Comparação dos conhecimentos entre agentes comunitários de saúde de zonas rurais e urbanas sobre o tratamento com plantas medicinais

Nascimento-Junior, B J d;
Souza, E R d;
Vital, E A;
Lopes, K A;
Silva, D C M;
Gonçalves, R K S;
Souto, L B;
Vieira, , D. D.

Braz José do Nascimento-Junior

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UFVASF), Colegiado Acadêmico de Ciências Farmacêuticas. Avenida José de Sá Maniçoba, Centro, CEP 56304-205, Petrolina, PE, Brasil

Possui graduação em Odontologia pela Universidade de Pernambuco - Faculdade de Odontologia de Pernambuco FOP - UPE (2000). Especialização em Saúde da Família pela Faculdade de Ciências Médicas - Universidade de Pernambuco FCM - UPE (2004). Mestrado em Bioquímica e Fisiologia pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE (2006). Doutorado em Ciências Farmacêuticas pela UFPE (2017). Atualmente é Professor adjunto da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) e ministra as disciplinas de Morfologia e Fisiologia. Já atuou como Cirurgião Dentista da Estratégia de Saúde da Família nas cidades de Recife (PE) (2001), Moreno (PE)(2002-2003), Juazeiro (BA)(2006-2007) e Petrolina (PE)(2008-2010). Foi coordenador municipal de Saúde Bucal no município de Moreno (PE)(2003). Atuou como Preceptor de grupo PET Saúde Mental (2009); Foi Tutor e Preceptor de grupo PET- Saúde Assistência Farmacêutica na cidade de Petrolina pela UNIVASF(2010-2012). Atuou como revisor de Apostilas de EaD, Universidade Aberta do Brasil (Petrolina)(2013). Fez parte do Conselho Municipal de Saúde de Juazeiro da Bahia (2015-2017). Faz parte do Comitê de Ética em Estudos e Pesquisas da UNIVASF. Tem experiência nas áreas de: Morfologia, Bioquímica, Fisiologia, Plantas Medicinais, Fitoterapia, Odontologia, Saúde da Família, Educação em Saúde, Câncer, Mucosite Oral e Modelos de Lesões bucais em ratos Wistar.

Ellen Rodrigues de Souza

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado de Farmácia (CFARM). Grupo de estudos em plantas medicinais e atividades lúdicas na educação em saúde (GEPALES VALE). Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro, CEP 56304-205, Petrolina, PE, Brasil.

Graduando Farmácia na UNIVASF- Universidade Federal do Vale do São Francisco.

Eliúde Antunes Vital

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado de Farmácia (CFARM). Grupo de estudos em plantas medicinais e atividades lúdicas na educação em saúde (GEPALES VALE). Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro, CEP 56304-205, Petrolina, PE, Brasil.

Karina Araújo Lopes

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado de Farmácia (CFARM). Grupo de estudos em plantas medicinais e atividades lúdicas na educação em saúde (GEPALES VALE). Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro, CEP 56304-205, Petrolina, PE, Brasil.

Graduanda do curso de Farmácia na Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf).

Dayse Caroline Mota Silva

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado de Farmácia (CFARM). Grupo de estudos em plantas medicinais e atividades lúdicas na educação em saúde (GEPALES VALE). Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro, CEP 56304-205, Petrolina, PE, Brasil.

Graduanda em Farmácia da Universidade Federal do Vale do São Francisco, cuja a graduação iniciou-se em 2016.1

Rosy Kátia Souza Gonçalves

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado do Programa de Mestrado em Extensão Rural (PPGExR). Espaço Plural - Rodovia BA 210, Km 04, Rodovia Juazeiro / Sobradinho, Bairro Malhada da Areia, Juazeiro, Bahia, Brasil

Possui graduação em EDUCAÇÃO FÍSICA pela FACULDADE MONTENEGRO (2013) e graduação em Comunicação Social pela Universidade Estadual da Paraíba (2007). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Comunicação Popular, atuando principalmente nos seguintes temas: politicas públicas para as mulheres, crime cibernético, produção agroecológica, sementes crioulas e violência contra a mulher.

