A Conservação de Exsicatas em Herbários: Contribuição ao Manejo e Preservação

Monteiro, S S;
Siani, , A. C.

S. S. Monteiro

Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz, NGBS/Far-Manguinhos/Fiocruz, Rua Comandante Guaranys 447, Jacarepaguá, 22775-610 Rio de Janeiro, RJ, Brasil

A. C. Siani

Departamento de Produtos Naturais, Instituto de Tecnologia em Fármacos, Fundação Oswaldo Cruz, Far-Manguinhos/Fiocruz, Rua Sizenando Nabuco 100, Manguinhos, 21041-250 Rio de Janeiro, RJ, Brasil


Palavras-chave

Herbário
Conservação de Exsicatas
Plantas Medicinais
Fitomedicamento
Herbarium
Exsiccates Conservation
Medicinal Plants
Phytomedicine

Resumo

Este artigo é parte do estudo apresentado pelo autor Sérgio S. Monteiro como monografia de conclusão do Curso de Especialização em Gestão da Inovação em Fitomedicamentos do NGBS/Coordenação de Estudos de Far-Manguinhos.

A presente proposta desenvolve um estudo sobre os procedimentos de preservação e conservação de exsicatas em herbários, mapeando os pontos críticos suscetíveis à contaminação pelos agentes daninhos; principalmente os insetos xilófagos. Os métodos de controle de pragas, principalmente os controles químicos por repelentes, fungicidas e defensivos em geral, foram compilados na literatura. Paralelamente, um questionário dirigido foi elaborado e aplicado às curadorias de seis herbários nacionais com o objetivo de verificar os principais procedimentos rotineiros utilizados em cada etapa, desde o ato da coleta até os diversos estágios de montagem das exsicatas para posterior inclusão do material botânico no acervo. Como resultado, foi construído um fluxograma resumindo a seqüência das atividades envolvidas neste manejo onde foram pontuados os pontos críticos que exigem cuidados relacionados à desinfestação, visando conservar adequadamente o material vegetal. As principais técnicas empregadas na desinfestação são: a utilização de repelentes químicos de rotina (naftalina, cânfora, benzeno e outros materiais), técnicas de prevenção (resfriamento prévio ou oportuno e isolamento do material botânico) e a fumigação química periódica com produtos à base de fosfina ou dedetização ocasional. Conclui-se que a consistência e o rigor nos procedimentos vistos como parâmetros de qualidade nos processos administrativos, são fundamentais para a preservação e conservação dos acervos nos herbários. Isso minimiza a necessidade de tratamentos químicos e, portanto, os efeitos deletérios à saúde dos funcionários, usuários e ao ambiente, causados pela fumigação periódica. Por outro lado, contribui também para a diminuição nos custos envolvidos com o processo de desinfestação. Assim, os resultados deste estudo aconselham a adoção de procedimentos padronizados no manejo do material botânico durante todo o processo (da coleta ao tombamento da exsicata); como uma ferramenta efetiva para a conservação dos acervos dos herbários.


