Uso domiciliar de plantas medicinais por usuários dos serviços das Unidades Básicas de Saúde do município de Toledo, Paraná

Alencar, Q H O;
Oliveira, D K;
Santos, M B d;
Manetti, C L;
Guevara, F M;
Florência, G R M;
Silva, A D d;
Buzin, G;
Souza, L P d;
Souza, I D S d;
Andrade, S M;
Ruths, J C;
Teixeira, , K. N.

Queren Hapuque Oliveira Alencar

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Acadêmica de Medicina na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Dagna Karen Oliveira

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Possui Graduação em Enfermagem (2010) pela Faculdades Pequeno Príncipe (FPP) e Especialização em Controle de Infecção Hospitalar (2015) pela AVM Faculdades Integradas. Atualmente cursa Medicina pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Campus Toledo (início em 2017), onde participou dos projetos de extensão intitulados de Promoção da saúde na educação infantil (PROSEI): estimulando a alimentação saudável e boas práticas de higiene (2019); Plantas Medicinais: Eu conheço o que estou usando? (2019); Participa da Liga Acadêmica de Pediatria (Presidente da Diretoria), do Projeto de Pesquisa de Iniciação Científica com o título de Estudo do potencial anti-inflamatório e da cicatrização do extrato aquoso de Leonurus sibirius L. em modelo animal e do Projeto de Pesquisa de Iniciação Científica intitulado Reflexos da pandemia da COVID-19 na saúde mental dos escolares.

Mauricio Bedim dos Santos

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Possui graduação em Estatística pela Universidade Estadual de Maringá (2005) e mestrado em Biometria pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2010). Atualmente é estatístico da Statconsult Consultoria e professor na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Bioestatística, atuando principalmente nos seguintes temas: bioequivalência, delineamento de experimentos e análise de dados da área de saúde.

Camila Lopes Manetti

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Possui ensino-medio-segundo-graupelo Colégio e Curso Drummond(2012). Atualmente é da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Medicina.

Fernanda Morinigo Guevara

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Ensino médio pela Escola Franciscana Imaculada Conceição (2015). Tem experiência na área de Medicina.

Gabriela Rodrigues Moreira Florência

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Aline Daniel da Silva

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Acadêmica de Medicina pela Universidade Federal do Paraná, Campus Toledo, atualmente no 5º período. Participou dos projetos de extensão tendo como nome Promoção da Saúde na Educação Infantil (PROSEI): estimulando a alimentação saudável e boas práticas de higiene (2017-2018); Plantas Medicinais: eu conheço o que estou usando? (2017-2018). Foi monitora de Histologia (2018), pelo Programa de Iniciação a Docência. Atualmente participa da Liga Acadêmica de Cardiologia (LAC) e do Projeto de Iniciação Científica de título "Estudo do potencial anti-inflamatório e da cicatrização do extrato aquoso de Leonurus sibirius L. em modelo animal."

Gabrielle Buzin

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Ensino médio pelo Colégio Estadual Jose de Alencar (2014). Atualmente é da Universidade Federal do Paraná.

Luana Pacheco de Souza

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Ensino médio pela Escola Presbiteriana de Alta Floresta (2014). Atualmente é da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Medicina.

Isaque Donizett Silva de Souza

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Centro Acadêmico de Medicina. Rodovia PR 182, s/n Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Sonia Mara Andrade

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Coordenação do Curso de Medicina Toledo - CMEDT, Área Rural de Toledo, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil.

Mestre em saúde coletiva (FOP-UNICAMP, 2016). Pós graduada Lato sensu em: Enfermagem em UTI Neonatal e pediátrica (CENSUPEG, 2015) e Neuropsicologia (UNINTER, 2011). Graduada em Enfermagem (CESCAGE, 2009). Atualmente é docente do curso de medicina da UFPR - Campus Toledo. Foi docente do curso de Enfermagem da UEPG (2012-2016), Coordenadora do ambulatório do recém-nascido de risco e especialidades pediátricas no Município de Ponta Grossa/PR (2016), Gerente de enfermagem e responsável técnica do Hospital da Criança Prefeito João Vargas de Oliveira (2014-2016) onde participou como membro da comissão de controle de infecção hospitalar e da implantação do núcleo de segurança do paciente. Foi Enfermeira assistencial do Hospital Dr Amadeu Puppi (2011-2014), onde atuou nos setores: Emergência, UTI adulto e CCIH (2011-2014). Foi Sargento de Saúde do Exército Brasileiro em Ponta Grossa/PR (2009-2011). Linhas de pesquisa em: Saúde da criança, epidemiologia e saúde coletiva.