Lidione Brito Souto

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado do Programa de Pós-graduação - Mestrado em Extensão Rural (PPGExR). Espaço Plural - Rodovia BA 210, Km 04, Rodovia Juazeiro / Sobradinho, Bairro Malhada da Areia, Juazeiro, Bahia, Brasil

Denes Dantas Vieira

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado do Programa de Pós-graduação - Mestrado em Extensão Rural (PPGExR). Espaço Plural - Rodovia BA 210, Km 04, Rodovia Juazeiro / Sobradinho, Bairro Malhada da Areia, Juazeiro, Bahia, Brasil

Graduado em Ciências Sociais com Bacharelado e Licenciatura em Sociologia (2003), Mestre em Ciências Sociais (2007), e Doutor em Ciências Sociais (2013) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN. Atualmente é professor do Colegiado de Ciências Sociais da Universidade Federal do Vale do São Francisco, onde também é membro do Programa de Pós-Graduação, Doutorado, em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial, do Programa de Pós- Graduação em Ensino de Sociologia, e, Professor e Coordenador do Programa de Pós- Graduação em Extensão Rural/PPGExR - Univasf. Tem desenvolvido pesquisa,ensino,extensão e orientações, principalmente, nos seguintes temas: Sociologia Rural com foco nas novas ruralidades, Agroecologia e produção orgânica, agricultura familiar, Extensão rural, políticas públicas de Desenvolvimento Rural e a teoria do sociólogo Pierre Bourdieu. Integrante do Grupo de Pesquisa e Extensão Sertão Agroecológico/UNIVASF.


Palavras-chave

Fitoterapia
Plantas Medicinais
Agentes comunitários de saúde
Medicina alternativa e complementar
Phytotherapy
Community health agents
Alternative and complementary medicine
Medicinal plants

Resumo

Entre as diretrizes da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos – PNPMF encontram-se a formação técnico-científica e a educação permanente dos agentes comunitários de saúde. Os profissionais que atuam em comunidades rurais, detentoras de conhecimentos tradicionais, tendem a utilizar essas práticas alternativas mais intensamente. O objetivo desse artigo foi comparar os conhecimentos, conhecer as indicações e utilizações das plantas medicinais por agentes de saúde de zonas rurais e urbanas da cidade de Petrolina, Pernambuco. Trata-se de um estudo transversal e descritivo, no qual participaram 84 agentes de saúde de zonas rurais e urbanas do município. Foram realizadas entrevistas individuais com utilização de um questionário semiestruturado. Os resultados mostraram que os agentes atuantes em áreas rurais indicavam e usavam as plantas medicinais com mais frequência. As plantas medicinais mais citadas pelos participantes foram Lippia alba (Mill.) N.E.Br. Ex Britton & P. Wilson (erva cidreira); Cymbopogon citratus (D.C.) Stapf (capim santo), Matricaria chamomilla (L.) Rauschert (camomila) e Plectranthus barbatus Andrews (falso-boldo). Conclui-se que apesar da utilização frequente das plantas medicinais, os profissionais pesquisados necessitavam de capacitação em fitoterapia para o uso racional e seguro e como forma alternativa de tratamento.


