Plantas medicinais utilizadas pela população do município de Mangaratiba (Rio de Janeiro, Brasil): uma revisão integrativa

Srª Anne Caroline de Souza Abdala de Lima
OrcID
Drª Maria Helena Durães Alves Monteiro
OrcID

    Srª Anne Caroline de Souza Abdala de Lima

    Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Tecnologia em Fármacos-Farmanguinhos

    OrcID https://orcid.org/0000-0001-5408-2652

    Graduada em Farmácia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Obteve atuação como estagiária em Farmácia industrial, Farmácia magistral, Farmácia hospitalar e em análises clínicas. Pós-graduada em Inovação em Fitomedicamentos pelo Instituto de Tecnologia em Fármacos - Farmanguinhos/FIOCRUZ e em Informação Científica e Tecnológica em Saúde pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde - ICICT/FIOCRUZ. Atuei em projetos de pesquisa do Serviço de Farmácia de um hospital municipal no Rio de Janeiro.

    Drª Maria Helena Durães Alves Monteiro

    Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Tecnologia em Fármacos-Farmanguinhos

    OrcID https://orcid.org/0000-0001-7434-5544

    Graduação em Ciências Biológicas (Universidade Santa Úrsula ) e em Odontologia (Universidade Federal Fluminense), mestrado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (1996) e doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pelo Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente atua como tecnologista de desenvolvimento no Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS) / Farmanguinhos-FIOCRUZ, professora e orientadora do Curso de pós-graduação Lato Sensu em Inovação de Medicamentos da Biodiversidade (CIBS/Farmanguinhos/Fiocruz) e como editora científica da Revista Fitos de Farmanguinhos/Fiocruz. Atua em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PDI) na área de produtos naturais e fitoterápicos especialmente na Odontologia. Áreas de atuação: Fitoterapia e Práticas Integrativas, Produtos Naturais, Saúde Bucal, Estomatologia, Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais, Laserterapia.


Palavras-chave

Plantas medicinais
Mangaratiba
Etnobotânica
Atenção Primária à Saúde
Fitoterapia

Resumo

O trabalho teve como objetivo realizar uma revisão integrativa da literatura sobre as plantas medicinais utilizadas pela população do município de Mangaratiba, Rio de Janeiro, Brasil. Esta revisão foi elaborada a partir de bases de dados on-line. Posteriormente, os problemas de saúde citados nos artigos selecionados foram classificados de acordo com a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10) e as plantas foram estudadas. Foram selecionados três trabalhos, sendo dois realizados em ilhas e o conhecimento etnobotânico das pessoas idosas predominou. As famílias Asteraceae e Lamiaceae foram as mais citadas, sendo as folhas e a decocção mais utilizadas como partes da planta e forma de preparo, respectivamente. Além disso, houve uma concordância das plantas utilizadas pela população, quanto à indicação terapêutica com as enfermidades que causam adoecimento. Diante dos resultados obtidos, pode-se concluir que o município possui uma carência de estudo da etnobotânica, o conhecimento entre os mais jovens tende a desaparecer e as espécies estudadas podem ser utilizadas, minimizando o adoecimento da população. Trabalhos de revisão bibliográfica como este são importantes ferramentas para a concepção de novos projetos para a Atenção Primária à Saúde e para o desenvolvimento de medicamento de origem vegetal.

