Identification of larvicidal activity of medicinal plants against Aedes aegypti (Diptera: Culicidae)

Ellen Caroline Nobre Santos
OrcID
Taynara Lopes de Araújo
OrcID
Andson Amorim Lima
OrcID
Polinar Bandeira Rufino
OrcID
Marcos Antônio de Oliveira Souza
OrcID
Genilda de Andrade Barbosa
OrcID
Jorgiane de Araújo Freitas
OrcID
Janis Lunier de Souza
OrcID
Pedro Junior Pinheiro Mourão
OrcID
Ricardo da Costa Rocha
OrcID
Emmerson Côrrea Brasil da Costa
OrcID

    Ellen Caroline Nobre Santos

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-1467-1919

    Formada em Biomedicina pela Faculdade Barão de Rio Branco em 2017, realizei meu mestrado em Ciência, Inovação e Tecnologia na Universidade Federal do Acre. Durante essa etapa, concentrei meu trabalho na pesquisa de atividade larvicida em extratos etanólicos de plantas cultivadas na Amazônia Ocidental contra o Aedes aegypti. Atualmente, estou matriculada no programa de doutorado em Bioquímica e Imunologia da Universidade Federal de Minas Gerais, onde minha pesquisa se concentra na imunologia de invertebrados, com ênfase na via de pequenos RNAs interferentes (siRNA) em resposta à infecção por arbovírus.

    Taynara Lopes de Araújo

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-0063-4981

    Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Acre (UFAC). Foi aluna de iniciação científica e possui experiência com a docência através da Residência Pedagógica e do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). 

    Andson Amorim Lima

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0001-6770-2793

    Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Acre (UFAC).

    Polinar Bandeira Rufino

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-3711-9481

    Formação acadêmica em Biomedicina e Ciências Biológicas pelo Centro Universitário - UNIMETA e Centro Universitário Leonardo da Vinci -UNIASSELVI, Rio Branco - AC, respectivamente. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde na Amazônia Ocidental, com ênfase em Genética Molecular pela Universidade Federal do Acre, Brasil. Especialista em Diagnóstico Molecular e Sorológico em Análises Clínicas, pelo Centro Universitário - UNINORTE, e Educação Especial Inclusiva, Coordenação pedagógica e Administração escolar, supervisão e orientação, pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci -UNIASSELVI, Rio Branco - AC. Trabalhou como Bolsista PIBIC - FAPAC/PIBIC, no período de 2 anos, na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), atuando no Laboratório de Morfogênese e Biologia Molecular; e Diretora da Atenção Primária na Secretária de Saúde e Saneamento Básico, no município de Plácido de Castro, no período de 6 meses. Atualmente, docente de Ciências e Física, pela Secretária de Educação do Acre (SEE).

    Marcos Antônio de Oliveira Souza

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-1450-6489

    Atualmente aluno de graduação plena do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Acre (UFAC), com participação no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência e experiência no Laboratório de Citogenética e Genética Molecular, além de ser membro participante do referido laboratório. Aluno de Iniciação Científica na área de Genética. Voluntário na Reserva extrativista Cazumbá-Iracema.

    Genilda de Andrade Barbosa

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-4550-4689

    Atualmente Doutoranda do PPG em Saude Coletiva- UFAC, formação em Biomedicina pelo Centro Universitario Uninorte Rio Branco, Educação Física Bacharel e licenciatura pela universidade Federal do Acre UFAC; Especialista em Anatomo/fisiologia e Fundamenta Bioquímica, Professora Ma. do Centro Universitario Uninorte e da Secretaria de Educação do Estado do Acre, Registrada no conselho Regional de Educação Física Bacharel/ licenciatura Nº625-G/Ac. Experiencia e Campo de Atuação: Professora Ma. do Centro Universitario Uninorte Disciplinas Estagio Supervisionado e Bioquimica Clinica nos cursos de Biomedicina e Farmacia.