Referências

  1. Lisboa MS, Pinto AS, Barreto PA, Ramos YJ, Silva MQOR, Caputo MC et al. Estudo Etnobotânico em Comunidade Quilombola Salamina/Putumujú em Maragogipe, Bahia. Rev Fitos. Rio de Janeiro. 2017; 11(1): 48-61. ISSN 2446-4775. [Link].
  2. Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Contributions of medicinal plants to care and health promotion in primary healthcare. Interface. Botucatu, jul./set. 2013; 17(46): 615-33. ISSN 1807-5762. [CrossRef] [Link].
  3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – 2ª ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 96p. ISBN 978-85-334-2146-2. [Link]. Acesso em: 19 jul. 2020.
  4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 190p. Disponível em: [Link]. Acesso em: 19 jul. 2020.
  5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde – 1ª ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 73p. ISBN 978-85-334-2649-8. [Link]. Acesso em: 19 jul. 2020.
  6. Araujo, MRN, Assunção RS. A atuação do agente comunitário de saúde na promoção da saúde e na prevenção de doenças. Rev Bras Enferm. Brasília, 2004; 57(1): 19-25. ISSN 1984-0446. [CrossRef] [Link].
  7. Brasil. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Departamento de Apoio Técnico e Educação Permanente. Comissão Assessora de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, 2019. 4ª ed. 86 p. ISBN 978-85-9533-023-8 [Link]. Acesso em: 19 jul. 2020.
  8. Nascimento-Júnior BJ, Almeida TS, Sousa RMG, Santos AMT, Souza AT, Santos EO et al. Uso de Plantas Medicinais no Tratamento da Estomatite Aftosa Recorrente na Cidade de Petrolina-PE. Rev Cereus. 2015; 7(3): 19-37. ISSN 2175-7275. [CrossRef] [Link].
  9. Nascimento-Júnior BJ, Tínel LO, Silva ES, Rodrigues LA, Freitas TON, Nunes XP et al. Avaliação do conhecimento e percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família sobre o uso de plantas medicinais e fitoterapia em Petrolina-PE, Brasil. Rev Bras Pl Med. 2016; 18(1): 57-66. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  10. Lima CA, Santos AMVS, Messias RB, Costa F. M, Barbosa DA, Silva OCSO, Pinho L, Brito MFSF. Práticas Integrativas e Complementares: Utilização por Agentes Comunitários de Saúde no Autocuidado. Rev Bras Enferm. 2018; 71(supl.6): 2842-2848. ISSN 1984-0446. [Link].
  11. Menezes VA, Anjos AGP, Pereira MRD, Leite AF, Granville-Garcia AF. Terapêutica com Plantas Medicinais: Percepção de Profissionais da Estratégia de Saúde da Família de um Município do Agreste Pernambucano. Rev Odonto. Universidade Metodista de São Paulo. 2012; 20(39): 111-122. ISSN 2176-1000. [Link].
  12. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº 466/2012. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde; 2012. Disponível em: [Link]. Acesso em: 20 jul. 2020.
  13. Carneiro VPP, Gumy MP, Otenio JK, Bortoloti DS, Castro TE, Lourenço ELB et al. Perfil dos Agentes Comunitários de Saúde de um Município do Estado do Paraná e sua Relação com Plantas Medicinais. Braz J Develop. Curitiba. jan. 2020; 6(1): 2902- 2918. ISSN 2525-8761. [CrossRef] [Link].
  14. Matsuchita HLP, Matsuchita ASP. A Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública. Uniciências. 2015; 19(1): 86-92. ISSN 1415-5141. [Link].
  15. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). RDC nº 26, de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 de maio de 2014. [Link]. Acesso em: 20 jul. 2020.
  16. Brasil. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Departamento de Apoio Técnico e Educação Permanente. Comissão Assessora de Homeopatia. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, 2019. 3ª edição. ISBN 978-85-9533-027-6. [Link]. Acesso em: 21 jul. 2020.
  17. Brasil. Conselho Federal de Farmácia. Resolução n° 546, de 21 de julho de 2011. Dispõe sobre a indicação farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos isentos de prescrição e o seu registro. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jul. 2011. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 jul. 2020.
  18. CFO. Conselho Federal de Odontologia. Resolução CFO-82 de 25 de setembro 2008. Reconhece e regulamenta o uso pelo cirurgião-dentista de práticas integrativas e complementares à saúde bucal. Rio de Janeiro; 2008. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 jul. 2020.
  19. Santos MRG, Rezende MA. Prescrição de fitoterápicos na atenção primária de saúde no Brasil e a contribuição do memento fitoterápico aos profissionais prescritores. Rev Fitos. Rio de Janeiro. 2019; 13(4): 299-313. ISSN 2446-4775. [CrossRef].
  20. Alencar BR, Pires GB, Santos EC, Alencar TOS. Conhecimento dos agentes comunitários de saúde de um município baiano sobre plantas medicinais. Extensio: Rev Elet Extensão. UFSC. Florianópolis, 16(34): 66-84, 2019. ISSN 1807-0221. [CrossRef] [Link].
  21. Schiavo M, Schwambach KH, Colet CF. Conhecimento sobre plantas medicinais e fitoterápicos de agentes comunitários de saúde de Ijuí/RS. Rev Pesq Cuidado Fund. [Online]. UFRJ. jan./mar. 2017; 9(1): 57-63. ISSN 2175-5361. [CrossRef].
  22. Pereira AVG, Albiero ALM. A valorização da utilização de plantas medicinais na atenção básica: oficinas de aprendizagem. Arq MUDI. 2015. 19(2-3): 23-42. ISSN 1980-959X. [Link].
  23. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 156p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica; nº 31) ISBN: 978-85-334-1912-4. [Link].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2019 Revista Fitos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.