Uma caracterização fitoquímica do potencial antimicrobiano de Hyptis Leucocephala Mart. ex Benth. (Lamiaceae): uma revisão integrativa

Prado, J C S;
Prado, , G. M.

Júlio César Sousa Prado

Universidade Federal do Ceará (UFC), Laboratório de Microbiologia, campus Sobral, Avenida Comandante Maurocélio Rocha Pontes, 100, Derby Clube, CEP: 62042280, Sobral, CE, Brasil.

https://orcid.org/0000-0001-7662-9209

Possui graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2019), graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário de Maringá - UNICESUMAR (2022), Especialização em Metodologia de Ensino de Biologia e Química pela Faculdade FUTURA (2019), Especialização em Biologia Celular e Molecular pela Faculdade Venda Nova do Imigrante - FAVENI (2020), Especialização em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal do Ceará - IFCE (2021). Atualmente, faz parte do Programa de Mestrado em Ciências da Saúde na Linha de Pesquisa em Biologia Molecular e de Microorganismo, pela Universidade Federal do Ceará - UFC. É membro pesquisador dos Laboratórios de Microbiologia da Universidade Estadual Vale do Acaraú e da Universidade Federal do Ceará campus Sobral (FAMED), onde atua principalmente em estudos em micologia médica, sensibilidade microbiana, microbiologia de recursos naturais e bioprospecção de produtos naturais. Contato: cesarprado55@gmail.com

Guilherme Mendes Prado

Universidade Federal do Ceará (UFC), Laboratório de Microbiologia, campus Sobral, Avenida Comandante Maurocélio Rocha Pontes, 100, Derby Clube, CEP: 62042280, Sobral, CE, Brasil.

Farmacêutico, formado no Centro Universitário INTA (UNINTA), atuou como representante de turma 2015.1 a 2019.2 perante à instituição. Ex-membro do Grupo de Estudo das Plantas Medicinais Serra da Meruoca (GEPSEM), ex-bolsista de iniciação científica pela Funcap na EMBRAPA Ovinos e Caprinos, na área de sanidade animal, mais especificamente desenvolvendo atividades no laboratório de virologia, ex-membro da Liga de Plantas Medicinais do UNINTA (LAPLAM) e ex-estagiário no laboratório de Análises Clínicas (Laboratório Clínico de Sobral) atuando nas áreas de Microbiologia, Imunologia, Citologia, Hormônios e Núcleo de Controle de Qualidade. Atualmente mestrando pelo programa de pós-graduação em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Ceará (UFC).


Palavras-chave

Atividade Antimicrobiana
Metabólitos secundários
Hyptis leucocephala
Antimicrobian activity
Secondary metabolites
Hyptis leucocephala

Resumo

Este trabalho objetiva o levantamento do perfil fitoquímico e a análise do potencial antimicrobiano da planta Hyptis leucocephala Mart. (Lamiaceae). Para as investigações, foram realizadas consultas nas plataformas de pesquisa: Medical Literature Analysis and Retrievel System Online - MedLine (PubMed), Scientific Eletronic Library – SciELO, Literatura Latina-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde – LILACS, Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações – BDTD e Google Scholar, utilizando as palavras-chave “Hyptis leucocephala Mart.”, “perfil fitoquímico” “antibacteriano”, “antifúngico” e “antimicrobiano”. Observou-se que a maioria das substâncias pertencem a classe dos monoterpenos, quanto a atividade antimicrobiana, observou-se, ainda, a sua efetividade frente as cepas de Staphylococcus aereus, Micrococcus luteus, Salmonella choleraesuis, Escherichia coli, Bacillus cereus, Candida albicans, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus schleiferi, Bacillus pumillus, Burkholderia cepacia, Corynespora cassiicola e Klebsiella pneumoniae. Concluiu-se que os estudos científicos disponíveis na literatura apontam que a planta H. leucocephala apresenta constituintes fitoquímicos que conferem a ela grande potencial antimicrobiano.