Referências

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC-SUS. Brasília, 2006. 92 p. [acesso em: 10 fev. 2021]. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf].
  2. OMS. Organização Mundial da Saúde. Cuidados Primários de Saúde. Alma-Ata 1978. 64 p. [acesso em: 10 fev. 2021]. Disponível em: [https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/39228/9241800011_por.pdf?sequence=5]
  3. Dolabela MF et al. Importância do amor-crescido (Portulaca pilosa L.) para a medicina tradicional amazônica: uma revisão bibliográfica. REAS/EJCH. [Internet]. 2020; 12(3): e2371. [acesso 10 fev. 2021]. [https://doi.org/10.25248/reas.e2371.2020].
  4. Fioravanti C. A maior diversidade de plantas do mundo: Botânicos registram 46 mil espécies e identificam em média 250 por ano no Brasil. Pesquisa FAPESP [Internet]. 2016; (241): 42-47. [acesso 10 fev. 2021]. Disponível em: [https://revistapesquisa.fapesp.br/a-maior-diversidade-de-plantas-do-mundo/].
  5. Boscolo OH, Galvão MN. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em duas comunidades da região serrana do Rio de Janeiro, Brasil. Rev Fitos [Internet]. 2019; [acesso 10 fev. 2021]. 13(3): 212-31. Disponível em: [http://revistafitos.far.fiocruz.br/index.php/revista-fitos/article/view/829].
  6. Nascimento HMP. O uso de plantas medicinais no tratamento de enfermidades no município de Chapadinha, Maranhão. Chapadinha; 2016. Monografia [Centro de Ciências Agrárias e Ambientais] – Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Chapadinha, MA, 2016. Disponível em: [https://www.monografias.ufma.br/jspui/bitstream/123456789/1317/1/HYANDRA%20MARA.pdf].
  7. Silva AF et al. Etnobotânica de plantas medicinais aromáticas: preparações e usos da flora local em cinco comunidades rurais localizadas na região do Baixo Tocantins, Pará, Brasil. Res Soc Dev [Internet]. 2021; 10(1): e9510111284. [acesso 10 fev. 2021]. Disponível em: [https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11284].
  8. Gomes GC et al. A crise paradigmática nas ciências de identificação de plantas e a valorização da etnobotânica. Rev. Agrogeoambiental [Internet]. 2017; 9(1): 115-25. [acesso 10 fev. 2021]; Disponível em: [https://agrogeoambiental.ifsuldeminas.edu.br/index.php/Agrogeoambiental/article/view/896].
  9. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. D.O.U. 28 mar. 2017. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0849_28_03_2017.html].
  10. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares – PNPIC. D.O.U. 22 mar. 2018. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0702_22_03_2018.html].
  11. Brasil. Ministério da Saúde. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. D.O.U. 22 jun. 2006. Disponível em: [https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5813.htm].
  12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília, 2006. 60 p. Disponível em: [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf]. [acesso em: 10 fev. 2021].
  13. Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde. MS elabora Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS – RENISUS. Brasília, 2009. Disponível em: [http://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/marco/ms_relacao_plantas_medicinais_sus_0603.pdf]. [acesso em: 10 fev. 2021].
  14. Ercole FF, Melo LS, Alcoforado CLGC. Integrative Review versus Systematic Review. REME Rev Min Enferm [Internet]. 2014; 18(1): 12-14. [acesso em: 15 mar. 2021]. Disponível em: [http://www.revenf.bvs.br/pdf/reme/v18n1/en_v18n1a01.pdf].
  15. Missouri Botanical Garden. Tropicos Org. 2021 [acesso em: 15 mai. 2021]. Disponível em: [http://www.tropicos.org].
  16. The Plant List (2013). Versão 1.1. 2013 [acesso em: 19 dez. 2020]. Disponível em: [http://www.theplantlist.org/].
  17. IPNI. International Plant Names Index. 2021 [acesso em: 15 mai. 2021]. Disponível em: [http://www.ipni.org].
  18. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Flora do Brasil 2020. 2021 [acesso em: 15 mai. 2021]. Disponível em: [http://floradobrasil.jbrj.gov.br/].
  19. Chase MW et al. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Bot J Linn Soc. [Internet]. 2016; 181(1): 1-20. [acesso em: 15 mar. 2021]. [https://doi.org/10.1111/boj.12385].
  20. Figueiredo GM, Leitão-Filho HF, Begossi A. Ethnobotany of Atlantic Forest Coastal Communities: Diversity of plant uses in Gamboa (Itacuruçá Island, Brazil). Human Ecol [Internet]. 1993; 21(4): 419-30. [acesso em: 23 mar. 2021. [https://doi.org/10.1007/BF00891142].
  21. Figueiredo GM, Leitão-Filho HF, Begossi A. Ethnobotany of Atlantic Forest Coastal Communities: II. Diversity of plant uses at Sepetiba Bay (SE Brazil). Human Ecol [Internet]. 1997; 25(2): 353-60. [acesso em: 23 mar. 2021]. [https://doi.org/10.1023/A:1021934408466].
