Percepções sobre o uso de plantas medicinais por profissionais de áreas rurais e urbanas em cidade no nordeste do Brasil

Nascimento Júnior, B J d;
Lima, F M G A;
Rocha, C R d A;
Gonçalves, R K S;
Souto, L B;
Vieira, , D. D.

Braz José do Nascimento Júnior

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado Acadêmico de Ciências Farmacêuticas. Avenida José de Sá Maniçoba Centro, CEP 56304-205, Petrolina, PE, Brasil.

Possui graduação em Odontologia pela Universidade de Pernambuco - Faculdade de Odontologia de Pernambuco FOP - UPE (2000). Especialização em Saúde da Família pela Faculdade de Ciências Médicas - Universidade de Pernambuco FCM - UPE (2004). Mestrado em Bioquímica e Fisiologia pela Universidade Federal de Pernambuco UFPE (2006). Doutorado em Ciências Farmacêuticas pela UFPE (2017). Atualmente é Professor adjunto da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) e ministra as disciplinas de Morfologia e Fisiologia. Já atuou como Cirurgião Dentista da Estratégia de Saúde da Família nas cidades de Recife (PE) (2001), Moreno (PE)(2002-2003), Juazeiro (BA)(2006-2007) e Petrolina (PE)(2008-2010). Foi coordenador municipal de Saúde Bucal no município de Moreno (PE)(2003). Atuou como Preceptor de grupo PET Saúde Mental (2009); Foi Tutor e Preceptor de grupo PET- Saúde Assistência Farmacêutica na cidade de Petrolina pela UNIVASF(2010-2012). Atuou como revisor de Apostilas de EaD, Universidade Aberta do Brasil (Petrolina)(2013). Fez parte do Conselho Municipal de Saúde de Juazeiro da Bahia (2015-2017). Faz parte do Comitê de Ética em Estudos e Pesquisas da UNIVASF. Tem experiência nas áreas de: Morfologia, Bioquímica, Fisiologia, Plantas Medicinais, Fitoterapia, Odontologia, Saúde da Família, Educação em Saúde, Câncer, Mucosite Oral e Modelos de Lesões bucais em ratos Wistar.

Fernanda Maira Gomes Andrade Lima

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado Acadêmico de Ciências Farmacêuticas. Avenida José de Sá Maniçoba, Centro, CEP 56304-205, Petrolina, PE, Brasil

Graduanda em Farmácia pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF); Aluna de Iniciação Científica - Avaliação do Conhecimento e da Percepção dos Profissionais da Estratégia Saúde da Família de Juazeiro-BA sobre o tratamento com Plantas Medicinais e Fitoterapia; Participante da Liga Acadêmica de Bioquímica Clínica (LABiClin) - UNIVASF.

Carlos Ramon da Anunciação Rocha

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Colegiado de Medicina (CMED). Av. José de Sá Maniçoba, s\n, Centro, Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Acadêmico de Medicina na Universidade Federal do Vale do São Francisco (2016 - Atual). Presidente da Liga Acadêmica de Neurociências da Universidade Federal do Vale do São Francisco - NeuroLiga UNIVASF (Gestão 2019). Servidor Público na Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (2012 - Atual). Graduado em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia (2006-2010).

Rosy Kátia Souza Gonçalves

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Espaço Plural - Rodovia BA 210, Km 04, Rodovia Juazeiro / Sobradinho, Bairro Malhada da Areia, Juazeiro, Bahia, Brasil

Possui graduação em EDUCAÇÃO FÍSICA pela FACULDADE MONTENEGRO (2013) e graduação em Comunicação Social pela Universidade Estadual da Paraíba (2007). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Comunicação Popular, atuando principalmente nos seguintes temas: politicas públicas para as mulheres, crime cibernético, produção agroecológica, sementes crioulas e violência contra a mulher. 