Jéssica Cristina Ruths

Universidade Federal do Paraná, campus Toledo. Setor de Ciências da Saúde, Saúde Coletiva. Rua Padre Camargo, n° 280/3º andar, Alto da Glória, CEP 80060-240, Curitiba, PR, Brasil.

Enfermeira, possui licenciatura e bacharelado pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialização em Saúde da Família, na modalidade Residência Multiprofissional, pela Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba e Faculdades Pequeno Príncipe e Especialização em Gestão da Informação e do Conhecimento, pela Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná (Unicentro). Mestre em Biociências e Saúde e Doutoranda em Desenvolvimento Regional e Agronegócio pela Unioeste. Atua como professora de Saúde Coletiva na Universidade Federal do Paraná.

Kádima Nayara Teixeira

Universidade Federal do Paraná (UFPR), campus Toledo, Coordenação do Curso de Medicina Toledo - CMEDT, Rodovia PR 182, S/N, Km 320/321, CEP 85919-899, Toledo, PR, Brasil. /Universidade Federal do Paraná, Setor Palotina. Pós-Graduação Multicêntrico em Bioquímica e Biologia Molecular (PMBqBM), Rua Pioneiro, 2153, Dallas, CEP 85950-000, Palotina, PR, Brasil.

Possui Graduação em Ciências biológicas (2003) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestrado (2005) e Doutorado (2010) em Bioquímica e Imunologia pela mesma instituição, onde desenvolveu projetos nas áreas de enzimologia e de vacinas recombinantes (clonagem molecular e ensaios imunológicos). Pós-doutorado com ênfase em imunologia aplicada e bacteriologia (Faculdade de Medicina - UFMG). Possui experiência na área de bioquímica de macromoléculas, atuando principalmente nas áreas de purificação e caracterização de proteínas nativas e recombinantes, biologia molecular, bioinformática, análises imunológicas, bioquímicas e farmacológicas de componentes fitoterápicos. Atualmente é professora adjunta da UFPR - Campus Toledo e professora do Programa de Pós-Graduação Multicêntrico em Bioquímica e Biologia Molecular (PMBqBM) do Setor Palotina - UFPR. 


Palavras-chave

Fitoterapia
Perfil epidemiológico
Unidades Básicas de Saúde
Gestantes. Fitoterapia. Fins terapêuticos. Contraindicações.
Phytotherapy
Epidemiological profile
Basic Health Units
Therapeutic purposes

Resumo

O uso empírico das plantas medicinais é uma prática mundialmente disseminada, cuja finalidade baseia-se no alívio/cura de algumas enfermidades. Objetivou-se caracterizar o perfil epidemiológico do uso domiciliar dessas plantas, pelos usuários de sete Unidades Básicas de Saúde com equipe Estratégia Saúde da Família, no município de Toledo/Paraná. Para tanto, foi aplicado um questionário a 324 pessoas. A análise dos dados mostrou que 89,50% dos entrevistados faziam uso de plantas medicinais, destes, 91,38% do sexo feminino, 42% com idade entre 21 e 40 anos, 30% sem concluir o ensino fundamental e 45,48% com renda per capita entre 01 a 03 salários mínimos. As folhas foram as partes das plantas mais utilizadas (45,10%), o modo de preparo predominante foi o chá em infusão (30,86%) e 83,64% tiveram o conhecimento de utilização das plantas repassado por familiares. Foram registradas 1.082 citações de 120 espécies de plantas, 50% destas não possuem registro na Denominação Comum Brasileira da Agência de Vigilância Sanitária; entre elas encontram-se espécies cujo conhecimento de senso comum é tão difundido que remete à incredulidade de ausência de estudos científicos para o fim citado, conferindo a falsa ideia de ausência de risco à saúde.


