Utilização da fitoterapia para redução da ansiedade frente a pandemia por SARS-COV-2

Silva, F T d M;
Ferreira, D;
Santana, G d B;
Santos, K M G;
França, , E. F. G. d.

Flávia Thays de Moura Silva

Centro Universitário UniFavip, Rua Gumercindo Pereira dos Santos, 222, Indianópolis, CEP 55016-410, Caruaru, PE, Brasil.

 

Ensino Médio (2015). Atualmente é discente do curso superior de Enfermagem.

Débora Ferreira

Centro Universitário UniFavip, Rua Gumercindo Pereira dos Santos, 222, Indianópolis, CEP 55016-410, Caruaru, PE, Brasil

https://orcid.org/0000-0002-2910-9005

Possui graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário Vale do Ipojuca. Pós Graduanda em Cuidados Paliativos e Terapia da Dor pelo Grupo Educacional UNIFAVENI.

Gabryelle de Barros Santana

Centro Universitário UniFavip, Rua Gumercindo Pereira dos Santos, 222, Indianópolis, CEP 55016-410, Caruaru, PE, Brasil

https://orcid.org/0000-0003-4478-9552

Graduanda do curso de enfermagem do Centro Univeristário Vale do Ipojuca. Tem experiência na área de Enfermagem.

Káren Mickaely Gonçalves Santos

Centro Universitário UniFavip, Rua Gumercindo Pereira dos Santos, 222, Indianópolis, CEP 55016-410, Caruaru, PE, Brasil

https://orcid.org/0000-0002-2694-3854

Ensino médio pela Erem. Dr. Alexandrino da Rocha(2016). Tem experiência na área de Enfermagem.

Emmily Fabiana Galindo de França

Centro Universitário UniFavip, Rua Gumercindo Pereira dos Santos, 222, Indianópolis, CEP 55016-410, Caruaru, PE, Brasil

https://orcid.org/0000-0002-6917-2666

Possui Bacharelado em Enfermagem pelo Centro Universitário do Vale do Ipojuca - UNIFAVIP/DEVRY. Atualmente faz Mestrado em Saúde Coletiva pela UFPE e formação em Terapias Holísticas. Foi Residente do Programa Multiprofissional em Saúde Coletiva pela SESAU - Recife. Especialista em Saúde da Família. Possui interesse pelas temáticas voltadas para a área da Saúde Coletiva, Atenção Primária em Saúde, Saúde Mental, Vigilância em Saúde: Epidemiológica e do Trabalhador. 


Palavras-chave

Phytotherapy
Medicinal plants
Anxiety
Psychological distress
Fitoterapia. Plantas Medicinales. Ansiedad. Trastorno sicologico.
Fitoterapia
Plantas medicinais
Ansiedade
Estresse emocional

Resumo

Em virtude da pandemia pela Covid-19 nos últimos anos, notou-se um grande número de pessoas que apresentam altos níveis de ansiedade e transtornos mentais, por se encontrarem reclusas em suas residências devido ao perigo de infecção e letalidade do vírus. Neste sentido, a Fitoterapia pode ser aliada no tratamento e na redução do estresse, devido sua fácil aplicação e variedade de plantas medicinais com efeito calmante no território brasileiro. O estudo teve por objetivo observar a partir da revisão das plantas medicinais, sua aplicação, bem como os benefícios que tem em sua composição, os princípios ativos benéficos para redução de estresse e ansiedade. Para o desempenho deste estudo, foi elaborada uma revisão bibliográfica do tipo integrativa, sendo selecionados 10 artigos conforme aplicação da Prática Baseada em Evidências (PBE) em Enfermagem. Por meio desse estudo, foi possível identificar as principais Plantas Medicinais com efeito calmante, facilmente encontrada no País, devido à vasta extensão territorial e a rica diversidade na Flora brasileira. Com suas propriedades ansiolíticas, estas plantas são eficazes para controle dos sinais e sintomas da ansiedade, além do custo benefício acessível à população e fácil manipulação, visando à melhoria da qualidade de vida satisfatória dos aderentes à prática.