Lidione Brito Souto

Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Espaço Plural - Rodovia BA 210, Km 04, Rodovia Juazeiro / Sobradinho, Bairro Malhada da Areia, Juazeiro, Bahia, Brasil

Assistente Social formada pela Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina/FACAPE, mestranda da Universidade Federal do Vale do São Francisco-UNIVASF tendo forte atuação na organização de eventos e palestrante em diversas temáticas, Especialista em Gestão de Saúde Pública e Docência do Ensino Superior. Atua como docente em regime CLT do curso de Serviço Social na Universidade Tiradentes-UNIT. tendo experiência de 16 anos em diversos cargos na área da saúde e atuou como assistente social na empresa Unimed Vale do São Francisco.

Denes Dantas Vieira

Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural – PPGExR.Espaço Plural - Rodovia BA 210, Km 04, Rodovia Juazeiro / Sobradinho, Bairro Malhada da Areia, Juazeiro, Bahia, Brasil

Graduado em Ciências Sociais com Bacharelado e Licenciatura em Sociologia (2003), Mestre em Ciências Sociais (2007), e Doutor em Ciências Sociais (2013) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN. Atualmente é professor do Colegiado de Ciências Sociais da Universidade Federal do Vale do São Francisco, onde também é membro do Programa de Pós-Graduação, Doutorado, em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial, do Programa de Pós- Graduação em Ensino de Sociologia, e, Professor e Coordenador do Programa de Pós- Graduação em Extensão Rural/PPGExR - Univasf. Tem desenvolvido pesquisa,ensino,extensão e orientações, principalmente, nos seguintes temas: Sociologia Rural com foco nas novas ruralidades, Agroecologia e produção orgânica, agricultura familiar, Extensão rural, políticas públicas de Desenvolvimento Rural e a teoria do sociólogo Pierre Bourdieu. Integrante do Grupo de Pesquisa e Extensão Sertão Agroecológico/UNIVASF.


Palavras-chave

Phytotherapy
Medicinal Plants
Family Health Strategy
Alternative and complementary medicine
Fitoterapia
Plantas Medicinais
Estratégia Saúde da Família
Medicina alternativa e complementar

Resumo

O uso de plantas medicinais é uma prática popular aceita por alguns profissionais da saúde. O objetivo desse estudo foi saber se os médicos, cirurgiões-dentistas e enfermeiros das unidades de saúde do município de Juazeiro-Bahia têm o conhecimento e percebem a importância da utilização e das indicações das plantas medicinais e dos fitoterápicos. Trata-se de um estudo transversal, exploratório e descritivo no qual participaram 56 profissionais de nível superior. Os dados foram obtidos através de entrevista individual, usando-se um formulário semiestruturado. Adotou-se para a análise estatística, o teste de Pearson qui quadrado, com nível de significância de p<0,05. Como resultado, observou-se que 30 (53,57%) profissionais disseram não saber orientar os pacientes sobre a utilização de plantas medicinais e que o conceito de fitoterápicos e a diferença em relação aos homeopáticos não estavam claros para alguns. As plantas mais citadas pelos médicos foram Valeriana officinalis L. e Matricaria recutita L., pelos enfermeiros foram Plectranthus barbatus A. e Passiflora edulis S. e pelos dentistas foram Punica granatum L. e Mentha piperita L. Conclui-se que os profissionais do município necessitam de capacitação sobre essa alternativa terapêutica.


