Saberes Indígenas

Vieira, J V B;
Sabioni, , S. C.

Jefferson Vinicius Bomfim Vieira

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, Campus Uruçuca. Rua Dr. João Nascimento, s/n, CEP 45680-000, Uruçuca, BA, Brasil.

Cursando graduação em Agroecologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano campus Uruçuca. 

Sayonara Cotrim Sabioni

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, Campus Uruçuca. Rua Dr. João Nascimento, s/n, CEP 45680-000, Uruçuca, BA, Brasil.

Cursando graduação em Agroecologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano campus Uruçuca. 


Palavras-chave

Comunidades tradicionais. Agroecologia. Biodiversidade. Tupinambá. Aldeia Tucum.

Resumo

Entre os saberes tradicionais, os conhecimentos indígenas são amplamente utilizados no Brasil como os modelos de sistemas agroflorestais (SAF's). A agrofloresta tem como berço os saberes indígenas sobre as florestas, imitando seu modo de crescimento e estabilidade, garantido assim a produção agrícola e a biodiversidade da fauna e da flora nos ecossistemas. Este projeto busca a interação dos conhecimentos tradicionais com enfoque científico sobre os saberes da cultura indígena, para agregar ao conhecimento agroecológico, dar destaque a educação ambiental, que integra o conhecimento ancestral dos povos nativos com tecnologias contemporâneas. O projeto começou a ser desenvolvido em etapas, no município de Ilhéus-BA, na Comunidade Tupinambá, da aldeia Tucum, em 27/12/2017. A primeira etapa foi iniciada com as aproximações e vivências agroecológicas. No dia 16/12/2018, foi aplicada a segunda etapa, com o uso das ferramentas do Diagnóstico Participativo Fortaleza, Oportunidade, Fraqueza e Ameaça (FOFA) e o Mapa de Recursos Naturais e Uso da Terra.  O trabalho saberes indígenas apresenta-se em um contexto social, econômico, cultural e ambiental, envolvendo a agroecologia como a nova ciência em construção. Contudo, é evidenciada a de uma relação harmônica, podendo ser exercida por ações antrópicas, comprovada pelo conhecimento tradicional.


Referências

  1. IDESAM. Projeto SAF Indígena. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 maio 2017.
  2. Daniel O, Couto L, Garcia R, Passos CAM. 1999. Proposta para padronização da terminologia empregada em sistemas agroflorestais no brasil. Revista Árvore. 23(3): 367-370.
  3. Marcone MA, Lakatos EM. Fundamentos de Metodologia Científica. 6ª ed. São Paulo: Editora S.A. 2006.
  4. Verdejo ME. Diagnóstico Rural Participativo: guia prático DRP. Brasília: MDA/ Secretaria da Agricultura Familiar. 2006; 62 p: il.
  5. Gotsch E. O renascer da agricultura. Rio de Janeiro, maio de 1996.
  6. Sambuichi RHR, Silva LAM, Jesus MFC and Paixão JL. Lista de árvores nativas do sul da Bahia. In: Sambuichi RHR, Mielke MS, and Pereira CE. org. Nossas árvores: conservação, uso e manejo de árvores nativas no sul da Bahia [online]. Ilhéus, BA: Editus, 2009, p. 171-157. ISBN: 978-85-7455-515-7. [CrossRef]. [ePUB].