Conhecimento de profissionais de saúde sobre as plantas medicinais e os fitoterápicos na Atenção Básica no município do Recôncavo da Bahia

Barreto, A C;
Oliveira, , V. J. . d. S. d.

Andrea Cerqueira Barreto

Faculdade Maria Milza, Rodovia BR 101 – Km 215, CEP 44350-000, Governador Mangabeira, BA, Brasil

Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Técnica em Enfermagem Obstétrica (2011). Graduada em Enfermagem pela Faculdade Maria Milza (2018). Mestranda em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Faculdade Maria Milza, BOLSISTA FAMAM.

Vania Jesus dos Santos de Oliveira

Faculdade Maria Milza, Rodovia BR 101 – Km 215, CEP 44350-000, Governador Mangabeira, BA, Brasil

Graduada em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal da Bahia (2006). Licenciada em Biologia pela Faculdade de Ciências Sociais (2016). Especialista em Metodologia da Pesquisa pela Faculdade Maria Milza (2015). Mestre em Ciências Agrárias pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (2009). Doutora pelo Programa de Pós- graduação em Ciências agrárias da UFRB (2012). Leciono no Centro Universitário Maria Milza nos cursos de Farmácia, Biomedicina, Nutrição, Fisioterapia e Administração, também atuo como coordenadora dos laboratórios da FAMAM, e oriento nos Programas de Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente e no de Biotecnologia. Área de atuação: Biologia Molecular, Genética e Marcadores Moleculares aplicados às culturas do abacaxi, banana, mandioca e mamão transgênico, Fisiologia Vegetal, Manejo pós ? colheita(análise físico - química), Plantas Medicinais (Etnobotânica, Controle de qualidade, uso de extratos vegetais no controle microbiológico e Estabelecimento in vitro), Metodologia Científica e Fitopatologia.


Palavras-chave

Equipe de saúde
Atenção primária à saúde
Medicina tradicional
Patient health team
Primary health care
Traditional medicine

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento dos profissionais de saúde sobre o uso das plantas medicinais e fitoterápicos nas Unidades de Saúde da Família de um município do Recôncavo da Bahia. Tratou-se de pesquisa de campo e descritiva de abordagem quantitativa, no qual participaram 60 profissionais de saúde de nível médio e superior. Os dados foram coletados por meio de questionário enviados via whatsapp no período entre agosto e setembro de 2020. A análise estatística das variáveis através de frequências absolutas e relativas, análise bivariada pelo teste Qui-Quadrado de Pearson pelo programa R. Os resultados apontaram que a maioria dos profissionais entrevistados foi predominantemente do gênero feminino (78,2%). Observou-se que a maioria dos profissionais desconhecem as políticas relacionadas plantas medicinais e fitoterápicos. Desse modo, pode-se concluir que, para que haja a implantação desta prática nos serviços de saúde, faz-se necessário investimento na capacitação dos profissionais e na institucionalização de protocolo, visando à inclusão da temática relacionada às plantas medicinais e aos fitoterápicos na Atenção Básica.