Referências

  1. Almeida MZ. Plantas medicinais. 3ª ed. Salvador: EDUFBA; 2003. ISBN: 9788523212162. [Link].
  2. Lana V, Lobato PGF. Tradições populares nos costumes e práticas de cura com plantas medicinais na contemporaneidade-Viçosa, MG. Rev ELO–Diálog Ext. 2016; 5(2): 43-50. ISSN 2317-5451. [CrossRef].
  3. Firmo WCA, Menezes VJM, Passos CEC, Dias CN, Alves LPL, Dias ICL et al. Contexto histórico, uso popular e concepção científica sobre plantas medicinais. Cad Pesq. 2011; 18(esp.). ISSN 2178-2229. [Link].
  4. Santos DA. Efeito da luz ultravioleta e de auxina no acúmulo de flavonoides e no metabolismo do alcaloide Braquicerina em Psychotria brachyceras. In: Livro de resumos dos Anais do Salão de Iniciação Científica. 2005 Out.; 17-21: Porto Alegre, Rio Grande do Sul: Brasil; 2005. p. 266. [Link].
  5. Vizzotto M, Krolow ACR, Weber GEB. Metabólitos secundários encontrados em plantas e sua importância. Embrapa Clima Temperado-Documentos (INFOTECA-E). 2010; 01-17. ISSN 1516-8840. [Link].
  6. Yang L et al. Response of plant secondary metabolites to environmental factors. Molecules. 2018; 4(23): 762. [CrossRef].
  7. Isah T. Stress and defense responses in plant secondary metabolites production. Biol Res. 2019; 52(39): 1-25. [Link].
  8. Guimarães DO, Momesso LS, Pupo MT. Antibióticos: importância terapêutica e perspectivas para a descoberta e desenvolvimento de novos agentes. Quím Nova. 2010; 33(3): 667-679. ISSN 2178-2229. [Link].
  9. Silveira GP, Gesser JC, Sá MM, Terenzi H. Estratégias utilizadas no combate a resistência bacteriana. Quím Nova. 2006; 29(4): 844-855. ISSN 1678-7064. [Link].
  10. Pereira Junior RC. Estudo fitoquímico e avaliação da potencialidade farmacológica de extratos de Crateva benthamii (Capparaceae). Manaus. 2005. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e Recursos Naturais] – Universidade do Estado do Amazonas, UFAM. Manaus. 2005. [Link].
  11. Oliveira LM, Nepomuceno CF, Freitas NP, Pereira DMS, Silva GC, Lucchese AM. Vegetative propagation of Hyptis leucocephala Mart. Ex. Benth. and Hyptis platanifolia Mart. Ex. Benth. Rev Bras Pl Med. 2011; 13(1): 73-78. ISSN 1983-084X. [Link].
  12. Santos SN, Castanha RF, Silva LJ, Marques MO, Scramin S, Melo IS. Chemical composition and antibacterial activity of the essential oil of Hyptis leucocephala. Atlas Saú Amb-ASA. 2015; 3(1): 01-11. ISSN 2357-7614. [Link].
  13. Lima DSD, Lima JC, Calvacanti RMCB, Santos BHCD, Lima IO. Estudo da atividade antibacteriana dos monoterpenos timol e carvacrol contra cepas de Escherichia coli produtoras de β-lactamases de amplo espectro. Rev Pan-Amaz Saúde. 2017; 8(1): 17-21. [CrossRef].
  14. Pinto EB, Neri CMM, Oliveira Filho AA. Avaliação do potencial tóxico dos monoterpenos carcacrol, linalol e p-Cimeno: uma abordagem in silico. Rev Interdisc Saúde. 2015; 2(2): 210-224. ISSN 2358-7490. [Link].
  15. Romero AL, Oliveira RR, Romero RB, Almeida AL, Souza DSPS. Efeito de monoterpenos naturais no crescimento micelial e germinação de conídios de Corynespora cassiicola. Pesq Agropec Pernamb. 2013; 18(1): 3-7. ISSN 2446-8053. [CrossRef].
  16. Barroso JA. Atividade do carvacrol e timol in vivo na inibição de Streptococcus mutans e experiência de cárie em crianças livres de cárie: um estudo longitudinal. Fortaleza. 2010. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Odontologia] - Universidade Federal do Ceará, UFCE, Fortaleza, CE. 2010. [Link].
  17. Lucchese AM, Zaim C, Machado SS, Rodrigues OS, Moreira JS, Santos AOA et al., Comparação da atividade antimicrobiana de óleos essenciais extraídos de espécies do semi-árido baiano. In: Anais da 29ª Reunião Anual Da Sociedade Brasileira de Química & Sociedade Brasileira de Química; 2006 Maio 19-22; Águas de Lindóia, São Paulo: Brasil; 2006. p. 285. [Link].
  18. Jesus GS, Lucchese AM, Peralta ED, Oliveira LM, Silva GC. Composição química e atividade antimicrobiana de Hyptis leucocephala cultivada. In: Anais do XVI Seminário de Iniciação Científica da Universidade Estadual de Feira de Santana; 2013 Out.; 22-25; Feira de Santana, Bahia: Brasil; 2013. p. 755-8. [Link].

Downloads

Não há dados estatísticos.