Referências

  1. Nóbrega JS, Silva FA, Barroso RF, Crispim DL, Oliveira CJA. Avaliação do conhecimento etnobotânico e popular sobre o uso de plantas medicinais junto a alunos de graduação. Rev Bras Gestão Amb. 2017; 11(1): 07-13. ISSN 2317-3122.
  2. Haraguchi LMM, Sañudo A, Rodrigues E, Cervigni HC. Impact of the Training of Professionals from São Paulo Public Health System in Phytotherapy Practice. Rev Bras Educ Méd. 2020; 44(1): 1-10. ISSN 1981-5271. [CrossRef].
  3. Ribeiro LHL. Análise dos programas de plantas medicinais e fitoterápicos no Sistema Único de Saúde (SUS) sob a perspectiva territorial. Ciên Saúde Col. 2019; 24(5): 1733-1742. ISSN 1678-4561. [CrossRef].
  4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
  5. Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Pl Med. 2011; 13(4): 486-91. ISSN 516-0572. [CrossRef].
  6. Mattos G, Camargo A, Sousa CA, Zeni ALB. Medicinal plants and herbal medicines in Primary Health Care: the perception of the professionals. Ciên Saúde Colet. 2018; 23(11): 3735-3744. ISSN 1678-4561. [CrossRef].
  7. Borges FV, Sales MDC. Políticas públicas de plantas medicinais e fitoterápicas no Brasil: sua história no sistema de saúde. Rev Pensar Acad. 2018; 16(1): 13-27. ISSN 1808-6136.
  8. Badke MR, Somavilla CA, Heisler EV, Andrade A, Budó MLD, Garlet TMB. Saber popular: Uso de plantas medicinais como forma terapêutica no cuidado à saúde. Rev Enferm UFSM. 2016; 6(2): 225-234. ISSN 2179-7692. [CrossRef].
  9. Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portelas AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Pl Med. 2011; 13(4): 486-91. ISSN 1516-0572. [CrossRef].
  10. Oliveira VB, Mezzomo TR, Moraes EF. Conhecimento e uso de plantas medicinais por usuários de Unidades Básicas de Saúde na Região de Colombo, PR. Rev Bras Ciên Saúde. 2018; 22(1): 57-64. ISSN 1415-2177. [CrossRef].
  11. Brasil. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico: resultados preliminares – Toledo/Pr. Rio de Janeiro; 2020.
  12. Ramos ES, Ramos JHO, Damascena RS. Avaliação do uso de Plantas Medicinais para o tratamento de Hipertensão Arterial Sistêmica entre os usuários de uma Unidade Básica de Saúde. Id on Line Rev Multid Psicol. 2019; 13(48): 651-661. ISSN 1981-1179. [CrossRef].
  13. Neri GF, Oliveira TL, Oliveira VJS, Brito NM. Uso de Plantas Medicinais nas Unidades de Saúde da Família do Alto Sobradinho e Cocão do Município de Santo Antônio de Jesus-BA. Ens Ciên. 2018; 22(1): 58-62. ISSN 1415-6938. [CrossRef].
  14. Brião D, Artifo LL, Líma LFP, Menezes APS. Utilização de plantas medicinais em um município inserido no bioma pampa brasileiro. Rev Univ Vale Rio Verde. 2016; 14(2): 206-219. ISSN 2236-5362. [CrossRef] [Link].
  15. Alcantara RGL, Joaquim RHVT, Sampaio SF. Plantas medicinais: o conhecimento e uso popular. Rev APS. 2015; 18(4): 470-482. ISSN 1809-8363. [Link].
  16. Lima DF, Pereira DL, Francisco FF, Reis C, Lima VS, Cavalcanti PP. Conhecimento e uso de plantas medicinais por usuários de duas unidades básicas de saúde. Rev Rene. 2014; 15(3): 383-390. ISSN 2175-6783. [CrossRef].
