Ponto de vista sobre o que tem para comer

Jardim, J G;
Jardim, A Q B d S;
Paixão, , J. L. d.

Jomar Gomes Jardim

Universidade Federal do Sul da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, (IHAC) Centro de Formação em Ciências Agroflorestais; Campus Jorge Amado, Avenida Manoel Chaves (Antiga Kennedy), S/N, São Caetano, CEP 45601-095, Itabuna, BA, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas: ênfase em Ecologia pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2001), mestrado em Botânica pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2003) e doutorado pela mesma instituição com período sanduíche no Royal Botanical Gardens, Kew - UK (2008). Atualmente é Professor Adjunto IV da Universidade Federal do Sul da Bahia - Campus Jorge Amado, Itabuna - BA. Atua na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia e Sistemática de Plantas com Flores, especialmente da família Rubiaceae. Já participou de mais de 25 bancas de defesa pública, entre Monografias de final de cursos, Mestrados e Doutorados. É parecerista em 10 periódicos nacionais e iternacionais. Tem colaborado em Projetos focando Taxonomia e Sistemática, Diversidade Florística, Fitossociologia, Etnobotânica e Ecologia da Mata Atlântica e da Caatinga; publicou mais de 40 artigos científicos e 10 capítulos de livros em colaboração com c. 200 pesquisadores focando os referidos temas.

Alessandra Q. Bertoso dos Santos Jardim

Universidade Federal do Sul da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, (IHAC) Centro de Formação em Ciências Agroflorestais; Campus Jorge Amado, Avenida Manoel Chaves (Antiga Kennedy), S/N, São Caetano, CEP 45601-095, Itabuna, BA, Brasil.

José Lima da Paixão

Universidade Federal do Sul da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, (IHAC) Centro de Formação em Ciências Agroflorestais; Campus Jorge Amado, Avenida Manoel Chaves (Antiga Kennedy), S/N, São Caetano, CEP 45601-095, Itabuna, BA, Brasil.

Técnico Agropecuário, curso incompleto de Biologia. Parabotânico com Experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia Vegetal, Fanerógamas, técnicas de coleta de material botânico para diversos estudos, Técnica de coletas de Sementes e produção de Mudas Nativas e técnicas de escaladas em árvores (Arvorismo).


Resumo

Este trabalho visa expor de forma simples experiências desenvolvidas por três amigos em realizar oficinas para “comer o que tem” com o intuito de promover e manter acesa a chama do conhecimento tradicional sobre a alimentação à base de vegetais. Em quase três anos foram cinco oficinas e duas palestras sobre o tema para um público de aproximadamente 500 pessoas. Destaca-se que a maioria do público foram de agricultoras e agricultores familiares e foram realizadas em pequenas propriedades com cultivos em sistemas agroflorestais de base orgânica. Ressalta-se que a troca de experiências entre o público tem sido constante e fundamental, onde todos apreendem. Além de ampliar nosso repertório quanto a confecção dos pratos, tem servido de incentivo para levarmos adiante a ideia. Após esse tempo, muitas demandas tem surgido, e já pretendemos formalizar a ideia através de um projeto de extensão buscando atingir um público mais amplo.


Referências

  1. Kinupp VF, Lorenzi H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2015, 768p.