  22. Medeiros MFT, Fonseca VS, Andreata RHP. Plantas medicinais e seus usos pelos sitiantes da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil. Acta Bot Bras. [Internet]. 2004; 18(2): 391-99. [acesso em: 23 mar. 2021]. Disponível em: [https://www.scielo.br/j/abb/a/khcntV9tjprTB9MNprN7K7k/?lang=pt].
  23. David M, Pasa MC. Ribeirinhos e recursos vegetais: a etnobotânica em Bonsucesso, Várzea Grande, Mato Grosso. FLOVET [Internet]. 2016; 1(8): [acesso em: 25 mar. 2021]. Disponível em: [https://api.semanticscholar.org/CorpusID:164512514].
  24. Gandolfo ES, Hanazaki N. Etnobotânica e urbanização: conhecimento e utilização de plantas de restinga pela comunidade nativa do distrito do Campeche (Florianópolis, SC). Acta Bot Bras. [Internet]. 2011; 25(1): 168-77. [acesso 25 mar. 2021]. Disponível em: [https://www.scielo.br/j/abb/a/jhJSsJpsbbfVMjjnx5Rn4YP/?format=pdf&lang=pt].
  25. Leão VM et al. Usos e benefícios das plantas em comunidades rurais de Capanema, Pará, Brasil. Cad Agroecol [Internet]. 2015; 10(3): [acesso em: 25 mar. 2021]. Disponível em: [https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/17289/12916].
  26. Santos JA, Silveira AP, Gomes VS. Knowledge and Use of the Flora in a Quilombola Community of Northeastern Brazil. FLORAM [Internet]. 2019; 26(3): 1-12. [acesso em: 25 mar. 2021]. Disponível em: [https://www.scielo.br/j/floram/a/kBgM8XtgPVz7FDKdnKQx9nf/?lang=em].
  27. Uramoto K, Walder JMM, Zucchi RA. Análise Quantitativa e distribuição de populações de espécies de Anastrepha (Diptera: Tephritidae) no Campus Luiz de Queiroz, Piracicaba, SP. Neotrop Entomol. [Internet]. 2005; 34(1): 33-39. [acesso em: 27 mar. 2021]. Disponível em: [https://www.scielo.br/j/ne/a/qshhStjbdzxnL6KgRbNL6Hp/?format=pdf].
  28. Barata IM. Padrões Biogeográficos de Riqueza e Composição, Densidade e Biomassa de Anfíbios Anuros nas Ilhas do Reservatório de Três Marias. Belo Horizonte; 2008. 115f. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Zoologia de Vertebrados] - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC /MG. Belo Horizonte, 2008.
  29. Araújo AM, Rodrigues EM, Moura DC. Etnobotânica das plantas medicinais no município de Parari, Paraíba, Brasil. Geosul [Internet]. 2021; 36(78): 659-79. [acesso em: 27 mar. 2021]; Disponível em: [https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/67196].
  30. Liporacci HSN, Simão DG. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais nos quintais do Bairro Novo Horizonte, Ituiutaba, MG. Rev Bras Pl Ped. [Internet]. 2013; 15(4): 529-40. [acesso em: 27 mar. 2021]. Disponível em: [https://www.scielo.br/j/rbpm/a/M3vdqj5rwyCZGLhwcGsKfsb/?format=pdf&lang=pt].
  31. Rodrigues ES, Brito NM, Oliveira VJS. Estudo Etnobotânico de Plantas Medicinais Utilizadas por alguns Moradores de Três Comunidades Rurais do Município de Cabaceiras do Paraguaçu/Bahia. BioBrasil [Internet]. 2021; 11(1): 1-16. [acesso 27 mar. 2021]. [https://doi.org/10.37002/biobrasil.v11i1.1645].
  32. Battisti C et al. Plantas medicinais utilizadas no município de Palmeira das Missões, RS, Brasil. R. bras. Bioci. [Internet]. 2013; 11(3): 338-48. [acesso em: 27 mar. 2021]. Disponível em: [https://seer.ufrgs.br/index.php/rbrasbioci/article/view/115518].
  33. Brasil. Ministério do Planejamento e Orçamento (MPO). IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mangaratiba. 2017. [acesso em: 18 jan. 2021]. Disponível em: [https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/mangaratiba/panorama].
  34. Prefeitura de Mangaratiba. Notícias. 2021. [acesso em: 23 mai. 2021]. Disponível em: [https://www.mangaratiba.rj.gov.br/novoportal/noticias/vitoria-na-justica-mangaratiba-garante-o-direito-de-impedir-poluicao-causada-pelo-transporte-de-minerio.html].
  35. Brasil. Ministério da Saúde – Sistema de Informações Hospitalares do SUS. MS-SIH/SUS. Internações por Sexo segundo Capítulo CID-10. 2021. [acesso 11 mar. 2021]. Disponível em: [http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/nibr.def].

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Autor(es)

Categorias

Métricas

  • Artigo visto 8 vez(es)

Como Citar

1.
Plantas medicinais utilizadas pela população do município de Mangaratiba (Rio de Janeiro, Brasil): uma revisão integrativa. Rev Fitos [Internet]. 9º de julho de 2024 [citado 14º de julho de 2024];18(Suppl. 3):e1636. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/index.php/revista-fitos/article/view/1636
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Revista Fitos

Informe um erro