  17. Virgínio TB, Castro KS, Lima ALA, Rocha JV, Bonfim IM, Campos AR. Utilização de Plantas Medicinais por Pacientes Hipertensos e Diabéticos: Estudo Transversal no Nordeste Brasileiro. Rev Bras Promo Saúde, 2018; 31(4): 1-10. ISSN 1806-1230. [CrossRef].
  18. Santos ABN, Araujo MP, Sousa RS, Lemos JR. Plantas medicinais conhecidas na zona urbana de Cajueiro da Praia, Piauí, Nordeste do Brasil. Rev Bras Pl Med. 2016; 18(2): 442-450. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  19. Motta AO, Lima DCS, Vale CR. Levantamento do uso de plantas medicinais em um centro de educação infantil em Goiânia – GO. Rev Univ Vale Rio Verde. 2016; 14(1): 629-646. ISSN 1517-0276. [CrossRef].
  20. Campos AMP, Magalhães ARS, Silva MCP, Freitas TA, Pessoa CV. Uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos: revisão de literatura. Mostra Científica de Farmácia. 19; 6(1). ISSN 2358-9124.
  21. Baracho NCV, Silva LUMA, Alves LJ, Braga LTP, Carneiro MFS, Siqueira MTG. O uso de plantas medicinais como tratamento alternativo no bairro Jardim das Colinas, Itajubá, MG, Brasil. Rev Méd Minas Gerais. 2016; 16(2): 88-91. ISSN 2238-3182.
  22. Nedopetalski PF, Krupek RA. O uso de plantas medicinais pela população de União da Vitória – PR: O saber popular confrontado pelo conhecimento científico. Arq Mudi. 2020; 24(1): 50-67. ISSN 1980-959X. [CrossRef].
  23. Kasote DM, Jagtap SD, Thapa D, Khyade MS, Russell WR. Herbal remedies for urinary stones used in India and China: A review. J Ethnopharmacol. 2017; 203(S.I.): 55-68. ISSN 0378-8741. [CrossRef].
  24. Dhawan S e Olweny EO. Phyllanthus niruri (stone breaker) herbal therapy for kidney stones; a systematic review and meta-analysis of clinical efficacy, and Google Trends analysis of public interest. The Canad J Urol. 2020; 27(2): 10162-10166. ISSN 1195-9479. [PubMed].
  25. Barros ME, Lima R, Mercuri LP, Matos JR, Schor N, Boim MA. Effect of extract of Phyllanthus niruri on crystal deposition in experimental urolithiasis. Urol Res. 2006; 34 (S.I.): 351-357. ISSN 0300-5623. [CrossRef].
  26. Pucci ND, Marchini GS, Mazzucchi E, Reis ST, Srougi M, Evazian D et al. Effect of Phyllanthus niruri on metabolic parameters of patients with kidney stone: a perspective for disease prevention. Inter Braz J Urol. 2018; 44(4): 758-764. ISSN 1677-6119. [CrossRef].
  27. Nishiura JL, Campos AH, Boim MA, Heilberg IP, Schor N. Phyllanthus niruri normalizes elevated urinary calcium levels in calcium stone forming (CSF) patients. Urol Res. 2004; 32(S.I.): 362-366. ISSN 0300-5623. [CrossRef].
  28. Boim MA, Heilberg IP, Schor N. Phyllanthus niruri as a promising alternative treatment for nephrolithiasis. Inter Braz J Urol. 2010; 36(6): 657-664. ISSN 1677-5538. [CrossRef].
  29. Freitas AM, Schor N, Boim MA. The effect of Phyllanthus niruri on urinary inhibitors of calcium oxalate crystallization and others factors associated with renal stone formation. BJUI Inter. 2002; 89(9): 829-834. ISSN 1464-410X. [CrossRef].
  30. Narayanan AS, Raja SSS, Ponmurugan K, Kandekar SC, Natarajaseenivasan K, Maripandi A et al. Antibacterial activity of selected medicinal plants against multiple antibiotic resistant uropathogens: a study from Kolli Hills, Tamil Nadu, India. Benef Microbes. 2011; 2(3): 235-243. ISSN 1876-2891. [CrossRef].