Referências

  1. Carroto F, Torres OAG, Macía MJ. Different patterns in medicinal plant use along an elevational gradient in northern Peruvian Andes. J Ethnopharmacol. 2019; 239: 1-12. ISSN 0378-8741. [CrossRef].
  2. Silva CCM, Otenio, JK, Lourenço ELB, Jacomassi E. Perfil das Família atendidas nas unidades básicas de saúde, Rev Fitos, Rio de Janeiro, 2019; 13(4): 289-298. ISSN 2446-4775. [CrossRef].
  3. Rodrigues AG, Simoni C. Plantas medicinais no contexto de políticas públicas. Inf Agropec. 2010; 31(255): 7-12. ISSN 0100-3363. [Link].
  4. World Health Organization (WHO). The world medicines situation 2011: traditional medicines: global situation, issues and challenges. Geneva: WHO, 2011. Disponível em: [Link]. Acesso em: 30 Jun. 2020.
  5. Leonti M, Cabras S, Castellanos ME, Challenger A, Gertsch J, Casu L. Bioprospecting: Evolutionary implications from a post-olmec pharmacopoeia and the relevance of widespread taxa. J Ethnopharmacol. 2013; 147(1):92–107. ISSN 0378-8741. [CrossRef].
  6. Cardoso BS, Amaral VCS. O uso da fitoterapia durante a gestação: um panorama global. Ciên Saúde Colet. 2019; 24 (4):1439-1450. ISSN 1678-4561. [CrossRef].
  7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: [Link]. Acesso em: 30 jun. 2020.
  8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: [Link]. Acesso em: 30 jun. 2020.
  9. Cordeiro JMP, Félix LP. Conhecimento botânico medicinal sobre espécies vegetais nativas da caatinga e plantas espontâneas no agreste da Paraíba, Brasil. Rev Bras Pl Med. 2014; 16(3): 685-692. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  10. Graz B. What is “clinical data”? Why and how can they be collected during field surveys on medicinal plants? J Ethnopharmacol. 2013; 150(2): 775-779. ISSN 0378-8741. [CrossRef] [PubMed].
  11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 jul. 2020.
  12. Nascimento-Júnior BJ, Tínel LO, Silva ES, Rodrigues LA, Freitas TON, Nunes XP et al. Avaliação do conhecimento e percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família sobre o uso de plantas medicinais e fitoterapia em Petrolina-PE, Brasil. Rev Bras Pl Med. 2016; 18(1): 57-66. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  13. Menezes VA, Anjos AGP, Pereira MRD, Leite AF, Granville-Garcia AF. Terapêutica com Plantas Medicinais: Percepção de Profissionais da Estratégia de Saúde da Família de um Município do Agreste Pernambucano. Rev Odonto. 2012; 20(39): 111-122. ISSN 2176-1000. [Link].
  14. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº. 466/2012. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos. Brasília: Conselho Nacional de Saúde; 2012. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 jul. 2020.
  15. Mattos G, Camargo A, Sousa CA, Zeni ALB. Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: Percepção dos profissionais. Ciên Saúde Colet. 2018; 23(11): 3735-3744. ISSN 1413-8123. [CrossRef].
  16. CFO. Conselho Federal de Odontologia. Resolução CFO-82/2008. Reconhece e regulamenta o uso pelo cirurgião-dentista de práticas integrativas e complementares à saúde bucal. Rio de Janeiro; 2008. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 jul. 2020.
  17. Brasil. RDC N° 26, de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 jul. 2020.
  18. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Glossário temático: práticas integrativas e complementares em saúde / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 jul. 2020.
  19. Feitosa MHA, Soares LL, Borges GA, Andrade MM, Costa SM. Inserção do conteúdo fitoterapia em cursos da área de saúde. Rev Bras Educ Med. 2016; 40(2): 197-203. ISSN 1981-5271. [CrossRef].
  20. Pontes RMF, Monteiro PS, Rodrigues MCS. O uso da fitoterapia no cuidado de crianças atendidas em um centro de saúde do Distrito Federal. Comun Ciênc Saúde. 2016; 17(2): 129-139. ISSN 1980-0584. [CrossRef].
  21. Nascimento-Júnior BJ, Almeida TS, Sousa RMG, Santos AMT, Souza AT, Santos EO et al. Uso de Plantas Medicinais no Tratamento da Estomatite Aftosa Recorrente na Cidade de Petrolina – Pernambuco. Rev Cereus. 2015; 7(3): 19-37. ISSN 2175-7275. [Link].
  22. Nascimento WG, Uchôa SAC, Coêlho AA, Clementino FS, Cosme MVB, Rosa RB et al. , Brandão, ICA, Martiniano CS. Prescrição de medicamentos e exames por enfermeiros: Contribuições à Prática avançada e transformação do cuidado. Rev Latino-Am Enferm. 2018; 26: 1-10. ISSN 1518-8345. [CrossRef].
  23. Bastos RAA, Lopes AMC. A fitoterapia na rede básica de saúde: o olhar da enfermagem. Rev Bras Ciên Saúde. 2010; 14(2): 21-28. ISSN 2415-2177. [Link].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2019 Revista Fitos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)