    Jorgiane de Araújo Freitas

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-2892-6716

    Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Acre (2014) e graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Acre (2009). Créditos de mestrado cursados- Ciência, Inovação e Tecnologia para a Amazônia. Universidade Federal do Acre.2017 a 2019. Especialista em Docência na Educação Profissional, Técnica e Tecnológica. Instituto Federal de Goiás. 2021 a 2023. Cursando Especialização em Saúde da Mulher. Faculdade Venda Nova do Imigrante - FAVENI. 2023. Atualmente atua como professora - Colégio Boas Novas. Goiânia. 

    Janis Lunier de Souza

    Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-8836-9456

    Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal do Acre(2001) e curso-tecnico-profissionalizante em Técnico de Nível Médio em Vigilância em Saúde pelo Instituto Estadual de Desenvolvimento da Educação Profissional Dom Moacyr(2013). Atualmente é Agente de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco. Tem experiência na área de Parasitologia, com ênfase em Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores.

    Pedro Junior Pinheiro Mourão

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0003-0683-2484

    Doutor em Genética pelo Programa de Pós-Graduação em Genética da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2022) com enfoque em agentes reativadores do HIV-1. Mestre em Ciências pelo programa de pós-graduação em Ciência, Inovação e Tecnologia (CITA) da Universidade Federal do Acre (2018) com enfoque na área de Genética Molecular. Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Acre (2015). Atuou nas áreas de Virologia Molecular com enfoque em trabalhos com atividade antiviral de produtos naturais contra vírus HIV, Dengue, Zika e Chikungunya. Atualmente atua como pós-doc no Laboratório de Virologia Molecular (LVM-UFRJ) trabalhando na investigação de melhorias para utilização do ZIKV como vírus oncolítico para tratamento de glioblastoma. Também desenvolve projetos parceiros com enfoque na caracterização dos vírus Oropouche e Mayaro.

    Ricardo da Costa Rocha

    Universidade Federal do Acre

    OrcID https://orcid.org/0000-0003-1320-7935

    Possui graduação em Bacharelado e em Licenciatura em Ciências Sociais, Mestrado em Ciência Política pela UFF - Universidade Federal Fluminense e Doutorado em Serviço Social (Área: Política Social e Trabalho) pela UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Cursou a Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em História da África e dos Negros do Brasil da UCAM - Universidade Cândido Mendes. Trabalhou como professor, pesquisador e assessor técnico na Prefeitura Municipal de Macaé (2004-2008). Exerceu a função de professor substituto, em diversas disciplinas, na Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998-1999), na Faculdade de Direito da UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1999) e na Faculdade de Serviço Social do Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional - ESR, em Campos dos Goytacazes, RJ, da UFF - Universidade Federal Fluminense (2007-2008). Foi professor de Sociologia na Escola Técnica Estadual República, da rede FAETEC - Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro, entre 1999 e 2008. É professor de Sociologia do IFRJ - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - Campus Arraial do Cabo desde fevereiro de 2020. Antes, lecionou a mesma disciplina no IFRJ - Campus São Gonçalo (2009-2019), onde é docente desde 2011 da Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Ensino de Histórias e Culturas Africanas e Afro-brasileiras, ocupando também a coordenação do curso (2018-2020). Coordena desde 2017 o Grupo de Estudos e Pesquisas Educação, Culturas e Decolonialidade (GEPECD), sendo líder, junto ao CNPq, do Grupo de Pesquisa Culturas e Decolonialidade, reconhecido e registrado institucionalmente pelo IFRJ. É um dos fundadores da ABECS - Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais, onde foi membro do Conselho Fiscal por dois mandatos (2016-2020). 

    Emmerson Côrrea Brasil da Costa

    Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

    OrcID https://orcid.org/0000-0002-1467-1919

    Possui graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica (Biomedicina) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2002), mestrado em Ciências Biológicas (Genética) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005) e doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2009). Realizou o pós-doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012) na área de cinética enzimática e atuou como professor adjunto do Centro de Ciências da Saúde e Desporto da Universidade Federal do Acre (2014-2021). Atualmente é professor adjunto do Departamento de Genética e Biologia Molecular da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2022) e tem experiência na área de genética molecular atuando principalmente nos seguintes temas: genética do câncer, polimorfismo, purificação de proteína heterólogas, cinética enzimática, clonagem molecular, diagnóstico molecular de arboviroses, biologia molecular e estrutural.