Referências

  1. Bezerra DRC, Paulino ET, Santo FHE. Uso das Práticas Integrativas e Complementares no período de isolamento social da COVID-19 no Brasil. Res Soc Develop. 2020; 9(11): e1329119718. [https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9718].
  2. Barros MBA, Lima MG, Malta DC, Szwarcwald CL, Azevedo RCS, Romero D et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de COVID-19. Epidemiol Serv Saúde. 2020; 29(4): e2020427. [https://doi.org/10.1590/S1679-49742020000400018].
  3. Dacal MPO, Silva IS. Impactos das práticas integrativas e complementares na saúde de pacientes crônicos. Saúde Deb. 2018; 42(118): 724-735. ISSN 2358-2898. [https://doi.org/10.1590/0103-1104201811815].
  4. Oliveira VB, Mezzomo TR, Moraes EF. Conhecimento e uso de plantas medicinais por usuários de unidades básicas de saúde na região de Colombo, PR. Rev Bras Ciênc Saúde. 2018; 22(1): 57-64. ISSN 2317-6032. [https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2018v22n1.30038] [https://periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/view/30038].
  5. Júnior JNBS, Guedes HCS, Silva VCL, Ferreira MGN, Santos AF, Madruga MDD. A enfermagem e a utilização de plantas medicinais no âmbito da atenção básica. Rev Ciênc Saúde Nova Esp. 2017; 15(3): 61-68. [https://doi.org/10.17695/revcsnevol15n3p61-68].
  6. Brooks SK, Webster RK, Smith LE, Woodland L, Wessely S, Greenberg N et al. The psychological impact of quarantine and how to reduce it: rapid review of the evidence. The Lancet. 2020; 395(10227): 912-920. [https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30460-8].
  7. Oliveira LM, Menezes Filho ACP, Porfiro CA. Uso da Passiflora incarnata L. no tratamento alternativo do transtorno de ansiedade generalizada. Pesq Soc Desenv. 2020; 9(11): e2349119487-e2349119487. [https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9487] [https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9487].
  8. Anais do I Congresso Nacional de Envelhecimento Humano; 2016; Campina Grande (PB), Brasil. [https://www.editorarealize.com.br/artigo/visualizar/24667].
  9. Brasil, Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. 2ª ed. Brasília, DF, 2015.
  10. Faro A, Bahiano MA, Nakano TC, Reis C, Silva BFP, Vitti LS. COVID-19 e saúde mental: a emergência do cuidado. Est Psicol. 2020; 37. [https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200074].
  11. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8: 102-106. [https://doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134].
  12. Silva ELP, Soares JCF, Machado MJ, Reis IMA, Cova SC. Avaliação do perfil de produção de fitoterápicos para o tratamento de ansiedade e depressão pelas indústrias farmacêuticas brasileiras. Braz J Develop. 2020; 6(1): 3119-3135. [https://doi.org/10.34117/bjd.v6i1.6253.g5544].
  13. Carvalho LG, Leite SC, Costa DAF. Principais fitoterápicos e demais medicamentos utilizados no tratamento de ansiedade e depressão. Rev Casos Consult. 2021; 12(1): e25178-e25178. ISSN 2237-7417. [https://periodicos.ufrn.br/casoseconsultoria/article/view/25178].
  14. Sousa RF, Oliveira YR, Calou IBF. Ansiedade: aspectos gerais e tratamento com enfoque nas plantas com potencial ansiolítico. Rev Revinter. 2018; 11: 33-54. [http://autores.revistarevinter.com.br/
  15. index.php?journal=toxicologia&page=article&op=view&path%5B%5D=327].
  16. He X, Luan F, Yang Y, Wang Z, Zhao Z, Fang J et al. Passiflora edulis: uma visão das pesquisas atuais em fitoquímica e farmacologia. Front Farmacol. 2020; 11: 617. [https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fphar.2020.00617/full].
  17. Bortoluzzi MM, Schmitt V, Mazur CE. Efeito fitoterápico de plantas medicinais sobre a ansiedade: uma breve revisão. Res Soc Develop. 2020; 9(2): 47. ISSN-e 2525-3409. [https://doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1504].
  18. Santos RDS, Silva SDS, Vasconcelos TCL. Aplicação de plantas medicinais no tratamento da ansiedade: uma revisão da literatura. Braz J Develop. 2021; 7(5): 52060-52074. [https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.30316].
  19. Rocha ACB, Myva LMM, Almeida SG. The role of food in the treatment of anxiety and depression disorders. Res Soc Develop. 2020; 9: e724997890-e724997890. [https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7890].
  20. Costa CARA, Kohn OD, Lima VM, Gargano AC, Flório JC, Costa M. The GABAergic system contributes to the anxiolytic-like effect of essential oil from Cymbopogon citratus (lemongrass). J Ethnopharmacol. 2011; 137: 828-836. [https://doi.org/10.1016/j.jep.2011.07.003] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21767622/].
  21. Sousa RF, Oliveira YR, Calou IBF. Ansiedade: aspectos gerais e tratamento com enfoque nas plantas com potencial ansiolítico. Rev Revinter. 2018; 11: 33-54. [https://doi.org/10.22280/revintervol11ed1.327].
  22. Borges NB, Salvi JO, Silva FC. Características farmacológicas dos fitoterápicos no tratamento de transtornos depressivos e de ansiedade: Hypericum perforatum Lineaus e Piper methysticum Georg Forster no tratamento de transtornos depressivos e ansiedade. Braz J Surg Clin Res. 2019; 3: 8-87. ISSN 2317-4404. [https://www.mastereditora.com.br/periodico/20190805_073948.pdf].
  23. Botelho RM, Oliveira LS, Andrade LG. Estudo da utilização popular da espécie medicinal Erythrina mulungu Mart. Ex Benth no transtorno da ansiedade. Rev Ibero-Amer Human Ciênc Educ. 2021; 7: 1331-1345. [https://doi.org/10.51891/rease.v7i10.2666].
  24. Caminha FF, Vieira TR. Medicamentos fitoterápicos para saúde mental. Uberaba-MG. Uberaba. 2020. Trabalho de conclusão Curso [Graduação em farmácia]. Universidade de Uberaba, Uberaba, MG. [http://dspace.uniube.br:8080/jspui/handle/123456789/1563].
  25. Dias ECM, Trevisan DD, Nagai SC, Ramos NA, Silva EM. Uso de fitoterápicos e potenciais riscos de interações medicamentosas: reflexões para prática segura. Rev Baiana Saúde Públ. 2017; 41: 297-307. [https://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2306].
  26. Vargas ECA, Teixeira ER, Werneck YCS, Arantes DG. Uso de plantas com fins terapêuticos por usuários de uma unidade pré-hospitalar pública de Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil. Rev Pesq Cuid é Fund. 2019; 11: 1129-1134. [https://ciberindex.com/index.php/ps/article/view/P11291134].

Downloads

Não há dados estatísticos.