São Bento Monastery between 1823 and 1824 in Olinda–Northeastern Brazil. The Open Complem Med J. 2010; 2: 74-9. ISSN 1876-391X. [CrossRef].
  77. Negrelle R, Gomes E. Cymbopogon citratus (DC.) Stapf: chemical composition and biological activities. Rev Bras Plantas Med. 2007; 9(1): 80-92. [Link].
  78. Asgarpanah J, Khoshkam R. Phytochemistry and pharmacological properties of Ruta graveolens L. J Med Plant Res. 2012; 6(23): 3942-9. [CrossRef].
  79. Hurrell JA. Dysphania ambrosioides (L.) Mosyakin & Clemants. Medicinal and Aromatic Plants of South America. Springer. 2018; 5: 197-209. ISSN 978-94-024-15506.
  80. Dean W. A botânica e a política imperial: a introdução e a domesticação de plantas no Brasil. Rev Est Hist. 1991; 4(8): 216-28. [Link].
  81. Rice LJ, Brits GJ, Potgieter CJ, Van Staden J. Plectranthus: A plant for the future? S Afr J Bot. 2011; 77(4):947-59. ISSN 0254-6299. [CrossRef].
  82. Pandey A, Pradheep K, Sharma N. Potential introduced medicinal plant African bitter leaf (Vernonia amygdalina Delile) in India: botany, propagation and uses. Med Plants - Inter J Phytomed Rel Ind. 2014; 6(4): 1-5. ISSN 0975-6892. [CrossRef].
  83. Castellucci S, Lima MI, Nordi N, Marques JG. Plantas medicinais relatadas pela comunidade residente na Estação Ecológica de Jataí, município de Luís Antônio/SP: uma abordagem etnobotânica. Rev Bras Plantas Med. 2000; 3(1): 51-60.[Link].
  84. Pinto EPP, Amorozo MCM, Furlan A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica-Itacaré, BA, Brasil. Acta Bot Bras. 2006; 20(4): 751-62. ISSN 1677-941X. [CrossRef].
  85. Brandão MGL, Cosenza GP, Pereira FL, Vasconcelos AS, Fagg CW. Changes in the trade in native medicinal plants in Brazilian public markets. Environ Monit Assess. 2013; 185(8): 7013-23. [CrossRef].
  86. Oliveira HV. Systema de Materia Medica Vegetal Brasileira Contendo o Catalago e Classificação de todas as plantas brasileira conhecidas. Rio de Janeiro: Eduardo & Henrique Laemmert; 1854.
  87. Santos-Fonseca DJ, Coelho-Ferreira M, Fonseca-Kruel VS. Useful plants referenced by the naturalist Richard Spruce in the 19th century in the state of Pará, Brazil. Acta Bot Bras. 2019; 33(2): 221-231. ISSN 1677-941X. [CrossRef].
  88. Crellin JK. 'Traditional use' claims for herbs: the need for competent historical research. Pharm Hist. 2008; 38(3): 34-40. [PubMed].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2020 Revista Fitos