Palavras-chave

Aedes
Plants
Insecticides
Biochemistry
Arbovirus infections

Resumo

Aedes aegypti is the main transmitter of several arboviruses, such as dengue, the world's most widespread arbovirus. The main method of controlling arbovirus transmission is through vector control, using insecticides. But its continuous, cases of resistance occur. Thus, research is seeking new botanical insecticide alternatives, because have multiple active compounds can be applied on the vector, contributing to the control of arbovirus transmission. The aim of this study is to identify plants cultivated in the Western Amazon, which have larvicidal activity against A. aegypti. Ethanolic extracts from ten plants were obtained to verify the larvicidal biopotential against third instar larvae of A. aegypti. The promising ethanolic extracts was Fridericia chica, which was submitted to liquid-liquid partition for larvicidal activity evaluation and phytochemical analysis. Among the partitions analyzed, the aqueous partition of F. chica showed larvicidal biopotential against A. aegypti, being the first report in the literature of its larvicidal activity. In the phytochemical prospection of the aqueous partition of F. chica, we observed the presence of catechins, condensed tannins and the flavone group, flavonols and xanthones. These groups of metabolites have been reported in the literature as larvicidal agents.

Referências

  1. Rufino BP, Santos ECN, Maggi EL, Costa ECB. Mayaro Virus: an Emerging Arbovirosis in Brazil? Multidiscip Sci Reports. 2022; 2: 1–24. [https://doi.org/10.54038/ms.v2i2.19].
  2. Souza-Neto JA, Powell JR, Bonizzoni M. Aedes aegypti vector competence studies: a review. Infect Genet Evol. 2019; 67: 191–209. [https://doi.org/10.1016/j.meegid.2018.11.009].
  3. Santos ECN, Barbosa GA, Rufino PB, Lima AA, Araújo TL, Costa ECB. Zika Vírus: dos aspectos epidemiológicos ao tratamento. In: Saúde da criança e adolescente: epidemiologia, doenças infecciosas e parasitárias. 2019. p. 88–106. [https://doi.org/10.35170/ss.ed.9786580261109.06].
  4. Leta S, Beyene TJ, Clercq EM De, Amenu K, Revie CW, Kraemer MUG. Global risk mapping for major diseases transmitted by Aedes aegypti and Aedes albopictus. Int J Infect Dis. 2018; 67: 25–35. [https://doi.org/10.1016/j.ijid.2017.11.026].
  5. Patterson J, Sammon M, Garg M. Dengue, Zika and Chikungunya: emerging arboviruses in the new world. West J Emerg Med. 2016; 17: 671–9. [https://doi.org/10.5811/westjem.2016.9.30904].
  6. Rückert C, Weger-Lucarelli J, Garcia-Luna SM, Young MC, Byas AD, Murrieta RA et al. Impact of simultaneous exposure to arboviruses on infection and transmission by Aedes aegypti mosquitoes. Nat Commun. 2017; 8. [https://doi.org/10.1038/ncomms15412].
  7. Siqueira JB, Martelli CMT, Coelho GE, Simplício ACR, Hatch DL. Dengue and dengue hemorrhagic fever, Brazil, 1981-2002. Emerg Infect Dis. 2005; 11: 48–53. [https://doi.org/10.3201/eid1101.031091].
  8. Mlakar J, Korva M, Tul N, Popović M, Poljšak-Prijatelj M, Mraz J et al. Zika Virus Associated with Microcephaly. N Engl J Med. 2016; 374: 951–8. [https://doi.org/10.1056/NEJMoa1600651].
  9. Schuler-Faccini L, Ribeiro EM, Feitosa IML, Horovitz DDG, Cavalcanti DP, Pessoa A et al. Possible Association Between Zika Virus Infection and Microcephaly — Brazil, 2015. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2016; 65: 1–4. [https://doi.org/10.15585/mmwr.mm6503e2er].