  31. Queiroga, GMT. Plantas medicinais e fitoterápicos como alternativa terapêutica às infecções urinárias: um diagnóstico dessa realidade na saúde pública de Mossoró. Mossoró. 2015. 121fs. Dissertação de Mestrado. [Programa de Pós- Graduação em Estratégias sustentáveis de desenvolvimento do Semiárido] - Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Mossoró. RN. 2015.
  32. Spézia FP, Silbert D, Tenfen A, Cordova CMM, Alverton MD, Guedes A. Avaliação da atividade antibacteriana de plantas medicinais de uso popular: Alternanthera brasiliana (penicilina), Plantago major (tansagem), Arctostaphylos uva-ursi (uva-ursi) e Phyllanthus niruri (quebra-pedra). Rev Pan-Amazôn Saúde. 2020; 11: 11-11. ISSN 2176-6223 [CrossRef].
  33. Coutinho HDM, Oliveira-Tintino CDM, Tintino SR, Pereira RLS, Freitas TS, Silva MAP et al. Toxicity against Drosophila melanogaster and antiedematogenic and antimicrobial activities of Alternanthera brasiliana (L.) Kuntze (Amaranthaceae). Environ Sci Pollut Res. 2018; 25(11): 10353-10361. ISSN 1614-7499. [CrossRef].
  34. Alencar Filho JMT, Teixeira HAP, Sampaio PA, Pereira ECV, Amariz IA, Neto PJR et al. Phytochemical analysis in Alternanthera brasiliana by LC- MS/MS and GC-MS. Nat Prod Letters. 2019; 4(3): 429-433. ISSN 1057-5634. [CrossRef].
  35. Formagio ELP, Mendel MT, Fracasso R, Knobloch JG, Teixeira PW, Kehl L et al. Evaluation of the pharmacological activity of the Alternanthera brasiliana aqueous extract. Pharm Biol. 2012; 50(11): 1442-1447. ISSN 1388-0209. [CrossRef] [PubMed].
  36. Barua CC, Begum SA, Sarma DK, Pathak DC, Borah RS. Healing efficacy of methanol extract of leaves of Alternanthera brasiliana Kuntze in aged wound model. J Basic Clin Pharm. 2012 Sep; 3(4): 341-5. ISSN 0976-0105. [CrossRef] [PubMed].
  37. Barua CC, Talukdar A, Begum SA, Buragohain B, Roy JD, Pathak DC et al. Effect of Alternanthera brasiliana (L) Kuntze on healing of dermal burn wound. Indian J Exp Biol. 2012; 50(1): 56-60. ISSN 0975-1009. PMID: 22279942. [PubMed].
  38. Ou MC, Hsu T, Lai AC, Lin Y, Lin C. Pain relief assessment by aromatic essential oil massage on outpatients with primary dysmenorrhea: A randomized, double‐blind clinical trial. J Obst Gynaecol Res. 2012; 38(5): 817-822. ISSN 1447-0756. [CrossRef].
  39. Merino JJ, Parmigiani-Izquierdo JM, López-Oliva ME, Cabanã-Muñoz ME. Origanum majorana Essential Oil Inhalation during Neurofeedback Training Reduces Saliva Myeloperoxidase Activity at Session-1 in Bruxistic Patients. J Clin Med. 2019; 8(2): 158. ISSN 2077-0383. [CrossRef] [PubMed].
  40. Erenler R, Sen O, Aksit H, Demirtas I, Yaglioglu AS, Elmastas M et al. Isolation and identification of chemical constituents from Origanum majorana and investigation of antiproliferative and antioxidant activities. J Sci Food Agri. 2016; 96(3): 822-836. ISSN 1097-0010. [CrossRef].
  41. Villalva M, Jaime L, Aguado E, Nieto JA, Reglero GJ, Santoyo S. Anti-inflammatory and antioxidant activities from the basolateral fraction of Caco-2 cells exposed to a rosmarinic acid enriched extract. J Agri Food Chem. 2018; 66(5): 1167-1174. ISSN 1520-5118. [CrossRef].