Referências

  1. Beleza JAM. Plantas Medicinais e Fitoterápicos na Atenção Primária à Saúde: contribuição para profissionais prescritores. Rev Fitos, 2016; 10(4): 32-39. [https://doi.org/10.5935/2446-4775.20160044].
  2. Oliveira VB, Mezzomo TR, Moraes EF. Conhecimento e Uso de Plantas Medicinais por Usuários de Unidades Básicas de Saúde na Região de Colombo, PR. Rev Bras Ciênc Saúde. 2018; 22(1): 57-64. [https://doi.org/2010.4034/RBCS.2018.22.01.08].
  3. Valverde AV, Silva NCB, Almeida MZ. Introdução da Fitoterapia no SUS: contribuindo com a Estratégia de Saúde da Família na comunidade rural de Palmares, Paty do Alferes, Rio de Janeiro. Rev Fitos. 2018; 12(1): 27-40. [https://doi.org/10.5935/2446-4775.20180004].
  4. Santos VP, Trindade, LMP. A enfermagem no uso das plantas medicinais e da fitoterapia com ênfase na Saúde Pública. Rev Cient FacMais. 2017; 8(1): 16-34. [https://revistacientifica.facmais.com.br/wp-content/uploads/2017/04/A-ENFERMAGEM-NO-USO-DAS-PLANTAS-MEDICINAIS-E-DA-FITOTERAPIA-COM-%C3%8ANFASE-NA-SA%C3%9ADE-P%C3%9ABLICA-1.pdf].
  5. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: MS; 2006. (Série B. Textos Básicos de Saúde). [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_fitoterapicos.pdf].
  6. Figueredo, CA, Gurgel IGD, Gurgel Junior GDA. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Rev Saúde Colet. 2014; 24 (2): 381-400. [https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200004].
  7. Mattos G, Camargo A, Sousa CA, Zeni ALB. Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: percepção dos profissionais. Ciênc Saúde Colet. 2018; 23(11): 3735- 3744. [https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.23572016].
  8. Vidal, ÍAF, Ratts, NP., Quieroz FB., Alves, ABC, Silva RER. Percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família no município de Crato-CE sobre fitoterapia. Saúde Redes, 2019; 5 (2): 39-46. [https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200004].
  9. Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS). Protagonismo feminino na saúde: mulheres são a maioria nos serviços e na gestão do SUS. Publicado em 06 de março de 2020. [https://www.conasems.org.br/o-protagonismo-feminino-na-saude-mulheres-sao-a-maioria-nos-servicos-e-na-gestao-do-sus/].
  10. Schlatte RAC, Souza MR, Santana FR, Bertazzo, CJ, Alves D. Plantas medicinais e fitoterápicos: usos e práticas na Regional de Saúde da Estrada de Ferro. Cad Agroecol. Anais do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia. 2020; 15 (2). [https://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/4957/3071].
  11. Alencar BR, Santos. EC, Pires GB, Alencar TOS. Conhecimento dos agentes comunitários de saúde de um município baiano sobre plantas medicinais. Rev Eletr Ext. 2019; 16(34): 66-84. [https://doi.org/10.5007/1807-0221.2019v16n34p66].
  12. Goés, ACC, Silva LSL, Castro NJC. Uso de plantas medicinais e fitoterápicos: saberes e atos na Atenção Primária à Saúde. Rev Aten Saúde. 2019; 17(59) 53-61. [https://doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5785].
  13. Cruz PLB, Sampaio SF. As práticas terapêuticas não convencionais nos serviços de saúde: revisão integrativa. Rev APS. 2016; 19(3): 483-494. [https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15685].
  14. Silva ASP, Feitosa ST. Revisão sistemática evidencia ausência de estudos observacionais, objetivando o conhecimento da política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Rev Ciênc Saúde. 2018; 30(1): 98-104. [https://doi.org/10.14295/vittalle.v30i1.7490].
  15. Brasil. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde, 2017. [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html].
  16. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC: atitude de ampliação de acesso. Brasília: Ministério da Saúde. 2008. [https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf ].
  17. Nascimento Júnior BJ, Tínel LO, Silva ES, Rodrigues LA. Freitas TON, Nunes XP. Avaliação do conhecimento e percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família sobre o uso de plantas medicinais e fitoterapia em Petrolina-PE. Rev Bras Pl Med. 2016; 18(1): 57-66. [https://doi.org/10.1590/1983-084X/15_031].
  18. Oliveira, AFP, Costa ICP, Andrade CG, Santos KFO, Anízio KBF, Brito FM. Fitoterapia na atenção básica: estudo com profissionais enfermeiros. Rev Pesq Cuid Fund Online. 2017; 9(2): 480-487. [https://doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i2.480-487].
  19. Barreto BB, Vieira RCPA. Percepção dos profissionais de saúde sobre a inserção da fitoterapia na atenção primária à saúde. Revista APS. 2015; 18(2): 191-198. [https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15404/8109].
  20. Sá KM, Lima AS, Bandeira MAM, Andriola WB, Nojosa RT. Avaliando o impacto da política brasileira de plantas medicinais e fitoterápicos na formação superior da área de saúde. Rev Ibero-Amer Est Educ. 2018; 13(3): 1106-1131. [https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n3.2018.11160].
  21. Bertarello Zeni AL, Mattos G, Santa Helena ET, Parisotto AV. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2017; 22(8): 2703-2712. [https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.18892015].
  22. Mendes VA, Stocco P, Lara AC, Oliveira CM, Lisboa HCF. Avaliação do uso de produtos naturais na prática do profissional de saúde. Rev Saúde (Santa Maria). 2018; 44(1): 1-7. [https://doi.org/20OI:2010.5902/2236583419092].
  23. Araújo WRM, Silva RV, Barros CS, Amaral FMM. Inserção da fitoterapia em unidades de saúde da família de São Luís, Maranhão: realidade, desafios e estratégias. Rev Bras Med Fam Com. 2014; 9(32): 258-263. [http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)789].

Downloads

Não há dados estatísticos.