  10. Brasil P, Sequeira PC, Freitas ADA, Zogbi HE, Calvet GA, Souza RV et al. Guillain-Barré syndrome associated with Zika virus infection. Lancet [Internet]. 2016; 387: 1482. Available from: [https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)30058-7].
  11. Cao-Lormeau VM, Blake A, Mons S, Lastère S, Roche C, Vanhomwegen J et al. Guillain-Barré Syndrome outbreak associated with Zika virus infection in French Polynesia: A case-control study. Lancet. 2016; 387: 1531–9. [https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)00562-6].
  12. Sales GMPG, Barbosa ICP, Neta LMSC, Melo PL, Leitão RA, Melo HMA. Treatment of Chikungunya chronic arthritis: a systematic review. Rev Assoc Med Bras. 2018; 64: 63–70. [https://doi.org/10.1590/1806-9282.64.01.63].
  13. Schilte C, Staikovsky F, Couderc T, Madec Y, Carpentier F, Kassab S et al. Chikungunya Virus-associated Long-term Arthralgia: A 36-month Prospective Longitudinal Study. PLoS Negl Trop Dis. 2013; 7 (3):e2137. [https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0002137] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23556021/] .
  14. Yang Y, Meng Y, Halloran ME, Longini IM. Dependency of Vaccine Efficacy on Preexposure and Age: A Closer Look at a Tetravalent Dengue Vaccine. Clin Infect Dis. 2018; 66: 178–84. [https://doi.org/10.1093/cid/cix766].
  15. White LJ, Young EF, Stoops MJ, Henein SR, Adams EC, Baric RS et al. Defining levels of dengue virus serotype-specific neutralizing antibodies induced by a live attenuated tetravalent dengue vaccine (Tak-003). PLoS Negl Trop Dis [Internet]. 2021; 15: 1–15. Available from: [http://dx.doi.org/10.1371/journal.pntd.0009258].
  16. Carvalho FD, Moreira LA. Why is Aedes aegypti Linnaeus so Successful as a Species? Neotrop Entomol. 2017; 46: 243–55.[https://doi.org/10.1007/s13744-017-0520-4].
  17. Rodríguez MM, Bisset JA, Fernández D. Levels of insecticide resistance and resistance mechanisms in Aedes aegypti from some Latin American countries. J Am Mosq Control Assoc. 2007; 23: 420–9. [https://doi.org/10.2987/5588.1].
  18. Carvalho MSL, Caldas ED, Degallier N, Vilarinhos PTR, Souza LCKR, Yoshizawa MAC et al. Susceptibility of Aedes aegypti larvae to the insecticide temephos in the Federal District, Brazil. Rev Saude Pública. 2004; 38: 623–9. [https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000500002].
  19. Da-Cunha MP, Lima JBP, Brogdon WG, Moya GE, Valle D. Monitoring of resistance to the pyrethroid cypermethrin in Brazilian Aedes aegypti (Diptera Culicid. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2005; 100: 441–4. [https://doi.org/10.1590/S0074-02762005000400017].
  20. Braga IA, Lima JBP, Soares SS, Valle D. Aedes aegypti resistance to temephos during 2001 in several municipalities in the states of Rio de Janeiro, Sergipe, and Alagoas, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2004; 99: 199–203. [https://doi.org/10.1590/S0074-02762004000200015].
  21. Moyes CL, Vontas J, Martins AJ, Ng LC, Koou SY, Dusfour I et al. Contemporary status of insecticide resistance in the major Aedes vectors of arboviruses infecting humans. PLoS Negl Trop Dis. 2017; 11: e0005625. [https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0005625].
