Caracterização dendrológica de Cedrella fissilis Vell. (Meliaceae), na cidade de Uruçuca – BA

Nascimento, , L. S.

Lucenilton Silva Nascimento

Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), Rua Rivadávia Corrêa, 825 – Centro, Santana do Livramento – CEP - 97573-553, RS, Brasil.

https://orcid.org/0000-0001-6100-111X

Atuei como Encarregado Operacional, liderando e fiscalizando trabalho desenvolvido pela equipe de manutenção de áreas verdes. Trabalhei como técnico em agroindústria em empresa de polpas de frutas, coordenando produção e responsável por equipe de trabalho em linha de produção, por um ano. Durante a graduação, participei de projetos em sistemas agroflorestais biodiversos e cabruca; integrei o Núcleo de Estudos em Agroecologia - pelo IFBAIANO (campus Uruçuca), 2017. 


Palavras-chave

Floresta
Espécie
Preservação
Ecossistema
Pesquisa da Biodiversidade
Forest
Preservation
Ecosystem
Diversity

Resumo

O cedro é uma espécie que se comporta como secundária inicial ou secundária tardia. Ocorre tanto na floresta primária, principalmente nas bordas da mata ou clareiras, como na floresta secundária. Esse trabalho teve como objetivo fazer a caracterização dendrológica da Cedrella fissilis Vell. (Meliaceae) (Cedro), no município de Uruçuca-BA. A matinha é uma Reserva Ecológica, situada no Instituto Federal, Campus Uruçuca - BA. Esta reserva conta com uma grande diversidade de espécies florestais, contribuindo assim com a preservação dos recursos hídricos, cobertura do solo e serviços ecossistêmicos. Foram feitas as medidas de CAP (Circunferência Altura do Peito), isto é, utilizou-se uma fita diamétrica para medir a circunferência a altura do peito (1,30 m) para, posteriormente, calcular o DAP (Diâmetro Altura do Peito), onde o valor CAP será dividido por Pi (3,14), obtendo assim o Diâmetro Altura do Peito. Árvore com aproximadamente 12 m de altura, apresentando CAP 0,47 m e DAP 0,15 m. A Cedrella fissilis apresentou uma quantidade significante de serapilheira, raízes grossas e folhas. A copa é alta e em forma de corimbo, o que a torna muito típica.


Referências

  1. Morellato LPC. Estudo da fenologia de árvores, arbustos e lianas de uma floresta semidecídua no sudeste do Brasil. Campinas. 1991. 176 f. Tese de Doutorado [Instituto de Biologia] - Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas, SP, 1991. [https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFSC_239f82bfb31be81573c38739ba8e0d54/Details].
  2. Steinbach F, Longo AN. Lista preliminar das espécies da flora apícola nativa da Fazenda Faxinal. Rev Inst Florestal. 1992; 4(1): 347-349. Anais do 2º Congresso Nacional sobre Essências Nativas, São Paulo. [https://smastr16.blob.core.windows.net/iflorestal/ifref/RIF4-2/RIF4-2_347-349.pdf].
  3. Carvalho PER. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Brasília: Serviço de Produção de Informação: CNPF/Embrapa. 1994; 640p.
  4. Barretto SSB, Ferreira RA. Aspectos morfológicos de frutos, sementes, plântulas e mudas de leguminosae mimosoideae: Anadenanthera colubrina (vellozo) brenan e Enterolobium contortisiliquum (vellozo) morong. Rev Bras Sem. 2011; 33: 223-232. [https://doi.org/10.1590/S0101-31222011000200004].
  5. Amaro MS, Filho SM, Guimarães RM, Teófilo EM. Morfologia de frutos, sementes e de plântulas de Janaguba (Himatanthus drasticus (MART.) Plumel. (Apocynaceae). Rev Bras Sem. 2006; 28(1): 63-71. [https://doi.org/10.1590/S0101-31222006000100009].
  6. Lorenzi H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum. 1992; 352p.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)