Referências

  1. ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n°. 48 de 16 de março de 2004. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Brasília, 2004. Disponível em: <http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=10230>. Acesso em 24/08/2009.
  2. BRASIL: Casa Civil da Presidência da República (2001). Medida Provisória n°. 2.186, de 23 de Agosto de 2001. Regulamenta sobre a Convenção sobre Diversidade Biológica, dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado, a repartição de benefícios e o acesso à tecnologia e transferência de tecnologia para sua conservação e utilização, e dá outras providências. Art. 11, IV.2f. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/mpv/2186-16.htm>. Acesso em 19/08/2009.
  3. CARTER, R.; BRYSON, C. T.; DABYSHIRE, S.J. Preparation and Use of Voucher Specimens for Documenting Research in Weed Science. Weed Technology, v. 21, p. 1101-1108, 2007.
  4. CAVICCHIOLI-FILHO, N.; CONTE, H. Ciclo de vida de Lasioderma serricorne (Fabricius, 1792) (Coleoptera; Anobiidae) em ração balanceada para animais sob condições de armazenamento. In: XI ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 2002. Universidade Estadual de Maringá, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, Maringá, PR. Disponível em: <http://www.ppg.uem.br/Docs/pes/eaic/XI_EAIC/trabalhos/arquivos/11-1142-0.pdf>. Acesso em 23/10/2008.
  5. CROAT, T.B. Survey of Herbarium Problems. Taxon, v. 27, n. 2/3, p. 203-218, 1978.
  6. DA CRUZ PAIXÃO, J. Organização de Herbários. Sociedade Brasileira de Agronômica vol.III, n.2 (junho), 9 pp. (avulso), 1940.
  7. FIDALGO, O.; BONONI, V.L.R. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico, São Paulo, Instituto de Botânica: 1989, 62 pp.
  8. FORMAN, L.; BRIDSON, D. The herbarium handbook. Great Britanic Kew: Royal Botanic Gardens, 1989, 334 pp.
  9. FUNK, V. 100 Uses For a Herbarium. US National Herbarium, 2003 (online). Disponível em: <http://www.virtualherbarium.org/vh/100UsesASPT.html> Acesso em 22/07/2009.
  10. HALL, A.V. Pest control in herbaria. Taxon, v. 37, p. 885-907, 1988.
  11. HICKS, A.J.; HICKS, P.M. A Selected Bibliography of Plant Collection and Herbarium Curation. Taxon, v. 27, n. 1, p. 63-69, 1978.
  12. HOLMGREN, P.K.; HOLMGREN, N.H.; BARNETT, L.C. Index Herbariorum Edition 8, Part I. The Herbaria of the World. Brittonia, v. 43, n.3, p. 135-210, 1991.
  13. HOLMGREN, P.; HOLMGREN, N. Index Herbariorum 1995-2003 (online). Disponível em: <http://sciweb.nybg.org/science2/IndexHerbariorum.asp>. Acesso em 22/07/2009.
  14. IBGE: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. In: VELOSO, H. P. e col. (org). Série Manuais Técnicos em Geociências – IBGE, vol. 1. Rio de Janeiro: IBGE, 1992, p. 55-76. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/ManuaisdeGeociencias/Manual%20Tecnico%20da%20Vegetacao%20Brasileira%20n.1.pdf>. Acesso em agosto de 2009.
  15. LONGHI-WAGNER, H.M.A. Importância do Herbário para a Pesquisa Botânica. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HERBÁRIOS, FEPAGRO, 1998, Porto Alegre (Nov 1997), Anais do Encontro. Porto Alegre: FEPAGRO, v.1, p. 28-29.
  16. MAMEDE, M.C.H.A. Informática na Sistematização dos Herbários. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HERBÁRIOS, FEPAGRO, 1998, Porto Alegre (Nov 1997), Anais do Encontro. Porto Alegre: FEPAGRO, v.1, p. 21-22.
  17. MACHADO, R.M.; COUTINHO, E. Conservação do Acervo da Biblioteca de Manguinhos – Fiocruz: Desinfestação de Brocas. Encontros Bibli, 2º Semestre, n. 16, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil, p. 61-70, 2003.
  18. MEDELLÍN-LEAL, F. Orígenes, desarrollo histórico y estado actual los herbarios en el mundo. Boletin de la Sociedad Botanica de México, v. 34, p. 3-26, 1975.
  19. MORI, S. A.; MATTOS-SILVA, L. A.; Lisboa , G.; Coradin , L. Manual de manejo do herbário fanerógamo. Ilhéus: Herbário do Centro de Pesquisas do Cacau, 1985, p. 1-45.
  20. PETROBRÁS: Programa Petrobrás Cultural. Conservação do acervo da Biblioteca Barbosa Rodrigues do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Projeto aprovado na Preservação e Memória e Produção e Difusão (Cinema e Música), Edital 2006. Disponível em: <http://www.revistamuseu.com.br/emfoco/emfoco.asp?id=9582>. Acesso em 19/08/2009.
  21. PRONOL/FEEMA: Comissão Permanente de Normalização Técnica. Estruturação de um herbário. Documento Confidencial (em elaboração). Rio de Janeiro: FEEMA, 2009, RT-1119, R-3.
  22. RESENDE, M.L.F., GUIMARÃES, L.L. Inventários da Biodiversidade do Bioma Cerrado: Biogeografia de Plantas. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, 2007. Disponível em: . Acesso em 04/08/2009.
  23. SCHÄFER, S. Associação Brasileira de Encadernação e Restauro (ABER): Desinfestação Anóxia, Jornal ‘O Tempo’, São Paulo: 05 jun. 2009. Disponível em: . Acesso em 22/07/2009.
  24. SCHÖNWALD, C.; AFONSO, A.D.L. Utilização do biogás como fonte de dióxido de carbono para controle de pragas em grãos armazenados. XI ENCONTRO ANUAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEM, 2002, Maringá.
  25. SIANI, A.C. (coord.) Desenvolvimento Tecnológico de Fitoterápicos: Plataforma Metodológica. Rio de Janeiro: Scriptorio, 2003, 99 pp.
  26. SOUZA-AGUIAR, R.W., SARMENTO, R.A.; VIEIRA, S.M. ; DIDONET, J. Controle de pragas de grãos armazenados utilizando atmosfera modificada. Bioscience Journal (UFU), v. 20, n. 1, p. 21-27, 2004.
  27. UFH: University of Florida Herbarium. Herbaria and Herbarium Specimens. 2009 (online). Disponível em: <http://www.flmnh.ufl.edu/herbarium/herbariaandspecimens.htm>. Acesso em 23/07/2009.
  28. UNESCO/HT: Humid Tropic Research Programme. UNESCO/NS/HT/109. Advisory Committee for Humid Tropics Research. Honolulu: Bernice P. Bishop Museum, 1961. Disponível em: <http://unesco.unesco.org/images/0015/001532/153275eb.pdfAcesso em 16/07/2009.
  29. VALLS, J.F.M. Os Herbários e seu Papel nas Instituições de Pesquisa e Ensino. In: ENCONTRO ESTADUAL DE HERBÁRIOS, FEPAGRO, Porto Alegre (Nov 1997), Anais do Encontro. Porto Alegre: FEPAGRO, v.1, p. 17-20, 1998.
  30. VIEIRA, A.O.S. Coordenação da Rede Brasileira de Herbários SBB: Fiéis depositários / Index Herbariorum (online). Disponível em: <http://www8.ufrgs.br/taxonomia/herbarios.asp?letra=r>. Acesso em 22/07/2009.
  31. WOMERSLEY, J.S. Plant Collecting and Herbarium Development – a Manual. In: FAO Plant Production and Protection Paper, v. 33. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 1981, 137 pp.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)