  22. De Araújo AP, Paiva MHS, Cabral AM, Cavalcanti AEHD, Pessoa LFF, Diniz DFA et al. Screening Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) Populations from Pernambuco, Brazil for Resistance to Temephos, Diflubenzuron, and Cypermethrin and Characterization of Potential Resistance Mechanisms. J Insect Sci. 2019; 19: 1–15. [https://doi.org/10.1093/jisesa/iez054].
  23. Ciccia G, Coussio J, Mongelli E. Insecticidal activity against Aedes aegypti larvae of some medicinal South American plants. J Ethnopharmacol. 2000; 72: 185–9. [https://doi.org/10.1016/S0378-8741(00)00241-5].
  24. Pohlit AM, Quinard ELJ, Nunomura SM, Tadei WP, Hidalgo AF, Pinto ACS et al. Screening of plants found in the State of Amazonas, Brazil for activity against Aedes aegypti larvae. Acta Amaz. 2004; 34: 97–105. [https://doi.org/10.1590/S0044-59672004000100012].
  25. Omena MC, Navarro DMAF, Paula JE, Luna JS, Lima MRF, Sant’Ana AEG. Larvicidal activities against Aedes aegypti of some Brazilian medicinal plants. Bioresour Technol. 2007; 98(13): 2549–56. [https://doi.org/10.1016/j.biortech.2006.09.040].
  26. Ghosh A, Chowdhury N, Chandra G. Plant extracts as potential mosquito larvicides. Indian J Med Res. 2012; 135(5): 581–98. PMCID: PMC3401688. PMID: 22771587. [https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3401688/].
  27. Rodrigues AM, Sampaio CG, Souza JSN, Campos AR, Silva ABR, Morais SM et al. Different susceptibilities of Aedes aegypti and Aedes albopictus larvae to plant-derived products. Rev Soc Bras Med Trop. 2019; 52. [https://doi.org/10.1590/0037-8682-0197-2018].
  28. Araújo IF, Araújo PHF, Ferreira RMA, Sena IDS, Lima AL, Carvalho JCT et al. Larvicidal effect of hidroethanolic extract from the leaves of Acmella oleracea L. R. K. Jansen in Aedes aegypti and Culex quinquefasciatus. South African J Bot. 2018; 117: 134–40. [https://doi.org/10.1016/j.sajb.2018.05.008].
  29. Anunciação SCM. Ovitrampa sem acúmulo de água: metodologia segura para coleta de ovos de Aedes? Rio de Janeiro, 2017. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso, Especialização em Entomologia Médica [Programa de Pós-Graduação em Entomologia Médica] - Instituto Oswaldo Cruz. Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 2017. [https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34796].
  30. Consoli RAGB, Oliveira RL. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Editora Fiocruz. Rio de Janeiro; 1994. 228 p. [https://doi.org/10.7476/9788575412909].
  31. Costa-da-Silva AL, Navarrete FR, Salvador FS, Karina-Costa M, Ioshino RS, Azevedo DS et al. Glytube: A Conical Tube and Parafilm M-Based Method as a Simplified Device to Artificially Blood-Feed the Dengue Vector Mosquito, Aedes aegypti. PLoS One. 2013; 8: e53816. [https://doi.org/10.1371/journal.pone.0053816].
  32. World Health Organization. Guidelines for laboratory and field testing of mosquito larvicides. World Heal Organ. 2005; 1–41. [https://www.who.int/publications/i/item/WHO-CDS-WHOPES-GCDPP-2005.13].
  33. Vidal J, Carbajal A, Sisniegas M, Bobadilla M. Efecto tóxico de Argemone subfusiformis Ownb. y Tagetes patula Link sobre larvas del IV estadio y pupas de Aedes aegypti L. Rev Peru Biol. 2008; 15: 103–9. [https://doi.org/10.15381/rpb.v15i2.1733].