  42. Westphal J, Horning M, Leonhardt K. Phytotherapy in functional upper abdominal complaints Results of a clinical study with a preparation of several plants. Phytomedicine. 1996; 2(4): 285-291. ISSN 0944-7113. [CrossRef] [PubMed].
  43. Basiri Z, Zeraati F, Esna-Ashari F, Mohammadi F, Razzaghi K, Araghchian M et al. Topical effects of Artemisia absinthium Ointment and liniment in comparison with piroxicam gel in patients with knee joint osteoarthritis: a randomized double-blind controlled trial. Iran J Med Sci. 2017; 42(6): 524. ISSN 1735-3688. [PubMed].
  44. Da Silva LM, Boeing T, Somensi LB, Cury BJ, Steimbach VMB, Silveria ACO et al. Evidence of gastric ulcer healing activity of Maytenus robusta Reissek: In vitro and in vivo studies. J Ethnopharmacol. 2015; 175: 75-85. ISSN 0378-8741. [CrossRef].
  45. Tabach R, Duarte-Almeida JM, Carlini EA. Pharmacological and toxicological study of Maytenus ilicifolia leaf extract. part I–preclinical studies. Phytother Res. 2017; 31(6): 915-920. ISSN 1099-1573. [CrossRef].
  46. Souza-Formigoni MAO, Oliveira MGM, Monteiro MG, Silveira-Filho NG, Braz S, Carlini EA. Antiulcerogenic effects of two Maytenus species in laboratory animals. J Ethnopharmacol. 1991; 34(1): 21-27. ISSN 1872-7573. [CrossRef].
  47. Baggio CH, Freitas CS, Mayer B, Dos Santos AC, Twardowschy A, Potrich FB et al. Muscarinic-dependent inhibition of gastric emptying and intestinal motility by fractions of Maytenus ilicifolia Mart ex. Reissek. J Ethnopharmacol. 2009; 123(3): 385-391. ISSN 1872-7573. [CrossRef].
  48. Jorge RM, Leite JPV, Oliveira AB, Tagliati CA. Evaluation of antinociceptive, anti-inflammatory and antiulcerogenic activities of Maytenus ilicifolia. J Ethnopharmacol. 2004; 94(1): 93-100. ISSN 1872-7573. [CrossRef].
  49. Crestani S, Rattmann YD, Cipriani TR, Souza LM, Iacomini M, Kassuya CAL et al. A potent and nitric oxide-dependent hypotensive effect induced in rats by semi-purified fractions from Maytenus ilicifolia. Vasc Pharmacol. 2009; 51(1): 57-63. ISSN 1879-3649. [CrossRef] [PubMed].
  50. Makni M, Jemai R, Kriaa W, Chtourou Y, Fetoui H. Citrus limon from Tunisia: Phytochemical and Physicochemical properties and biological activities. BioMed Res Inter. 2018. ISSN 2314-6141. [CrossRef].
  51. Hsouna AB, Halima NB, Smaoui S, Hamdi N. Citrus lemon essential oil: chemical composition, antioxidant and antimicrobial activities with its preservative effect against Listeria monocytogenes inoculated in minced beef meat. Lipids Health Dis. 2017; 16(1): 146. ISSN 1476-511X. [CrossRef].
  52. Campêlo LML, Gonçalves FCM, Feitosa CM, Freitas R. Antioxidant activity of Citrus limon essential oil in mouse hippocampus. Pharm Biol. 2011; 49(7): 709-715. ISSN 1744-5116. [CrossRef].
  53. Aranha FQ, Barros ZF, Moura LSA, Gonçalves MCR, Barros JC, Metri JC et al. O papel da vitamina C sobre as alterações orgânicas no idoso. Rev Nutr. Campinas. 2000; 13(2): 89-97. INSS 1415-5273. [CrossRef].

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.