  34. Macêdo ME, Consoli RAGB, Grandi TSM, Anjos AMG, Oliveira AB, Mendes NM et al. Screening of Asteraceae (Compositae) Plant Extracts for Larvicidal Activity against Aedes fluviatilis (Diptera: Culicidae). Mem Inst Oswaldo Cruz. 1997; 92: 565–70. [https://doi.org/10.1590/S0074-02761997000400024].
  35. Matos JFA. Introdução à Fitoquímica Experimental. 3ª ed. Fortaleza: Editora UFC; 2009. 150 p.
  36. Rahuman AA, Gopalakrishnan G, Venkatesan P, Geetha K. Larvicidal activity of some Euphorbiaceae plant extracts against Aedes aegypti and Culex quinquefasciatus (Diptera: Culicidae). Parasitol Res. 2008; 102: 867–73. [https://doi.org/10.1007/s00436-007-0839-6].
  37. Musau J, Mbaria J, Nguta J, Mathiu M, Kiama S. Phytochemical composition and larvicidal properties of plants used for mosquito control in Kwale County, Kenya. Int J Mosq Res. 2016; 3: 12–7. [http://erepository.uonbi.ac.ke/handle/11295/100694].
  38. Pandey A, Tripathi S. Concept of standardization, extraction and pre phytochemical screening strategies for herbal drug. J Pharmacogn Phytochem. 2014; 2(5): 115–9. E-ISSN: 2278-4136. [https://www.phytojournal.com/archives/2014.v2.i5.255/concept-of-standardization-extraction-and-pre-phytochemical-screening-strategies-for-herbal-drug].
  39. Violante IMP, Carollo CA, Silva LI, Oliveira AQC, Pardinho FC, Garcez WS et al. Cytotoxicity and antibacterial activity of scutellarein and carajurone-enriched fraction obtained from the hydroethanolic extract of the leaves of Fridericia chica (Bonpl.) L.G. Lohmann. Nat Prod Res. 2020; 1-7.[https://doi.org/10.1080/14786419.2020.1753050]
  40. Lima JCS, Oliveira RG, Silva VC, Sousa PT, Violante IMP, Macho A et al. Anti-inflammatory activity of 4′,6,7-trihydroxy-5-methoxyflavone from Fridericia chica (Bonpl.) L.G.Lohmann. Nat Prod Res. 2020; 34: 726–30. [https://doi.org/10.1080/14786419.2018.1495636].
  41. Generoso LA, Araujo PF, Cecílio AB. Avaliação do efeito do óleo essencial da Fridericia chica em diferentes fases de vida do mosquito Aedes aegypti. Rev Sinapse Múltipla. 2020; 9: 47–60. [https://periodicos.pucminas.br/index.php/sinapsemultipla/article/view/21107].
  42. Silva HHG, Silva IG, Santos RMG, Rodrigues Filho E, Elias CN. Larvicidal activity of tannins isolated of Magonia pubescens St. Hil. (Sapindaceae) against Aedes aegypti (Diptera, Culicidae). Rev Soc Bras Med Trop. 2004; 37: 396–9. [https://doi.org/10.1590/s0037-86822004000500005] [https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15361956/].
  43. Raihan SMA. Effect of Plant Flavonoids on Mosquito Larvae. Natl Univ J Sci. 2014; 1(2): 27–30. [chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://www.nu.ac.bd/uploads/2017/09/03.-EFFECT-OF-PLANT-FLAVONOIDS-ON-MOSQUITO-LARVAE.pdf].
  44. Elumalai D, Hemavathi M, Hemalatha P, Deepaa CV, Kaleena PK. Larvicidal activity of catechin isolated from Leucas aspera against Aedes aegypti, Anopheles stephensi, and Culex quinquefasciatus (Diptera: Culicidae). Parasitol Res. 2016; 115: 1203–12. [https://doi.org/10.1007/s00436-015-4856-6].

Autor(es)

Métricas

  • Artigo visto 42 vez(es)

Como Citar

1.
Identification of larvicidal activity of medicinal plants against Aedes aegypti (Diptera: Culicidae). Rev Fitos [Internet]. 24º de junho de 2024 [citado 14º de julho de 2024];18:e1619. Disponível em: https://revistafitos.far.fiocruz.br/index.php/revista-fitos/article/view/1619
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Revista Fitos

Informe um erro